Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Boletim olímpico: o goleiro sérvio, a goleira angolana, a norte-coreana que ganhou a torcida e, de novo, o judô

Por Luis Edmundo

11 de agosto de 2016 : 22h56

Foto: Sergei Grits/AP

Por Luis Edmundo Araujo, editor de esporte do Cafezinho

Considerado um dos melhores goleiros do mundo no polo aquático, o sérvio Slobodan Soro já conquistou duas medalhas de bronze (2008 e 2012) e o Mundial de 2009 com seu país. Ontem, ele pegou quase tudo contra a Sérvia, ajudou o Brasil a garantir a inédita classificação para as quartas-de-final e se tornou um dos personagens destes Jogos Olímpicos Rio 2016. E se o feminino de goleiro é goleira, assim como o de presidente é presidenta, pelo menos segundo Machado de Assis, também de acordo com o Aurélio, a angolana Teresa Almeida, ou simplesmente Bá, tem seu lugar entre os destaques desta Olimpíada. Ela até sucumbiu à Noruega nesta quarta-feira, sim, mas já fechou o gol, com seus 98 kg, em duas surpreendentes vitórias de Angola contra a Romênia e Montenegro, medalha de prata em 2012.

Angola's goalkeeper Teresa Patricia Almeida tries to stop the ball during the women's preliminaries Group A handball match Angola vs Montenegro for the Rio 2016 Olympics Games at the Future Arena in Rio on August 8, 2016. / AFP / afp / Eric FEFERBERG (Photo credit should read ERIC FEFERBERG/AFP/Getty Images)

Slobodan tem 37 anos e passou a morar no Rio de Janeiro em 2014. Ele atua pelo Botafogo e faz parte de um projeto de naturalização de grandes jogadores posto em prática pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), que já rendeu o bronze na Liga Mundial, há dois meses. Sob o comando do técnico croata Ratko Rudic, dono de quatro ouros olímpicos e tricampeão mundial, o polo aquático brasileiro briga, de fato, por medalha, e não é mais uma surpresa tão inesperada quanto as vitórias de Angola no handebol feminino, graças sobretudo a Teresa Bá, que como Soro também fez defesas difíceis, históricas, e levou a torcida presente aos três jogos de Angola até aqui a gritar em uníssono, bem humorada: ah! a Bá é melhor do que o Neymar!

North Korea's Kim Song I serves against China's Ding Ning in their women's singles semi-final table tennis match at the Riocentro venue during the Rio 2016 Olympic Games in Rio de Janeiro on August 10, 2016. / AFP / Jim WATSON (Photo credit should read JIM WATSON/AFP/Getty Images)

Outra que virou xodó da torcida, mais improvável ainda, foi a mesa-tenista norte coreana Kim Song I, e também por conta de suas defesas, boa parte delas com a bolinha quase no chão, tirando a força das cortadas das adversárias no efeito, num estilo que gerou os melhores rallies do torneio vencido pela chinesa Ding Ning, que devolveu a derrota da última final olímpica, em Londres, contra a compatriota Li Xiaoxia. Número 50 do mundo, Kim Song I não era nem de longe favorita a ganhar o bronze, porque no tênis de mesa o ouro e a prata, geralmente, ficam na China, como mostrou, mais uma vez, o torneio da Rio 2016.

Na disputa pelo terceiro lugar as favoritas eram as japonesas Kasumi Ichikawa e Ai Fukuhara, mas naquele que os especialistas consideraram como o melhor jogo do tênis de mesa na Rio 2016, a norte-coreana venceu Ichikawa na terceira rodada. E nesta quarta-feira, no dia de seu aniversário de 22 anos, Kim Song I venceu Ai Fukuhara na disputa pelo bronze.

Mayra AguiarPor falar em bronze, foi essa a segunda medalha conquistada pelo judô brasileiro hoje, e de novo com uma mulher, Mayra Silva, ela que havia ganhado a mesma medalha nos últimos Jogos, em Londres, e que venceu o Mundial em 2014. E o futebol masculino, de triste lembrança no seu Mundial de 2014, enfim deu as caras, meteu 4 a 0 na Dinamarca e evitou o vexame da eliminação precoce do qual os argentinos, que ao menos deram o golpe deles lá nas urnas, não escaparam. Mas nada de muita empolgação com a nossa combalida Seleção Brasileira, todo o cuidado na busca pela única conquista que nos falta e toda a torcida, ainda, sempre, para que o primeiro título olímpico do nosso futebol venha das mulheres, o que só depende delas, já que a final feminina é no dia 19 de agosto e a masculina, no dia 20. E também porque, afinal de contas, o Neymar não é nenhuma Teresa Bá.

 

luis.edmundo@terra.com.br

Luis Edmundo

Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Mairton Barros

12 de agosto de 2016 às 02h22

Fora temer…

Responder

Deixe um comentário