Paris Café: O PT tem um projeto de governo? Qual é?

Crédito: Twitter Marcelo Freixo.

O xeque mate de Lula no Rio de Janeiro

Por Miguel do Rosário

13 de junho de 2021 : 13h45

Poucas vezes na vida testemunhei uma sucessão de movimentos políticos tão rápidos e mortais como os feitos por Lula e Marcelo Freixo nos últimos dias. Podemos compará-los a um xeque mate, operado sobretudo pelo ex-presidente.

Em jargão enxadrista, foi um mate pastor, que é aquela jogada em que as peças brancas dão xeque-mate nas pretas, logo no início da partida, em apenas quatro lances.

Operando as peças pretas, temos a terceira via, especialmente Ciro Gomes e o PDT.

A decisão do deputado federal Marcelo Freixo de sair do PSOL e migrar para o PSB tem de ser analisada do alto, para observamos não apenas a cena em si, mas o seu entorno, suas causas, desenvolvimento e consequências.

A rapidez fulminante das jogadas é apenas aparente. Nem devemos levar a metáfora do xadrez tão à sério, pois não é xadrez. É política. Os movimentos foram planejados, meticulosamente, muito antes.

Entretanto, seria um erro achar que Marcelo Freixo foi um coadjuvante de Lula.

Muito pelo contrário. Freixo surpreendeu a todos pela frieza, objetividade, e até por uma certa dose de cinismo, embora de um tipo positivo de cinismo, eu diria, daquele que sabemos ser necessário para a realpolitik. Um cinismo que provoca antes admiração que repulsa, pois o eleitor médio entende perfeitamente que política não é lugar para ingênuos.

Com a movimentação, Freixo, que já aparece em primeiro lugar nas pesquisas, se consolida ainda mais como um candidato extremamente competitivo nas eleições para o governo do Rio em 2022.

Lula, por sua vez, confirma o seu gênio político, o qual igualmente não é desprovido de uma pitada maliciosa.

Antes de continuar a análise, repassemos os fatos.

Semana passada, o deputado federal Marcelo Freixo participou de uma reunião, no Rio de Janeiro, com o ex-presidente Lula. Presentes ao encontro, estavam também os deputados federais Alessandro Molon (PSB-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ), ambos protagonistas da esquerda fluminense e nacional.

Molon é líder do PSB na Câmara dos Deputados – e atual líder da Oposição.

Jandira foi líder da Minoria no primeiro ano do governo Bolsonaro, por indicação do PDT.

O atual líder da Minoria é Marcelo Freixo.

Existe a Liderança da Minoria e a Liderança da Oposição. A primeira é mais valorizada, porque oferece uma estrutura a seu titular, como uma sala própria e alguns cargos de confiança.

Os três, Freixo, Molon e Jandira são campeões das redes sociais – e esse não é um fato menor em nossa análise. Aliás, quem não considerar a importância das redes sociais no processo político e eleitoral, especialmente em eleições para governo do estado e presidência da república, está muito desatualizado. Bolsonaro venceu as eleições presidenciais, e elegeu aliados no congresso e em alguns governos, por já ser forte nas redes sociais antes de ser presidente.  Ao final do post, confira alguns números de redes sociais dos principais atores políticos do Brasil.

Freixo não apenas saiu do PSOL. Não apenas entrou no PSB. O movimento mais explícito, e com maior impacto político, foi a sua entrada forte na campanha de Lula, pondo fim a uma dúvida que ainda pairava no ar sobre sua posição em 2022. Desde quinta-feira que Freixo vem postando ou compartilhando, todos os dias, mensagens em apoio ao ex-presidente. Também deu entrevistas a Veja e ao UOL, em que afirma categoricamente que defende a unificação das forças em torno do petista, e que o PSB, seu novo partido, “tende a apoiar Lula”.

Ao longo dos últimos meses, houve muitos rumores, alguns provavelmente plantados pelo próprio Freixo, de que ele poderia ingressar no PDT, o que seria lido, naturalmente, como um sinal claro de uma aposta em Ciro Gomes, pré-candidato do partido à presidência da república. Militantes do PDT e o próprio Lupi, presidente nacional da legenda, cometeram o erro mais fatal em política, o da ingenuidade. Alguns militantes anunciavam, como fait accompli, que Freixo já estava de malas prontas para entrar no PDT. Lupi dava entrevistas sobre estender o “tapete vermelho” para o deputado. Para Freixo, os rumores eram bem vindos, porque ele entendeu que, para se viabilizar como candidato competitivo em 2022, o apoio do PDT, ou pelo menos, do eleitor simpático ao PDT, seria muito útil. Em 2018, Ciro ficou em segundo lugar no estado e na capital, e em 2020, nas eleições da capital, a candidata do PDT, Martha Rocha, ficou em terceiro lugar, embora apenas um pouco à frente de Benedita da Silva, do PT; a candidata do PSOL ficou num quinto lugar muito distante.

