Live do Cafezino (20h): o novo surto de Bolsonaro! Convidado: Celso Rocha de Barros

Pesquisa XP/Ipespe 2022: Bolsonaro tem 31%, Haddad 14%, Moro 11% e Ciro 10%

Por Miguel do Rosário

15 de outubro de 2020 : 16h22

Hoje vamos analisar uma ampla pesquisa XP/Ipespe, com entrevistas realizadas entre os dias 8 e 11 de outubro, trazendo projeções para as eleições presidenciais de 2022, e os números mais recentes da aprovação do governo Bolsonaro.

Falemos antes das projeções para 2022.

O primeiro destaque é que Bolsonaro voltou a se consolidar como líder das pesquisas, tanto em cenários de primeiro como de segundo turno. A força de Bolsonaro é coerente com o aumento de sua aprovação, que iremos analisar mais abaixo.

Segundo o XP/Ipespe, Bolsonaro tem 31% das intenções de voto, mais que o dobro de qualquer outro adversário. 

Até o momento, temos quatro nomes no jogo eleitoral de 2022: além de Bolsonaro, que parece ter um lugar cativo no segundo turno, temos Sergio Moro, Haddad (ou Lula) e Ciro Gomes. 

A linha de Haddad/Lula deve ser vista com mais cuidado, porque a pesquisa informa que usou os nomes de Lula de janeiro a maio; de junho em diante, o nome do PT é Haddad. A linha vermelha do candidato petista indica um declínio de Lula, que passa de 24% em janeiro, para 17% em maio. 

A partir de junho, a pesquisa passou a usar o nome de Haddad, e não mais o de Lula. O percentual de voto oscila, de lá até hoje, entre 13% e 15%. Agora está em 14%.

Sergio Moro experimentou um forte declínio desde que seu nome foi incluído na série, em setembro do ano passado; seu auge foi ao final de abril, logo após sua saída do governo, quando suas intenções de voto chegaram a 18%. Hoje Moro tem apenas 11%.

Ciro Gomes tem oscilado entre 8% e 12% desde o início da série, em setembro de 2019. Hoje tem 10%.  Tecnicamente, está empatado com Moro e Haddad. 

Os números não são ruins para o trabalhista; ao empatar tecnicamente com Haddad e Moro, ele coloca em xeque a afirmação de que seria impossível vencer sem apoio do PT. Além disso, o percentual também sinaliza que os prognósticos sobre sua morte política (vindos sobretudo do petismo) seriam algo exagerados. 

A pesquisa traz cenários de segundo turno. 

Num eventual (embora improvável) segundo turno entre Bolsonaro e Sergio Moro, haveria um empate de 36% a 35%, com o ponto de vantagem em favor do ex-juiz. Entretanto, o gráfico mostra um declínio tão impressionante de Moro nos últimos meses, o que nos leva até a suspeitar que os pesquisadores não tenham pesado um pouco para o lado do ex-juiz, em função da simpatia que ele goza junto ao “mercado”. Moro chegou a pontuar 58%, contra 24% de Bolsonaro, ao final de abril. Nos meses seguintes foi desidratando, chegou a 35% em setembro e hoje tem 36%.

Moro se demitiu no dia 24 de abril, quando ganhou a atenção, em geral positiva, de quase toda a grande mídia. 

 

 

Entretanto, os cenários mais prováveis de segundo turno, a julgar pela tendência de polarização na reta final das eleições, devem ser entre Bolsonaro X um candidato progressista, seja Haddad ou Ciro.

Bolsonaro ganharia, num eventual segundo turno, tanto de Haddad como de Ciro, com resultados inclusive idênticos: Bolsonaro 43 X 35 Haddad ou Ciro. 

Tanto Haddad como Ciro experimentaram um crescimento de 3 pontos nos últimos meses. 

Uma análise sobre qual o candidato com mais potencial para derrotar Bolsonaro num segundo turno dependeria de mais dados sobre rejeição de cada um, e uma avaliação a mais imparcial e objetiva possível sobre a presença ou relevância do sentimento antipetista junto sobretudo aos eleitores de centro. O candidato progressista que conseguir atrair para si esse eleitorado volátil de centro, que tende ora para um, ora para outro, terá mais chances. 

Como o PT tem sido forçado pelas circunstâncias a procurar aliados em partidos radicais, como PSOL e até mesmo o PCO, isso poderia indicar uma dificuldade maior do partido de conquistar esse eleitorado de centro. Caso isso seja verdade, então o PDT de Ciro Gomes teria uma vantagem, tanto para chegar ao segundo turno em 2018, como para vencê-lo. 

