Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Notas internacionais (por Ana Prestes) 26/06/19

Por Ana Prestes

26 de junho de 2019 : 08h55

– O ministro da Justiça, Sérgio Moro, esteve bem faceiro nos últimos dias nos EUA. Dá pra ver, pelos seus tuítes, que ali se sente literalmente em casa. Enquanto no Brasil, a imprensa, o parlamento e as redes debatem suas mensagens inconfessáveis reveladas pelo The Intercept Brasil nas últimas semanas, ele posa ao lado de autoridades da DEA (Drug Enforcement Administration) e do EPIC (El Paso Intelligence Center), enquanto anuncia para Foz do Iguaçu um projeto piloto para guarnecer as fronteiras. Por óbvio, não vamos encontrar nas redes e na imprensa comercial a verdadeira agenda de Moro nos EUA em pleno #VazaJato gate.

– Também está nos EUA outra figura controversa, para não dizer golpista, latino-americana. Trata-se do ex-chefe da inteligência da Venezuela, Christopher Figuera. Inspirados no já consagrado slogan da Vaza Jato “Não é muito tempo sem operação?”, poderíamos dizer o mesmo sobre a ofensiva dos EUA sobre a Venezuela. Passados os fracassos de 23 de janeiro, 23 de fevereiro e 30 de abril, estava tudo muito sereno, só se falava do conflito entre EUA e Irã, até que ontem a imprensa se alvoroçou com as declarações de Figuera de que “Maduro pode cair”. Após dois meses “escondido” na Colômbia, Figuera foi utilizado por Elliott Abrams, delegado especial de Trum para a desestabilização da Venezuela, para mandar um recado a outras autoridades venezuelanas: “não o trouxemos para os EUA, mas estamos contentes por ele estar aqui” e, ao anunciar que as sanções contra ele foram retiradas pelo governo americano, reforçou: é “um sinal para outros funcionários sobre o futuro, em que poderão fazer o mesmo”. Uma espécie de: podem conspirar que nós damos guarita.

– O jornal britânico The Guardian publicou ontem (25) um artigo que aborda o desmonte da política externa brasileira pelo governo Bolsonaro. No texto, o jornalista diz que históricamente a atuação do Itamaraty era considerada “uma das jóias da política latino-americana” com um serviço perspicaz, confiável e altamente treinado. Mas que com seis meses de governo Bolsonaro e Ernesto Araújo como chanceler houve uma verdadeira demolição do trabalho. A argumentação é corroborada por uma série de diplomatas brasileiros entrevistados pelo autor.

– Segundo matéria da FSP, diplomatas brasileiros receberam nas últimas semanas instruções específicas sobre como tratar em foros multilaterais de questões que envolvam debates sobre gênero. A orientação é de que os representantes brasileiros expressem “o entendimento do governo brasileiro” de que “a palavra gênero significa o sexo biológico: feminino ou masculino”. Seria uma “retomada” da definição tradicional de gênero, segundo o Itamaraty.

– A escalada da agressão norte-americana sobre o Irã teve novo episódio ontem (26). Após o anúncio de mais sanções americanas, o presidente iraniano Hassan Rohani chamou de “ultrajantes e idiotas” as novas medidas. Nas suas palavras, “os americanos parecem desesperados e confusos, o que os fez adotar medidas estranhas e falar coisas sem sentido. Esta Casa Branca é retardada mental e não sabe o que fazer”. Ao mesmo tempo em que o presidente falava na TV, o secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional, Ali Shamkhani, informava que o Irão vai tomar novas medidas para reduzir ainda mais os compromissos assumidos no acordo nuclear internacional rompido unilateralmente pelos EUA a partir de 7 de julho. Após as declarações, Trump foi ao twitter: “a muito ignorante e insultante declaração do Irã publicada hoje só mostra que eles não entendem a realidade. Qualquer ataque do Irão contra qualquer coisa americana será respondido com força grande e arrasadora. Em algumas áreas, arrasador vai significar erradicação”. As ameaças de Trump ocorrem poucos dias após a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, ter afirmado que o presidente não pode atacar o Irã sem autorização. Diplomatas experientes diriam que os ataques verbais de parte a parte podem estar ofuscando negociações que vem ocorrendo nos bastidores. A ver.

