Paris Café Extra: Finanças Funcionais, uma revolução copernicaniana na economia

Ciro: “Se Bolsonaro tentar um golpe, daremos a ele o mesmo destino que Mussolini”

Por Redação

18 de janeiro de 2021 : 21h56

Nesta segunda, 19, o vice-presidente Nacional do PDT, Ciro Gomes, afirmou que se o presidente Jair Bolsonaro tentar patrocinar um autogolpe, terá o mesmo destino que o ditador fascista Benito Mussolini.

Em 1945, Mussolini foi fuzilado em praça pública após deixar a Itália mergulhada no caos no fim da Segunda Guerra Mundial.

“Se Bolsonaro tentar um golpe, daremos a ele o mesmo destino que Mussolini. Eu, Ciro Gomes, assumo como palavra de honra a luta de dez, cem ou de mil para dar a ele (Bolsonaro) o mesmo destino que Mussolini caso queira fazer um golpe no Brasil”

A aformacao de Ciro foi dada na live República e Democracia com a oarticiacao do ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, o professor Wilson Ramos e a mediadora Sandra Bittencourt.

Para assistir, clique aqui.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Glauber

19 de fevereiro de 2021 às 17h58

TMJ! E faremos ao som de Bella ciao.

Responder

carlos

21 de janeiro de 2021 às 08h06

O bozo foi eleito, pelas milícias, as corporações, e a elite empresárial.

Responder

    João

    24 de janeiro de 2021 às 10h30

    Mas tu é burro camarada!!!!!!! O povo, mais 70 milhões agora é milícia? 57 milhões não é o número verdadeiro e vc sabe disso.

    Responder

Charlie

20 de janeiro de 2021 às 10h11

dá nada isso aê, na hora do vamu vê o coroné foge é pra frança fanfarrão que é.

Responder

Antonio

20 de janeiro de 2021 às 09h31

Esse é um zé cú,o irmão Cid foi com valentia na porta do batalhão e tomou tiros dos policiais,e Ciro é tão valente porque não foi se vingar.

Responder

    João

    24 de janeiro de 2021 às 10h32

    O CAGACIRO é o cavalo do bandido. Apanha e corre sem olhar pra trás. Sujeito bobalhão.

    Responder

Giovani de Morais e Silva

20 de janeiro de 2021 às 07h20

Vai comandar tudo de Paris???
Em terra que eu não ando, feijão da na raiz feito macaxeira, Coroné!!

Responder

Brasil Soberano

19 de janeiro de 2021 às 21h05

Estaremos juntos se esse dia chegar!
Vou para rua de fuzil na mão, custe o que custar.
Com fascista não tem conversa, vamos fazer com Bolsonaro o mesmo que os italianos fizeram com Mussolini.

Responder

Netho

19 de janeiro de 2021 às 20h13

Ciro Gomes ignora o óbvio ululante: o apoio ostensivo ou tácito, a depender da ocasião ou conveniência, das Forças Armadas como um todo; mais do Exército, um pouco menos da Marinha e Aeronáutica. No entanto, até agora, não se viu nem se verá, nenhuma manifestação das Forças Armadas falando em ”profissionalismo” ou quaisquer outros ismos que costumam edulcorar os manifestos militares em suas ordens do dia.
O fato é que se vive sob um manifesto “realismo autoritário” que foi legitimado nas urnas quando dois filhotes da ditadura apologistas da tortura foram apoiados pelos donos do PIB Nacional e da mídia corporativa escrita, falada, televisada e virtualizada.
De fato, as instituições seguem praticando o seu paisagismo situacional mas se encontram vergadas e amareladas pela pressão sistemática que o Messias da Cloroquina impõe aos chefes dos poderes e gestores dos aparelhos do Estado.
Não há nenhuma instituição ou órgão público-estatal que se não tenha submetido às linhas de força magnetizadas pelo presidente, embora seus representantes produzam as verborrágicas narrativas de praxe de que ”as instituições democráticas funcional normal e harmoniosamente”.
Ciro Gomes sabe que está falando sozinho e que não dispõe de meia dúzia de seguidores dispostos a dependurar o guizo no pescoço do gato.
Melhor faria se declarasse que partido jamais poderia estar ombreado com os apoiadores o Jair do Resfriadinho no Senado Federal.
De fanfarronices e bravatas, o Brasil já considera suficiente as produzidas pelo clã miliciano ufanista da tortura e dos torturadores.
Menos, Ciro!

