Boulos no programa de Maurício Meirelles

A ingenuidade de Celso Rocha de Barros

Por Miguel do Rosário

04 de novembro de 2017 : 14h21

Celso Rocha de Barros escreve como um equilibrista caminha sobre uma corda estendida entre dois arranha-céus. Não podia ser diferente, claro. O papel da Folha, em todo esse processo de golpe, sempre foi um pouco mais sofisticado do que o da Globo.

Na divisão de tarefas entre os golpistas, à Globo coube a função mais brutal. A Globo é violência e maldade em estado puro. Para citar um exemplo: as charges de Chico Caruso, expondo Dirceu e Genoíno nus, após terem sido condenados sem prova, sempre me pareceram o que faria um cartunista de um folhetim nazista. Afora isso, a Globo mente de uma maneira assombrosamente descarada.

À Folha ficou reservado um papel mais ambíguo, mais cínico, e por isso não menos diabólico. Os métodos usados pela Folha são mais traiçoeiros. Por isso ela sempre teve necessidade de colunistas e abordagens diferenciados, puxados à esquerda, críticos ou questionadores de alguns pontos das narrativas centrais da mídia corporativa.

No meio de tanta pressão e cinismo, nasceu esta flor: Celso Rocha de Barros, que já tinha uma história na internet brasileira, e cujo último artigo eu me proponho a analisar neste post.

Barros, Laura Carvalho, Janio Freitas, o próprio Bernardo Mello Franco, são alguns colunistas que procuram fazer, cada um à sua maneira, um contraponto ideológico ao pensamento único do main stream.

Claro, é tudo muito controlado, como numa experiência de laboratório. Os tons de crítica precisam ser cuidadosamente calibrados, de maneira que tudo permaneça rigorosamente o mesmo.

Há limites diferenciados de liberdade, naturalmente, a depender de temas, atmosfera e a posição de cada um.

Janio de Freitas, por exemplo, por ser o veterano, uma vaca sagrada do jornalismo (e o falo sem ironia, e com profundo respeito), é o único jornalista da Folha, quiçá de toda a imprensa corporativa brasileira, a quem se dá a liberdade de criticar o eixo central das grandes narrativas: a Lava Jato.

A liberdade singular, única, de Freitas, em meio ao cenário incrivelmente devastado da imprensa nacional, tem uma explicação: seus oitenta e cinco anos de idade, seu talento inegável, os milhares de assinantes que, possivelmente, apenas aceitam continuar contribuindo por sua causa, além da questão estratégica já referida acima.

Naturalmente, todo mundo tem mais ou menos consciência das semelhanças entre jornalismo e teatro. Há muito jogo de cena em toda parte.

A melhor coisa trazida pela internet, afinal, foi a transparência.

Os próprios jornalistas – boa parte deles, ao menos – são os últimos que ainda tentam se iludir a si mesmos. Outro dia, eu assisti a um vídeo de um encontro informal de jornalistas, em São Paulo, e achei até divertido o esforço deles em criar um mundinho de fantasia, completamente afastado da vida, da política, da polêmica. Um dos convidados era um jornalista da Globo e talvez isso explique o clima pesado, de censura velada, de sorrisos amarelos, do evento. Não acho que esse tipo de encontro fosse possível em qualquer país que não o Brasil, terra da hipocrisia, do medo, da Globo.

O sonho atual destes jornalistas, secretamente apavorados com o desemprego, e ao mesmo tempo tentando se agarrar, com desespero, a algum fiapo de dignidade, é que não existisse Lula ou PT. Lula é um tema infinitamente constrangedor, assim como o golpe de Estado de 2016. O seu sonho profissional, a meu ver, o que lhes permitiria se sentirem dignos e satisfeitos consigo mesmos, é que a força política eleitoral dominante fosse o PSDB, e apenas o PSDB. Eles seriam, então, jornalistas de “oposição”. Com isso, poderiam fazer reportagens-denúncia bombásticas, que não se tornariam campanhas midáticas de demolição do governo, nem seriam transformadas em conspirações do ministério público. Mas lhes renderiam prêmios de jornalismo.

Poderiam fazer um jornalismo moderadamente progressista, sem que, com isso, fossem confundidos com os violentos e ruidosos mujiques da classe trabalhadora organizada.

Não era assim a década de 90?

Entretanto, pude perceber, ainda falando daquele evento que assisti pela internet, que existe um tema que os obriga a olhar, ainda que ligeiramente, meio que à medo, para a vida real, e lhes dificulta um pouco a tendência de falar de jornalismo como quem discute física de partículas: a ascensão de Jair Bolsonaro e as últimas movimentações do MBL, para censurar exposições.

