Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Dia da Baiana de Acarajé

O acarajé, o sonho e o pó

Por Redação

23 de fevereiro de 2016 : 07h31

por Rogerio Dultra dos Santos, no Democracia e Conjuntura

No acarajé vai pimenta, vatapá e camarão. Pelo menos. Nos olhos dos outros a pimenta é sempre refresco. No acarajé é essencial. Não queira experimentar o acarajé quem não está acostumado aos temperos da Bahia. Dá indigestão. É igual a questionar eleição vencida. É como uma droga: depois do sabor e da euforia, pode vir a depressão e o caos. A emenda sai pior que o soneto.

É bom cuidar dos temperos, portanto. No vatapá, o leite de coco é abundante, mas o camarão é seco. A preparação é essencial. Afobação é a receita do fracasso. Se não tiver estudado, se não souber o andamento do processo, não invente. Vai ter sempre um baiano para dizer que você fez errado. E a vergonha não será alheia. Será sua.

Sonhar é mais fácil do que fazer um acarajé funcionar de acordo com as expectativas.

No começo, o sonho é doce. Existe o sonho da democracia e existe o sonho da ordem. O sonho democrático implica em pluralismo, aceitação das diferenças, ganhar e perder. O sonho da ordem são outros quinhentos. A ordem sonhada é só sua. Qualquer um outro é intruso. Enquanto no sonho da democracia todos podem participar, no sonho da ordem só quem pode meter a mão é você.

O sonho da ordem não é doce. As elites brasileiras não sonham com a democracia. Nem mesmo operam sob seus parâmetros. Têm um sonho próprio, cujo desejo revelado é a acumulação de status, de benesses e de capital. E este sonho que não se sonha junto tem caráter exclusivista: está todo mundo proibido de participar. É um sonho de poder e é privativo, do qual deriva uma ordem que exclui e marca uma diferença que se consagra por si.

Sonho que se sonha sozinho pode ser amargo. Não deixa de ser um sonho inebriante, que seduz alguns dos explorados, sob a promessa de que, tornados semelhantes temporários, sonhem virarem iguais em um dia perdido no firmamento. Mas um sonho que não se sonha junto é de difícil extração. Demanda muita violência, mídia paga, reportagens sem fim, uma justiça venal e uma articulação que pode enganar muitos por algum tempo, mas não a todos o tempo inteiro.

E quando o artifício se esgota, lá pela vigésima terceira vez que é utilizado, aparece o povo, em romaria.

Aparece o negro, o nordestino, retorna o acarajé, cobrando o experimento. Aparecem até as forças do candomblé e acusam a blasfêmia. E o sonho de um só é o destino de um só: se torna perdido em pensamento.

Na real, a universidade do interior não ajudou. Não permitiu, nele, concatenar direito e democracia, constituição e processo, acusação com prova. Ficou tudo confuso, desde o começo, naquela faculdade do caipira, naquela vida sem luz.

E com a cabeça afundada em nós, o pai peão com sede de poder, e mesmo sem saber orar, o filho pródigo veio mostrar o seu olhar, para a globo lhe dar a paz e a fama de seu sonho sonhado a só.

Mas, por mais que rezasse, e força tarefa fizesse, não vinha nada.

Ou melhor: vinha das minas geraes o pó. Mas o pó desfazia o sonho e o sonho se desfazia com o pó e com o acarajé. Então o pó era varrido para debaixo do tapete toda vez que se espalhava pelo ambiente. E o acarajé, mastigado sem dó, era expelido em golfadas pela polícia política descontrolada.

Até onde iria o sonho?

Que a democracia poderia se perder a custa de suas aventuras, não importava. Afinal, o sonho se sonhava só. Sem povo, sem voto, sem jurisdição.

Até onde ir? Era a pergunta que, no fundo, não queria responder. Porque aí o sonho fatalmente acabaria.

E não restaria povo, democracia, país. Não restaria porque sonhar.

Restaria somente o pó.