– Um relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU assinado por Philip Alston foi liberado nos últimos dias e trata dos efeitos do aquecimento global sobre parte da população mundial que já é mais vulnerável. Segundo Alston, o mundo caminha para um “apartheid climático”, onde ricos compram saídas para os piores efeitos do aquecimento global e os pobres têm que suportar o peso das consequências ambientais. O relatório cita o Brasil ao dizer que Bolsonaro planeja permitir mineração na floresta amazônica e restringir a demarcação de terras indígenas, além de enfraquecer mecanismos de proteção ambiental. Cita ainda que o governo brasileiro desistiu de sediar a COP (conferência mundial sobre o clima) em 2019. Há também um alerta para os governos em geral de que confiar “exclusivamente” no setor privado para a proteção contra o clima extremo e a elevação do nível do mar pode ser a porta para “violações massivas de direitos humanos, com risco de que os ricos terão necessidades atendidas e os pobres serão deixados para trás”. As consequências podem ser a insegurança alimentar de centenas de milhões, além de imigração forçada, doenças e morte.

– O Conselho de Segurança da ONU aprovou ontem uma resolução em que estabelece a criação de uma “Missão Política” ao Haiti a ser instalada em 16 de outubro, após o fim da missão de estabilização remanescente da Missão de Paz que atuou por 13 anos (finda em 2017), previsto para 15 de outubro. A votação contou com a abstenção da delegação da República Dominicana e da China. A delegação chinesa justificou sua abstenção pelo fato dos EUA terem vetado emendas ao texto da resolução que acrescentavam a ponderação de que as mudanças climáticas agravam a situação do Haiti. A delegação da Republica Dominicana disse que se absteve, pois a resolução cria uma missão com funções e recursos muito limitados para ralmente trazer paz e estabilidade ao Haiti. A resolução chega em um momento de profunda crise política e econômica do país.

– No Sudão segue o apagão da internet que já dura há três meses, enquanto o país ferve em protestos violentos e enfrentamentos entre a oposição civil e governo militar de turno. O blecaute imposto pelos militares começou em 3 de junho e resultou em perda quase total do acesso à internet em um país de 40 milhões de pessoas.

Ana Prestes

Ana Prestes Socióloga, mestre e doutora em Ciência Política pela UFMG. Autora da tese “Três estrelas do Sul Global: O Fórum Social Mundial em Mumbai, Nairóbi e Belém” e do livro infanto-juvenil “Mirela e o Dia Internacional da Mulher”. É membro do conselho curador da Fundação Maurício Grabois, dirigente nacional do PCdoB e atua profissionalmente como assessora internacional e assessora técnica de comissões na Câmara dos Deputados em Brasília.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

26 de junho de 2019 às 18h11

Figuera era homem de confiança do Regime de Maduro, e, como tal, tem revelado as prisões arbitrárias, tortura, narcotráfico e corrupção que permeiam a governança venezuelana, além, é claro, dos assessores militares e técnicos cubanos, que protegem o ditador. Espero, sinceramente, que ele esteja certo no vaticínio sobre uma próxima saída de Maduro do Poder. Pois, do contrário, se o Regime se consolidar, teremos uma nova Cuba nas Américas. Agora, bem do nosso lado…

Responder

Valéria

26 de junho de 2019 às 10h02

Eu acho q moro, dallagnol, bolsonaro e sua tchurma, os militares de pijama e os q são da ativa, mas tb são subserviente aos eua e menosprezam o Brasil deveriam ir todos para os eua e nunca mais voltarem!

Responder

    Tiago

    26 de junho de 2019 às 19h11

    Mas se os golpistas fossem para os EUA, quem ficaria aqui para entregar o patrimônio nacional via privatarias? Kkk

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?