Freixo deve ter percebido que, em 2018, muitos de seus eleitores também votaram em Ciro Gomes. Uma análise de sua votação mostra uma coincidência muito grande entre os votos de ambos: tanto Freixo como Ciro tiveram votações muito concentradas nas mesmas zonas eleitorais, conhecidas por seu voto de esquerda, como Laranjeiras e Tijuca.

Um observador frio da cena política já podia intuir que o deputado nunca teve a intenção real de ingressar no PDT. Ao mesmo tempo, ele precisava aumentar seu prestígio dentro do eleitorado cirista, para reduzir os danos que viriam com sua adesão a Lula.

A esposa de Marcelo Freixo, a escritora Antonia Pellegrino, um quadro político e intelectual de primeira grandeza, filiou-se ao PT durante a mesma reunião com Lula que antecedeu o anúncio da entrada de Freixo no PSB.

No entanto, não podemos esquecer que a anulação dos processos contra o ex-presidente Lula, e a restituição integral de seus direitos políticos, correspondeu a uma reviravolta profunda na política nacional. Esse fato, mais a sua disparada nas pesquisas, deu a Lula um poder gravitacional imenso, que ele vem explorando sem nenhuma compaixão por seus adversários.

O outro efeito do movimento de Freixo, sobretudo pelo contexto, é uma consolidação muito forte da tendência do PSB em se aliar ao Partido dos Trabalhadores nas eleições de 2022. Desta vez, o PSB não ficará neutro. Freixo entrou no PSB quase que num movimento combinado no sentido de ser, como candidato ao governo do Rio, não apenas o principal palanque de Lula no terceiro maior colégio eleitoral do país, mas também um dos principais defensores de uma aliança nacional entre PSB e PT em torno do ex-presidente.

Esses movimentos criam imediatamente ainda mais dificuldades para Ciro Gomes e o PDT, que fizeram alguns sacrifícios nas eleições municipais de 2020, na esperança de que receberiam apoio do partido em 2022 para seu projeto nacional. Aí novamente testemunhamos uma ingenuidade indesculpável. Ciro Gomes, Lupi e alguns quadros do PDT davam entrevistas como se o PSB já fosse um aliado “certo”, quando o mesmo jamais deixou isso claro. Em 2022, Ciro Gomes corre o risco de repetir 2018 e ficar novamente isolado, mas numa situação agora ainda pior, porque o seu principal adversário na disputa para chegar ao segundo turno, o PT, não mais está. Com o PSB dentro da aliança, o PT rompe o “gelo”, e terá muito mais facilidade para atrair outras legendas de esquerda e centro.

Há ainda consequências locais importantes nas movimentações de Lula e Freixo no Rio de Janeiro.

Durante sua estadia no Rio, Lula encontrou-se com o filiado ao PDT que tem, hoje, o cargo mais importante do partido no estado: Axel Grael, prefeito de Niteroi, uma das joias da coroa do PDT, porque é um município rico em recursos, em função dos generosos royalties de petróleo que recebe todos os anos, por abrigar a Universidade Federal Fluminense, a maior federal do país, e por ter uma composição sócio-econômica privilegiada, com proporção acima da média nacional de famílias de classe A e B.

Axel postou o encontro com Lula em suas redes sociais, enfatizando a aliança entre PDT e PT no município. Evidentemente, foi mais um golpe na estratégia de Ciro Gomes de levar seu partido para longe de Lula.

A movimentação de Lula não parou por aí. Lula encontrou-se com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, num almoço do qual participou o presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, que talvez seja candidato ao governo do Rio pelo PSD, novo partido de Paes. O que vem nas entrelinhas aí não é trivial. Santa Cruz é um nome forte, mas não a ponto de competir com Freixo. Em virtude de seu histórico de embates com Freixo e com o PSOL, Paes teria algumas dificuldades de se engajar na campanha do agora deputado do PSB. Mas não são dificuldades intransponíveis, e de qualquer forma o encontro pode selar um acordo informal de promessa de apoio no segundo turno. Isso já bastaria para Freixo sair na frente, por exemplo, de seu principal concorrente no estado, que é ex-prefeito de Niteroi, Rodrigo Neves, do PDT.

A deputada federal Jandira Feghali, principal nome do PCdoB no Rio de Janeiro, adiantou ao Cafezinho que Freixo será avaliado por seu partido como um nome que reúne todas as condições de liderar uma frente ampla para derrotar as forças conservadoras no estado do Rio. Lulista de primeira e última hora,  e voz influente dentro do partido, há pouca dúvida de que Jandira defenderá o apoio do PCdoB a Freixo e Lula.

Juliano Medeiros, presidente nacional do PSOL, também falou ao Cafezinho. Ele tem sido cuidadoso e diplomático, para não ferir os brios do partido do qual é presidente, mas é difícil para ele esconder que deseja o apoio do PSOL à candidatura Freixo para o governo do Rio,  e a Lula, para a presidência da república.

