Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Brasil ingovernável: em nome da Globo, Carmen Lucia quer tutelar o Executivo

Por Miguel do Rosário

22 de janeiro de 2018 : 10h31

Vocês já conhecem minha opinião. Isso é ridículo. STF não tem que impedir posse de ministro. Quando tinha que bloquear as ações de Eduardo Cunha no processo do impeachment, o STF não fez nada. Quando é para anular o impeachment, hoje, continua não fazendo. Quando é para bloquear a entrega criminosa do patrimônio nacional, o STF não faz nada. Quando é para impedir o desmonte do Estado, como estamos vendo no Brasil, o STF não faz nada.

E agora vem com essa de impedir posse de ministro?

Sempre é bom lembrar que a presidente do STF, Carmen Lucia, suspendeu o indulto de Natal, prejudicando milhares de brasileiros e sobrecarregando o sistema prisional como um todo, por medo dos fascistas da Lava Jato, como Dallagnol, que fizeram campanha furiosa nas redes sociais contra o indulto.

Historiadoras do futuro! Taí mais um material para vocês estudarem!

***

No site do STF

Presidente do Supremo suspende decisão que havia permitido posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho

Ministra Cármen Lúcia suspende o ato de posse até que seja juntada ao processo a decisão do STJ, para análise dos pedidos apresentados ao STF, sem prejuízo de reexame da decisão liminar.

22/01/2018 09h00 – Atualizado há uma hora

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, suspendeu decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que havia liberado a posse da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) como ministra do Trabalho. A solenidade estava prevista para ocorrer na manhã desta segunda-feira (22). Ao deferir parcialmente o pedido de liminar solicitado por advogados na Reclamação (Rcl) 29508, a ministra suspendeu o “ato de posse até que, juntadas as informações, incluído o inteiro teor do ato reclamado, seja possível a análise dos pedidos formulados na presente reclamação, sem prejuízo de reexame desta decisão precária e urgente”.

Na reclamação, os advogados argumentam que o STJ teria usurpado a competência o STF ao suspender decisões da 4ª Vara Federal de Niterói e do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) que, ao analisar ação popular, haviam impedido a posse da deputada federal como ministra do Trabalho. Segundo eles, a discussão posta na ação popular tem natureza constitucional, com base nos princípios da moralidade administrativa, da separação dos poderes e na competência privativa do presidente da República para nomeação de ministros de Estado. O STJ, por sua vez, entendeu que a decisão do Poder Judiciário do Rio de Janeiro sobre a matéria teria como base argumento infraconstitucional, no caso, o inciso I do artigo 4º da Lei da Ação Popular (Lei 4.717/1995). Portanto, os argumentos constitucionais teriam natureza meramente reflexa.

Liminar

Ao conceder parcialmente o pedido de liminar, a presidente do STF explicou que, “no caso, o que se questiona é, exclusivamente, se, ao ser acionado pela União e ter decidido, o Superior Tribunal de justiça teria usurpado competência” do STF. Ela acrescentou que a decisão a ser tomada na reclamação “não direciona nem antecipa juízo de mérito quanto ao ato questionado na ação população, qual seja, a validade jurídica ou não do ato de nomeação de ministro de Estado”. Segundo a presidente do Supremo, a análise dessa questão obedecerá o tramite regular da ação popular.

Por fim, ela explica que a ausência, nos autos da reclamação, da íntegra da decisão do STJ, “impossibilita o conhecimento mínimo necessário dos fundamentos utilizados pela autoridade reclamada para assentar a competência do Superior Tribunal de Justiça para processar e julgar a medida de contracautela”. Assim, afirma a presidente o STF, “tem-se por plausível a dúvida manifestada nesta reclamação quanto à usurpação da competência deste Supremo Tribunal Federal para o processamento e a apreciação da medida de contracautela pleiteada pela União, reitere-se, única questão passível de apreciação nesta reclamação constitucional”.

Com esses argumentos, a ministra suspendeu o ato de posse da deputada federal até que sejam “juntadas as informações, incluído o inteiro teor do ato reclamado”. Na decisão, a presidente do STF solicita, “com urgência e prioridade”, informação ao STJ, no prazo máximo de 48 horas, e determina que o processo seja encaminhado para a Procuradoria-Geral da República se manifestar sobre a matéria também em 48 horas.

Íntegra da decisão.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Gilberto Alves

23 de janeiro de 2018 às 19h21

Essa velha biscate ja deveria estar num asilo…..

Responder

Marcos Pinto Basto

23 de janeiro de 2018 às 07h30

O Traidor Temer não nomeou a franga Cristiane para o ministério de desemprego porque não lhe interessa derrubar o paupérrimo prestígio do tribunais superiores, também porque esta filha do ex-deputado Roberto Jefferson herdou do papai a habilidade para trambiques da nobre categoria que atola o congresso e não vai resolver nada no pobre ministério.

Responder

Reginaldo Gomes

22 de janeiro de 2018 às 12h21

Conversa pra boi dormir.
O temer na hora que ele quiser passa o trator em cima desse stf e nomeia quem ele quiser para ministro . Ele sabe que só presidente pode nomear e tirar ministro . Ninguém mais tem esse poder . Muito menos judiciário. Pra quem já colocou uma quadrilha inteira no ministério e o stf tá quietinho , o que é mais um ladrão de galinha ou uma galinha ladrona????

Responder

Terramarinha

22 de janeiro de 2018 às 11h19

Será que não terá uma alma santa neste país que pedirá o impeachment desta mulher, por subverter a justiça a uma rede de comunicação corrupta?

Responder

    Gustave Lejeune

    23 de janeiro de 2018 às 11h07

    Impedir como meu amigo? Se temos um bandido no governo e uma quadrillha lhe dando suporte! Quem achas que ele ira nomear ? Só gente do mesmo ramo, e essa tal Brasi cumpre todos os requisitos para o cargo , inclusive no nome, que reprenta o país mais enxovalhado do mundo. Com supremo e tudo!

    Responder

Deixe uma resposta