Cafezinho das 3: por que as manifestações de domingo floparam?

Na contramão do resto do país, o agronegócio vive um novo boom

Por Miguel do Rosário

28 de julho de 2021 : 09h56

Um estudo divulgado há pouco pelo IPEA nos ajuda a entender o peso do agronegócio na economia brasileira, no passado recente, hoje e no futuro.

Nenhum projeto de desenvolvimento poderá prosperar se não possuir uma compreensão profunda sobre a força econômica – e, portanto, também política – dos produtores rurais.

A hegemonia de ideias liberais e conservadoras no Brasil se explica, em boa parte, pelo peso do agronegócio na economia. Questionar essa hegemonia é bem mais difícil no Brasil do que, por exemplo, nos Estados Unidos, onde os setores de tecnologia – politicamente muito mais avançados – tem bem mais preponderância do que as atividades agrícolas e mineirais.

Ironicamente, todavia, o agronegócio brasileiro é mais dependente do Estado do que qualquer outro, pois precisa de financiamento a juros baixos para renovar anualmente o cultivo, adquirir novos maquinários e comprar insumos.

Essa dependência, ao invés de se converter numa relação de respeito da iniciativa privada com o Estado, degenerou num patrimonialismo rasteiro e egoísta. Para os produtores rurais, o Estado lhes pertence como por uma lei natural. Eles podem usufruir de financiamentos de longo prazo, a juros baixos, que somam centenas de bilhões de reais todos os anos. Mas só eles. Oferecer condições similares a qualquer outro setor seria violar o dogma sagrado do liberalismo tupiniquim.

Além disso, o grande agronegócio, baseando em propriedades com enorme extensão de terra, especializou-se em exportação. Dependem pouco do mercado doméstico. Isso acabou por gerar uma cultura isolacionista. O desemprego nas cidades pode ser recorde. A fome pode grassar no país. Não importa, pois nas fazendas, protegidas por milícias armadas, nunca entrou tanto dinheiro.

Neste exato momento, o agronegócio vive um novo boom. As exportações cresceram dramaticamente em quantidade e valor, e os preços continuam subindo. As perspectivas para os próximos meses continuam boas, porque os estoques mundiais permanecem em declínio.

A recuperação nos preços das principais commodities exportadas pelo agronegócio brasileiro teve início já no segundo semestre de 2020.

Entretanto, como a maioria dos contratos são fechados antecipadamente, só agora os produtores e exportadores estão se beneficiando deste aumento.

As cotações da carne bovina estão alcançando recordes históricos. Para a soja, houve um pico anterior, em janeiro de 2013, mas a recuperação dos últimos meses também é impressionante.

Interessante notar que o período de 2014 a 2016 experimentou uma tendência constante  de declínio dos preços de quase todas as commodities. O petróleo e o minério de ferro também registraram forte queda de preço nesse intervalo, com seus preços caindo a mínima história em 2016.

Essa fragilidade econômica ajudou a alimentar a crise política no Brasil, a qual foi agravada pelas turbulências causadas pela Lava Jato, que desestabilizou as grandes empresas de construção civil, a Petrobras, o governo federal e vários governos estaduais.

Para mais informações, leia o estudo do IPEA, cujo texto, tabelas e gráficos seguem abaixo.

***

No Ipea

Acesse o texto completo

Exportações do agronegócio cresceram 20,9% no primeiro semestre de 2021

Estoques mundiais de soja e milho seguem em baixa

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta sexta-feira (23), um estudo sobre o comércio exterior do agronegócio brasileiro, além do balanço de oferta e demanda mundial dos principais produtos. De acordo com o Grupo de Conjuntura do Ipea, a balança comercial dos produtos do setor fechou o mês de junho de 2021 com saldo positivo de US$ 10,8 bilhões. No acumulado do ano, até junho, o agronegócio exportou US$ 61,5 bilhões, ultrapassando o volume comercializado no mesmo período do ano passado – US$ 50,9 bilhões, o que corresponde a um crescimento de 20,9%.

“Os exportadores brasileiros começaram a sentir, em junho, a recuperação parcial dos preços médios das exportações da maior parte dos produtos do agronegócio, com destaque para a carne bovina, a soja e o milho”, avaliou Ana Cecília Kreter, pesquisadora associada do Ipea e uma das autoras do estudo. No entanto, o preço médio recebido em junho das commodities analisadas ainda se encontra abaixo das máximas históricas, registradas no início da década passada.

Os preços médios de quase todas as commodities agrícolas sofreram queda nos dois últimos anos. Entretanto, houve forte recuperação nos preços no mercado internacional, a partir do segundo semestre de 2020. No entanto, esta recuperação não tinha sido percebida pelos exportadores brasileiros. A partir do segundo trimestre deste ano, as remunerações em dólar das exportações brasileiras começaram a refletir parte da escalada desta alta dos preços, culminando, em junho, com máximas recentes na maioria dos principais produtos exportados.

