Lançamento do livro “Lawfare: uma introdução”, com Lula

Os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Leonardo Picciani (Esporte), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Marcelo Calero (Cultura) participam de reunião sobre a Olimpíada do Rio. Foto Marcelo Camarg/Agência Brasil

Tese de Temer no caso Geddel é contraditória

Por Redação

28 de novembro de 2016 : 16h12

Caso Geddel: ex-secretário do MinC demole tese de Temer sobre “arbitragem da AGU”

Do Facebook de João Brant, ex-secretário executivo do Ministério da Cultura

Temer insiste na tese da arbitragem pela AGU, como se houvesse dois órgãos envolvidos. Não apenas não há, como é preciso dizer que no dia 14 de novembro, três dias antes do diálogo em que Temer sugeriu que enviasse o processo à AGU, houve manifestação formal de procuradora federal do Iphan (justamente a parte competente da AGU neste caso) reafirmando a legitimidade de o Iphan Nacional anular ato da superintendência da Bahia. Diz textualmente: “a presidente desta autarquia é autoridade competente para a prática de eventual ato de anulação de decisão proferida pelos Superintendentes Estaduais, a uma, porque a revisão dos atos praticados pelos Superintendentes Estaduais compete à Presidente e a duas, em decorrência do poder de rever os atos praticados pelos seus subordinados, que emana do poder hierárquico”. Para quem não conhece a dinâmica, a AGU tem representação dentro dos órgãos, e é responsável pela análise formal dos atos da administração. A procuradora federal que deu este parecer é membro da AGU. Isto é, a AGU já tinha analisado e reafirmado que o Iphan nacional pode anular ato da superintendência regional. A anulação já tinha acontecido no dia 3 de maio, por parte de Jurema Machado, presidente do Iphan durante a gestão Juca Ferreira (desde antes, inclusive). O caso foi reaberto na gestão de Kátia Bogea e Calero por questionamento da construtora. É preciso dizer, inclusive, que neste período eles suspenderam o embargo, o que fez a construtora avançar na obra. O embargo só passa a valer de novo agora com a reafirmação da anulação do ato.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe uma resposta