 

 

***

A pesquisa também traz a avaliação do governo Bolsonaro, que vive um de seus melhores momentos.

Até mesmo o repúdio na classe média, segundo essa pesquisa, parece ter refluído. 

Entre eleitores com renda familiar acima de 5 salários,  a rejeição (notas ruim e péssimo), que tinha atingido 55% em maior, caiu para 33% em outubro.

Mas a novidade mesmo foi a mudança junto às famílias de baixa renda (até 2 salários), entre as quais o percentual de bom e ótimo chegou a 39%, o maior patamar desde o início da série. 

No Nordeste, onde a rejeição a Bolsonaro havia atingido 63% em abril, caiu pela metade e está agora em 30%. 

Ainda no Nordeste, o percentual de aprovação positiva (ótimo e bom) está em 35%, seu maior patamar nessa região desde o início da série, a partir de julho de 2019.  

A melhora na aprovação de Bolsonaro parece derivar de uma certa sensação (provisória? ingênua) de alívio, por parte da população. Quando a pandemia chegou ao Brasil, as pessoas tiveram muito medo de perder o emprego. Esse medo caiu bastante. Segundo a pesquisa, hoje 57% dos entrevistados responderam ter a percepcão de que a chance de manterem seus empregos é grande ou muito grande, contra apenas 36% que disseram que é pequena ou muito pequena. 

Ou seja, as pessoas voltaram a ter esperanças. Mal ou bem, o país conseguiu se segurar na pandemia, ao menos por enquanto.

    

 

Até a avaliação sobre a atuação de Bolsonaro no enfrentamento ao coronavírus parece estar mudando. Em maio, 58% disseram que era ruim ou péssima; hoje esse percentual caiu para 47%, que é ainda bem superior aos 30% que acham que Bolsonaro teve atuação ótima ou boa. 

 

Tanto as pesquisas de intenção de voto para 2022, quanto de avaliação de governo, mostram que Bolsonaro está numa maré boa. As pessoas se sentem aliviadas por estarem vivas, por terem recebido auxílio emergencial, ou por terem mantido seus empregos. Isso se reflete positivamente em favor do governo. 

Mas essa lua de mel não deve durar muito. Ano que vem será, forçosamente, um ano muito difícil, sobretudo por causa da enorme ressaca provocada pela pandemia este ano. 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tadeu

16 de outubro de 2020 às 12h35

Só mais um comentário: reparem na simulação de 2o turno entre a candidatura do PT e Bonoro. Em julho, pela primeira vez o PT apareceu à frente, por dois pontos. O que aconteceu a seguir? Bonoro disparou, e a candidatura do PT desceu.

É o que já aconteceu em 2018 e vai continuar acontecendo: no momento que um candidatura petista, ou identificada com o petismo (PSOL, PC do B, etc) se mostrar competitiva, Bonoro dispara. A esquerda só volta ao poder, portanto, desvinculada de toda a ideia do lulopetismo. O PDT faz o certo ao tentar tirar o foco do cachaceiro e seus problemas com a lei, e focar na questão do desenvolvimento nacional, porém ainda será necessário algum tipo de articulação com a burguesia, no estilo do que o PT fez em 2002.

Responder

Walter

16 de outubro de 2020 às 09h33

Lula deve ser avaliado com bastante ressalvas, pois ele está sob mordaça e censura, ou seja, todos os outros tem total liberdade, nenhuma restrição. Lula no momento, sob qualquer avaliação, não está em pé de igualdade em relação aos demais por esse motivo.

Responder

jose carlos rodrigues arana

15 de outubro de 2020 às 22h27

E Ciro não passa dos 12%.

Responder

    Miramar

    16 de outubro de 2020 às 00h46

    Bom de voto é o Tatto.

    Responder

Vice-líder abunda

15 de outubro de 2020 às 22h26

31% pra um idiota que é o único que tá em campanha, no cargo e na pesquisa favorita do mercado

Nossa, impressionante! kkkk

Responder

Sebastião

15 de outubro de 2020 às 20h30

O que tem possibilidades de vencer Bolsonaro é Lula. Mas pra isso, precisa que Moro se torne suspeito, pra que a imagem de Lula melhore. Tanto Lula, quanto Bolsonaro, tem fanáticos e são populistas.

Embora aja fanáticos de Moro e de Ciro(critiquem pra ver se os fanáticos não atacam?!). Em números, nada comparado a Bolsonaro e Lula. O problema dos fanáticos, é que os erros dos ídolos sempre serão justificados por eles.

