Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

“Ordem do dia” em defesa do golpe de 64 reabre o debate sobre o papel das Forças Armadas num projeto nacional de desenvolvimento

Por Redação

31 de março de 2020 : 12h03

Se fosse um fenômeno isolado, ou seja, se a nota do Ministério da Defesa em favor do golpe de 64 refletisse apenas a opinião de generais nomeados por Bolsonaro, e não o estado de espírito hegemônico nas Forças, não haveria tanto problema.

Infelizmente, não é assim.

A nota das Forças Armadas reflete o fracasso das classes políticas que governaram o país nos últimos anos, em promover uma mudança estrutural na mentalidade da “família verde-oliva”.

Não foi criado um sistema de inteligência cujo principal objetivo seria, exatamente, atualizar e modernizar o espírito de nossos militares, tanto das Forças Armadas como das polícias estaduais.

Com recursos e inteligência, seria possível produzir uma narrativa histórica mais coesa, aceita pelas Forças Armadas, que não apenas contribuísse para a estabilidade política, como também, e principalmente, nos permitisse engajar a inteligência militar num grande esforço para desenvolver e industrializar o Brasil.

As iniciativas dos últimos governos social-democratas não escaparam ao vício, que parece ter contaminado tudo, de querer “cooptar” os militares, e, quando não foi possível, “domesticá-los”. Foram criadas “comissões da verdade” sem nenhuma estrutura ou organização, sem nenhum pensamento estratégico de fundo, focadas numa narrativa arrogante e vindicativa, como o próprio nome já anuncia (como se existisse alguma “verdade”), que apenas ajudaram a reviver o espírito golpista nas Forças Armadas. 

Para a direita, não foi difícil mostrar as iniciativas da esquerda nesse tema, ao longo dos últimos governos, como um esforço para se obter indenizações pecuniárias em favor de uma pequena elite intelectual e política.

Os governos democráticos deveriam ter mobilizado a comunidade acadêmica civil e militar, para transformar o debate sobre o golpe de 1964 numa grande reflexão sobre o papel geopolítico do país ontem, hoje e amanhã. E, com isso, trazer as Forças Armadas para dentro de um projeto nacional de desenvolvimento, que reposicionasse melhor a economia brasileira na divisão internacional do trabalho.

Esse é o tipo de coisa que teremos de fazer, visto que nenhum país jamais conseguiu desenvolver um projeto nacional bem sucedido sem amplo apoio de sua comunidade militar. O grande desenvolvimento industrial obtido pela Coreia do Sul, por exemplo, apenas foi possível pelo engajamento político de seus militares em favor desse projeto.

Da mesma maneira, os principais avanços tecnológicos observados nos Estados Unidos, nos últimos cinquenta anos, entre eles a invenção da internet, nasceram de investimentos militares.

Em relação ao poder federal, a nota ajuda o governo Bolsonaro, porque mostra os comandantes militares alinhados ao núcleo ideológico da presidência da república. Mas também prejudica o prestígio das Forças Armadas, por associá-la a um projeto político decadente, reacionário e primitivo, com um prestígio internacional em franco declínio.

Neste sentido, é uma nota coerente com a nossa realidade política. As Forças Armadas tem orgulho do golpe de 64. O presidente da república tem orgulho do golpe de 64. O poder político está alinhado ao poder armado. E ambos estão abraçados, nas causas e nos efeitos, ao nosso fracasso político e militar.

O golpe de 64 nos fez um país politicamente subalterno aos Estados Unidos, e, paradoxo curioso!, economicamente dependente da China.

Tornamo-nos um país indefeso, sem tecnologia e sem armas.

Somos uma potência agrícola, mas não produzimos insumos.

Somos uma potência de consumo, e nossa indústria está desaparecendo.

Na crise do coronavírus, nossa fragilidade nunca foi tão evidente, pois não temos reagentes para produzir remédios e vacinas, não temos centros de pesquisa com estrutura para desenvolvê-los, e não temos indústrias para produzi-los.

Nosso potencial militar é humilhantemente ridículo e inferior.

A nota do Ministério da Defesa sobre o golpe de 1964 não poderia, portanto, ser mais coerente: “foi um marco para a democracia brasileira. Muito mais pelo que evitou”.

Sim, o golpe de 64, evitou que nos tornássemos um país emancipado e independente. E evitou, sobretudo, que nossas Forças Armadas se engajassem na grande e única guerra que realmente importa para o Brasil: a luta popular para superação do nosso subdesenvolvimento.