Eles tratam esses temas, porém, com uma superficialidade assombrosa, porque não podem, jamais, associá-los às campanhas midiáticos-judiciais dos últimos tempos. Aliás, para eles, essas campanhas nunca existiram. Então eles não conseguem explicar ou entender porque o fascismo avança tão rápido no país.

Mas voltemos ao texto de Celso Rocha de Barros, que reproduzo abaixo. Em seguida, faço alguns comentários.

***

Desde que PT caiu, reveses do combate à corrupção se acumulam

Por Celso Rocha de Barros, na Folha

Neste exato momento, as evidências contra Michel Temer são o que PT e PSDB sempre sonharam encontrar um sobre o outro. Quando Dilma caiu, não havia contra ela delação que fosse nem sequer comparável à de Lúcio Funaro contra Temer. Se FHC tivesse sido gravado naquela conversa com Joesley, cairia antes do raiar do dia seguinte.

E, no entanto, Temer acaba de sobreviver a mais uma denúncia. Além da gambiarra de Gilmar Mendes no TSE, já são duas fugas pelo porão do Congresso.

E isso tudo enquanto o Brasil ainda vive sob os efeitos da Lava Jato, a maior investigação de corrupção da história.

Todos os quadros importantes do governo Temer são pesadamente envolvidos nos escândalos. E o que é pior: os escândalos parecem ter destroçado PT e PSDB, que se alternavam no poder, mas deram a Presidência ao PMDB, que foi parceiro de todos os partidos em todos os escândalos.

Ninguém nunca achou que a Lava Jato conseguiria pegar todos os corruptos. Se Temer fosse um caso isolado de picareta que conseguiu fugir, menos mal. Mas há razões para ter medo de que não seja só isso.

Precisamos lidar com a possibilidade de que a janela em que os governantes brasileiros estiveram submetidos à lei, aberta quando o PT chegou ao poder, esteja se fechando.

Os governos petistas eram claramente mais fracos que seus antecessores de centro-direita: eram francamente minoritários no Congresso, nunca tiveram um único veículo de grande mídia que os apoiasse, e estavam sempre sob suspeita do empresariado. A opinião pública teria destroçado o PT se Lula tivesse indicado para o Supremo alguém tão partidário quanto Gilmar Mendes.

Nesse contexto, o jornalismo de denúncia teve uma era de ouro, Joaquim Barbosa prendeu os acusados do mensalão enquanto o grupo deles ainda estava no poder, e a Lava Jato começou seu trabalho.

Desde que o PT caiu, os reveses do combate à corrupção se acumulam. A boa notícia é que a melhor imprensa não deixou de denunciar os escândalos contra Temer; mas o apoio de todos os grandes veículos às reformas acaba colocando um limite no tom e na ênfase. O empresariado provavelmente preferia um governo liberal e honesto, mas, já que não há nenhum em oferta, acaba aceitando um liberal e corrupto. E a esquerda na oposição simplesmente não é forte o suficiente para sustentar politicamente quem enfrentar o novo grupo no poder.

Veja que o problema não é que o PT fosse inocente. É que ele era mais fraco. Sergio Moro nunca correu risco nenhum de ser escrachado pela opinião pública enquanto processava Lula, mas Rodrigo Janot foi massacrado por desmascarar Temer. Não há como comparar o poder de fogo dos blogs petistas anti-Moro com o da atual turma chapa branca.

Na última quarta-feira, após a vitória de Temer, o deputado Cunha Boy Carlos Marun (PMDB-MS) dançou para as câmeras cantando “Tudo está no seu lugar”, de Benito di Paula.

As coisas não estão onde deveriam estar, Marun, mas, ao que parece, estão voltando para onde estavam antes. A janela de transparência de 2003-2016 parece estar se fechando sob governos mais fortes que os petistas. Resta torcer para que Justiça e imprensa tenham acumulado forças suficientes nesse período para sobreviver na nova fase.

Até agora, só perderam.

***

A tese de Barros, se eu bem entendi o artigo, é que a ascensão do PT criou os três fundamentos para a luta contra a corrupção no país: transparência das despesas públicas, autonomia dos órgãos de investigação, respeito absoluto à liberdade de imprensa.

O que veio à tôna, porém, derrubou o próprio PT e, junto com ele, os tais fundamentos, de maneira que estaríamos entrando numa era de muito menos transparência, com enorme risco, portanto, ao combate à corrupção nos anos vindouros.

E o que veio à tôna?

Ora, cada um dos fundamentos produziu o veneno que derrubaria o governo Dilma.

