O Cafezinho

sábado

2

dezembro 2017

13

COMENTÁRIOS

Apostar nos meios, pois os fins são velhos conhecidos

Escrito por , Postado em Redação, Wellington Calasans

Por Wellington Calasans, para O Cafezinho

Há uma gigantesca onda por “sede de justiça” que tem sido alimentada na sociedade brasileira. Campanhas midiáticas casadas com práticas de “meganhagem” formam, no seu conjunto, a consolidação da “Datenização” dos nossos cidadãos. O verbo “prender” materializa o momento catártico para o alívio de frustrações que, em grande maioria, não são debatidas ou conhecidas na sua origem.

Recentemente, o ministro do STF, Gilmar Mendes, pelo qual não nutro o menor apreço, voltou a ser o “alvo” dos justiceiros de plantão por ter mandado soltar pela terceira vez o empresário Jacob Barata Filho, conhecido como o ‘Rei do ônibus’. Gilmar está certo! Dói escrever isso, sobretudo porque ele não o faria com um desafeto, mas ele agiu corretamente.

Ao que tudo indica, a destruição da Odebrecht que teve como heranças uma massa de desempregados, a criminalização da classe política e empresarial, além da perda do domínio da engenharia pesada, parece ter sido esquecida por aqueles que ignoram a importância do setor de transportes, próximo a ser atacado pela invasão estrangeira, em uma metrópole como o Rio de Janeiro.

Punir pessoas para pegar empresas (no caso Barata um setor inteiro) é jogar fora a água com o bebê junto. É preciso preservar o funcionamento das empresas e zelar pela manutenção dos empregos. Permitir que a justiça punitiva seja a única saída para todos os problemas (reais ou forjados) é abrir mão do papel de cidadão e delegar (desculpe a redundância) poderes aos meganhas.

O juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Criminal Federal do Rio, é um fanático religioso que tem na própria interpretação bíblica o “Morus Operandi” como lida com as leis. É uma “meganhagem” piorada, pois recorre à religião para justificar a prática satânica de injustiças.

As prisões dos deputados, também no Rio de Janeiro, seguem como ilegais. Assim como ilegal foi a prisão do casal Garotinho. Vibrar com as prisões arbitrárias é dar um cheque em branco para que os concurseiros assumam a política, sem a legitimação do voto.

Para aprofundar ainda mais o problema, defendo aqui o direito de Jair Bolsonaro proferir as suas diarreias bucais. Um deputado tem prerrogativa de foro e a justiça não pode substituir a política. Quem deve silenciar Bolsonaro é a urna, banindo-o da política para que ele, agora como cidadão comum, saiba medir melhor as consequências dos seus atos e palavras.

Sair processando este ser repugnante é também um atalho perigoso para os, sempre atentos, meganhas. Hoje Bolsonaro, amanhã qualquer um que seja visto como alvo a ser abatido. Longe de ser defensor ou, ao menos, concordar com o que é dito por este deputado, lembro que ele foi eleito e por isso deve ser respeitado como um representante de um segmento da sociedade. O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar deverá ser desmoralizado com ele ou recuperar a imagem diante do povo.

Sei que muitos vão discordar de mim e até dizer que eu estou “vendido”, “com medo”, etc., pois são esses os comentários que leio nos posts de quem defende esta mesma linha de raciocínio. Alerto apenas para o fato de que juízes e agentes públicos da justiça não são eleitos pelo povo e avançam todos os dias nos direitos e liberdades duramente conquistados, mas que são apenas os primeiros frutos destas conquistas.

Os meios atuais de se fazer justiça com as vísceras é uma ameaça à democracia. A Lei Cancellier é um caminho (que carece de mecanismos externos de controle) que pode ser visto como alternativa ao cenário vigente no Brasil. Os fins são velhos conhecidos, pois a história da Alemanha, Itália, etc. ainda é uma ferida a ser cicatrizada.

O plano sempre foi o de fazer o PT (a Deputada Maria do Rosário morde a isca todos os dias) impedir a candidatura de Bolsonaro para justificar o aprofundamento do golpe com Moro como o novo ditador do Brasil. Sem popularidade, será apenas um “Temer de toga” a cumprir a agenda imposta pela invasão sob a qual o Brasil está submetido, onde o afastamento de Lula seria consumado como uma “compensação” da punição imposta ao “estadista Bolsonaro”. Estejamos atentos.

sábado

2

dezembro 2017

13

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 COMENTÁRIOS

  1. Sebastião Farias
  2. Luis Campinas
  3. Yorkshire Tea
  4. Mar
  5. Sérgio
  6. Mar
  7. Sérgio
  8. Moreno
  9. Niobe Cunha
  10. LUCY
  11. Jose Carlos lima
  12. Vinícius
  13. jose carlos vieira filho