Qualquer um que for contra Bolsonaro, irá perder. Não adianta alianças e união. Bolsonaro com o Auxílio Emergencial, conseguiu dar uma estancada na rejeição, e subir em aprovação. Haverá o Renda Brasil… Agora tem muita água pra rolar debaixo da ponte, e existem variáveis que podem mudar todo o cenário.

Responder

O Demolidor

15 de outubro de 2020 às 19h20

Desculpa cínica para tirar o nome do Lula…cretinice pura…essa pesquisa só engana otário….

Responder

Galinzé

15 de outubro de 2020 às 18h52

O Cirolipa num eventual segundo turno herdaria todos os votos da esquerda assim como o Andrade herdaria os votos de quem votou no Cirolipa no primeiro turno…ambos perdendo.

Isso demonstra claramente que em 2018 ninguem da esquerda teria ganho no segundo turno e o mesmo aconteçera em 2022.

Resumindo…de 2018 pra cà nao mudou exatamente nada e nada mudarà até 2026.

Responder

Efrem Ventura

15 de outubro de 2020 às 18h42

Passado o medo que insuflado pela imprensa e pseudo expertos/scintistas/epidemiologos de ocasiao os brasileiros vieram percebendo a realidade sobre o coronavirus e as consequencias tragicas do isolamento social.

Responder

    Tadeu

    15 de outubro de 2020 às 19h28

    Ia postar isso. Pintaram um cenário tão apocalíptico que, quando a realidade se impôs, ficou parecendo que aconteceu um milagre. Tudo que a oposição tenta fazer para prejudicar o governo acaba o beneficiando.

    Responder

      Francisco

      16 de outubro de 2020 às 16h54

      “Quando a realidade se impôs, ficou parecendo que aconteceu um milagre”:

      Cento e cinquenta e dois mil brasileiros mortos em menos de 7 meses.

      Segundo morticínio mundial absoluto pela Covid, apenas atrás da Metrópole, os Estados Unidos desgovernado por Trump, a estrela guia do provinciano e xucro desgovernante do Brasil.

      Quarto morticínio mundial na relação mortos/população, apenas atrás do Peru, Bélgica e Chile e com o Estados Unidos em décimo.

      Consideradas apenas as notificações, de março, até hoje, a cada mil e trezentos e oitenta brasileiros, um morreu pela Covid.

      Em média, atualmente, ‘realidade imposta’, segundo o ‘especialista’ Tadeu, seiscentos novos brasileiros morrem todo santo dia pela Covid, ou seja, diariamente três aviões com capacidade de duzentos passageiros, ‘caem’ espalhando corpos pelas covas destinadas as vítimas da Covid, ‘aquela gripezinha’, ‘aquele apocalipse que não aconteceu’, e que os medíocres insistem em negar.

      O mundo está há dez meses vivendo fora de sua anterior normalidade, Europa e Estados Unidos retomam medidas para frear o aumento de novos casos e mortes, milhões são investidos para encurtar o tempo de disponibilidade de vacinas, setores das atividades econômicas permanecem paralisados, sem que ninguém perceba, como percebem Efrem Ventura e Tadeu, que basta não ter medo, como eles e o mastodonte que os inspira.

      Só rindo, ou melhor, chorando em respeito aos mortos, quer sem medo ou ‘covardes’

      Responder

Efrem Ventura

15 de outubro de 2020 às 18h39

Moro jà disse varias vezès que nao serà candidato a nada mas trabalharà no setor privado.

Deu para ver claramente que a politica nao é lugar para ele, embarcou no governo exclusivamente para tentar chegar ao STF, nada mais.

Responder

Renato

15 de outubro de 2020 às 17h46

Moro, sem ser candidato, tem mais intenções de votos que o menino maluquinho e eterno candidato !

Responder

    Galinzé

    15 de outubro de 2020 às 18h47

    O Moro nao serà candidato, as vèzes o Cirolipa pode pegar alguns poucos votos da turminha miuda da “classe media” (gente mediocre sem classe) que esperneia, da birra e inventa motivos para nao votar no Bolsonaro sò para se passar de diferentoes com os amigos, de metidinhos que na verdade nao passam de 4 destrambelhados sem rumo.

    Responder

Miramar

15 de outubro de 2020 às 17h02

Entendi, empate técnico entre o Moro e o Poste. Isso explica muito da violência e do destempero verbal da cumpanherada.

Responder

Deixe uma resposta