Rodrigo Neves já farejou o perigo de isolamento, e tratou de plantar notas em jornais para avisar que está voltando de Portugal para iniciar as articulações de sua candidatura.

A coluna de Berenice Seabra, no jornal Extra, deu a seguinte nota hoje:

Vai a São Borja, no Rio Grande do Sul, no encontro anual com as origens promovido por líderes trabalhistas. Aos amigos, Neves tem dito que vai se aconselhar com Getúlio, Jango e Brizola — todos sepultados na cidade. E que, na volta, anuncia sua pré-candidatura a governador.

A peregrinação a São Borja e aos túmulos de Getúlio, Jango e Brizola, é um dos eventos mais tradicionais do PDT, e a informação serve ao propósito de Rodrigo Neves de afirmar que se mantém firme no PDT, e que vai lutar pela candidatura própria do partido a nível estadual e nacional. Mas também reflete o que se tornou talvez um vício da legenda de se apegar excessivamente a símbolos do passado, às vezes no momento errado. Nesse momento, seria mais interessante, do ponto-de-vista político e eleitoral, que Rodrigo Neves sinalizasse algo mais concreto e consequente do que esse turismo partidário.

Completando os movimentos, Lula também organizou reuniões com: influentes lideranças jovens de comunidades carentes, criando um fato político de muito impacto na opinião pública local e nacional;  com artistas; com as principais lideranças do PSOL do estado, gerando imagens com o vereador Tarcísio Motta (mais votado na cidade), a deputada estadual Renata Souza, e a deputada federal Talíria Petrone.

Ah, a pitada maliciosa de Lula foi o ato público de filiação de brizolistas, incluindo o ex-vereador Leonel Brizola Neto, neto do fundador do PDT.  Com esse ato, Lula produziu um pequena crise familiar entre os herdeiros políticos de Brizola, além de muita polêmica nas redes.

Critiquem quanto quiserem o ex-presidente, mas acho impossível negar, a essa altura, o seu incomparável talento como articulador político.

***

Dados de redes sociais dos principais atores políticos mencionados no post

Freixo tem 1,6 milhão de seguidores no Twitter.

O twitter do deputado recebeu 6,8 milhões de interações no primeiro trimestre de 2021. Apenas um político teve movimentação superior, o presidente Jair Bolsonaro, 8 milhões. Ciro e Lula receberam, no mesmo período,  4 milhões e 3,4 milhões de interações, respectivamente.

Ainda no primeiro trimestre, enquanto Bolsonaro ganhou 17 mil novos seguidores no Twitter, Freixo ganhou 68 mil. A propósito, no mesmo período, Ciro ganhou 95 mil novos seguidores, e o ex-presidente Lula, 327 mil.

No Instagram, tivemos acesso a dados do último mês de janeiro, período no qual Marcelo Freixo igualmente foi o segundo político com mais curtidas em seus conteúdos, 3,45 milhões, contra 1,4 milhão de Ciro e 736 mil de Lula. O Instagram de Bolsonaro, por sua vez, registrou 8,2 milhões de curtidas em seus conteúdos, em janeiro.

O terceiro lugar ficou com Guilherme Boulos, cujas postagens no Instagram receberam 3,23 milhões de curtidas em janeiro.

Bolsonaro tem 18 milhões de fãs no Instagram, contra 1,07 milhão de Freixo, 1,61 milhão de Boulos, 1,09 milhão de Ciro e 1,95 milhão de Lula.

No Facebook, temos dados de janeiro deste ano para alguns atores políticos importantes, mas não de Freixo. No período, as postagens na página de Bolsonaro receberam 10,5 milhões de curtidas, contra 2,34 milhões de Haddad, 1,59 milhão de Boulos, 1,24 milhão de Jandira e 734 mil de Ciro Gomes.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

40 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Antonio

16 de julho de 2021 às 23h13

Vai ser no primeiro turno , Lula e Freixo adeus familicia.

Responder

Patrice L

15 de junho de 2021 às 08h46

O recente vídeo do Ciro na favela, tentando pichar o PT, é vergonha alheia total. É pouco mais do que a favela cenográfica do Serra na campanha presidencial de 2010. E a melhor metáfora tá ali mesmo: o Ciro tenta passar como “picanha” sua popularidade “churrasquinho de gato” junto ao povo. Ou seja, não há povo no vídeo a não ser umas poucas pessoas por acaso.
Rumores dando conta de que o PDT tenta emplacá-lo como vice do Lula. Fosse ele, não aceitaria de maneira nenhuma: Ciro não é confiável. Ponto.

