Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Foto: Sebastião Moreira/Agência Estado.

Quem é Marcia Tiburi, candidata ao governo do Rio

Por Miguel do Rosário

08 de agosto de 2018 : 10h11

A filósofa e escritora Marcia Tiburi, num gesto de rara coragem política, filiou-se ao PT e aceitou o desafio de ser candidata ao governo do Rio.

Desde antes de sua decisão, Tiburi já vinha sendo atacada por haters e bolsominions, em função de suas posições progressistas, feministas e revolucionárias.

Ela conta que chegou a andar com seguranças, devido às constantes ameaças de morte que sofreu, sobretudo após o episódio em que se recusou a participar de um debate com Kim Katiguiri, membro do MBL.

O Cafezinho, que é do Rio, deseja muito sucesso à sua campanha.

Abaixo, uma biografia profissional da candidata, enviada por um amigo em comum, para os haters/bolsominions entenderem com quem estão lidando.

A professora Marcia Tiburi é graduada em filosofia e em artes. Tornou-se mestre (com 23 anos) e doutora em filosofia na UFRGS, em 1999 (então com apenas 29 anos). Concluiu, ainda, o pós-doutorado na UNICAMP. Foi a primeira mulher a lecionar filosofia nas instituições de ensino superior UNISINOS e UNILASSALE. Deu aulas em várias instituições de ensino superior, nos estados de Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro, inclusive na UNIRIO, onde foi aprovada em primeiro lugar em concorrido concurso público.

Publicou diversos livros de filosofia, entre eles As Mulheres e a Filosofia (Ed. Unisinos, 2002), Filosofia Cinza – a melancolia e o corpo nas dobras da escrita (Escritos, 2004); Metaformoses do Conceito: ética e dialética negativa em Theodor Adorno (Ed. UFRGS, 2005, vencedor do prêmio Açoarianos de melhor ensaio), Mulheres, Filosofia ou Coisas do Gênero (EDUNISC, 2008), Filosofia em Comum (Ed. Record, 2008), Filosofia Brincante (Record, 2010, indicado ao prêmio Jabuti), Olho de Vidro: a televisão e o estado de exceção da imagem (Record 2011, indicado ao premio Jabuti), Filosofia Pop (Ed. Bregantini, 2011), Sociedade Fissurada (Record, 2013), Filosofia Prática, ética, vida cotidiana, vida virtual (Record, 2014). Publicou também romances: Magnólia (2005, indicado ao Jabuti), A Mulher de Costas (2006), O Manto (2009), Era meu esse Rosto (Record, 2012, indicado aos prêmios Jabuti e ao Portugal Telecom) e Uma fuga perfeita é sem volta (Record, 2016, indicado ao prêmio Rio de literatura). É autora ainda dos livros Diálogo/desenho (2010), Diálogo/dança (2011), Diálogo/Fotografia (2011), Diálogo/Cinema (2013) e Diálogo/Educação (2014), todos publicados pela editora SENAC-SP.

Em 2015 publicou o best seller Como Conversar com um fascista – Reflexões sobre o Cotidiano Autoritário Brasileiro (Record, indicado ao prêmio APCA). No ano de 2017 publicou Ridículo político – Uma investigação sobre o risível, a manipulação da imagem e o esteticamente correto (Record). Neste ano, publicou Feminismo em comum (Rosa dos Tempos, 2018). A professora Marcia Tiburi escreveu também vários ensaios publicados em diversas revistas especializadas no Brasil e no exterior”.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

24 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EURICO

20 de agosto de 2018 às 18h44

De nada adianta todos esses ‘títulos’ se não há coerência do que diz sobre temas importantes. Dizer que a ‘guerra’ às drogas tem ‘fim-político’, ou que é a favor do ‘assalto’, dentre outras, faz parecer que não aprendeu nada sobre evolução humana. Logo, se mostra totalmente despreparada pra gerir um Estado. Fico até na dúvida sobre o que ensina em sala.

Responder

Maria Dariane Scherer Gonzalez Scherer gonzalez

17 de agosto de 2018 às 11h37

O Rio de Janeiro não merece essa mulher como governadora! O que ela entende de Rio de Janeiro? Lamentável!

Responder

José Lima

10 de agosto de 2018 às 11h39

Meu Deus, O Rio está perdido!

Responder

    Patrícia de Sampa

    19 de agosto de 2018 às 23h48

    Quem deve estar adorando a possibilidade de tê-la como governadora, imagino que sejam os praticantes de arrastões e assaltantes; pois ela, numa memorável entrevista, se declarou a favor do assalto. Na sua visão de filósofa moderninha e comunista, quem deseja alguma coisa, deve, com todo o direito, pegar o que quer. Simples assim. E viva o carioca!

    Responder

JONIVALDO FERNANDES DE SOUZA

09 de agosto de 2018 às 16h30

PARABÉNS, ESSA MÁRCIA TUBIRI É UM GÊNIO, PARABÉNS PELA CORAGEM OK!

“BASTA SER SINCERO E DESEJAR PROFUNDO, VOCÊ SERÁ CAPAZ DE SACUDIR O MUNDO”
TENTE OUTRA VEZ!!!

“RAUL SEIXAS”

Responder

    Patrícia de Sampa

    19 de agosto de 2018 às 23h51

    O mundo eu não sei, mas que vai sacudir o Rio, isso vai. E como! Salve-se quem puder!