E o seu olhar não bastaria para redimir toda a ignorância, e toda a violência, e a barbárie que uma vida escura e medíocre causara a todo um país. E o acarajé seria apenas uma triste lembrança, um regurgitar medonho do que nunca poderia ter sido.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Enio

23 de fevereiro de 2016 às 16h26

Essa mídia lixo criminosa tem MEEEEDO do povo brasileiro com Lula 2018. Tem MEEEEDO das urnas. #LulaEuConfio
https://www.youtube.com/watch?v=yV2_5X_1QJY

Responder

Hell Back

23 de fevereiro de 2016 às 15h20

Um dos irmãos marinho.

Responder

    Hell Back

    23 de fevereiro de 2016 às 15h27

    Quem é o Silvio Berlusconi do Moro?
    Um dos irmãos marinho.

    Responder

Enio

23 de fevereiro de 2016 às 11h29

A mídia lixo vê a luz no fim do túnel, mas é a luz da locomotiva LULA2018. #LulaEuConfio

Responder

Luís CPPrudente

23 de fevereiro de 2016 às 11h24

Citando o pó, por que a tão valorosa PF e o tão combativo Ministério Público ainda não descobriram (ou não agiram contra) o dono do Helicoca? Será que isto não ocorreu porque o Helicoca frequenta (ou frequentou) o Aeroporto Internacional de Cláudio, nas cercanias do “sitiozinho” do senador Playboy do Leblon?

Responder

Henrique Dasilva

23 de fevereiro de 2016 às 10h06

Antes de tudo, acho que foi um desrespeito com a cultura baiana, dar o nome da operação “acarajé”…mas não se pode esperar respeito da operação lava jato e da policia federal!

Responder

    James

    23 de fevereiro de 2016 às 10h57

    Se pelo menos fosse vatapá, do verbo tapá;
    ou caruru, pela rima;
    ou angu, pela rima….

    Responder

renato andretti

23 de fevereiro de 2016 às 09h17

Quero saber se a PF esta sendo usada…???
Se esta, o Governo deve desmantelar esta quadrilha..
antes que cresça..
E dar o nome de quem a USA.., e de seus comparsar, que devem
estar espalhados pelo GLOBO, devem estar em lugares populosos
como o ESTADO DE SÃO PAULO, devem ter registros em alguma
FOLHA de bo, em alguma delegacia dos anos de CHUMBO.
Ora VEJA, a ÉPOCA devem estar querendo roubar o país, para eles
nada importa, a não ser o cheiro MARINHO de águas de ilhas Britanicas..
Com as águas FRIAS do norte EUROPEU…
Agasalhados com peles finas de RAPOSA..
Eles não tem fronteiras..
Mas o POVO BRASILEIRO, riscará um risco forte na terra e aquele que
aparecer com um corte nas costas, é porque estava pulando para o lado
de lá da fronteira.

Responder

    Hell Back

    23 de fevereiro de 2016 às 15h13

    “Se a PF está sendo usada?”
    E você ainda tem dúvidas? Esse golpe é cópia daquele que aconteceu em Honduras.

    Responder

Messias Franca de Macedo

23 de fevereiro de 2016 às 08h37

… Esse ‘acarajé’ ainda irá provocar uma diarreia dos Diabos nos golpistas!
Serão ‘vazadas’ as tripas junto com a bilirrubina do ódio figadal desses energúmenos abestados!
Vedemos as narinas, pois!

Responder

JURIDICO

23 de fevereiro de 2016 às 08h20

Quem é o Berlusconi do Moro???

Responder

    Jakson

    23 de fevereiro de 2016 às 09h11

    moro é o golbery do couto e silva piorado, porque aquele se assumia como ditador e torturador, o juiz tucano-facista moro se disfarça com a máscara de legalidade.

    Responder

    Hell Back

    23 de fevereiro de 2016 às 15h23

    Quem é o Berlusconi do Moro?
    Resposta: Um dos irmãos marinho.

    Responder

Deixe um comentário