Responder

Victor

14 de junho de 2021 às 16h43

Miguel, imagino que o cavalo de pau dado nas suas análises devem ter alguma motivação comercial. De fato, imagino que Brasil 247 e DCM devem ter números bem primorosos de inscritos e audiência. Se for isso, é compreensível, o PT e o Lula “vendem”.
Agora, esse endeusamento do Lula por causa de lances normais da política, que daqui duas ou três “jogadas de xadrez” podem ser revertidos ou anulados, me parece muito esquisito e contrário à ponderação nos seus textos que sempre admirei.
E nem digo que vc deva preferir A ou B, não é nada disso. É só manter aquele distanciamento necessário que faz seu blog ser melhor de ser lido do que outros que foram “tombando” pelo caminho do partidarismo puro e simples, como o Tijolaço e o GGN.
Se houver algum motivo “oculto” por trás de tudo isso, como a percepção de que a equipe de Ciro é despreparada (o que vc deixa entrever no seu texto), não seria mais adequado fazer um editorial explicando?

Responder

CézarR

14 de junho de 2021 às 11h13

Mas peraí! Pelo que ouvi o Paes tem pretensões ao governo do estado. Quem o Lula vai apoiar? Freixo ou Paes? Se as pesquisas estão corretas e a Marta Rocha está no bololô dos primeiros colocados, não seria mais óbvio firmar um acordo com o PDT?

Responder

Marco Vitis

14 de junho de 2021 às 11h09

Na minha avaliação (que deve valer muito pouco) entendo que Ciro está no caminho certo. RESILIÊNCIA é o conceito apropriado para Ciro no momento político-eleitoral. Acreditar intimamente que o Brasil precisa de um Projeto Nacional de Desenvolvimento e que a polarização Lula-Bolsonaro é desagregadora socialmente e não levará a uma mudança estrutural benéfica ao povo brasileiro. Portanto, acreditar que está observando a verdade gravada na realidade.
Faço aqui uma previsão sobre as candidaturas. Bolsonaro pode sequer ir para o segundo turno porque se trata de um boçal genocida e isso ficará cada vez mais claro para todos. Lula não será eleito, apesar de todas as alianças que conseguir costurar (afinal, Lula é um encantador de serpentes). Argumento que, no primeiro debate, Lula será atacado de forma agressiva, mentirosa e caluniadora por Bolsonaro, apelando para o emocional, conforme orientação de Steve Bannon. Ao mesmo tempo, Ciro, mais racional, vai apontar as contradições de Lula no plano econômico e social. Portanto, Lula terá que se defender o tempo todo (de verdades e de mentiras) e sairá lesado no primeiro debate. No segundo debate, Lula será nocauteado.
Como já disse alguém, acredito firmemente na frase: “quem viver, verá”.

Responder

    Alexandre Neres

    15 de junho de 2021 às 10h34

    Meu caro Marco Vitis, vejo dois grupos que defendem a candidatura do Ciro aqui no blogue. Um que é progressista, do qual fazem parte você, Alan C, CezarR e Oblivion a título de exemplo, e um outro do qual fazem parte conservadores, com uma retórica udenista e lavajatista, que desempenha o papel de quinta-coluna e quiçá nem se aperceba disso. Só tomo a liberdade de te responder por te enquadrar no primeiro grupo.

    Já havia lido este seu comentário em outra matéria e pra mim ele representa uma gafe, tal qual a que cometeu o presidente argentino semana passada.

    A primeira coisa que fica claro no seu comentário é que Ciro vai se aliar a Bolsonero para atacar Lula, por mais surreal que isso possa parecer. Com um presidente reacionário, que representa a barbárie, Ciro Gomes direciona suas baterias contra Lula. Isso depõe contra ele. Depois da ida a Paris, não fica nada bem se prestar a um papel desses. Pega muito mal! Vai uma picanha e uma cervejinha aí?

    Bem, vamos lá. Bolsonaro não dá entrevistas coletivas e foge de debates como quem foge da cruz. No debate que compareceu em 2018 teve um desempenho medíocre, até em certos momentos fez dobradinha com Ciro na Band. Depois veio a santa facada. Lula é macaco velho. Participava de debates com Brizola, Maluf, Covas e sempre se saiu bem, exceto com a cachorrada que Collor fez em 1989 e sobretudo com a edição feita pela Globo. Não consigo entender sua lógica ao dizer que Lula será emparedado por Bolsonaro, é como se dissesse que um lutador de vale-tudo no seu hábitat seria intimidado por um garoto franzino.

    Quanto a Ciro Gomes, pode vir com sua verrina, com seu tom professoral. Você acha que Lula não saberá tirar isso de letra? Enquanto Ciro vai pretender dar uma aula, Lula vai entender perfeitamente a quem se destina seu discurso, deixando a Ciro a imagem de uma pessoa arrogante que não sabe dialogar com a população. Lula ignora Ciro e suas diatribes solenemente. Os cães ladram e a caravana passa. O que é triste é pensar que ao agir assim, como em 2018, Ciro pavimenta o caminho do genocida. Para se chegar ao segundo turno o caminho é um só: ficar na primeira ou na segunda colocação no primeiro turno.

