História: Brizola na Unicamp em 1987

PIB cai 0,68% no primeiro trimestre

Por Redação

15 de maio de 2019 : 11h46

Atividade econômica apresenta queda de 0,68% no primeiro trimestre

Publicado em 15/05/2019 – 09:06

Por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil Brasília

A atividade econômica registrou queda no primeiro trimestre neste ano. É o que mostra o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado hoje (15) pelo Banco Central (BC).

No primeiro trimestre, comparado ao período anterior, o índice apresentou queda de 0,68%, segundo dados dessazonalizados (ajustados para o período).

Em março, na comparação com fevereiro, houve recuo de 0,28%. Na comparação com o março de 2018, a queda chegou em 2,52%. Em 12 meses terminados em março de 2019, houve expansão de 1,05%.

O IBC-Br é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar suas decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic. O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

O índice foi criado pelo BC para tentar antecipar, por aproximação, a evolução da atividade econômica. Mas indicador oficial da economia é o Produto Interno Bruto (PIB), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Primeiro trimestre

Ontem (14), na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o BC adiantou que a economia poderia apresentar recuo no primeiro trimestre. Segundo o documento, o processo de recuperação gradual da atividade econômica sofreu interrupção no período recente, mas a expectativa é de retomada adiante.

Segundo ata da reunião do Copom, o arrefecimento da atividade observado no final de 2018 teve continuidade no início de 2019. “Em particular, os indicadores disponíveis sugerem probabilidade relevante de que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha recuado ligeiramente no primeiro trimestre do ano, na comparação com o trimestre anterior, após considerados os padrões sazonais”, diz o documento.

O Copom acrescentou que os indicadores do primeiro trimestre induziram revisões substantivas nas projeções de instituições financeiras para o crescimento do PIB em 2019. “Essas revisões refletem um primeiro trimestre aquém do esperado, com implicações para o “carregamento estatístico” [herança do que ocorreu no ano anterior], mas também embutem alguma redução do ritmo de crescimento previsto para os próximos trimestres”.

O mercado financeiro já reduziu a previsão de expansão do PIB 11 vezes consecutivas. A estimativa para este ano está em 1,45% este ano.

A equipe econômica já está trabalhando com uma previsão de crescimento de 1,5% neste ano, disse ontem o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em audiência na Comissão Mista de Orçamento (CMO), ele disse que a reformulação de expectativas diante da demora na aprovação da reforma da Previdência justificou a revisão das estimativas.

Edição: Valéria Aguiar

Publicado na Agência Brasil

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

15 de maio de 2019 às 19h34

E a nova do Capitão: vai enxugar as Normas Regulamentadores de Saúde e Segurança do Trabalho, consolidadas há décadas e havidas como de grande qualidade técnica (fruto do ótimo trabalho da FUNDACENTRO, do extinto Ministério do Trabalho), reduzindo-as para cerca de 10% do que são a fim de “desonerar o empregador” e criar empregos. Alguém precisa avisar a ele que vai dar um tiro no próprio pé, pois os acidentados cairão no colo da Previdência Social!

Responder

    lucio

    15 de maio de 2019 às 23h34

    TUDO que está fazendo já se sabia. bastava estudar a historia da direita sulamericana: grana para os ricos e morte para os outros. vc mim parece cair das nuvens… mas nunca é tarde para cair em sí, confio em vocé, ao contrario de outros irrecuperaveis escrementos que sujam este blog.

    Responder

      Paulo

      16 de maio de 2019 às 00h04

      Recuperar do que, meu caro? Eu não votei no Capitão, anulei meu voto. O que ainda prezo nele é a ênfase na “nova política”. Claro que se a economia entrar em parafuso ninguém vai considerar isso, mas acho – e sempre acharei – potencialmente “revolucionária” a proposta do fim do “toma-lá-dá-cá”. É a coisa mais incrível da história da República, de que me lembro. E, talvez, a última esperança que eu tinha de uma regeneração na política brasileira. Se vai conseguir manter ou não, eu não sei. Mas, se for esperto, leva a proposta até o fim, e morre abraçado com ela, porque, se cair, pelo menos poderá dizer que tentou e foi boicotado. Se ceder, não se livrará do julgamento da história e ainda cairá do mesmo jeito. Não darei jamais razão ao PT e aos Governos que o antecederam (exceto o do grande Itamar Franco, o único governante honrado pós-Regime Militar)!

      Responder

Alan C

15 de maio de 2019 às 12h41

Continuamos aguardando a primeira boa notícia vinda da “gestão” bozo.

Responder

    Gilmar Tranquilão

    15 de maio de 2019 às 19h43

    Deixa de ser malvado, teve uma sim, acabou o horário de verão! kkkkkkkkkkk

    Responder

      Paulo

      16 de maio de 2019 às 00h49

      Não negligencie isso, foi uma medida de grande impacto na saúde da população!

      Responder

NeoTupi

15 de maio de 2019 às 12h23

Agora o Bank of America confessa que “só” reforma da previdência não basta. Investidores só vem se Brasil voltar a crescer. Rodrigo Maia também disse algo parecido em Nova York no seminário do Banco Pactual.
É o que eu cansei de falar. Hoje em dia, o grosso do investimento estrangeiro só vai para países onde a classe média cresce. Fora isso o que sobra de interesse é pouco investimento para extrair matéria prima para exportação (o que contribui muito pouco para o desenvolvimento econômico de um país como o Brasil que já passou por um processo de industrialização).
Com a política de Guedes/Bozo, a classe média só encolhe. Ontem Guedes falou em tirar despesas de saúde e educação da dedução do IR para mudar alíquotas (dá com uma mão e tira com a outra). Isso depois de autorizar aumentos de até 3x a inflação nos planos de saúde.
Sem renda das famílias melhorar, não há como ter mercado interno que atraia investimentos.

Responder

Sergio Araujo

15 de maio de 2019 às 12h07

Essa rede de franchising ALUGA tà abrindo lojas uma atràs da outra. Rsrs

Responder

    Paulo

    15 de maio de 2019 às 21h22

    Na verdade tá fechando, rs…

    Responder

Deixe uma resposta

x
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com