Sabatina de Manuela na Carta Capital

BRICS enfrentam os EUA criando o novo mercado de ouro

Por Tulio Ribeiro

02 de dezembro de 2017 : 07h01

(crédito imagem:agcnews.eu)
Antes de avançar sobre o protagonismo do BRICS, faz-se necessário reportar sobre o mercado do ouro que é particular por ser uma matéria inalterada. Os estoques constituídos são muito superiores a produção anual.

O ouro tem servido há muito tempo como um padrão para as moedas internacionais. Desta forma, foi o que se sucedeu a partir do século XIX até a primeira guerra (1914), neste período os bancos centrais possuíam quantidade de ouro físico suficiente para converter em liquidez. Este sistema foi abandonado e foi uma das causas da crise de 1929.

Terminada a segunda guerra, a paridade ouro/dólar foi restabelecida no acordo de Bretton Woods (1944). A crise do petróleo com a guerra árabe/israelense fez o preço do barril de petróleo triplicar rapidamente, levando desequilíbrio para países consumidores. Este fato, fez os Estados Unidos reconhecerem que não possuía reservas de ouro suficiente para garantir a quantidade de dólar emitida, a paridade foi cancelada mais uma vez (1971).

Pese o ouro ao longo da História recente sofrer um período inicial de depreciação, em momentos de turbulência mundial ele recupera o valor exatamente por representar o”refúgio seguro” para as reservas financeiras.

Sobre olhar deste processo, uma explicação realista é que o protagonismo do BRICS em criar um mercado paralelo do ouro não deve somente na busca da rentabilidade mas principalmente dar voz a questão da geopolítica e o retorno da guerra fria.

Os Estados Unidos acentuaram a depois da década de 60, a política de restrições comerciais e financeiras contra blocos ou nações que se mantivesse averso a seus objetivos como potência mundial. Existe atualmente 80 países que sofrem algum tipo de sanção das 194 nações oficiais, inclusive Rússia, Irã, China e Venezuela. Os embargos visam dificultar acesso a produtos estadunidenses, canadenses e da União Européia (UE); principalmente ao principal título mundial, o dólar.

O bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e Africa do sul, representam 20 % do PIB mundial. Os chineses são os maiores produtores de ouro(490 toneladas/ano 2015) a Rússia o terceiro(242 t) e Africa do Sul o sétimo(140t). Em 2015 criaram o ” Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS¨, uma alternativa ao Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional que seguem as políticas dos EUA, UE e OTAN.

O objetivo de se apresentar como alternativa a um paradigma já estabelecido requer construir algumas premissas que os EUA já possuem. Primeiro formar uma capacidade financeira do bloco para se financia e também vender seus produto em escala mundial. Podemos enumerar a segunda como edificar condições de pagamentos em sua cesta de moedas ,ou no yuan chinês. Isto permitiria aumentar a demanda por suas moedas gerando dependência de outras economias em seus títulos e por conseguinte aviltando o preço do dólar no mundo. O ouro vai de encontro com esta estratégia ao permitir uma importante nova forma de negócio e meio de pagamentos fora dos títulos estadunidense, e ao novo controle do BRICS.

Segundo o vice-presidente do Banco Central da Rússia, Serguéi Shvetsov a abordagem apropriada ao mercado de ouro é de transformação:

“O sistema tradicional de comércio de ouro está perdendo força e que atualmente está surgindo novos polos. Apesar do negócio ainda se concentrar em Londres e algumas cidades suíças, está se originando novos focos como India, China e Africa do Sul , portanto da bloco do BRICS.”

