Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

É O MOMENTO DE FLEXIBILIZAR O ISOLAMENTO?

Por Redação

11 de junho de 2020 : 18h36

Por Virginia Berriel

Esta é a pergunta que todos nós, imbuídos na luta pela vida fazemos. Obtivemos respostas dos pesquisadores e infectologistas. Estamos indo para o fim do isolamento social, de uma quarentena de três meses, que na verdade, não chegou a 68% da população, uma falsa quarentena onde o isolamento em alguns estados foi pífio, não foi voluntário, tamanho o descaso do Governo Federal, inimigo número um de todas as medidas de prevenção e combate ao Colvid-19, propostas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo próprio Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia, como chefe da nação, Jair Bolsonaro se colocou frontalmente contrário às medidas de isolamento e passou a fazer campanha contra, aparecendo em locais públicos, causando aglomerações desnecessárias e sem utilizar-se das medidas de segurança. Perseguindo e criando atritos com os governos, fazendo propaganda enganosa da tal Cloroquina, como se médico fosse. Um desastre!

Não tivemos nenhuma campanha governamental, de massa, para orientar a população sobre a pandemia e os instrumentos de combate e prevenção à Covid-19. Os meios de comunicação, em seus telejornais trabalharam de forma incansável e precisa, fazendo o trabalho que deveria ter sido feito pelo Governo para orientar e salvar milhares de vidas. O Governo ainda acusou a imprensa de espalhar pânico a população, simplesmente porque divulgaram a verdade. Além de acusados, em muitos estados por mostrarem a verdade, jornalistas foram ameaçados, atacados e até tiveram os equipamentos quebrados.

s militares entraram no Ministério da Saúde e logo começou o atraso na veiculação das informações sobre o Acovid-19, o que ocorria sempre no final da tarde de cada dia, passou acontecer à noite, depois só por volta de 22 horas, para retardar a divulgação pelos meios de comunicação. O Ministério da Saúde, a mando de Bolsonaro, atrasou e alterou a forma de apresentação, excluindo os óbitos totais ocorridos em dias anteriores à data da divulgação, a ponto de no dia 07 de junho, no domingo, terem sido divulgados dois relatório, um com: “689.182 infectados e 37.312 mortes; posteriormente, outro com: 695.513 infectados e 36.455 mortes, nesse excluíram os óbitos ocorridos em dias anteriores”. Algo simplesmente estarrecedor. E para piorar, o Ministério informou que ia alterar a forma de apresentação dos relatórios e que seria lançada outra plataforma.

A insegurança gerada pelos atrasos, informações contraditórias e discrepantes, inconsistência e supressão de dados, sistema fora do ar, alteração na plataforma de informação sobre Acovid-19, tudo isso gerou instabilidade e descrédito. O Presidente ao invés de apagar o incêndio que fez, limitou-se a criticar o jornalismo e acrescentou: “ninguém tem que correr para atender a Globo”, (referindo-se aos atrasos das informações divulgadas pelo Ministério da Saúde).

Governo tenta esconder mortes

Falta de transparência e a tentativa do Governo de maquiar e esconder dados não deu certo. O país foi destaque negativo nos principais veículos de comunicação do mundo, inclusive sendo acusado de censura e totalitarismo. Nos renomados britânicos The Guardian e Financial Times, nos americanos The Washington Post, TV Amerciana ACB News e emissora do mundo Árabe Al Jazeera, dentre outros foi: “Brasil esconde dados de mortes por Acovid-19”. A OMS também manifestou-se cobrando transparência nas informações.

A tentativa de esconder as mortes foi mais um atentado cometido por esse Governo irresponsável, que imediatamente recebeu as manifestações por parte dos cientistas e entidades. Também aguçou a verve da imprensa, que mais uma vez saiu na frente, criou um consórcio com os jornais: Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL, conjuntamente fazem o levantamento e divulgam os registros de contaminação e mortes, todos os dias. Mais um trabalho impecável da imprensa.

Os governos dos Estados com os maiores índices de óbitos, como São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e outros com a curva em ascendência, passaram a flexibilizar o isolamento e permitir o retorno ao trabalho de milhares de brasileiros. Nesses Estados, foi utilizada regra de forma escalonada e por segmento de serviços. Pergunta que não quer calar, quem vai fiscalizar a lotação nos transportes? Quem vai fiscalizar os estabelecimentos comerciais, os shoppings? Como e de que forma será feito o controle de acesso para garantir a segurança dos trabalhadores?

