Live do Cafezinho: balanço dos partidos de esquerda

Live do Cafezinho: o que as ideias de Keynes tem a oferecer ao projeto nacional?

Por Redação

29 de outubro de 2020 : 15h45

O editor de Cafezinho, Miguel do Rosário, conversa com Fabio Terra, professor de economia na UFABC, sobre os desafios do campo progressista de oferecer ideias que sejam ao mesmo tempo factíveis e objetivas, mas também rebeldes, inovadoras e populares, para a reativar a economia brasileira.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

aCosta

30 de outubro de 2020 às 14h22

Os únicos q se dão bem com keynesianismo são os políticos, q se valem das bobagens postuladas por keynes pra fazer populismo e gastar dinheiro público desenfreadamente.

Responder

Gilvanir

29 de outubro de 2020 às 19h08

Nada. As ideias de Keynes são mais maléficas que as de Marx para economia.

Responder

Luiz

29 de outubro de 2020 às 16h28

O pensamento de Keynes no poder acrescenta uma oportunidade política à cegueira monetarista de mercado. Nada além, sendo pouco provável seu aproveitamento; algo como Guedes expressando a contrariedade entre a livre iniciativa e o princípio da oferta e procura. De outro modo, pode até corromper o princípio maior da cidadania e obliterar os objetivos declarados na Constituição brasileira de 1988. Na equalização atual, a Constituição deixa margem ao (des) entendimento, os princípios constitucionais guardam a relação entre interesses e direitos, implicando em livre iniciativa e oferta. No fim, ao juízo comum, é o direito que se apresenta metafísico, não o valor atribuído à mercadoria. A simples existência da expressão microeconomia condena o pensamento de Keynes a remediar.

Responder

Deixe uma resposta