Shvetsov , numa entrevista coletiva semana passada, analisou o objetivo do grupo de países:

“Nós analisamos a possibilidade de estabelecer um sistema integral de comércio de ouro, tanto no marco das instituições, como mediante a contratos bilaterais. A Rússia já rubricou um memorando com seu sócio chinês e pretende iniciar a base trocas em 2018”

É necessário entender que os BRICS, e mais especificamente a Rússia e a China, ao se debruçar como novos líderes mundiais em contraponto aos Estados Unidos , devem lançar ferramentes mais amplas possíveis para se manter neste patamar. A leitura realista é de que absorção do ouro, significa um passo tão importante como substituir o dólar como única moeda mundial para transações correntes ou financeiras. Permutar meios de pagamentos da esfera estadunidense, por outras próximas, é reafirmar a crescente atração que Rússia e China possuem em relação as demais nações.

Autor:

Tulio Ribeiro é graduado em Economia, pós graduado em História Contemporânea, mestre em História Social e doutorando em Ciências Estratégicas.

Tulio Ribeiro

Flávio Túlio Ribeiro Silva é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Pedro Cândido Aguarrara

05 de dezembro de 2017 às 17h06

Aqui uma pergunta inteligente, para quem gosta de estudar: por quê o ouro, sendo o metal mais procurado do mundo, está SEMPRE caindo de valor nos mercados?
Para responder tem que dar uma “estudada” muito boa. A resposta tem a ver com a necessidade do FED (Banco Central Americano, que é uma instituição privada) de manter o dólar valorizado, apesar deles saberem que o valor atual REAL do dólar é cerca de 65% menor do que o valor “escritural” da moeda.
Os bancos privados que compõem o FED manipulam o mercado do ouro (escritural) para manter o valor do ouro o mais baixo possível. E, por quê o FED tem que manter o ouro baixo? Para que o ouro não se torne uma alternativa viável para o dólar no mercado internacional de bens e serviços!!
E, exatamente por isso, russos e chineses têm uma política de receber dólares pelos produtos que exportam e transformá-los, de imediato, em ouro (ouro físico, em barras, não escritural) aproveitando-se da vulnerabilidade do dólar em relação ao preço do ouro que, para o FED, NÃO PODE SUBIR.
Eles aproveitam a manipulação americana e compram ouro baratinho, baratinho…
Analisem a compra de ouro pelos russos e chineses nos últimos 10 anos e entenderão tudo.
Esse é um passo muito importante (formar lastro em ouro físico) para diminuir a dependência dos emergentes das instituições financeiras internacionais, controladas, em sua maioria, pelo corporate crime A-Type, sediado na Inglaterra. É também um passo importante para o fortalecimento dos planos para um mercado emergente comum e independente das manipulações dos grandes grupos corporativos angloamericanos, especialmente daqueles controlados pelo corporate crime A-Type e pelo corporate crime B-Type.
Atitudes como esta não agradam nem um pouco às grandes corporações inglesas e americanas que vão usar toda a sua influência, dentro dos seus respectivos governos, para isolar os russos e os chineses da Europa, da Ásia e da América Latina.
Podem esperar agitações em Hong-Kong, na Rússia, nos países que fazem fronteira com a Rússia e a China, nos principais países latinoamericanos, especialmente Venezuela, Argentina e Brasil, e nos países do Oriente Médio que são estrategicamente importantes para Rússia e China, como a Síria e o Iran.

Responder

Cláudio

03 de dezembro de 2017 às 04h13

:
: * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra♥♥S♥♥il e postando:

A esperança são os/as russos/as e a China, porque…

.:.
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
* * * * * * * * * * * * *
* * * *

Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) !!!! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem vaselina, ou seja: sem contemporizações indevidas) 2018 neles/as (que já perderam DE QUATRO nas 4 últimas eleições presidenciais no BraSil) !!!!