1) A transparência das despesas públicas criou enormes constrangimentos para os grupos que sempre se acostumaram a tratar a coisa pública como se lhe pertencesse. Isso do lado da classe política. No que toca a imprensa, a transparência petista, levada a cabo sem se fazer acompanhar da necessária ampliação da comunicação política, fez com que os governos petistas ficassem amarrados ao que a imprensa autorizava ou não. A imprensa agora conseguia monitorar os mínimos gastos de cada ministério. Se um ministro comprava uma tapioca de maneira irregular, não importava que isso era uma ninharia administrativa que o próprio sistema corrigiria automaticamente adiante: transformava-se num escândalo. Se o governo despejava dinheiro na Globo, isso não tinha importância, nem era notícia. Mas se o governo decidia, timidamente, democratizar uma ínfima parcela da publicidade institucional, isso era descrito na imprensa como tentativa de controlar a opinião pública. O governo aceitava essa interpretação sem nenhum tipo de luta, porque não tinha armas para lutar. Não tinha mídia. E tinha medo.

2) A autonomia dos órgãos públicos, igualmente desacompanhada de aumento do controle político desses mesmos órgãos, permitiu que eles fossem instrumentalizados pela oposição derrotada, em especial pela grande imprensa, que lhes insuflou o corporativismo, a vaidade, a prepotência, até produzir monstros como Joaquim Barbosa, Sergio Moro, Dallagnol.

3) O respeito absoluto à liberdade de imprensa se converteu, em pouco tempo, na entrega da opinião pública aos adversários. Dois anos após sua vitória em 2002, o governo Lula e o PT parecem desistir do embate de narrativas. Esta teria sido a mais perigosa das “concessões” de Lula. Para governar, Lula fez diversas concessões já conhecidas: entregou o Maranhão aos Sarney, o Rio de Janeiro ao PMDB, aliou-se a antigos adversários – e, por fim, deixou a opinião pública com a Globo.

As vitórias do PT em 2006, 2010 e 2014 se dão com apoio maciço das camadas mais pobres, não por convencimento da opinião pública hegemônica – ou seja, da opinião pública das classes dominantes.

Não são mais, por isso mesmo, vitórias políticas e sim vitórias eleitorais.

A derrota eleitoral tripla da opinião pública hegemônica é que explicará a consolidação desse profundo desprezo pelas urnas, expresso no golpe de 2016.

O problema do artigo de Barros – e francamente não posso culpá-lo por isso, em vista do lugar onde ele escreve – é uma série de omissões fundamentais para se entender a conjuntura política nacional.

Quando ele fala que a imprensa, diante de um governo fraco (o petista, sem maioria no congresso, e minoritário também na opinião pública hegemônica), se sentiu mais confiante para fazer denúncias, ele omite, por exemplo, que a mídia brasileira é a mais concentrada e plutocrática do mundo ocidental. Isso gera uma instabilidade política estrutural que não podemos naturalizar.

Quando fala que a Lava jato é a “maior investigação de corrupção da história”, Celso faz sua própria concessão à narrativa central da mídia. A Lava Jato destruiu as principais empresas de engenharia, de construção civil e pesada do país, e foi responsável direto por mais de 4 milhões de empregos destruídos. A Petrobrás e o pré-sal já começaram a ser vendidos, quatro hidrelétricas da Cemig foram privatizadas, e Temer determinou que a Eletrobrás também será sacrificada. Não creio que algum analista político responsável negue que essas coisas são consequência direta da Lava Jato.

A Lava Jato consolidou tantas violações às garantias fundamentais e direitos básicos dos réus, sempre com objetivo de extrair delações premiadas, que seria cansativo repeti-las aqui.

O processo de desnacionalização da economia, iniciado pela Lava Jato, feito às pressas e a preço vil, também confirmam que a Lava Jato é a “maior investigação de corrupção da história”.

A queda abrupta dos investimentos públicos e privados, a suspensão de projetos estratégicos de soberania, como a construção do submarino nuclear e de Angra 3, a anulação de investimentos em pesquisa e tecnologia, tudo isso nos leva a concordar que a Lava Jato realmente foi grande.

Celso observa, prudente, que “o problema não é que o PT fosse inocente”. Eu acho sempre gracioso quando profissionais de ciência política se vêem obrigados a fazer concessões desse tipo ao senso comum, mas tudo bem, isso é inevitável. “É que ele [o PT] era mais fraco”, complementa.

Entretanto, aí vem as duas frases muito interessantes:

“Sergio Moro nunca correu risco nenhum de ser escrachado pela opinião pública enquanto processava Lula, mas Rodrigo Janot foi massacrado por desmascarar Temer. Não há como comparar o poder de fogo dos blogs petistas anti-Moro com o da atual turma chapa branca.”

E aí você vê o talento de Celso, escondendo sujeitos numa frase, predicados na outra, a depender do momento.

