Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Carne perde participação nas exportações brasileiras

Por Miguel do Rosário

06 de agosto de 2017 : 08h09

AJUDE O CAFEZINHO!

A Operação Carne Fraca, iniciativa irresponsável dos mesmos núcleos jurídicos da Lava Jato curitibana, planejada provavelmente como mais um ataque contra o governo Dilma (veio à tôna quando Dilma já fora derrubada pelo golpe, então acabou sendo usada para outros fins, mas sempre com objetivo de desestabilizar o país), produziu um efeito dramático sobre as exportações brasileiras de carne nos últimos quatro meses.

As exportações de alguns tipos de carne, como as de peru, sofreram queda de mais de 40%, de abril a julho deste ano, na comparação com igual período de 2016.

No conjunto das exportações brasileiras, as carnes perderam posição: saíram de um firme terceiro lugar, que vinham ocupando nos últimos anos, atrás apenas de soja e minérios, para o sexto lugar no ranking. Em 2016, respondiam por 6,68% das exportações brasileiras. Este ano, por apenas 5,9%.

Entretanto, há uma diferença fundamental entre a soja, minérios e carnes: o valor agregado. Enquanto nossos minérios são exportados por um valor médio de 53 dólares a tonelada, nossas carnes são vendidas lá fora por mais de 2 mil dólares a tonelada.

O alto valor agregado da carne é o que a torna um produto de maior concorrência no mercado internacional.

No total dos últimos 4 meses, as exportações brasileiras de carne caíram 8,5% em quantidade. É uma queda substancial, sobretudo considerando que nosso principal concorrente, os EUA, vem aumentando rapidamente suas exportações.

Segundo a Federação Estadunidense de Exportadores de Carne (USMef), as exportações de carne bovina dos EUA cresceram fortemente nos últimos anos. Na verdade, os EUA voltaram a ficar em primeiro lugar no ranking mundial de exportação de carne bovina desde alguns anos.

Em 2016, segundo o Comtrade, banco de dados da ONU, os EUA exportaram o equivalente a US$ 14 bilhões em carnes de todos os os tipos, o que representou 14% do total global, enquanto as vendas brasileiras geraram US$ 12,65 bilhões, ou 12,5% do total.

Brasil e EUA disputam diretamente o mercado de carne. Ambos buscam os mesmos mercados. Qualquer mercado perdido pela carne brasileira é imediatamente conquistado pela carne dos EUA.

 

Quando olhamos apenas para o mercado de carne bovina, vê-se que os EUA aumentaram suas exportações, de 2007 a 2016, em 142% em receita e 54% em quantidade, enquanto o Brasil, no mesmo período, registrou aumento de receita de 32% e queda de quantidade de 19%.

Observe que, no ano de 2014, Brasil e EUA registraram números recordes de receita de exportação de carne bovina.

Ambos se beneficiaram do consumo per capita de carne bovina na China, que se multiplicou por quatro vezes dos anos 90 (quando era menos de 1 kg)  até os dias atuais (perto de 4 kg). Até 2025, segundo projeções da OECD, o chinês está consumindo um pouco mais de 4,5 kg de carne per capita.

Entretanto, o ritmo de crescimento do consumo chinês de carne caiu brutalmente a partir dos primeiros anos do novo milênio, chegando mesmo a cair em 2003. Em 2013, há um aumento pontual do consumo per capita chinês, o que explica o aumento das exportações de Brasil e EUA. Nos anos seguintes, as taxas voltam a cair e as projeções são de que permaneçam baixas até 2025.

 

 

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luiz Carlos P. Oliveira

07 de agosto de 2017 às 09h56

* pecuarista que não “apoiou”, ao contrário de “apoio”

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

06 de agosto de 2017 às 12h23

Quem conhece algum pecuarista que não apoio o golpe contra a Dilma? Pois é. Quero mais é que ZERE a exportação de carne bovina. Quem sabe assim eles aprendem. Enquanto o Lula viajou o mundo para abrir novos mercados (e a direita criticava suas viagens), o golpista Temer perde as 24 horas do dia tentando se defender de suas falcatruas, que vem de longa data, antes mesmo dele ser “vice decorativo”, que decorativa não tem nada, pois ele sempre agiu nos bastidores, comandando a maior quadrilha que já roubou este país. E agora fazem de tudo para jogar a culpa no PT. Cada pecuarista tem o governo que merece. Aqui no Sul, em outras épocas, eles enterravam a vacina anti-aftosa, pois não queriam ser declarados “área livre de aftosa por vacinação”. Era uma coisa surreal.

Responder

Deixe um comentário