A vida dos trabalhadores está em risco

Será que a flexibilização não vai permitir o dobro de casos e mortes? Já estamos beirando os 800 mil infectados e com mais de 40 mil óbitos. Numa entrevista para o RJ 1 da Globo, nesta semana, a Dra. Margareth Dalcomo, pesquisadora da Fiocruz, referência para o Acovid-19, afirmou: “eu vi essas imagens dos ônibus lotados e fiquei doente, estragou meu dia, porque essas pessoas daqui a 12, 14 dias estarão numa fila demandando o leito de um hospital”. Ela também disse que a flexibilização nessa curva de óbitos e de forma descontrolada pode ser desastrosa.

O Governo Federal incita a morte, o Governo Estadual flexibiliza tudo, o Governo Municipal libera por etapas, uma confusão generalizada e inacreditável. Já estamos no terceiro mês de pandemia, óbvio que as pessoas estão cansadas, confusas e sem informação precisa. As informações das autoridades são divergentes, seria necessário um discurso harmônico de todos. Seria importante que todos estivessem preocupados com a vida e não apenas com a economia.

Flexibilizar o isolamento no momento em que temos mais de mil mortes em 24 horas, é no mínimo um atentado. Permitir a circulação de trens, ônibus e metrôs lotados é colocar em risco a vida e ser cúmplice da morte dos trabalhadores. Infelizmente é o que vai acontecer aos montes, por irresponsabilidade, insensatez e ganância dos governos que colocam o povo à beira do abismo e o Brasil em perigo.

Os trabalhadores não querem a falência das empresas, precisam delas com saúde financeira para gerar postos de trabalho, mas os trabalhadores não podem ser penalizados e nem empurrados para a morte. Essa doença é altamente letal, ela desafia o mundo, onde a maioria dos países e seus governantes adotaram todas as regras de isolamento e defenderam a quarentena. No Brasil, os governantes vão na contramão das orientações, no mínimo, o que está acontecendo aqui tem nome, chama-se genocídio.

No Brasil, temos o “Governo da Morte”, assim podemos denominá-lo. As entidades jurídicas e instituições que defendem a vida e as leis, devem ficar atentas, precisam tomar todas as providências para culpabilizá-lo pelas mais de 40 mil mortes. Embora a comunidade científica saiba de todos os riscos que corremos, ela não tem o poder de interferir no Governo, parece que ninguém tem. Por essa razão precisamos gritar ao mundo, denunciar sem trégua as decisões arbitrárias e equivocadas do Governo.

Necessário destacar que os dois ex-ministros da saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, saíram do Ministério porque não aceitaram os arbítrios de Bolsonaro, este manteve o General Eduardo Pazuello, ministro interino da saúde, porque ele está ali para cumprir cegamente todas as suas ordens. Ele é cúmplice dos desmandos do patrão. Não é médico, nada entende de saúde e parece que não faz questão de entender. Assumiu interinamente e a única coisa que fez a frente do Ministério da Saúde foi indicar mais de 25 militares para cargos estratégicos, sendo que nenhum deles é da área de saúde. Está aí o resultado do caos, do risco e perigo que todos nós estamos vivendo nessa pandemia.

Choramos e não podemos nos calar diante dessas mais de quarenta mil mortes. E certamente o resultado dessa flexibilização descontrolada veremos dentro de mais alguns dias, temos que culpabilizar os responsáveis. Não podemos aceitar que mesmo conhecendo todos os recursos para garantir a vida, os governos tenham se omitido e empurrado para a morte milhares de brasileiros.

#ForaGovernoBolsonaro

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Kleiton

11 de junho de 2020 às 21h03

De novo usando os mortos para fazer política…? Não cansam…?

Responder

Paulo

11 de junho de 2020 às 19h39

No meio de tantas idas e vindas, é impossível um homem entender-se. Em São Paulo, o governador falava há uma semana em “lockdown”, agora fala em abertura por etapas. O prefeito antecipou feriados (até o religioso, de hoje, no que agiu de forma arrogante e até herética), na tentativa de evitar a interação social, na cidade, e, agora, fala em reabertura. No Rio, é um continuado processo de confusão, envolvendo políticos e a Justiça. E em outros locais, também. Há até uma temerária tese esposada – acho – pela UFA, que li hoje, de que “o vírus teria ficado menos virulento em Manaus”, a partir do suposto dado de que o nº de contágios teria aumentado, enquanto o de mortes teria diminuído…

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?