Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

De Jardim para Azevedo, defendendo a Petrobrás; ou a veja é o retrato perfeito da falsa ideia de liberdade e democracia.

Por Redação

14 de janeiro de 2016 : 18h04

por Tadeu Porto, colunista do Cafezinho

Cá estou como um colunista macaco, pulando cada galho entreguista que a árvore da Abril apresenta no intuito de querer destruir a imagem da Petrobrás. Nessas épocas golpistas, a batalha da comunicação deve ser disputada como uma final de libertadores, não pode haver jogadas perdidas.

Eu, particularmente, discordo de quase tudo que o Reinaldo Azevedo fala (concordamos em algumas críticas ao Olavo). Tenho certa simpatia pelo nome dele, afinal torço para o Galo de corpo e alma, mas não passa disso.

Apesar da discordância, a priori, acho importante que ele escreva. Bom, eu o enxergo como um golpista que faz muito mal a democracia e também um conservador que pode fomentar ideias que geram discriminação, intolerância e violência e obviamente isso é ruim, mas censurá-lo seria ainda pior. O contra exemplo e as más ideias são inerentes do aprendizado, sendo assim, que Reinaldo escreve como se não houvesse amanhã.

Todavia, não podemos ignorar que, dentro de qualquer desejo de sabedoria advinda de um debate dialético, Azevedo não poderia ter acesso a mais ferramentas de comunicação do que aqueles que discordam dele, afinal, democracia pressupõe uma discussão justa e igualitária de reflexões, no mínimo.

Portanto, o ideal mesmo seria oferecer um espaço democrático para que ele se manifeste e depois apresentar os contrapontos num espaço semelhante, de maneira a ensinar as pessoas a lerem as b#stas que ele rola – créditos para Leornado Boff – de maneira crítica.

E aí mora uma complicação que o Brasil ignora há mais de século e que atrapalha, e muito, nesses momentos de crise e vale-tudo político: a não democratização das mídias.

Mas isso é assunto para aprofundar em outro momento. As considerações principais aqui serão acerca do vórtex da nossa crise atual: a Petrobrás.

Me admira, e muito, que parte a população se vire tão facilmente contra a instituição que é orgulho nacional. A estatal petrolífera brasileira é uma das grandes novidades do mercado de óleo e gás contemporâneo, com a descoberta de reservas em um ambiente extremamente hostil e, tão importante quanto, logra êxitos consideráveis na extração dessa commodity de maneira revolucionária, afinal, até década passada, no mundo do petróleo poucos países apresentaram uma novidade tão rentável quanto o pré-sal.

Mesmo assim, Reinaldo corre ao blogue dele para escrever um texto inteiro de difamação a Petrobrás, sem a menor preocupação em utilizar falácias para facilitar os caminhos às críticas irresponsáveis (confissão: eu imagino ele terminando um post e fazendo uma cara de triunfo estilo MC Melody quando faz um falsete).

Azevedo faz um argumento muito tosco – não surpreende – para associar uma crise mundial do petróleo, ao PT, pois o negócio dele parece ser disseminar o fascismo para cima do Partido dos Trabalhadores.

Claro, houve erros na gestão petista na Petrobrás. Eu mesmo fui defensor do congelamento dos preços dos derivados a priori, estava cansado de taxa de juros e câmbio para segurar a inflação e de ver a danada da ‘curva de phillips’ atuando e aumentando o desemprego, mas o fato é que com a crise do petróleo a companhia levou duas pancadas que dificultam suas ações.

É como o fiel escudeiro que entrou na frente de seu rei e recebeu uma flechada numa batalha, mas, logo em seguida, enfrenta uma luta ainda mais forte e tem que se virar mesmo com a ferida.

A geopolítica do petróleo em si criou um ambiente difícil de prever que chegaria num ponto tão caótico, assim, a luz da conjuntura do primeiro mandato da presidenta, as escolhas não foram nada absurdas. Vale ressaltar, por exemplo, que tivemos a menor taxa de desemprego da série histórica há menos de dois anos e isso é um fato impossível de ignorar.

O que o blogueiro da Veja faz é simplesmente pegar duas variáveis (inflação e preço de derivados) e tenta vender o apocalipse da maior produtora de óleo de capital aberto num cenário de uma adversidade complexa e imprevisível.

Consideremos um pouco mais de fatos:

  • Se hoje as dificuldades são culpa do governo, quando a industria naval saiu de dois mil para oitenta mil funcionários, a culpa era de quem?
  • O valor agregado da construção de navios que nos fez inovar e atuar no mercado de submarinos nucleares é culpa de quem?
  • O crescimento na participação do PIB por parte da Petrobrás que saiu de 3% para 13% (com dados do Ministério da Fazenda afirmando que a cada 1 bilhão tirado de investidos por ela acarretam em perdas de 2 bilhões de produto interno bruto), foi culpa de quem?
  • A descoberta do pré-sal, os recordes de produção, refino e perfuração, o aumento no quadro de funcionários e o sonho de um fundo social, Reinaldo, eu te pergunto: é culpa de quem?

Há argumentos de aparelhamento. Certo, realmente são relações obscuras que o Brasil tem o dever de passar a limpo. Inclusive relações entre bicheiros, senadores e editores de revista são esqueletos empoeirados no nosso closet moral. O que falta para mitigarmos esse mal é, na verdade, um debate honesto que envolveria, por exemplo, a responsabilidade de uma elite que vive a custos da exploração de pobres, coisa que a Veja, por exemplo, parece ignorar.

Ademais, chega a doer meu coração ler uma desinformação como a dada pelo RA de que a extração do barril de óleo no pré-sal valeria U$ 62,00. Uma pesquisa infantil no Google, do tipo “preço extração pré-sal”, desmente categoricamente o blogueiro. Se eu errasse feio assim, mesmo em textos pessoais do Facebook, ficaria em quarentena de meio ano para aprimorar meus conhecimentos.