***

Abaixo, a íntegra da nota do Ministério da Defesa.

No Ministério da Defesa

Ordem do Dia Alusiva ao 31 de Março de 1964

Publicado: Segunda, 30 de Março de 2020, 17h59

MINISTÉRIO DA DEFESA

Brasília, DF, 31 de março de 2020.

O Movimento de 1964 é um marco para a democracia brasileira. O Brasil reagiu com determinação às ameaças que se formavam àquela época.

O entendimento de fatos históricos apenas faz sentido quando apreciados no contexto em que se encontram inseridos. O início do século XX foi marcado por duas guerras mundiais em consequência dos desequilíbrios de poder na Europa. Ao mesmo tempo, ideologias totalitárias em ambos os extremos do espectro ideológico ameaçavam as liberdades e as democracias. O nazifascismo foi vencido na Segunda Guerra Mundial com a participação do Brasil nos campos de batalha da Europa e do Atlântico. Mas, enquanto a humanidade tratava os traumas do pós-guerra, outras ameaças buscavam espaços para, novamente, impor regimes totalitários.

Naquele período convulsionado, o ambiente da Guerra Fria penetrava no Brasil. Ingredientes utópicos embalavam sonhos com promessas de igualdades fáceis e liberdades mágicas, engodos que atraíam até os bem-intencionados. As instituições se moveram para sustentar a democracia, diante das pressões de grupos que lutavam pelo poder. As instabilidades e os conflitos recrudesciam e se disseminavam sem controle.

A sociedade brasileira, os empresários e a imprensa entenderam as ameaças daquele momento, se aliaram e reagiram. As Forças Armadas assumiram a responsabilidade de conter aquela escalada, com todos os desgastes previsíveis.

Aquele foi um período em que o Brasil estava pronto para transformar em prosperidade o seu potencial de riquezas. Faltava a inspiração e um sentido de futuro. Esse caminho foi indicado. Os brasileiros escolheram. Entregaram-se à construção do seu País e passaram a aproveitar as oportunidades que eles mesmos criavam. O Brasil cresceu até alcançar a posição de oitava economia do mundo.

A Lei da Anistia de 1979 permitiu um pacto de pacificação. Um acordo político e social que determinou os rumos que ainda são seguidos, enriquecidos com os aprendizados daqueles tempos difíceis.

O Brasil evoluiu, tornou-se mais complexo, mais diversificado e com outros desafios. As instituições foram regeneradas e fortalecidas e assim estabeleceram limites apropriados à prática da democracia. A convergência foi adotada como método para construir a convivência coletiva civilizada. Hoje, os brasileiros vivem o pleno exercício da liberdade e podem continuar a fazer suas escolhas.

As Forças Armadas acompanharam essas mudanças. A Marinha, o Exército e a Aeronáutica, como instituições nacionais permanentes e regulares, continuam a cumprir sua missão constitucional e estão submetidas ao regramento democrático com o propósito de manter a paz e a estabilidade.

Os países que cederam às promessas de sonhos utópicos ainda lutam para recuperar a liberdade, a prosperidade, as desigualdades e a civilidade que rege as nações livres.

O Movimento de 1964 é um marco para a democracia brasileira. Muito mais pelo que evitou.

FERNANDO AZEVEDO E SILVA
Ministro de Estado da Defesa

ILQUES BARBOSA JUNIOR
Almirante de Esquadra
Comandante da Marinha

Gen Ex EDSON LEAL PUJOL
Comandante do Exército

Ten Brig Ar ANTONIO CARLOS MORETTI BERMUDEZ
Comandante da Aeronáutica

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

31 de março de 2020 às 20h29

Pelo menos os generais e oficiais d’antanho eram desenvolvimentistas. Hoje, batem palmas pra louco dançar…

Responder

dcruz

31 de março de 2020 às 17h50

Essa pretensa briga da Globo com o bozo é um dos maiores embuste que estão pregando aos incautos e o que é pior de certa forma essa briguinha de comadres traz à tona uma ilusória união entre esquerda e direita, o Lula tem horror à Globo e o bozo também, ou pelo menos, na atual fase ele demonstra isso. E o jornalismo medíocre dos Marinhos se deliciando, achando que faz “jornalismo” porque sua verdade está acima de ideologias como prova tais ataques de ambos os lados.Só os idiotas que elegeram o bozo, o pior presidente do Brasil em todos os tempos, acreditam nesse ódio passageiro, a parcela saudável da nação tem sempre que desconfiar desse jornal que apoiou a ditadura e continua ao lado da elite que sempre oprimiu o povo.