Responder

    carlos

    21 de janeiro de 2021 às 08h00

    Concordo plenamente, com o amigo, acrescento a frase: em terra de cego quem tem um olho é rei.

    Responder

PMTsnt

19 de janeiro de 2021 às 18h57

Fica difícil querer eliminar golpista e ser a favor do desarmamento, ao mesmo tempo.

Responder

Marcelo

19 de janeiro de 2021 às 17h29

Esse cu cagado não teve palavra nem para se aposentar, coisa que ele prometeu caso Bolsonaro ganhasse, agora quer dar uma de galo cego. Ele tem primeiro que cuidar se seus familiares drogados, antes de pregar de revolucionário

Responder

Derley

19 de janeiro de 2021 às 16h50

O que posso dizer? Este me representa. #ciro2022

Responder

o zé

19 de janeiro de 2021 às 14h17

Hoje é terça

Responder

Marco Antonio Sá

19 de janeiro de 2021 às 06h34

Tô contigo, Cirão! Estaremos nas ruas pra o der e vier, vamos livrar ssse país das mãos do fascismo.

Responder

    Batista

    20 de janeiro de 2021 às 02h20

    “Aux armes citoyens!
    Formez vos bataillons!
    Marchons, oui marchons…”

    É isso aí, com “Cirão da Massa” à frente, com a retroescavadeira pilotada por ‘El Cid’.

    Definitivamente no Brasil, tem dia que é de noite…, não basta o Bolsonaro eleito pela omissão desses auto designados, ‘progressistas’?

    Responder

Alexandre Neres

19 de janeiro de 2021 às 01h35

Ciro Gomes pensa que quem gritar mais alto ganha. Não vê que sua própria retórica é bolsonarista. Que é muito mais importante ter atitude do que bravatear. Por exemplo, pegue o grande líder trabalhista Brizola. Em 1989, Brizola estava com o sapo barbudo entalado na garganta, mas o pôs no colo e transferiu todos os seus votos para ele, colocando o Brasil acima de suas questiúnculas pessoais. Esta foi a lição mais nobre a ser apreendida pelo campo progressista em todos os tempos. O PT, em muitos momentos, não teve essa grandeza. Quem assistiu Brizola abrir essa picada, não esquece jamais!

Responder

    Matheus

    19 de janeiro de 2021 às 17h03

    Ciro transferiu os votos ao Haddad (80%, transferência maior que do próprio Lula). Mas, como em 1989, a rejeição ao PT falou mais alto. Mais uma vez o povo pagou o preço do hegemonismo, e a elite rentista espertamente usou o PT de escadinha para um vagabundo e pilantra subir à presidência.

    Responder

    BENEDITO DIAS

    07 de março de 2021 às 16h45

    Brizola era nacionalista de primeira grandeza. A politica se apequenou, o debate desapareceu, os interesses espúrios ocuparam o lugar das prioridades nacionais. O povo sofre! Sou contra qualquer manifestação de cunho violento. Sou contra o armamento. O Ciro é uma politico bom, inteligente e capaz de arrumar o Brasil, só precisa segurar um pouco a língua. A Bíblia diz que a lingua é veneno mortífero. Temos que ter cuidado e segurar a lingua pra nao falar o que o Bolsonaro fala.

    Responder

Paulo

18 de janeiro de 2021 às 22h18

Vamos ver! Tanto Ciro como Zé Dirceu (este há alguns anos) disseram que iriam às armas – com sacrifício pessoal de vida, inclusive – para assegurar a democracia (embora a democracia de Ciro certamente, quero acreditar, não seja a de Dirceu)…

Responder

Deixe uma resposta