    Estou escrevendo tudo isso para chegar no seguinte ponto, no que está por trás do seu discurso. No que está subentendido, não foi explicitado. Por que você acha que Lula seria destroçado por Ciro e Bolsonaro? Eu não tenho dúvida de que Lula é o mais inteligente dos três, Ciro pode ser o mais racional como diz você. Ciro e Bolsonaro pertencem à mesma estirpe, à casa-grande. Em um país conservador e de tradição escravagista como o nosso, sempre acreditamos que pessoas com este perfil estão predestinadas a ocupar determinadas posições e estranhamos quando alguém que venha da senzala tente se candidatar a um lugar que não lhe é de direito. Tudo isso se dá inconscientemente. No nosso horizonte de sentido compartilhado, essa inadequação perpassa todos nós. Como não fica bem no mundo de hoje assumir uma discriminação, precisamos arrumar uma saída racional para isso: mesmo que todo o edifício das acusações que pesavam contra Lula tenha desarvorado, mesmo que reconheçamos que o problema no Brasil é estrutural e o buraco é mais embaixo, o caminho mais fácil para quem quer se abster de pensar é pespegar nele a pecha de corrupto.

    Um abraço, meu caro!

    Responder

Mateus Nogueira

14 de junho de 2021 às 08h16

Parabens pelo texto.
Acho que o caminho é esse, frente ampla, análise sóbria e destruir bolsonaro

Responder

Helio

14 de junho de 2021 às 01h18

A análise do jornalista Miguel do Rosário é a confirmação do sabido por todos nós, o Lula é o mais inteligente político deste país, daí a imagem do xeque pastor, colocando o Lula como mestre (da política) foi muito feliz.
Eleição, para quem não sabe, não é vencida nos debates, mas nas articulações de bastidores e nessa o Lula já deixou todos os demais disputantes a cruzar espadas com o Bolsonaro para trás.
Então, a ameaça pregada pelo Ciro de constranger Lula em debate (?), não influenciará o destino da disputa.
Até a abertura das eleições, a esperança dos adversários de Lula de candidatos a desafiantes será reduzida a traços, se é que alguns já não terão ficado pelo caminho – Ciro poderia ajudar como ministro, mas antes teria que retirar a candidatura. Seria uma boa preparação para o seu futuro político, Lula deverá entregar o bastão (para usar outra imagem de jogo) brevemente, para recebê-lo deverá estar perto.

Responder

Luiz Augusto da Silva Monteiro

14 de junho de 2021 às 00h46

Ah tempos que não lia um artigo tão alucinado! O autor sabe que Bolsonaro ganhou no Rio com 70%??? Vc tem noção da rejeição do Freixo???

Responder

Januario

13 de junho de 2021 às 23h19

Risível o tratamento hiperbólico ao se referir a atos até banais de Lula.

Você costuma sempre usar essas metáforas terminativas tão juvenis para tratar de politica, como “erro fatal”, “candidatura enterrada”, “xeque mate”?

Amadureça, Miguel! Pare de escrever como um garoto.

Sim, eu sei, a possibilidade de verbas publicitárias federais faz com que a parcialidade arremate sua alma, mas, pera lá, um pouco menos de bajulação não pode fazer tão mal. Lula já tem gente demais para lamber suas bolas, e você nem precisa disso. Ou precisa?

Responder

dcruz

13 de junho de 2021 às 22h56

Seria ideal se o Lula conseguisse essa ligação sadia com essa esquerda genuína sem precisar se imiscuir com outros partidos do assim chamado centro sejam lá que centros eles tendam. Parece que a leitura de Freixo está dando frutos, assim se espera. Derrotar o bozo sem precisar se imiscuir com essa areia movediça desses partidos que o colocaram lá e que por qualquer migalha podem mudar de lado, além do que o que se Lula vencer, talvez cobrem um preço muito alto. Falta combinar com o Ciro.

Responder

Darlan Batista

13 de junho de 2021 às 22h32

Esse clima de “já ganhei” do Lula tende a nos afundar de vez no abismo em que nos derrubou em 2018. Em 2022 o Lula terá muito o que explicar para os eleitores, vai ter que fazer isso através de veículos que não lhe são simpáticos, como os que o entrevistaram desde a saída do cárcere.
Isso impõe ao Freixo, que outrora não tinha nenhuma relação com as contradições petistas, a obrigação de defender o Lula em 2022. Todo o tempo que poderia usar para comunicar seu projeto para o povo do Rio, está agora tomado para viabilizar o Lula.
As brancas só atacam o cheque pastor quando não respeita o adversário, o que é perigoso para 2022.