Os blogs não são progressistas, de esquerda, que lutam pela democracia e contra o regime de exceção. São “petistas” e “anti-Moro”.

Já o outro lado, dos chapa-brancas, é uma “turma”.

Janot é massacrado por “desmascarar Temer”, mas não se diz quem o massacra.

O que Moro faz com Lula certamente não se pode chamar “processo”, a menos que se queira usar o sentido kafkiano do termo: é uma perseguição abjeta, corroborada pela opinião de milhares de juristas do país, embora esse fato seja solenemente ignorando pela “imprensa”.

Quanto ao “poder de fogo” da turma chapa-branca, em comparação aos “blogs petistas”, seria interessante acrescentar a informação de que a munição vem sendo dada pelo próprio governo, que nunca despejou tanto dinheiro na grande mídia como agora, ao mesmo tempo em que se rasgou qualquer escrúpulo republicano que pudesse haver no uso de recursos públicos.

Os recursos da Secom estão indo exclusivamente para veículos alinhados com o governo aprovado por 3% da população. Lembram das reportagens da Folha esquadrinhando para onde iam os recursos de publicidade de estatais e governo federal? Nunca mais apareceram.

Esse é o “poder de fogo”, Celso, da “turma chapa-branca”. O dinheiro pontual que chega na sua conta bancária tem uma origem: Michel Temer. Talvez seja por isso que o núcleo de Temer fique tão irritado quando questionados ou criticados na grande imprensa por colunistas como Celso. Não entendem como isso seja possível. Afinal, não pagam justamente para que isso não aconteça?

A conclusão do artigo de Celso oferece ao leitor, por isso mesmo, uma perspectiva ingênua.

A janela de transparência de 2003-2016 parece estar se fechando sob governos mais fortes que os petistas. Resta torcer para que Justiça e imprensa tenham acumulado forças suficientes nesse período para sobreviver na nova fase.

Os novos governos não são exatamente “mais fortes” que os petistas. O governo Temer é fraco. Sua força deriva exatamente da mesma “Justiça” e “imprensa”, ou Celso esqueceu da quantidade gigante de vitórias de Temer e seus aliados na justiça e da proteção de que goza na imprensa?

O próprio Celso, pouco antes, ao passar um pano no chapa-branquismo ao dizer que a “imprensa não deixou de denunciar os escândalos contra Temer”, admite que “o apoio de todos os grandes veículos às reformas acaba colocando um limite no tom e na ênfase”.

Que “reformas” são essas?

Foram discutidas numa campanha eleitoral? Ou melhor, estão sendo discutidas na imprensa hoje? Não. A imprensa, portanto, não apenas dá apoio às reformas; ela mente à população, ao escamotear o teor das próprias reformas.

Este “limite no tom e na ênfase” é, na verdade, um eufemismo para descrever o apoio canino que a grande imprensa brasileira dá ao governo Temer.

Outra coisa, a imprensa brasileira descobriu uma fórmula inteligente para sustentar e apoiar um governo sem exagerar muito na forma: faz uma agressiva campanha para destruiu ou invisibilizar qualquer movimento, organização ou iniciativa que possa oferecer um risco ao governo.

Quando o PT estava no poder, a Folha chegou a fazer matéria, de página inteira, com um casal que foi à Esplanada dos Ministérios protestar contra Dilma. Hoje, Lula reúne milhares de pessoas em suas caravanas e a Folha mobiliza toda a sua equipe para não dar nada.

Quanto à Justiça, não foi ela que proibiu Lula de assumir um ministério e, em seguida, permitiu que Moreira Franco o fizesse?

Não foi ela que prendeu Delcídio do Amaral e soltou a irmã do Aécio?

Não foi a Justiça que prendeu Vaccari e soltou Rocha Loures?

Não foi a Justiça, sob o silêncio acumpliciado da imprensa, que censurou Caetano Veloso, quando ele tentou fazer um show para os sem teto de São Bernardo do Campo?

Não é a Justiça que condenou Lula sem provas, e que provavelmente chancelará a condenação na segunda instância, ainda sem provas, para beneficiar o candidato da mídia?

Não foi a Justiça – sob a cumplicidade da mídia – que permitiu que juízes e procuradores ocupassem, e ocupem até hoje, os palanques da política, desde que sejam em favor do golpe, mas que imediatamente punem e investigam quando juízes se manifestam contra o golpe?

A “nova fase”, Celso, de que você fala, é um regime de exceção, já em vigor, dominado justamente pela “imprensa” e pela “justiça”.

É claro, portanto, que esses dois acumularam força suficiente para sobreviver à “nova fase”, pois a nova fase vivida pelo Brasil é justamente um mundo sombrio, triste e autoritário, dominado por corporações judiciais e midiáticas.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »
x
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com