Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

De 7 a 1 a 7 a 1… Salve a Seleção!

Por Luis Edmundo

09 de junho de 2016 : 17h47

Foto: Getty Images

Por Luis Edmundo Araújo, editor de esporte do Cafezinho

Parece brincadeira. Foi só falarmos da atualmente escassa empatia entre o povo, o torcedor em geral e a outrora gloriosa, querida Seleção Brasileira de futebol – e de como isso seria mais uma desvantagem do presidente interino Michel Temer em relação a outros colegas dele, também beneficiários de um golpe, como o general Emílio Garrastazu Médici, que teve a seu favor o time de 70 -, e a camisa canarinho voltou ontem a aplicar uma goleada sonora num adversário em meio a uma competição importante. E por 7 a 1, placar da maior tragédia da história do nosso futebol, o que também nos permite fazer alguma analogia com o momento político atual, lembrando da frase de Chico Buarque que por sua vez foi lembrada por Lula. Afinal de contas, se voltamos a falar fino com os Estados Unidos e grosso com a Bolívia, nada mais significativo do que nossa seleção tomar de 7 da Alemanha e dar de 7 no Haiti.

Mas se é inevitável lembrar daquela triste semifinal de Copa do Mundo no Mineirão, se dez entre dez jornalistas esportivos lembraram, compararam, alguns até fazendo piada com o vexame histórico de nossa seleção, e achando graça não só hoje ou ontem, mas sempre, cabe a ressalva de que o time de ontem merece, sim, elogios, descontada a óbvia fraqueza do adversário, que no entanto perdeu só de 1 a 0 para o Peru na primeira rodada do Grupo B da Copa América, o mesmo Peru que empatou ontem em 2 a 2 com o Equador, que ganharia do Brasil por 1 a 0 se o juiz tivesse validado o gol legal deles.

Na primeira partida sem um jogador sequer, entre os titulares, dos 11 que iniciaram a fatídica semifinal contra os alemães, a Seleção foi muito bem conduzida por Philippe Coutinho no meio, com a ajuda de William, Renato Augusto, Elias e cia. Contra um adversário fraco, fez o que tinha que fazer, e goleou por um placar que pode vir a ser simbólico, tomara, de uma retomada do futebol que orgulha, com a volta do Neymar, do Miranda na zaga, faltando ainda o nove ideal, com um goleiro um pouquinho só mais confiável quem sabe, talvez, o Brasil a partir de agora nos faça ir esquecendo, aos poucos, devagar, se é que isso é possível, o vexame que teve ao menos o mérito de redimir para a história outra grande seleção que, jogando a Copa em casa, chegou à final e perdeu, mas só por 2 a 1.

Graças ao time de 50, aliás, o Brasil é protagonista de outro 7 a 1 na história das Copas, este favorável, também na fase final, a vitória em cima da Suécia na primeira rodada do quadrangular final da Copa, com quatro gols de Ademir, dois de Chico e um de Maneca, todos do Vasco. A goleada acabou ofuscada primeiro pelos 6 a 1 na temida Espanha na rodada seguinte, ao som das Touradas de Madri do Braguinha, e depois pela derrota inesperada para o Uruguai, e pela perseguição, pelo peso da culpa eterna que durou até a morte de todos os grandes jogadores que atuaram no primeiro de nossos 7 a 1, neste dia de festa mostrado pelo vídeo abaixo, com Maracanã lotado e o povo feliz, orgulhoso da exuberância e eficiência de seu futebol.

luis.edmundo@terra.com.br

Luis Edmundo

Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcelo Gaúcho

10 de junho de 2016 às 15h56

7×1 faz parte do Golpe, cada vez fica mais claro. Tudo com a ajuda conivente do eixo Globo-CBF-FIFA. Só côxa-trôxa não vê isso.
VALE TUDO por petróleo de alta qualidade a preço de bananas, até show do Marilyn Manson no Dia da Independência (a nossa).

Responder

revenger

10 de junho de 2016 às 15h45

O sete à zero foi vergonhoso não por ter perdido. Mas do jeito perdido. Aliás, foi entregado.

Responder

Sérgio Rodrigues

10 de junho de 2016 às 12h46

A vexatória derrota da seleção na Copa faz parte do golpe!….

Responder

    zazul

    10 de junho de 2016 às 15h01

    Desde o início achei que a derrota foi comprada e os jogadores revoltados por ter que entregar, deixaram logo entrar 7

    Responder

johony

10 de junho de 2016 às 08h54

Enquanto houver rede globo não existirá Seleção Brasileira de Futebol, isso é para a classe média alta conhecidos como trouxinhas, tem os pobres que se acham, mas, nunca serão.

Responder

Antonio Passos

09 de junho de 2016 às 21h23

O 7 x 1 não foi a maior tragédia do futebol brasileiro “apenas”. Foi o maior fiasco da história de todos os esportes desde que o mundo é mundo. Seria como se o time de basquete americano, perdesse uma olimpíada em casa para a Rússia, por um placar de 300 x 50. Exatamente assim.

Responder

    Daniel

    10 de junho de 2016 às 08h59

    A culpa do 7×1 foi da Globo-PSDB e trouxinhas acefalos. Escreva ai para as futuras geracoes. Foi tudo parte do Golpe.

    Responder

João Luiz Brandão Costa

09 de junho de 2016 às 18h39

Enquanto houver Dunga, não haverá “a nossa querida seleção”. Ele é a personificação daqueles que se encararapitaram nosso futibol. Vaidoso, arrogante, adepto do dito futibol à la europeia. Isso em contraste com o nosso tipo, que é o da espontaneidade, criatividades, da improvisação, da surpresa, tudo isso respaldado pela a arte e o gênio. Tudo o que ele não gosta, e reprime em seus times. É lógico que devam existir esquemas e táticas de jogo, mas não engessamento.Tem um antigo filósofo do do futibol de areia, que dizia: quando eu bato o olho num scratch canarinho lá de cima das arquibancadas e não vejo um tom de pele mais puxado ao escuro, já não vou levando muita fé. Seja lá o que isso queira dizer ou implicar, esses muitos anos de torcedor de mais de 14 copas, me dão um sentimento vagamente parecido. E deixo para outra oportunidade discorrer sobre o papel deletério da Rede Globo.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina