Live do Cafezinho: balanço dos partidos de esquerda

Aras pede para OAB investigar advogado por petições contra Governo Bolsonaro

Por Redação

23 de outubro de 2020 : 16h26

O procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, quer que a seccional de Santa Catarina da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SC) apure “eventual prática de infração disciplinar” de um advogado por petições contra o governo federal. O advogado em questão é Ricardo Schmidt, que tem mais de 20 pedidos de investigações envolvendo o governo do presidente Jair Bolsonaro, como pontuado por Aras.

Neste caso, Schmidt havia peticionado no Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de instauração de inquérito contra a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, após uma reportagem da Folha de S. Paulo mostrar que “um programa beneficente liderado pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro, repassou, sem edital de concorrência, dinheiro de doações privadas a instituições missionárias evangélicas aliadas da ministra”. 

O advogado solicitou, ainda, remessa à PGR para que se pronunciasse sobre instauração de investigação. Como resposta, o PGR negou seguimento da petição, em documento assinado no último dia 16, e sugeriu remessa de cópia dos autos à OAB-SC. Aras citou que Schmidt tem mais de 20 petições “com contornos análogos”, pedindo apuração contra o governo, e que o comportamento do advogado “pode vir a caracterizar abuso do direito de peticionar”. 

Conforme o procurador-geral, o defensor “está se valendo da garantia prevista” na Constituição Federal “para manifestar seu inconformismo com os rumos da política nacional e com o atual Governo”. O artigo 5º da Constituição garante a todo brasileiro “o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder”.

“Esse descontentamento, por si só, não autoriza o emprego descomedido (irregular, pois) da notícia-crime, comportamento que pode vir a caracterizar abuso do direito de peticionar, mormente porque a persecução penal, em razão do princípio da presunção de inocência, tem por pressuposto indispensável a existência de justa causa”, escreveu o PGR.

Aras ressaltou, ainda, que “o exercício regular da prerrogativa, direito público subjetivo de índole essencialmente democrática, deve ser salvaguardado, proteção que não afasta, porém, a necessidade de contenção de condutas exorbitantes”.

Ao Correio, Schmidt avaliou a ação do PGR como uma tentativa de intimidação. “Me estranha o procurador querer apurar a conduta de quem denuncia. Peticiono bastante porque o governo comete seguidas ilegalidades”, disse.

Fonte: Correio Brasiliense

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan C

24 de outubro de 2020 às 01h01

Vcs esperam o que desse lixo de bozolândia???

Responder

Paulo

23 de outubro de 2020 às 17h31

Ele claramente confunde as funções de guardião da República com as de guardião do (des)Governo. Ou melhor, não é confusão, é intencional. Este país virou uma republiqueta…

Responder

Deixe uma resposta