Haddad e Dilma em Belo Horizonte

Operação Condor judicial avança na América Latina

Por Miguel do Rosário

09 de novembro de 2017 : 17h27

No Jornal GGN

Justiça argentina também se vale da obstrução de justiça para prender

QUA, 08/11/2017 – 18:47
ATUALIZADO EM 08/11/2017 – 19:31

Jornal GGN – Ex-juiz do Supremo Tribunal Federal, um dos juristas argentinos mais respeitados internacionalmente, Raúl Zaffaroni denunciou a perseguição política que está ocorrendo na Argentina através da Justiça.

Em entrevista à rádio AM 750, Zaffaroni advertiu que o país atravessa “um momento de regressão institucional”. O governo pressiona os “juízes rebeldes”, diz ele. E a prisão do ex-vice-presidente Amado Boudou, junto com a perseguição a ex-funcionários do governo anterior, faz parte de “uma série de shows judiciais e procedimentos semelhantes às mafias”. Seria a comprobvaçào de que “a regra da lei está caindo aos pedaços”.

O juiz Ariel Lijo usou o argumento de “obstrução da investigação” para justificar detenções sem sentença.

Zaffaroni explicou que “as prisões preventivas são emitidas com o pretexto de que podem prejudicar o progresso da investigação, quando os fatos relatados são evidências documentais” e acrescentou que esse tipo de caso não se aplicar aos ex-integrantes do governo Kirchner.

Segundo ele, o país e o judiciário estão “acompanhando um momento de regressão institucional” que podem ter “um resultado indesejável” e que “podem prejudicar nossa cultura jurídica”.

O fenômeno passou a ocorrer desde a chegada do presidente Maurício Macri ao poder. Deflagrou-se um processo de perseguição ideológica.

“Se existe uma perseguição ideológica, a imparcialidade institucional que garante o pluralismo acabou”, advertiu Zaffaroni. E e indicou que esse tipo de lógica é o que causa “pressão sobre os juízes rebeldes”. O exemplo imediato deste caso é o juiz platense Luis Arias, que foi suspenso por dois meses por 21 decisões tomadas, algumas das quais destinadas à proteção dos direitos humanos.

Por conta de sua posição, Zaffaroni tem sido alvo de campanhas de denúncias de sua aposentadoria, como ex-Ministro do Supremo.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

antipaneleiro

09 de novembro de 2017 às 23h09

Parece claro que a América Latina está fora de qualquer protagonismo geopolítico mais imediato. Assim como as aventuras militares transformaram o subcontinente numa região militarmente nula, temida por ninguém, acredito que a Condor judicial terá (e já tem) consequências mais profundas. 1 – a já notada insignificância diplomática mundial, 2 – um aumento exponencial de corrupção (pois já não vale mais o que ESTÁ na lei, senão QUEM julga), considerando que – em geral! – o jurista gosta mais de $$ que o militar. Se 64 acabou com o pretenso “positivismo” dos militares, a Condor 2 enterrou de vez o positivismo jurídico na América Latina.
O que fazer? é a pergunta que não quer calar. E a resposta brasileira é: combinar com os russos, ou seja, neste caso: combinar com a maçonaria, caso esta ainda preserve alguma fé em excentricidades como razão ou ciência.

Responder

Cristovam Souza Leão

09 de novembro de 2017 às 22h27

Acho que esqueceram a 1a. Condor!

Responder

Carlos Herinque Bastos

09 de novembro de 2017 às 20h10

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com