Responder

Felipe

13 de junho de 2021 às 20h12

O deserto que parece tão vazio é rico em grãos de areia, o vazio, na verdade é de quem está lá e pode senti-lo.
Então talvez seja uma percepção minha mas nessa riqueza de palavras e observações tão contundentes, segue os vazio do debate mais necessário.
Não os políticos, nem o jogo político, mas a política econômica!
Entre a barbárie teatral que ofende o conforto da maioria e a civilização que diz que é melhor por que não é fascista e distribuiu as migalhas do pão que serviu aos bancos, segue o neoliberalismo genocida nas entranhas de ambos os candidatos!

Responder

NeoTupi

13 de junho de 2021 às 19h41

Lula e Freixo estão fazendo o óbvio que qualquer bom líder político faz, potencializando suas forças (o choro dos reclamões de hegemonia é livre) e ampliando apoios.
Ciro é que é um cara que se complica à toa e de graça. Duvido que exista um único político experiente dentro do PDT que defenda no íntimo o gesto tresloucado de ir para Paris em pleno segundo turno. No íntimo, até o Cid Gomes deve achar que foi um erro monumental como a torre Eiffel. Isso sem contar ataques improdutivos ao PT e a Lula, alianças ingenuas com o DEM, polarizar com vereador de SP e receber processo por injúria racial, arrumar treta do nada com Márcia Tiburi, etc, etc. Pode ver que tudo que Ciro fala de manhã tem que se explicar de tarde, porque em alguma coisa pegou mal. Esse comportamento desagregador de votos não traz confiança como expectativa de poder e, portanto, não traz apoios.

Responder

Belchior Medeiros

13 de junho de 2021 às 19h30

Esses petistas pensam que o povo pode ser enganado para sempre. Serão surpreendidos nos debates da eleição presidencial com a performance de Ciro.

Responder

jose carlos rodrigues arana

13 de junho de 2021 às 19h14

Um bom texto. Se Miguel permitir, um complemento: Eduardo Paes e Rodrigo Maia, ambos do PSD, já demonstraram simpatia pública e explícita a candidatura de Lula. Ou seja, mais um partido que poderá compor uma frente (além dos já citados: PT, PSB, PCdoB, PSOL). A conferir.
É importante salientar que Lula já deixou o Rio, seguindo para o Nordeste onde continuará sua articulações.

Responder

Ricardo JC

13 de junho de 2021 às 19h05

Uma correção. Nem de longe, Niterói é a segunda maior cidade do estado do RJ. É apenas a 5a cidade, disputando pau a pau com outras como Campos e algumas da Baixada Fluminense. Aliás, Niterói é uma cidade absolutamente incompreensível. Há 30 anos elege prefeitos do PT ou PDT (Jorge Roberto Silveira, João Sampaio, Godofredo Pinto, Rodrigo Neves, Axel Grael) e, mais recentemente, consagra vereadores do PSOL com grandes votações, porém sua população é absolutamente conservadora. Grandes manifestações pró-Bolsonaro ocorrem na Praia de Icaraí toda vez que o “mito” chama o seu gado à rua. No segundo turno, Bolsonaro teve 62% dos votos em Niterói. É uma cidade curiosa…

Responder

    Miguel do Rosário

    13 de junho de 2021 às 22h04

    Obrigado, corrigido! Miguel.

    Responder

Valeriana

13 de junho de 2021 às 18h40

Os cariocas gostam de personagens como Freixo, burguesinhos da zona sul, pseeudo artistas descolados, maconheiros…

Responder

    Renato

    13 de junho de 2021 às 23h16

    Freixo é o candidato de dez entre dez maconheiros da Zonal Sul carioca. Nunca atravessou o túnel….exceto quando ter que ir ao aeroporto do Galeão.

    Responder

Francisco

13 de junho de 2021 às 16h58

O que achei lamentável foi a crítica da Sâmia Bonfim ao Freixo pela mudança de partido, afirmando que ele estava se entregando à direita. Ela, muito jovem, ainda não conseguiu entender que a disputa neste momento não é esquerda x direita, mas sim civilização x barbárie.
O Brasil caminha rapidamente para se tornar um México, onde estados inteiros já são dominados pelo tráfico e pelo crime há muito tempo. Ali, candidatos locais que acenam com projetos de mudança são simplesmente assassinados. Não há perspectiva de mudança no horizonte visível.
O Rio de Janeiro já tem mais de 50% do território sob controle de milícias e do crime. E essa tendência avança por todo o Brasil. A única forma de tentar reverter a situação será a construção de uma grande frente, incluindo esquerda, centro e direita. Ou então, muito em breve não será mais possível.
E a Sâmia fazendo uma crítica ideológica ao Freixo.
Quanta cegueira.

Responder

    EdsonLuiz.

    13 de junho de 2021 às 21h00

    Francisco, se me permitir:

    Você pontuou que o momento pede “a construção de uma grande frente, incluindo esquerda, centro e direita”.

    Vou abstrair do que pode ser o conceito de esquerda, direita, progressista, etc para uns e para outros; se ė usado algum critério para conceituar ou o conceito é expressado por uma impressão pessoal ou conveniente, que eu vejo acontecer muito.

