Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Usinas nucleares: o silêncio ensurdecedor de decisões sem debate

Por Redação

21 de junho de 2016 : 17h50

no Clube de Engenharia

É sabido nos meios científicos e técnicos que no suprimento de energia, assim como o século 19 foi dominado pelo carvão, o século 20 pelo petróleo, o presente século será mais e mais dominado pelo combustível nuclear. Daí o interesse das principais potências do planeta em controlar o acesso a ele.

Aqui, o setor nuclear ganhou um silencioso destaque nas últimas semanas no Congresso Nacional, em função da tramitação das Propostas de Emenda Constitucional (PEC) 122/07 e da PEC 41/11, apensada à primeira. Silencioso, porque após longos nove anos, entre arquivamentos e desarquivamentos, as propostas receberam, sem alarde, em 12 de maio último, parecer favorável do relator da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania e chegarão em breve ao plenário.

Trata-se de um raro movimento do Legislativo em relação à área nuclear. Mas não é positivo; tampouco é neutro.

As mudanças propostas põem a perder quase seis décadas de esforços que levaram o país a, desde a década de 1980, integrar o seleto grupo de países que domina todo o ciclo do combustível nuclear, ao lado de Alemanha, China, Estados Unidos, França, Holanda, Índia, Irã, japão, Paquistão, Reino Unido e Rússia. Dono de uma das maiores reservas naturais de urânio do mundo, o país passou a dominar, após a construção da Fábrica de Combustível Nuclear em Resende/RJ, o ciclo nuclear completo em escala industrial.

Desde então, detém a tecnologia e as ferramentas necessárias para a autonomia na produção do combustível, a se concretizar após a conclusão de Angra 3. Trata-se, pois, de injustificável alienação de soberania, consubstanciada na exclusão do monopólio da União para a construção e operação de reatores nucleares para fins de geração elétrica (PEC 122/07) e na vedação à construção e instalação de novas usinas que operem com reator nuclear no país, permitindo entretanto as atividades das usinas já existentes e em construção (PEC 41/2011).

As emendas constitucionais em apreço têm por objetivos inviabilizar a produção industrial de combustível nuclear no país, e possibilitar a privatização das usinas nucleares existentes, ora operadas pela Eletronuclear. Deixarão o país, caso aprovadas, mais uma vez à mercê de interesses externos. São iniciativas que se somam ao ataque ao Pré-Sal, à atualização do Código de Mineração para favorecer mineradoras multinacionais, à proposta de permitir a compra indiscriminada de terras por estrangeiros, à de “privatizar o
que for possível” relegando-nos à condição de fornecedores de matérias-primas para o mundo. É a volta ao Brasil Colônia.

Longe de sermos xenófobos, preocupa-nos o nosso futuro como nação. Em face da sua extensão territorial, dos seus recursos naturais e da sua população, o Brasil, que já é hoje uma das 10 maiores economias do mundo, não pode renunciar sem mais nem menos à sua soberania. Capitais produtivos externos são bem-vindos, pois aqui geram empregos, pagam impostos e nos auxiliam no desenvolvimento tecnológico,
desde que, contudo, subordinados aos interesses nacionais. Os que deles querem abrir mão, não pensam no Brasil. Merecem nosso repúdio.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Rita Lama

22 de junho de 2016 às 05h19

A única coisa que me consola, um pouco, é saber que, mais dia, menos dia, justiça será feita e os criminosos serão punidos…

Responder

Octavio Filho

22 de junho de 2016 às 01h01

http://altamiroborges.blogspot.com.br/2016/06/os-herois-com-pes-de-barro-do-mbl.html

Interessante!

Os heróis com pés de barro do MBL

Responder

João Luiz Brandão Costa

21 de junho de 2016 às 18h31

Não conheço um só país do mundo – salvo os EUA, onde mesmo o privado é, redundantemente, americano, e tem timbre e chancela do governo – que os interesses relacionados à energia nuclear estejam em mãos estranhas ao mais alto interesse nacional. Trata-se, obviamente, de caso da mais alta segurança nacional. Ainda mais hoje, em dias de terrorismo em, escala planetária. Pode existir, como existem, administração, pesquisa e exploração conjuntas, como no caso de França e Alemanha. Mas tudo bem amarradinho. Deixar esses porra-loucas e bando de corruptos meterem o bedelho nisso é a crônica da catástrofe anunciada. Mas acho que dessa vez, vão quebrar os dentes. Deve ter gente com gemada nos ombros, de olho na brincadeira.

Responder

    Alexandre Moreira

    21 de junho de 2016 às 19h08

    Está coberto de razão João Luiz. Esse maldito congresso conduzido pelos interesses escusos deste governo interino, vão entregar nossos recursos naturais a preço de banana e inviabilizar para sempre nossos sonhos de ser uma nação livre e independente.

    Responder

    Octavio Filho

    22 de junho de 2016 às 00h01

    Infelizmente, tem gente com gemada nos ombros dando cobertura ao Temer e vigiando o Lula.

    Responder

    Jst

    22 de junho de 2016 às 19h39

    temos um informante dos EUA como presidente e um preposto dos mesmos no ministério das relações exteriores.
    Vamos ser saqueados e voltaremos 50 anos na história. Agora somos governados por ladrões.
    A lava jato não era para acabar com a corrupção? Como os maiores ladrões que já pisaram esta terra derrubaram uma presidenta honesta e estão agora no poder? Gostaria de saber o que a turma da lava jato tem a dizer sobre este fato.

    Responder

Deixe um comentário