    Responder

otavio de oliveira rodrigues

09 de agosto de 2018 às 11h34

Essa que aquela idiota que fez apologia ao cu?????
Excelente comediante………..rs
Apenas isso

Responder

Alexandre Neres

08 de agosto de 2018 às 14h21

Pra quem tem interesse em conhecer o brilhantismo intelectual da Marcia Tiburi, abaixo vai um belo texto dela. Cada um vota em quem quiser, mas a contribuição que ela dá ao debate sobre o Brasil atual é inegável. Devido ao bombardeio diuturno sofrido por Lula, o qual culminou com um previsível encarceramento pra impedi-lo de ser presidente (senão de que adiantaria terem perpetrado o golpe?), de forma audaz colocou seu nome à disposição e resolveu entrar mais ativamente na política, dado que, salvo engano, era antes filiada ao PSOL. Não podemos abrir mão da garra e do potencial dessas jovens mulheres que muito têm a oferecer. Bem-vinda à política partidária, Marcia, que sua atitude corajosa traga junto mais e mais mulheres para ocupar esse campo onde o vazio de ideias impera!

https://www.viomundo.com.br/politica/marcia-tiburi-a-lava-jato-e-o-fascismo.html

Responder

    Paulo

    08 de agosto de 2018 às 16h00

    https://www.youtube.com/watch?v=sstcyLzUByg

    Prefiro este vídeo dela.

    Responder

    Augusto Conde de Mello e Souza

    08 de agosto de 2018 às 16h46

    Moro no Condomínio Pedra Grande – na Barra – meu voto garantido é para Márcia Tiburi, para Governadora, Lindbergh para Senador.

    Responder

      ZUMBI DO INFERNO

      26 de setembro de 2018 às 12h41

      Boa sorte pra vc e sua familia. no dia que vc ou alguem de sua familia se ferrar nas mãos da bandidagem,agradeça a sua brilhante marcia tiburi.

      Responder

Schuma Schumaher

08 de agosto de 2018 às 14h11

Parabéns pela matéria Miguel …de fato Marcia Tiburi é um sopro de esperança para recuperação do estado do Rio de Janeiro. Como ninguém governa sozinho, certamente esse iluminada professora e escritora, haverá de buscar os melhores quadros para uma gestão democratica e revolucionária

Responder

Sergio Sete

08 de agosto de 2018 às 13h56

Marcia Tibúrcio é “traço”.
Fim da história.

Responder

    Paulo

    08 de agosto de 2018 às 14h09

    É como o Brasil disputando Bobsleigh na Olímpiada de Inverno, se ñ ficar em último é motivo de festa.

    Responder

Dalli Salim Amim

08 de agosto de 2018 às 11h42

O artigo anterior está com problemas ? Foi bloqueado ?

Responder

devanir marchioli

08 de agosto de 2018 às 11h31

Pena que não passa dos 3% dos votos no Rio…. é mais um poste inventado pelo PT.

Responder

    Dalli Salim Amim

    08 de agosto de 2018 às 11h45

    Se é poste não sabemos mas que é uma grande luz nós garantimos !

    Responder

Paulo

08 de agosto de 2018 às 10h56

Excelente curriculum para uma professora… professora.

Responder

    NeoTupi

    08 de agosto de 2018 às 11h08

    Professora, escritora e ativista. Se quer renovação na política não se pode querer só quem já tenha experiência política tradicional. Senão só oriundos de oligarquias serviriam.

    Responder

      Paulo

      08 de agosto de 2018 às 12h45

      Precisamos de gestores e não de professores, ativistas, escritores, militares, atores….

      Responder

        Sergio Sete

        08 de agosto de 2018 às 13h59

        Paulo, eles (esquerda) não entendem isso.
        Eles não sabem o que é gestão profissional, técnica, porque no sindicalismo (base, raiz do PT) não há gestão profissional. Quem conhece o sindicalismo brasileiro sabe disso.
        E o socialismo é uma ideologia do favor para o enriquecimento e empoderamento (poder!), não para o bem comum.

        Responder

        NeoTupi

        09 de agosto de 2018 às 00h06

        Precisamos de transformadores da sociedade, de estadistas. Gestores tem aos montes no funcionalismo público concursado para cumprir as metas de transformação exigidas pelo povo.

        Responder

Alexandre Neres

08 de agosto de 2018 às 10h31

Parabéns, Miguel! Marcia Tiburi é um lufo de esperança nesse Brasil arcaico. Adoro ler seus livros e seus textos defendendo posições progressistas com consistência e denodo. Mandou bem sobretudo pela coragem de contrapor os haters e trolls que a estão atacando no seu blogue pelas suas posições avançadas em termos de costumes. Saudação fraterna!

Responder

    Patrícia de Sampa

    19 de agosto de 2018 às 23h59

    Avançadíssimas!!!! Puro teatro, querendo aparecer. Mas, na hora H, dá no pé! Nulidade total no debate da Band. Não sabia nem que estava ao lado de um negro, kkkk. Diplomas e certificados ela tem, mas na vida pática não significam nada. Ela é apenas uma figura exibida que gosta de chocar. Como falei acima, na hora H nega fogo.

    Responder

Deixe uma resposta