Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Torcidas contra o golpe

Por Luis Edmundo

07 de junho de 2016 : 22h29

Por Luis Edmundo Araujo, editor de esporte do Cafezinho

O Estatuto do torcedor, criado por lei federal, não permite “portar ou ostentar cartazes, bandeiras, símbolos ou outros sinais com mensagens ofensivas”. O Regulamento Geral das Competições de 2016, da Confederação Brasileira de Futebol, exige autorização expressa da impoluta CBF para o uso de faixas, cartazes e “manifestações em geral”, e o pedido da torcida interessada deve ser feito com dois dias de antecedência. A Fifa também proíbe qualquer ato ou manifestação política em jogos de competições organizadas por ela, a Globo, claro, não gosta, a Polícia Militar reprime, recolhe qualquer faixa assim que esta é estendida, mas nada disso, nem o Estatuto do Torcedor, nem a CBF, nem a Fifa, nem a Globo, nem a PM e seu spray de pimenta têm conseguido evitar o que vem acontecendo nos estádios por todo o País desde o golpe que colocou na Presidência o interino Michel Temer.

De acordo com a Constituição de 1988, “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”, e é nisso em que devem estar se baseando os torcedores de Norte a Sul do Brasil, nas mais diversas competições, para expressar sua indignação com o que vem ocorrendo no País, com o assalto à democracia brasileira promovido pela plutocracia, pelos políticos suspeitos, investigados ou corruptos comprovados, e pela nossa grande mídia também suspeita, investigada mas nem tanto, sonegadora comprovada.

A nova onda de protestos começou com a torcida do Corinthians reclamando dos horários dos jogos noturnos, sempre depois da novela global, sem deixar de estocar o atual presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez, do PSDB, que como procurador ficou conhecido pela forte repressão às torcidas organizadas em São Paulo, e hoje é suspeito de envolvimento na chamada “máfia da merenda”, acusado de receber propina no esquema de desvio de recursos para a merenda escolar no estado.

Temer estadio 3Na final do Campeonato Carioca deste ano, entre Vasco e Botafogo, mais faixas contra o golpe e a Globo foram vistas. Antes, no jogo em Brasília entre Vasco e Flamengo, as torcidas dos dois maiores rivais do futebol carioca já haviam protagonizado uma raríssima união na luta pela democracia. Na última sexta-feira, na final da Copa Verde entre Paysandu (PA) e Gama (DF), em Belém, também houve protesto, assim como no outro extremo do País, na final do campeonato gaúcho.

Também houve protestos em Florianópolis, no último dia 28, no jogo entre Avaí e Ceará pela Série B do Campeonato Brasileiro; e na partida entre Atlético Mineiro e São Paulo pela Libertadores, no último dia 18, com a faixa da foto de abertura deste texto. O Castelão no Ceará, na vitória do Fortaleza sobre o Flamengo pela Copa do Brasil, e o Arrudão do Recife, na decisão da Copa do Nordeste entre Santa Cruz e Campinense, também foram palcos de protestos, e outros virão, oxalá que venham, enquanto o Brasil não retomar, na prática, seu Estado Democrático de Direito.

luis.edmundo@terra.com.br

 

 

Luis Edmundo

Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

israel alves de menezes

09 de junho de 2016 às 01h21

como não protestar diante de uma situação dessas onde fomos literalmente assaltados na nossa democracia temos que protestar sim até essa pouca vergonha acabar eles não deixaram a Dilma governar agora nós não vamos deixar eles nos roubar FORA TEMER.

Responder

Biana

08 de junho de 2016 às 19h37

veja a recomendação do Roberto Grossi.

http://novojornal.jor.br/esportes/michel-temer-e-alvo-de-protesto-durante-classico-entre-america-e-abc

Responder

Fabiana

08 de junho de 2016 às 18h35

Muito bom.

Responder

LUA

08 de junho de 2016 às 17h25

Um modo bom seria cada un vestir uma camiseta com as letras grandes, um com G outro O outro L outro P outro E

Responder

Camem Oliveira

08 de junho de 2016 às 10h17

Sei lá…

Não consigo acreditar nesses “caras” travestidos de “polidos” senadores da república.

Na minha opinião, basta o Temer “bancar” um esquema, tipo o velho método – talvez atual – de dar um pé de sapato e o outro após a votação, e o golpe passa mais fácil do que qualquer democrata “romântico” possa supor.

Hoje não existe mais pudor em qualquer espera republicana. Basta verificar que as conversas de Sérgio Machado e Romero Jucá (com todas as “porras”) que tramaram o afastamento de Dilma – exatamente como ocorreu de fato todo o “rito” – sequer foi suficiente para “despertar” na PGR ou STF qualquer tipo de atenção ou prevenção.

Estamos nas mãos de profissionais. São banqueiros, empresários, industriais, mídia, judiciário, militares e políticos da pior espécie juntos no poder com um plano traçado. Só não sabemos ainda se ou quando essa “turma” pretende devolver ao povo a soberania para decidir sobre os destinos do Brasil.

É lamentável, mas hoje eu tenho certeza que nem uma manifestação com dez milhões de brasileiros seria capaz de mudar esse cenário. O Temer pode ser apenas o “pau mandado” que, por acaso, estava na linha sucessória. Nada mais.

Acredite nisso!

Responder

Roberto Grossi

08 de junho de 2016 às 10h39

O presidente interino Michel Temer (PMDB) foi alvo de protestos durante o clássico disputado entre América e ABC, na Arena das Dunas, na noite deste domingo (22). Um grupo de torcedores do Alvirrubro elaborou uma espécie de ‘mini-mosaico’ com a frase “Fora Temer”. A partida era válida pela primeira rodada da Série C do Brasileirão.

O protesto aconteceu no setor Sul da Arena, onde estava concentrada a maior parte da torcida americana. É a segunda vez que o grupo realiza esse tipo de ato contra o presidente interino durante uma partida do Dragão. A primeira ação foi feita durante o primeiro jogo da final do Campeonato Potiguar, também contra o ABC, no início do mês.

As imagens do protesto foram publicadas na página oficial do grupo no Facebook, intitulada “Americanos pela democracia”.

http://novojornal.jor.br/esportes/michel-temer-e-alvo-de-protesto-durante-classico-entre-america-e-abc

Responder

maria nadiê rodrigues

08 de junho de 2016 às 08h21

Mas, vamos combinar que sem as manifestações que vinham se fortalecendo Brasil afora, fica cada vez mais difícil jogar esse jogo. O PT, ante as ameaças de prisão dos caciques do PMDB, falam muito manso no Congresso. Eles não aprendem que é nesses momentos que precisam agir como os seus adversários: argumentando firme em cima do crime. Por muito e muito menos os tucanos já estariam de braços dados, como criancinhas, atravessando a Esplanada para levarem qualquer papel para o STF com denúncias, entre outras, cotra esses abestados.
Falou-se de uma manifestação no final de semana com a presença de Lula e não vimos nada a esse respeito.

Responder

Brasil

07 de junho de 2016 às 23h42

A ditadura será imposta aos poucos, mas tudo dentro da lei. Aliás em 64, fora a apresentação, a fórmula era igual. E viva Jango…!!!!!

Responder

Deixe um comentário