Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Governador Luiz Fernando Pezão chega escoltado pela Polícia Federal no Rio MARCELO FONSECA/ESTADÃO CONTEÚDO - 29.11.2018

Governador do Rio de Janeiro é preso em operação deflagrada a partir de pedido da procuradora-geral da República

Por Miguel do Rosário

29 de novembro de 2018 : 10h32

No site da PGR

Além de Luiz Fernando Pezão, outras oito pessoas tiveram a prisão preventiva decretada. Também estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão e de sequestro de bens

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), e outras oito pessoas foram presas nesta quinta-feira (29) em mais uma operação decorrente dos desdobramentos da Lava Jato. Resultados de petição apresentada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ao relator do caso do Superior Tribunal de Justiça (STJ), os 30 mandados estão sendo cumpridos pela Polícia Federal nas cidades do Rio de Janeiro, Piraí, Juiz de Fora, Volta Redonda e Niterói. Além das prisões, o ministro Felix Fischer, autorizou buscas e apreensões em endereços ligados a 11 pessoas físicas e jurídicas, bem como o sequestro de bens dos envolvidos até o valor de R$ 39,1 milhões. De acordo com as investigações que embasaram as medidas cautelares, o governador integra o núcleo político de uma organização criminosa que, ao longo dos últimos anos, cometeu vários crimes contra a Administração Pública, com destaque para a corrupção e lavagem de dinheiro.

Ao apresentar os pedidos, Raquel Dodge lembrou que a organização criminosa – que desviou verbas federais e estaduais, inclusive, com a remessa de vultosas quantias para o exterior –, vem sendo desarticulada de forma progressiva, com o avanço das investigações. Enfatizou ainda que Luiz Fernando Pezão foi secretário de Obras e vice governador de Sérgio Cabral, entre 2007 e 2014, período em que já foram comprovadas práticas criminosas como a cobrança de um percentual do valor dos contratos firmados pelo Executivo com grandes construtoras, a título de propina. Uma nova descoberta foi apontada: “A novidade é que ficou demostrado ainda que, apesar de ter sido homem de confiança de Sérgio Cabral e assumido papel fundamental naquela organização criminosa, inclusive sucedendo-o na sua liderança, Luiz Fernando Pezão operou esquema de corrupção próprio, com seus próprios operadores financeiros”.

Neste caso específico – a origem das investigações – foram informações decorrentes de uma colaboração premiada homologada no Supremo Tribunal Federal e documentos apreendidos na residência de um dos investigados na Operação Calicute. A partir daí foram realizadas diligências que permitiram aos investigadores complementarem as provas. Foram analisadas provas documentais como dados bancários, telefônicos e fiscais. Na petição enviada ao STJ, a procuradora-geral explicou que a análise do material revelou que o governador Pezão e assessores integraram a operação da organização criminosa de Sérgio Cabral (preso há mais de dois anos e já condenado judicialmente) e que o atual governador sucedeu Cabral na liderança do esquema criminoso. Cabia a Pezão dar suporte político aos demais membros da organização que estão abaixo dele na estrutura do poder público e, para tanto, recebeu valores vultosos, desviados dos cofres públicos e que foram objeto de posterior lavagem”, destacou a PGR, em um dos trechos do documento, ao descrever o papel do governador no grupo.

Necessidade de prisões – Além de apresentar a existência de provas, segundo as quais o esquema criminoso estruturado pelo ex-governador Sérgio Cabral continua ativo, o Ministério Público Federal sustentou na petição que, solto, Luiz Fernando Pezão poderia dificultar ainda mais a recuperação dos valores, além de dissipar o patrimônio adquirido em decorrência da prática criminosa. Há registros documentais, nos autos, do pagamento em espécie a Pezão de mais de R$ 25 milhões no período 2007 e 2015. Valor absolutamente incompatível com o patrimônio declarado pelo emedebista à Receita Federal. Em valores atualizados, o montante equivale a pouco mais de R$ 39 milhões (R$ 39.105.292,42) e corresponde ao total que é objeto de sequestro determinado pelo ministro relator.

