Live do Cafezinho: balanço dos partidos de esquerda

Bolsonaro também rejeitou vacina da Pfizer

Por Redação

21 de outubro de 2020 : 15h43

O CEO da Pfizer Brasil, Carlos Murillo, revelou em entrevista a Veja que o presidente Jair Bolsonaro rejeitou a vacina produzida pela farmacêutica no Brasil.

De acordo com Murillo, a Pfizer Brasil enviou uma proposta formal ao Planalto e estabeleceu um prazo de resposta do governo brasileiro.

“Em agosto, depois de várias reuniões com integrantes do governo, incluindo do Ministério da Saúde e da Economia, a Pfizer fez uma proposta formal de fornecimento da vacina ao Brasil, sujeita à aprovação regulatória, claro. Essa proposta permitiria vacinar milhões de brasileiros e especificava um prazo para o governo nos responder”

Apesar da tratativa, Murillo afirmou que o presidente Jair Bolsonaro ignorou a oferta.

“Nós nunca recebemos uma resposta formal do governo brasileiro, nem pelo sim nem pelo não. Pelo interesse da companhia de tentar fechar um acordo com o Brasil, principalmente por acreditar nos benefícios dessa tecnologia [a vacina da Pfizer uma plataforma inovadora, baseada em mRNA], após ter vencido o prazo, o CEO global da Pfizer mandou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro da Saúde retomando a proposta e enfatizando a importância da companhia trabalhar com o Brasil. Tampouco recebemos resposta”

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan C

21 de outubro de 2020 às 18h20

Apoio totalmente quem não quiser tomar, até incentivo, bom que sobra mais.

Responder

    ermes

    22 de outubro de 2020 às 09h16

    Entao nao é questao de saude publica…? E’ o que ?

    Responder

Germano

21 de outubro de 2020 às 17h48

O Brasil fez parcerias com Oxford e com a OMS… precisa de quantas mais ?

Responder

    Nei

    22 de outubro de 2020 às 18h46

    Quantas forem necessárias. Não podemos apostar em poucas.

    Responder

Deixe uma resposta