* * * *
* * * * * * * * * * * * *
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Responder

Henrich Claus

02 de dezembro de 2017 às 16h49

Os Brasileiros frequentemente esquecem que o poder não está nas nãos dos que ocupam os gabinetes em Brasília mas nas relações comerciais do país. A economia Brasileira é dependente de investimentos de fora e das exportações para sobreviver, e China tem um peso enorme para o equilíbrio das contas públicas. A capacidade dos EUA de interferir no destino dos BRICS é limitada e será ainda menor no curto prazo, pois o privilégio de emitir indiscriminadamente a moeda usada como reserva internacional chegou ao fim. E junto com o monopólio do sistema de pagamentos, chegou ao fim a zona de influência do Dolar Americano sobre outros grandes parceiros comerciais do Brasil que hoje dependem dos emergentes para sobreviver. Portanto, China e Russia observam de longe mas operam de perto os bastidores do poder podendo a qualquer momento eliminar interferências, seja ela de ordem política, econômica ou militar. Basta observar as tentativas fracassadas de postergar o retorno do padrão Ouro que os Bancos Centrais do ocidente tanto temem e o mercado de títulos da dívida soberana destes países. O B dos BRICS está de férias e voltará exercer sua função em breve, pontualmente.

Responder

zemane

02 de dezembro de 2017 às 15h50

Porque o brasil minúsculo continua incluído nos brics? A canalha aqui vai doar as reservas de ouro dos otários para os pobres americanos do norte.

Responder

João Carlos AGDM

02 de dezembro de 2017 às 12h37

ME DESCULPE, MAS, DIZER QUE O OURO FOI UM DOS MOTIVOS DA CRISE DE 1929, desculpe, mas é totalmente fora da realidade.
A crise de 1929 foi o primeiro grande golpe financeiro/econômico dado na população (americana, principalmente, e mundial em consequência).
Te conto como foi:
Um grupo privado (NÃO ESTATAL) dono do FED (tipo banco central dos Estados Unidos, com o poder de controlar a taxa de juros, além de emitir dinheiro), que também dominava (e domina) a Mídia americana aproveitou o grande progresso americano do pós Primeira Guerra Mundial e através da Mídia disse ao povo americano que o grande negócio era comprar ações.
Ao mesmo tempo inundou os bancos e financeiras com dinheiro super barato (juros super baixos).
O povo americano foi na onda da Mídia e comprou ações a qualquer preço.
Estes subiram a níveis totalmente irreais.
Quando os preços estavam na estratosfera os “insider” (que tinham planejado, bolado e armado o golpe) saíram vendendo.
Os preços tiveram uma primeira grande queda.
A Mídia entrou apavorando todo mundo.
Os preços das ações despencaram e foram pro fundo do poço, abaixo até do valor real.
Quem tinha pedido dinheiro emprestado para comprar ações não puderam pagar o empréstimo.
A Mídia entrou dizendo que os bancos tavam a perigo.
Corrida aos bancos para retirar dinheiro.
Conclusão: mais de 500 bancos americanos pequenos e médios, além de inúmeras financeiras, foram à falência.
Mais de 5 mil suicídios.
É isso aí

Responder

    João Carlos AGDM

    02 de dezembro de 2017 às 12h57

    Ainda mais:
    O golpe ferrou (se preferir, use uma palavra mais forte, o tema merece……) com a economia americana.
    E dos “roaring twenties” (euforia de vida) os americanos conheceram uma onda de grande pobreza de quase a maioria da população………

    Responder

    Camila

    02 de dezembro de 2017 às 20h25

    Este é o instituto Millenium de plantão.
    João a História não é a sua estória contada.
    Claro que o abandono do padrão ouro desencadeou uma percepção de insegurança na hipoteca de reservas para cobrir o depósito bancário.
    Sabe, a História merece respeito acima de tudo..
    Boa noite e siga em frente na sua Estória.

    Responder

      João Carlos AGDM

      03 de dezembro de 2017 às 00h12

      Desculpe, mas, não entendi nada.
      Quem é o Millenium de plantão?????
      Tu?????
      Demonstre que o que eu disse não é verdade.
      Você faz parte daqueles que possuem o FED????????????
      Tás ai de plantão??????????????????
      Tás desconversando????
      Escondendo jogo sujo???????????
      És do time que está destruindo o Mundo???
      Pensa que eu não saco vocês??????