Sobre a importância do sequestro de bens, a procuradora-geral destacou que “é dever do titular da ação penal postular pela indisponibilidade de bens móveis e imóveis para resguardar o interesse público de ressarcimento ao Erário e também aplacar os proventos dos crimes”. Destacou ainda a existência de materialidade e indícios de autoria, conforme revelaram provas obtidas por meio de quebras de sigilos, colaborações premiadas, interceptações telefônicas, entre outras. “Existe uma verdadeira vocação profissional ao crime, com estrutura complexa, tracejando um estilo de vida criminoso dos investigados, que merece resposta efetiva por parte do sistema de defesa social”, pontua um dos trechos da petição.

Entrevista – Diante do interesse público e da gravidade da medida solicitada ao Superior Tribunal de Justiça, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e integrantes da equipe que atuaram no caso atenderão a imprensa às 9h, no auditório do Conselho Superior, na Procuradoria-Geral da República, em Brasília.

Relação de pessoas com prisões decretadas

Luiz Fernando Pezão – governador do Estado do Rio de Janeiro
José Iran Peixoto Júnior – secretário de Obras
Affonso Henriques Monnerat Alves Da Cruz – secretário de Governo
Luiz Carlos Vidal Barroso – servidor da secretaria da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico
Marcelo Santos Amorim – sobrinho do governador
Cláudio Fernandes Vidal – sócio da J.R.O Pavimentação
Luiz Alberto Gomes Gonçalves – sócio da J.R.O Pavimentação
Luis Fernando Craveiro De Amorim – sócio da High Control
César Augusto Craveiro De Amorim – sócio da High Control

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Renato

29 de novembro de 2018 às 18h33

Eu fico só imaginando como deve estar o fiofó do petista Fernando Pilantrel !

Responder

Paulo

29 de novembro de 2018 às 18h21

O que acontece com o RJ? Ou só foram mais descuidados? Agora, só faltam o Paes e o Crivella…

Responder

    Paulo

    29 de novembro de 2018 às 18h47

    E um desembargador estadual, pois até o MP já tem seu representante, expresso na sua figura máxima (da Assembléia Legislativa e TCE nem falo). Lamentável!

    Responder

Roque

29 de novembro de 2018 às 13h41

Ué, achei que só prendiam bandidos do PT??? Caiu por terra o chororô das viúvas do condenado…

Responder

João Ferreira Bastos

29 de novembro de 2018 às 13h14

O Pesão foi preso mesmo com foro privilegiado
O Delcidio foi preso mesmo com foro privilegiado
O Aécio NÃO foi preso pois tem foro privilegiado
O Alckimim NÃO foi preso pois tem foro privilegiado
O Temer NÃO foi preso pois tem foro privilegiado

Qual aula eu faltei ???

Responder

    Eu Mesmo

    29 de novembro de 2018 às 13h29

    A aula do Gilmar Mendes kkkkkkkk

    Responder

Justiceiro

29 de novembro de 2018 às 12h27

Pois é. Mais um governador preso. E mais um do MDB.

Já temos preso Sérgio Cabral e, agora, Pezão. Tem o poderoso Eduardo Cunha, Geddel, que foi ministro, Henrique Eduardo Alves, ex-presidente da Câmara, igual Cunha…

O MDB é uma latrina, é um esgoto mas a gente não vê nenhum parlamentar do MDB ficar choramingando pelas Tribunas dizendo que o partido é perseguido por Sérgio Moro ou pela justiça em geral, pelo Procuradores, pela PF…

Quem está preso está pagando pelos seus crimes. seja do MDB, seja do PT. Então, parem com o chororô, pois mesmo sendo livre – o choro, Lula, não – isso enche o saco. Já deu.

Responder

Ulisses

29 de novembro de 2018 às 10h57

Aí depois o maior problema é a desigualdade……
Francamente…..

Responder

Deixe um comentário