Hangout com Miguel do Rosário 17 de abril de 2019

Campanha de Aécio torrou meio milhão com perfis falsos em 2014

Por Miguel do Rosário

08 de dezembro de 2017 : 16h47

E pensar que Gilmar Mendes e a Lava Jato cozinharam, durante todo o período de preparação ao golpe, factóides negativos contra a campanha de Dilma Rousseff, sempre com o argumento ridículo de que haveria abuso de poder econômico.

Ridículo porque o poder econômico sempre esteve aliado à direita, à campanha de Aécio Neves. A denúncia publicada pela BBC é apenas mais uma prova disso.

Dilma Rousseff ganhou as eleições por causa do apoio de movimentos sociais e da corrente progressista da sociedade. O governo Dilma, com uma cegueira política inacreditável, acreditou na Globo e voltou as costas para essa corrente social. Mas era um governo eleito e, cedo ou tarde, não houvesse golpe, as próprias contradições sociais obrigariam o governo a abrir os olhos e se voltar novamente para as correntes progressistas, que assumiriam novamente o protagonismo do governo.

Mas o golpe foi uma coisa infinitamente mais atroz: foi uma traição odiosa à cidadania, um crime hediondo contra a democracia, e as suas consequências sociais estão sendo trágicas.

***

No Jornal GGN

Marqueteiro de Aécio gastou R$ 504 mil com empresa de perfis falsos em 2014

SEX, 08/12/2017 – 15:48
Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Uma reportagem publicada pela BBC Brasil nesta sexta (8) levanta a suspeita de que Aécio Neves (PSDB) foi beneficiado pela subcontratação de empresa especializada em administrar perfis falsos nas redes sociais, com o objetivo de influenciar as eleições de 2014. O marqueteiro de Aécio, Paulo Vasconcelos, gastou meio milhão de reais com a empresa Facemedia, que também trabalhou para o Comitê Nacional do PSDB e outros políticos ligados ao PMDB.

A matéria foi feita com base em uma investigação jornalística que chegou aos funcionários da empresa Facemedia, contratados para gerenciar os perfis falsos. Em média, cada um cuidava de cerca de 20 “personas” que eram criadas pela equipe do empresário Eduardo Trevisan.

A agência PVR, de Paulo Vasconcelos, o marqueteiro da campanha presidencial de Aécio, pagou R$ 504 mil para a Facemedia entre março e julho de 2014, diz a BCC. A despesa consta em um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeira), de julho deste ano.

Não se sabe exatamente para qual cliente de Vasconcelos a Facemedia trabalhou. Questionada, a PVR disse que contratou os serviços de Trevisan para fazer “monitoramento e análise do ambiente político” nas redes. Além do PSDB, Vasconcelos também fazia assessoria para a J&F. Tanto Aécio quanto a JBS aparece em mensagens postadas pelos perfis falsos, mas os envolvidos negam que o senador tucano tenha sido beneficiado.

Além da agência que fez a campanha de Aécio, o próprio Comitê Nacional do PSDB contratou a Facemedia por R$ 360 mil em 2014, para “serviços de marketing e comunicação digital.”

OUTROS POLÍTICOS

Quem também usou os serviços de Trevisan, naquele ano, foi o senador Renan Filho (PMDB), que desembolsou R$ 200 mil na campanha ao governo de Alagoas. Outro peemedebista, o ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo Filho, teria despedido R$ 30 mil com a agência de perfis fakes, quando concorreu ao governo da Paraíba.

A deputada Laura Carneiro, do PMDB do Rio de Janeiro, pagou um total de R$ 112 mil por mês para divulgar seu mandato nas redes sociais. Segundo a reportagem, os perfis falsos criados pela Facemedia interagiam com as redes sociais da parlamentar.

Os funcionários entrevistados pela BBC ainda disseram que Eunício Oliveira, Renan Calheiros, Eduardo Braga, Paulo Hartung, todos do PMDB, além de Rodney Miranda (DEM), índio da Costa (PSDB), Gim Argelo e Felipe Peixoto (PSB) também usaram os serviços da Facemedia.