    Você pontuou que o momento pede “a construção de uma grande frente, incluindo esquerda, centro e direita”.

    Eu concordo com isso para o Rio de Janeiro e para o Brasil. Considero que o fator bolsonaro contitui uma emergência que obriga buscar um entendimento amplo entre forças políticas mais saudáveis em defesa da democracia no Brasil. Considero também que o Rio ė uma emergência por diversos fatores, policiais
    , econômicos e outros. Continuo minha concordância com você de que outros estados pedem que se ligue o sinal de alerta devido ao fortalecimento de milícias, risco de instrumentalização de forças policiais por grupos obscurantistas, problemas econômicos, etc.

    Antecipando que eu, mesmo entendendo que o momento pede a formação da maior frente entre forças políticas um pouco mais saudáveis, PSB, PT, PDT, PSDB, Cidadania, rede, etc, não acho que essa frente pode ser liderada por qualquer membro de alguns dos partidos. Eu, por exemplo, não aceitaria, pelo menos neste momento, que o nome fosse João Dória ou Lula. Jå os nomes do Ciro, do Rodrigo Maia, Fernando Haddad, Freixo ou Luciano Huck, com maior ou menor concordância, eu aceitava.

    Pergunto a você:

    Se o momento pede uma frente com centro, esquerda e direita então ela não deve ser constuída senão convocada para isto?

    Você aceitaria como sendo a frente necessária se o nome que surgisse para liderar fosse o de João Dória? (ou um nome assim).

    No caso de fazer fato consumado, decidindo eu o nome que eu quero e depois chamando a frente não é motivo exatamente para que a frente não saia, ou saia apenas exatamente do jeito que eu quero, com o nome que eu quero e nesse caso a Sâmia está certa, não é nada de frente, com um nome de concenso, então cada um faz como prefere e depois decide se apoia ou não no segundo turno?

    Do modo como Lula está fazendo não é apenas uma urdidura particular e não uma frente da esquerda à direita?

    Responder

      EdsonLuiz.

      14 de junho de 2021 às 00h39

      Correto: Consenso.

      Responder

      Francisco

      14 de junho de 2021 às 00h45

      Edson, a única resposta que tenho para você é bem simples: realpolitik. Estamos numa guerra sangrenta. Na realpolitik, o único nome que neste momento enxergo com capacidade para liderar essa frente é ele mesmo, o bom e velho Lulão.
      Ciro Gomes não tem capacidade política para isso, com sua atitude agressiva, grosseira e desagregadora. Ciro foi a maior decepção política que tive nos últimos anos, eu que votei nele no 1o. turno de 2018 (no 2o. fiquei no Brasil e votei no Haddad, que não sou besta). Dória seria tão ruim quanto Ciro. Não vejo qualquer outro nome para liderar essa frente que não seja Lula.
      Discutir se é uma urdidura particular ou não, a meu ver é filigrana que nada acrescenta neste momento. O fato é que o cara tem capacidade agregadora e liderança raríssimas e está movendo o tabuleiro político com incrível rapidez. Lula é um verdadeiro gênio político. Não vislumbro caminho bem sucedido até 2022 para os setores civilizados da nossa política que não seja conduzido por ele.

      Responder

        EdsonLuiz.

        15 de junho de 2021 às 00h30

        Ok, diferenças de avaliação de Lula como o agregador necessário para o atual quadro à parte, tenho que admitir a excepcional capacidade de Lula de administrar o processo político geral, maior que a de outros postulantes.

        Mas acho que neste momento, quando precisamos da adesão daqueles que o nome do Lula não agrega, a lição de Maquiavel se consumaria melhor com um nome que incluísse nós que somos recalcitrantes ao nome de Lula.

        Responder

          Francisco

          16 de junho de 2021 às 20h28

          Entendi. Qual seria o nome que você tem em mente?

    EdsonLuiz.

    17 de junho de 2021 às 01h28

    Vou localizar aqui a solicitação que deveria estar mais abaixo por não haver espaço. E agradecer pela atenção.

    Como a falta de espaço lá embaixo da resposta ocultou o texto, não consegui ler. Me pareceu uma pergunta. Se for mesmo uma pergunta e importar a resposta, se quiser pode ficar à vontade para repetir a pergunta pessoalmente pelo meu endereço: edsonmaverick@yahoo.com.br

    Abraço!

    Responder

      EdsonLuiz.

      17 de junho de 2021 às 01h30

      yahoo.com.br

      Responder

Carlos Jose

13 de junho de 2021 às 16h47

Lula em 2022 e no primeiro turno

Responder

    Renato

    13 de junho de 2021 às 23h17

    Entre os corruptos, Lula terá a totalidade dos votos…..Bolsonaro não é boa coisa, mas isso não torna Lula santo !

    Responder

      EdsonLuiz.

