Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

TCU diz que Ministério da Saúde só gastou 1/3 da verba para combater a Covid-19

Por Gabriel Barbosa

22 de julho de 2020 : 09h52

Uma auditoria feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU) revela que o Ministério da Saúde investiu apenas 29% do recurso emergencial disponível para ações contra o novo coronavírus.

No total, o Governo Bolsonaro prometeu no mês de Março, por meio de uma ação orçamentária, um montante de R$38,9 bilhões. Porém, só foram gastos R$ 11,4 bilhões.

As despesas do ministério e as transferências para estados e munícipios estão longe da promessa feita pelo Governo Federal. Ainda segundo a auditoria, só foram transferidos 11,4% do valor total.

Dessa fatia, os governos estaduais receberam 39% enquanto os municípios apenas 36%.Outro problema revelado pela auditoria é o atraso na entrega de respiradores.

O Ministério Público Federal (MPF) abriu inquérito para investigar a insuficiência e a lentidão da liberação dos recursos orçamentários do Ministério da Saúde. Segundo a Folha, os ministros do TCU irão julgar o relatório nesta quarta-feira, 22.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

22 de julho de 2020 às 12h14

Capetão quer cooptar os militares como Maduro fez na Venezuela (com viés ideológico trocado, claro). Ouvi dizer que, além do aparelhamento do Estado, vai criar novas e substanciais gratificações. Pra isso tem dinheiro, não bastasse a “Reforma” suave, suave, na Previdência hiper-deficitária da caserna, ao tempo em que penalizou severamente o funcionalismo civil, não-deficitário, sob as batutas de Porco Guedes e Rogério Mauzinho…

Responder

Arlindo

22 de julho de 2020 às 11h06

E ficam com raiva quando os chamamos de GENOCIDAS. Esta contenção de gastos é proposital e suficiente para justificar a condenação de Bolsonaro e seu ministro da “saúde”, Gal Pazuello, no Tribunal Penal Internacional de Aia, Holanda.

Responder

Deixe uma resposta