Responder

    M aria das Graças

    01 de abril de 2020 às 12h00

    Não dá para esquecer , a Globo elegeu Bolsoanta .e está onde sempre esteve alinhada aos interesses ante nacionais, Qualquer projeto de desenvolvimento nacional tem que passar pela democratização dos meios de comunicação. O Bozo em sua loucura ambulante acerta por meios erráticos quando expõe os intestinos da nossa imprensa.

    Responder

Evandro Garcia

31 de março de 2020 às 17h20

Cadê os comentários Cafezinho…?

Ou postam tudo (desde que não contenham xingamentos, etc) ou não postam nada.

Qual o sentido de postar só o que interessa ?

Responder

Paulo

31 de março de 2020 às 17h14

“Off post”: https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2020-03-31/medica-que-denunciou-surto-de-coronavirus-em-wuhan-na-china-esta-desaparecida.html.

Esse é o país do futuro? É com esses que nós vamos?

Responder

    Abdel Romenia

    31 de março de 2020 às 20h44

    O que deve ter sumido de gente e de casos de pessoas infectadas e mortas não deve ser brincadeira.

    Responder

      Paulo

      31 de março de 2020 às 23h47

      Sérgio Araújo, é realmente de se duvidar de quaisquer dados informativos provenientes da ditadura chinesa…

      Responder

Elize

31 de março de 2020 às 15h55

Quando é que os governadores vão assumir suas responsabilidades e começar a fazer testes em massa do covid19?

Responder

REDE BOBO

31 de março de 2020 às 13h41

#ditaduranuncamais

Responder

Alan C

31 de março de 2020 às 12h56

Ótimo! Relembram o golpe de 64 quando um projetinho de Hitler está caindo.
Hoje mais um ex-aliado veio a público, Augusto Aras.
E o projetinho tosco cometendo mais um crime de responsabilidade adulterando a fala do diretor geral da OMS.

Responder

Alexandre Neres

31 de março de 2020 às 12h36

Vergonhosa essa defesa da turma verde-oliva do golpe civil-militar de 1º de abril. Nada mais simbólico que isso. Como pode um país minimamente civilizado, o que o Brasil não demonstra ser, defender uma estrovenga dessas? Como pode um presidente da república fazer apologia da ditadura e da tortura? Alguém já viu essa defesa enfática de Hitler na Alemanha, de Franco na Espanha, de Salazar em Portugal ou de Mussolini na Itália? Claro que não, isso é prova inequívoca do quanto somos atrasados e nossa suposta elite tem a mentalidade tacanha.

Miguel, mudando de assunto, cadê a matéria com o Lula elogiando a assinatura do Ciro Gomes no manifesto que uniu nossas maiores lideranças contra a conduta do Capitão Corona? Em que pesem as divergências, já passou da hora de os integrantes do campo democrático e popular deporem as armas, dispensar uns aos outros um tratamento respeitoso, e mirar no inepto que com suas atitudes erráticas está contribuindo para ceifar vidas. Abraço

Responder

    Alan C

    31 de março de 2020 às 17h22

    Penso que foi uma precipitação terem feito este pedido somente com figuras da centro-esquerda, deveriam ter convidado figuras da centro-direita tb aproveitando que nestes últimos 10 ddias muitos se rebelaram contra o capitãozinho corona.

    Responder

      Alexandre Neres

      31 de março de 2020 às 20h06

      Confesso que fico arrepiado de ver só bamba assinando. Regozijo-me de ver todo o nosso campo democrático e popular reunido. Depois que apararmos arestas e se for possível formar uma frente em favor da humanidade ou antissociopata, aí abrimos para esses outros, no qual têm um grande contingente de oportunista que está pulando fora porque o barco tá fazendo água. Até porque o Capitão Corona não enganou ninguém, ele é isso aí cuspido e escarrado.

      Responder

        Paulo

        31 de março de 2020 às 23h25

        Alexandre, permita-me! É impressão minha ou você virou conciliador esses dias?

        Responder

chichano goncalvez

31 de março de 2020 às 12h22

Como os milicos conseguiram transformar um pais rico, em um pais de favelas ? Que milagre foi esse ? Salario minimo de 50 dolares, será que viveriamos hoje com 300 pilas ? Vão plantar batatas, que a unica coisa que os milicos servem é matar, de preferencia gente seria , honesta e trabalhadora.

Responder

Deixe uma resposta