      15 de junho de 2021 às 00h37

      Renato,
      A eleção não é para presidente do céu, mas votar em diabo é muito perigoso.

      Responder

Paulo César Cabelo

13 de junho de 2021 às 16h00

Até o Miguel tá abandonando o Ciro.
Bem vindo de volta ao lado luminoso da Força Miguel.

Responder

Ronei

13 de junho de 2021 às 15h44

Lula manda e os outros obedecem calados …qual séria a novidade ?

Responder

    Bandoleiro

    13 de junho de 2021 às 23h06

    Um presidente não conseguir reeleição.

    Responder

Rony Lopes Lunguinho

13 de junho de 2021 às 15h39

Vamos aguardar se isso vai se transferir em votos.
Vamos aguardar como o Freixo vai responder as contradições do PT?

Miguel resposta seus leitores aqui, por favor.

Responder

Robson

13 de junho de 2021 às 15h39

Bela análise, Miguel.
Mas acho que por ora a situação do Ciro está confortável. Tem o “apoio” do ACM neto.
Mas depois de um rolé do Velhinho no nordeste e compartilhar um pão de queijo com o Kalil, aí, aí, aí…
Pode comprar a passagem, dessa vez, na véspera do primeiro turno.
Sugestão, Jerusalém. Uma semana dando cabeçada no Muro das Lamentações.
O Pai tá On.

Responder

José de Paula Santos

13 de junho de 2021 às 15h37

A estratégia do Freixo de ir para o PSB é defender que todos os setores progressistas apóiem sua pré-candidatura ao governo do RJ. Se fosse para o PT afastaria o PDT, se fosse para o PDT afastaria o PT. O PSB é teoricamente neutro, mas só na teoria. Mas a estratégia dele tende a dar errado! Já começa errado por perder o PSOL um player importante no RJ, se quer todo mundo já perdeu um grupo importante. Aliás, Freixo já vinha se distanciando do PSOL carioca há algum tempo. Começa errado ao anunciar sua filiação ao PSB um dia depois de uma reunião com Lula e a cúpula do PT (com ausência do mais influente dirigente do PT do RJ – Quaquá) e sem Ciro e o PDT. Isso significa que uma ponta do campo progressista não foi chamado ou não está se acordo com sua estratégia. Sobre a ausência de Quaquá é uma fissura no petismo que ele, Freixo, terá de resolver.
Quanto a ausência do PDT é uma problema mais grave para Freixo. Ciro e o PDT terão um palanque no RJ. Pode ser Freixo, pode não ser. Palanques duplos são comuns em eleições estaduais, um candidato a governador apoia dois candidatos a presidente, isso que Freixo quer, mas nem Lula e nem Ciro desejam isso. O petismo tenta capturar a estratégia de Freixo para si, e o PDT já entendeu isso e deu uma mostra de afastamento de Freixo ao não estar ao seu lado ontem. Por fim, a ida de Freixo ao PSB selada com aval de Lula e do PT abre uma avenida para o PDT, de Ciro, com dois pré-candidatos bem colocados nas pesquisas para o governo do RJ, Martha Rocha e Rodrigo Neves, se aproximar do centro democrático representado p/ Eduardo Paes e R Maia, com uma possibilidade de apresentarem ao RJ uma alternativa a Bolsonaro e a Lula, representada por um dos dois pedetistas, citados acima, ou por um aliado de Paes, como Felipe Santa Cruz, por exemplo, e um palanque competitivo e representativo para Ciro no Rio de Janeiro.

Responder

marco

13 de junho de 2021 às 15h30

A “petezada “tá tratando o Ciro e seus apoiadores igual a Hillária, que classificou os apoiadores de Trump como “deploráveis .
Acham certamente que iremos depositar nossos votos como no passado no candidato do partido hegemônico, que num passe de mágica ressurge como um remake do “El Cid ”
Estão redondamente enganados ,não desejamos eleger um candidato visivelmente sob chantagem do judiciário.
Afinal Lula ainda tem sobre si inúmeros processos a responder ,assim como seus filhos e irmão.
Eleito , não terá força para cancelar todas as maldades feitas contra o povo brasileiro ,reforma trabalhista ,independência do Banco Central , reforma previdenciária , a politica de privatização absoluta.

Responder

Alexandre Neres

13 de junho de 2021 às 14h41

O Miguel está realmente afiado.

O texto está um primor! Decerto circulará por toda a blogosfera suja.

Quanto aos ressentidos, como sempre, ficarão ofendidos. Querem brigar com os fatos. Quando se derem da situação, já era. Provavelmente irão continuar com seu discurso contra a corrupção, repleto de platitudes, como todo conservador que se preze.

Num momento como este, divisor de águas, deixam claro a que vieram. Defendem o voto impresso e atacam Lula e o PT. Lula é o adversário de Jair na disputa entre civilização e barbárie. Depois não querem ser chamados de quinta-coluna. Existe definição mais apropriada?

Responder

Deixe uma resposta