Para finalizar, compartilho aqui mais uma certeza de erro na gestão recente da Petrobrás que escrevo sem medo algum de errar: as verbas de publicidade para mídias como a Veja. Essa distorção de investimentos na mídia cria uma falsa ilusão de democracia e liberdade – poucos jornalistas tem vozes na sociedade, concentrando opiniões e conhecimento – e colunistas como Azevedo, muito sabidos, ficam quietinhos publicando textos gozando de estruturas que muitas profissionais da comunicação não tem.

Tadeu Porto é Diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF)

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Euro Kleber

16 de janeiro de 2016 às 16h25

E que tal defender a Petrobras dos ladrões?

Responder

Andre Moreira

15 de janeiro de 2016 às 02h33

Não, é a xícara do Cafézinho! Kkkkk

Responder

Helio Eduardo Pinto Pinheiro

15 de janeiro de 2016 às 00h32

Zóia (veja)…. E seus servos, Serviçais do Conservadorismo, do Golpismo e CONTRA DEMOCRACIA!!! ISSO, deixa para os Caolhos Ideológicos!!!!

Responder

Messias Franca de Macedo

14 de janeiro de 2016 às 19h11

Um pouco sobre vazamentos e ‘vazamentos’!

… Vazamento de gás é um risco imensurável!
Vazamento de óleo no oceano é um perigo ao meio ambiente!
Vazamento de água, um desperdício abominável!
Vazamento de ‘pum’ num elevador, “um desastre”!
Vazamento num telhado, é pingueira, que perturba “pra Dedel”!
(…)
‘O vazamento’ dos nomes dos correntistas brasileiros do Suiçalão não deverá contar com a celeridade e diligência do PIG!
(…)
Mas, ‘os vazamentos [seletivos]’ “das delações que estão sob segredo de Justiça” no Petrolão dos golpistas… Aí, pode!
Pasme: a Ilegalidade ‘vazada’ nas barbas da Legalidade!
Tudo em nome do ‘golpe jurídico-midiático que se arrasta desde o antanho do Mentirão’!

14 de janeiro de 2016!
E até hoje ‘nois’ não sabemos, afinal, que país é esse!…

Responder

Marcos Portela

14 de janeiro de 2016 às 20h41

FIM DE JOGO, bem que os FASCISTAS tentaram DESTRUIR o PAÍS, mas com a FORÇA do POVO nas RUAS e com o RESULTADO que confirmou a vitória da DEMOCRACIA, mostrou ao POVO que nem todos os Ministros do STF são CORRUPTOS e que o “Ministro” GILMAR falhou na NEGOCIAÇÃO com seus colegas, na REDE GLOBO já davam a VITÓRIA do GOLPE como CERTA, anunciada com antecedência pelo MERVAL que seria um MASSACRE a VOTAÇÃO no STF, prepararam um SHOW de prêmios na DEMÔNIOS FEST do FAUSTÃO, com distribuição de troféus de MELHORES GOLPISTAS 2015, como a VEJA, que MODIFICOU a sua capa com o “Juiz” MORO sendo a PERSONALIDADE do ANO para ser o que SALVOU o ANO dos que NÃO foram PRESOS do DEM, PSDB e PMDB e ainda tiveram seus PROCESSOS ENGAVETADOS, uma grande CONSPIRAÇÃO e TRAIÇÃO denominada de “PATRIOTAS” para esconder os HIPÓCRITAS, também premiariam os aliados da IMPRENSA MONOPOLIZADA do PAÍS, o AÉCIO, o CUNHA, o GILMAR e o traíra TEMER, mesmo ESTANDO ENVOLVIDOS na INSTALAÇÃO do CAOS que ATACOU EMPRESAS que operavam e geravam EMPREGOS com várias OBRAS de INFRAESTRUTURA no PAÍS, clonaram e veicularam repetitivamente palavras de ordem na MÍDIA, como AMIGOS do LULA, CRISE, IMPEACHMENT, INFLAÇÃO… e também envolvidos em CRIMES de EXTORSÃO, TRÁFICO de COCAÍNA, SONEGAÇÃO, VENDA de SENTENÇAS e HABEAS CORPUS JUDICIAIS, que não vem ao caso para a SOCIEDADE ALIENADA pela MÍDIA, portanto se pretendem INICIAR um novo ATAQUE ao PAÍS, serão mais uma vez combatidos pelo POVÃO e em última instância pela intervenção MILITAR que tanto DESEJARAM.

Responder

Mauricio Gomes

14 de janeiro de 2016 às 18h24

Esse rola-bosta não merece resposta, pois trata-se de um idiota burro metido a intelectual que só encontra espaço para cagar suas “opiniões” na veja e em outras fossas similares. É completamente desequilibrado e um fascistão, mas ao ver um comunista bolivariano deve ficar sonhando em ser currado para berrar seus impropérios.

Responder

Joca de Ipanema

14 de janeiro de 2016 às 18h24

Sr. Tadeu, colunista macaco. (dixit vós mesmo). Censurar quem quer que seja, não é democrático. Mas o jornalismo como pressuposto, exige um mínimo de autocontrole. Caso não o haja, há que haver algo que o imponha, ou o sancione. Não se pode sair por aí assacando inverdades e ofendendo pessoas, pelo fato de terem opiniões divergentes. Não impunemente. E, infelizmente, é o que ocorre nesse país. As ações reparatórias, na nosso processo, tanto civil, como penal, ao fim das contas, acaba premiando o ofensor, tal a sua complexidade e tempo.

Responder

Deixe um comentário