O ESQUEMA DE CIBORGUES

A reportagem explica também que especialista consideraram os perfis como “ciborgues”, porque utilizavam mecanismos de robôs associados a um perfil administrado por um humano.

A parte técnica não era muito elaborado. Os funcionários utilizavam plataformas que permitiam o uso de vários perfis ao mesmo tempo, como o Hootsuite.

Parte dos funcionários disseram que não sabiam que a finalidade da vaga de emprego era a de lidar com perfis fakes. Eles também contaram que assinaram um contrato de sigilo e evitavam expor à sociedade o que faziam no trabalho.

Leia mais aqui.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Eliane

11 de dezembro de 2017 às 00h30

Taí, ele fez de tudo pra vc gostar dele…
Não adiantou nada. E pensa, de onde ele tirou tem MUITO MAIS!!!

Responder

Edi Passos

10 de dezembro de 2017 às 23h17

Quando o gangster golpista disse, logo após a eleição, que tinha perdido para uma quadrilha, devia estar se referindo a essa quadrilha aí, uma quadrilha de bandidos fabricantes de notícias falsas que ele pagou a peso de ouro, com dinheiro público roubado, e que não deu conta de elege-lo!

Responder

Atineli

09 de dezembro de 2017 às 09h13

Análise parcial, como sempre, sobre Dilma. Ela nunca se afastou da base, não mais do que Lula e o PT. Dilma foi praticamente abandonada na porta da presidência em janeiro de 2015 graças ao barulho que vinha desde 2013 e as críticas da direita criando essa narrativa que o blogueiro continua a repercutir. Dilma foi massacrada pela direita graças à esquerda caviar que no fundo é substrato acanhado e mal acabado da direita em termos ideológicos. Possui/divide os mesmos valores, simbologias, atitudes, preconceitos, e muito machismo explícito. É tão explícito que se tornou naturalizado e se reproduziu antes/durante/e depois. O Brasil é um país profundamente escravocata e patriarcal. Esse status quo se reflete diariamente no jornalismo vil da direita e na atitude viciada e covarde da esquerda. O Brasil foi, é, e continua sendo construido pela mesma ideologia, aquela da casa grande e senzala. Triste país.

Responder

Mar

08 de dezembro de 2017 às 22h45

O próprio Aécio era fake.

Responder

Maria Fernanda Silva Montes

08 de dezembro de 2017 às 23h00

Muitos idiotas também votaram no Aécio como você.

Responder

Andrea

08 de dezembro de 2017 às 20h28

Curioso como os comentaristas fake não apareceram para comentar.

Responder

Calado

08 de dezembro de 2017 às 19h55

Isso não nada sozinho , os fakes funcionam para compartilhar fake news.
E fake news não tem geração espontânea.

Responder

Nicolas Ribeiro

08 de dezembro de 2017 às 20h44

Até parece que o PT não pagou ninguém para fazer campanha nas redes sociais.

Responder

Renato Leão

08 de dezembro de 2017 às 19h43

Alguém saberia me informar onde se meteu esse gordinho aí da foto?

Responder

Fausto Amaral DE Barros

08 de dezembro de 2017 às 19h08

“Acuse-os do que você faz; xingue-os do que você é”.

Responder

Antonio Jose Oliveira

08 de dezembro de 2017 às 19h04

Olha aí o pamonha idiota, bajulador

Responder

Yosoy Àrvoregrande

08 de dezembro de 2017 às 18h59

A “justiça brazileira vai investigar a origem desse dinheirinho?

Responder

Reginaldo Henrique Dos Santos

08 de dezembro de 2017 às 18h51

Pilantras

Responder

Ricardo M. Zarour

08 de dezembro de 2017 às 18h49

Verde e amarelo assumiu tom de luto.

Responder

Deixe uma resposta

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com