Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Sacco e Vanzetti, de 1920, explica o golpe de 2016

Por Rogerio Dultra

04 de junho de 2016 : 23h36

Por Rogerio Dultra dos Santos, colunista do Cafezinho.

Estreou no Rio nova temporada da peça Sacco e Vanzetti, uma espécie de “O Processo” de Kafka. Só que o enredo, além de real, descreve a fascistização da sociedade norte-americana e a repressão aos trabalhadores e aos seus direitos nos anos que antecedem a Segunda Guerra Mundial. Assisti a peça ontem, e ela traz um claríssimo paralelo com o golpe que prospera hoje no Brasil.

Logo após uma greve geral histórica, que fez mais de 4 milhões de trabalhadores cruzarem os braços em 1919, dois imigrantes anarquistas vindos da Itália são acusados injuntamente de roubo e assassinato e sofrem um longo processo judicial, com ampla cobertura dos meios de comunicação.

Testemunhas de defesa não foram ouvidas, acusados estavam em lugares diversos na hora do crime e testemunhas de acusação foram induzidas a dizer o que não viram. Em 1925 um homem assumiu ser o verdadeiro autor dos assassinatos, em vão. O julgamento, dada a manipulação da mídia, transformou-se num circo.

O processo de Sacco e Vanzetti ficou famoso no mundo todo pelo tamanho da mobilização dos trabalhadores, que tomou conta de vários países, numa onda de protestos que sensibilizou a comunidade internacional.

Nesta semana, quando o Senado Federal resolve passar por cima de procedimentos para acelerar o impeachment de Dilma Rousseff, não por acaso o Ex-Ministro  José Eduardo Cardozo resolveu citar a ignominiosa condenação dos operários italianos, como um exemplo do descalabro jurídico em curso.

A ele foram dados dez minutos “o dobro do tempo dos senadores”, fez questão de afirmar o Presidente da Comissão, o Senador Raimundo Lira (PMDB-PB), para que respondesse em bloco uma peça com 86 (oitenta e seis) questionamentos acerca de provas, apresentado pelo relator Antonio Anastasia (PSDB-MG).

Recusando-se a participar do que claramente virou um arremedo de julgamento, o Ex-Ministro da Justiça e advogado da Presidenta afastada levantou-se e foi embora, seguido pelos Senadores que fazem oposição ao que já é mundialmente reconhecido como golpe de Estado.

Se sabe que a estratégia dos golpistas é acelerar ao máximo o processamento do impeachment, adiantar a votação no Senado e “estancar a sangria” não somente da “Operação lava-jato”, mas do desastroso governo ilegítimo e interino de Michel Temer.

Com a provável queda do seu desastrado AGU, e com a também possível não indicação da Secretária de Políticas para as Mulheres por envolvimento em “articulação criminosa”, Temer já pode pedir música no Fantástico. Em três semanas, serão três ou quatro ministros depostos, sumidades que velozmente entrarão no esquecimento público.

A situação do governo interino e golpista agrava-se com uma inesperada e consistente mobilização popular, em todo o país e em vários lugares do mundo, exigindo o respeito às regras da democracia e a saída do Presidente de fachada.

Dada a atual conjuntura, assistir à peça Sacco e Vanzetti  é quase um soco no estômago.

O cenário que envolve a platéia a coloca praticamente dentro dos acontecimentos. A iluminação lúgubre, o ambiente esfumaçado, o figurino de época – que reproduz as vestes do operariado dos anos 1920 – e, principalmente, a dinâmica regular de troca de móveis, vão trazendo aos poucos a sensação da fatalidade burocrática do arremedo de justiça que passa diante dos olhos.

O tom de tragédia anunciada, o caráter explicitamente político de algo que deveria ser jurídico e técnico, a pressão da imprensa, o “clamor” da “opinião pública” exigindo mais punição, tudo lembra o que estamos vivenciando hoje.

Sacco e Vanzetti foram eletrocutados sete anos depois de iniciado o processo. Em 23 de agosto de 1927. Desde então, sua história rendeu livros, documentários, filmes e um pedido formal e tardio de desculpas do Governador de Massachusets, em 1977.

Sacco e Vanzetti, fica claro, foram mortos não pelos crimes que não cometeram, mas pelas suas convicções libertárias, por serem imigrantes, “aliens”, como até hoje somos chamados nos EUA. O conflito capital/trabalho ficou escancarado. O anticomunismo e o medo da revolução popular impulsionaram a quebra das regras do jogo pelo judiciário. Serem ambos, Sacco e Vanzetti, declaradamente  “anarquistas” foi o que bastou para a sua condenação.