      Responder

        João Carlos AGDM

        03 de dezembro de 2017 às 00h19

        Tem mais sua idiota,
        O jogo de vocês vai acabar em uma terceirona antes.
        Vocês pensam que vão ter o Mundo para vocês??????
        Vai acabar antes em uma terceirona, sua idiota.
        Imbecil!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
        Cretina!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

        Responder

      Pedro Cândido Aguarrara

      03 de dezembro de 2017 às 21h46

      João está certo Camila. A realidade passa muito longe de certas escolas faculdades e universidades. Economia e História são disciplinas muito manipuladas pelo sionismo Ashkenazy que controla a maior parte do ensino academico nos Estados Unidos e isso influencia tudo que é ensinado e divulgado no Brasil.

      Há que estar sempre antenado para informação alternativa de qualidade.

      Responder

José Ruiz

02 de dezembro de 2017 às 11h39

na verdade, tudo o que estamos vivendo nestes tempos decorre, exatamente, desta questão.. é uma guerra entre blocos.. com a diferença de que um dos blocos quer a inclusão, e o outro, a exclusão.. ou seja, se vc não é EUA nem UE, então a sua luta é por sobrevivência.. nós fazemos parte dessa luta.. por enquanto, o bloco EUA/UE tá levando fácil por aqui..

Responder

    Pedro Cândido Aguarrara

    03 de dezembro de 2017 às 21h39

    Mas esse tal de “por aqui” tem alguma importância? Não. Zero importância.

    O que realmente importa é a aliança China Rússia e o corredor eurasiano até a Europa. O resto é abobrinha correndo atrás. O controle do corredor eurasiano é que define quem está no comando das ações mundiais.

    Responder

Eloiza Augusta

02 de dezembro de 2017 às 11h23

Obrigada pela excelente aula e explanação do texto de maneira tão clara.

Responder

Antonio Passos

02 de dezembro de 2017 às 10h14

A união de Rússia e China simplesmente debcretou o fim do império americano. O que resta são estruturas velhas que ainda sustentam o modelo, mas já condenadas à morte. Isso inclui a superioridade militar, que hoje ninguém pode mais garantir de quem seja realmente, diante dos avanços tecnológicos. Pena que os BRICs agora sejam apenas Rics.

Responder

Mar

02 de dezembro de 2017 às 09h50

O Brasil já está fora do BRICS, isso só não foi oficializado por questões ainda não esclarecidas. Lamentável o Brasil ter sido o ponto fraco, que permitiu o EUA sabotar o bloco, poderíamos ser muito mais forte ao pertencer a um bloco que fará contraponto ao sistema destrutivo liderado pelos EUA. Ao implantar o programa do PSDB, partido criado para satisfazer os interesses dos EUA, o Brasil perde sua soberania e protagonismo passando a condição de vassalo, assim como México e Porto Rico. Mas, mesmo sem o Brasil o “B”RICS ainda é muito forte e se fortalecerá ainda mais. Resta saber quem ocupará o lugar do Brasil, seria a Venezuela? Ou em 2018 agente consegue colocar o Brasil de novo lá?

Responder

    João Carlos AGDM

    02 de dezembro de 2017 às 12h44

    Segundo o representante brasileiro junto ao BRICS da era Lula, o funcionário enviado pelo presidente do Banco Central brasileiro da era Temer estava tendo “comportamento profissional indesejável”.
    Acho que podemos interpretar este depoimento em outras palavras:
    Foi prá lá prá sabotar…….

    Responder

jose carlos vieira filho

02 de dezembro de 2017 às 08h54

o B dos BRICS está se desmanchando.

Responder

    Paulo Truglio

    02 de dezembro de 2017 às 09h43

    Urge tratar desse assunto. A solução: retomar a normalidade política, derrubar o golpe e investir no BRICS. Pra ontem.

    Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com