Ciro Gomes ao vivo na Band

Mais uma análise sobre os números do Datafolha

Por Miguel do Rosário

16 de abril de 2018 : 10h52

A ginástica da Folha para esconder a resiliência de Lula nas pesquisas, mesmo após sua prisão, é admirável. O principal dado a esconder é a forte queda na rejeição ao ex-presidente, que era de 36% ao final de setembro do ano passado, caiu em dezembro, subiu um pouco em janeiro e voltou a cair agora, para 31%.

É uma rejeição baixa para um político extremamente conhecido, sobretudo Lula, massacrado dia e noite pela mídia, o que revela uma postura insurgente, rebelde, por parte dos eleitores.

A Folha inventa uma teoria sem pé nem cabeça de que houve queda nos “grupos extremos” (?), ou seja, nos grupos que apoiam e rejeitam Lula. Nosso colunista Bajonas Teixeira, que é professor de filosofia na UFES, já fez alguns comentários sobre a falta de lógica desse raciocínio.

Mas deixemos a confusão da Folha de lado e analisemos a pesquisa com objetividade.

A primeira lição para se analisar uma pesquisa é entender o seu contexto.

E o contexto aqui, naturalmente, é o impacto da prisão de Lula na opinião pública mundial.

A grande mídia brasileira, como é característico de um regime de exceção, falseia a realidade e tem um comportamento monolítico. Nenhum jornal ou revista tem dado destaque, por exemplo, à enorme onda de solidariedade internacional a Lula surgida após sua prisão.

A esquerda do mundo inteiro, incluída a brasileira, se uniu em defesa de Lula. Até Ciro Gomes, que preferiu reagir discretamente a prisão do petista, passou a sinalizar positivamente na direção do ex-presidente, divulgando publicamente um pedido para visitá-lo.

Um ganhador de prêmio Nobel, Adolfo Perez Esquivel criou um abaixo assinado em favor do ex-presidente, que  atingiu 228 mil assinaturas em poucos dias. Outro Nobel, o egípcio Mohamed El-Bardei, que em 2005 recebeu o prêmio por sua atuação à frente da Agência Internacional de Agência Atômica, seguiu seus passos e também apoiou Lula.

Isso significa que, independente de oscilações na pesquisa, o nome de Lula ganhou força junto aos núcleos progressistas nacionais e internacionais.

Sua prisão tem sido vista como política por grande parte da população. O próprio Datafolha identificou que metade da população quer quer Lula participe das eleições. Esse fato, por si só, prejudica qualquer candidato de oposição ao ex-presidente, cuja legitimidade de uma eventual vitória ficará sempre arranhada.

Não podemos esquecer que essa metade apoia Lula na contramão da mais sórdida e agressiva campanha midiática já vista no mundo, de maneira que não se trata apenas de uma postura de apoio ao ex-presidente, mas uma postura também de resistência altiva à mídia e ao golpe.

Temos aqui algumas situações.

A força de Lula nas pesquisas obriga a mídia e os setores partidários da justiça a continuarem sua campanha de destruição do petista. Fazer isso sem girar a metralhadora para os tucanos vai aumentar a sensação de injustiça, gerando crescente insegurança jurídica e desconforto político. A sensação opressiva de estarmos vivendo uma ditadura vai aumentar – e isso é péssimo para as forças políticas identificadas com o governo, como o PSDB.

Se girarem para cima dos tucanos, por outro lado, vão pavimentar o caminho para Bolsonaro, e gerar reação dos setores liberais que fazem um esforço hercúleo para fechar os olhos para os arbítrios judiciais cometidos contra petistas. A “virada” de Reinaldo Azevedo e Gilmar Mendes, que se tornaram garantistas e defensores da Constituição após a Lava Jato ameaçar tucanos, pode se estender para outros setores.

O tipo de prestígio adquirido por Lula não tende a diminuir. As campanhas internacionais em sua defesa apenas começaram. Sua prisão, não podemos esquecer, se sucede a um impeachment considerado golpe por muitos intelectuais importantes. Para azar dos golpistas, ainda houve a morte de Marielle pouco tempo antes da prisão de Lula, de maneira que todos os atos em defesa da liberdade do ex-presidente incluem também manifestações contra a execução da vereadora.

Todos esses fatos se encadeiam e pressionam a opinião pública mundial a olhar o Brasil com desconfiança. A presidenta derrubada por um impeachment sem crime era de esquerda. A vereadora assassinada era de esquerda. O ex-presidente preso sem provas é de esquerda. O presidente atual é de direita e faz um governo radicalmente neoliberal, disposto a privatizar tudo e a destruir todos os direitos sociais. O principal beneficiado pela retirada de Lula do pleito é um candidato de extrema direita. Não é preciso ser um gênio de análise política para ligar os pontos: há interesses poderosos, e profundamente antidemocráticos, agindo com violência para impedir que a esquerda volte a governar o Brasil.

A história da América Latina, por sua vez, também ajuda a explicar o que está acontecendo, porque os fatos se repetem. Nas décadas de 60 e 70, os mesmos setores econômicos, aliados aos mesmos grupos de mídia, e sempre com apoio do governo americano, também adotaram ações antidemocráticas para impedir a população de eleger representantes de ideias progressistas e nacionalistas.

Em suma, todos os fatos conspiram para esclarecer a opinião mundial de que o Brasil enfrenta hoje, por mãos da direita, e com apoio da mídia, problemas muito sérios de ordem democrática. E isso é mais uma fato para ajudar a esquerda nas eleições deste ano.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Felipe

16 de abril de 2018 às 12h34

Tem que pensar no congresso também. Os progressistas precisam pensar no congresso e ter um plano pra levar uma boa bancada pra lá. Pelo menos 1/3.

Responder

NeoTupi

16 de abril de 2018 às 11h53

A ginástica do Datafolha para não explicar o fato de Lula ter metade dos votos no segundo turno. Ora se cerca de 50% escolhem votar em Lula no segundo turno é porque nesse eleitorado o pêndulo pende para Lula.

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

16 de abril de 2018 às 11h19

Sem Lula, o próximo presidente do Brasil sera o desconhecido Brancos e Nulos. Já estou mudando meu nome para Luiz Brancos e Nulos. Em 2019 tomarei posse desse cabaré chamado Brasil.

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com