Como a sentença dos italianos eletrocutados, o script para o impeachment de Dilma Rousseff no Senado Federal também já está escrito. Texto manietadamente fluido, onde regras novas são a todo momento sacadas da cartola – como a redução do prazo de defesa de 15 para 5 dias – a fim de evitar que Senadores indecisos mudem de posição e votem a favor da Presidenta.

O setor nuclear do Poder Judiciário, o STF, tem apoiado os procedimentos golpistas e dele não se espera muito, como não se esperava do juiz do caso Sacco e Vanzetti, desejoso da indicação para as Cortes Superiores. O STF fecha os olhos para a Justiça e reproduz a sua covardia histórica como no caso de Olga Benário e na chancela do Golpe de 1964.

Hoje, a face mais venal e partidarizada do Judiciário brasileiro não é nem o Juiz de Curitiba – o que quer prender Lula de qualquer jeito -, mas Gilmar Mendes, o Ministro que almoça, janta e se encontra nos fins de semana com possíveis réus de seus processos.

* A peça, que reestreou ontem no Armazém da Utopia, baseia-se no texto do argentino Mauricio Kartum, tem a direção de Luiz Fernando Lobo e é encenada pela Companhia Ensaio Aberto.

Rogerio Dultra

Professor do Departamento de Direito Público da Universidade Federal Fluminense (UFF), do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Justiça Administrativa (PPGJA-UFF), pesquisador Vinculado ao INCT/INEAC da UFF e Avaliador ad hoc da CAPES na Área do Direito.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

cuticuladepeixe

16 de junho de 2016 às 01h44

o Caribe ainda engulo, mas gente que não pensa, tipo o Rev.Dr.Alberto Thieme, e o mordomo dos coxinhas, Temer, impossível

Responder

gilberto

05 de junho de 2016 às 14h33

Tenho a impressão que o Gilmar comeu “papinha de jiló” quando bebê, e a boca nunca mais voltou ao normal.

Responder

Carlos Corrêa

05 de junho de 2016 às 12h19

O mais triste disso tudo é ver que não temos Suprema Corte e, por consequência, não temos justiça.

Responder

Guimarães Roberto

05 de junho de 2016 às 09h08

É duro ter que aturar um inelegível governando o país. Tá feia a coisa para o Brasil.

Responder

    Rev. Dr. Alberto Thieme

    05 de junho de 2016 às 13h57

    INELEGÍVEL NÃO,. Quando vc votou, ele constava como VICE-PRESIDENTE e você votou. E se não votou a URNA ELETRONICA DA SMARTMATIC deu conta de eleger DILMA. Não adianta chorar.

    Responder

      Tatiana Vieira dos Santos

      05 de junho de 2016 às 16h33

      E aonde é que tinha o botão separe o Temer da sua candidata ??? Todos sabemos que este é um grande erro da estrutura da nossa política onde nos empurram certos vices e ministros goela abaixo !!!

      Responder

      Luis Augusto de Moraes

      05 de junho de 2016 às 17h24

      NINGUÉM VOTA EM VICE ,EU VOTEI NA DILMA ,VOCÊ SABE QUEM É O VICE DO SENADOR QUE VOCÊ VOTOU VOTOU ?CLARO QUE NÃO !!!E COMO ELE FOI ELEITO NA CHAPA DA DILMA ,TEM QUE SEGUIR O PROGRAMA DE GOVERNO DELA ,ALIÁS ,ELE É INTERINO ,NÃO PODERIA MUDAR NADA ,MAS, COMO O STF ESTÁ NO GOLPE ,ADMITE TUDO !!!!

      Responder

      Juliana

      06 de junho de 2016 às 13h25

      e quando compro uma caixa de bombom da garoto, vem nela o bombom Caribe. Nem por isso sou obrigada a engoli-lo. Votei na Dilma não contando com esse golpe.

      Responder

Rita Lama

05 de junho de 2016 às 07h52

Excelente artigo, Rogerio! Infelizmente, suas conclusoes sao coerentes…

Responder

Fabiana

05 de junho de 2016 às 00h10

Histórias como esta dão cada vez mais a noção de quão nociva pode ser a mídia.

Responder

Deixe um comentário