O aumento da demanda mundial da soja e do milho vem contribuindo para o crescimento da produção a cada safra, principalmente no Brasil. O que se observa, no entanto, é que os estoques de soja e milho estão cada vez mais baixos. “E boa parte desses estoques se encontra em território chinês”, declara Ana Kreter. Apesar disso, dos dois grãos analisados, a soja é o único na China que os estoques e a produção não atendem à demanda doméstica, o que sinaliza uma boa perspectiva para o produtor rural brasileiro que começa a planejar a safra 2021/2022. O crescimento de vendas das carnes (bovina, suína e de frango), que avançou 25,3% em valor e 17,3% na quantidade no primeiro semestre de 2021 frente a 2020, foi impulsionado pela carne suína. O Brasil vem exportando cada vez mais essa proteína desde 2018, em decorrência da Peste Suína Africana (PSA), que afetou a competitividade em produtores concorrentes.

A soja segue com destaque como o principal produto de exportação brasileira. Só no primeiro semestre de 2021, houve alta de 25,3% no valor, apesar da queda de 2,2% em quantidade. No país, apesar do plantio tardio decorrente do atraso na janela climática ideal, a maior parte da safra já foi colhida. Mesmo assim, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indicam para a possibilidade de um novo recorde de produção nacional na safra 2020/2021 – crescimento de 9,65% e 8,9%, respectivamente – que deverá manter o Brasil como maior produtor e exportador mundial de soja. Brasil, Estados Unidos e Argentina representam, juntos, 90,5% das exportações mundiais do grão.

O milho também vem sofrendo com a queda nos estoques. A quebra de safra no Brasil já começa a se refletir na balança comercial: o país registrou, em junho, queda de 70,8% na quantidade exportada na comparação com junho de 2020. No acumulado do ano, houve crescimento no valor (30,9%) e na quantidade (12,6%). Tanto a Conab quando o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) preveem queda das exportações para a safra 2020/2021 – 15,5% e 6,3%, respectivamente. Problemas climáticos causaram a quebra na safra tanto no Brasil como na Argentina (os principais exportadores do grão), mas isso não deve comprometer a oferta mundial.

Apesar do agronegócio ser um setor tradicionalmente exportador, as importações avançaram 20,2% no primeiro semestre de 2021, passando de US$ 6,2 bilhões para US$ 7,5 bilhões. O principal produto importado pelo Brasil foi o trigo, com avanço de 16% no valor, mas queda de 5,1% na quantidade. Na sequência estão os peixes, produtos hortícolas, papel e óleos de dendê ou palma. Juntos, os cinco principais itens são responsáveis por 50% das importações brasileiras no primeiro semestre de 2021.

A China segue como o principal destino das exportações do agronegócio brasileiro, com 39% das exportações em valor, seguida pela União Europeia (14,5%) e Estados Unidos (6,4%), no primeiro semestre deste ano. Juntos, representam quase 60% do total exportado pelo Brasil. Na comparação com o mesmo período de 2020, a China aumentou as importações em 20,1%, assim como a União Europeia (16,5%) e os Estados Unidos (30,2%).

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Carlos Jacoby

29 de julho de 2021 às 08h34

“As exportações CRESCEM DRAMATICAMENTE em volume e valores”.
O blog está torcendo contra o setor e contra o País? Que lástima.

Responder

Kairo Barcelos

28 de julho de 2021 às 22h12

Alguém ter uma ideia dessa a respeito do agronegócio brasileiro não deve conhecer a luta desses produtores que desbravaram o interior brasileiro e fizeram áreas improdutivas tornarem-se regiões ricas com elevados PIB per capito e IDH com uma economia pujante e favorecendo a todos que buscam um futuro melhor através de seu suor e dedicação.
Uma dica, venha conhecer essas regiões e converse com as pessoas que moram nelas sem viés ideológico. Você vai conhecer um Brasil que cresce, funciona e produz.

Responder

Paulo

28 de julho de 2021 às 18h26

O que mais chama a atenção é que, enquanto o agronegócio exporta aos borbotões, falta arroz, feijão e carne na mesa dos brasileiros…Só eu acho que está errado?

Responder

Rosinei Brandão

28 de julho de 2021 às 18h26

Uma potência agrícola e boa parte da população passando fome ou subalimentada. Triste paradoxo. Não é uma situação política aceitável . Aliás, altamente amoral.

Responder

Alexandre Neres

28 de julho de 2021 às 18h22

O ponto é que no desgoverno Bolsonaro o boom do agronegócio só beneficia uma meia dúzia de ruralistas enquanto a população fica com fome e à míngua. Que saudades do meu ex!

Responder

Ronei

28 de julho de 2021 às 16h26

Isso na maior inflação dos alimentos da história.

Responder

Ugo

28 de julho de 2021 às 15h23

Se o resto do país não tivesse parado em nome de pseudo medidas sanitárias que nunca serão comprovadas os outros setores não estariam nessa situação.

Como foi dito desde 2020 a pandemia foi o golpe final para o Brasil.

Responder

OColono

28 de julho de 2021 às 15h08

Errado.
Aqui se trabalha duro, se acorda cedo e se dorme tarde, no frio ou no calor, sem esperar por migalhas políticas, produzindo com valor aquilo q o mundo demanda.
Enquanto uns choram outros vendem lenços.

Responder

joberval

28 de julho de 2021 às 15h04

Morram de INVEJA seus esquerdementes!!

Responder

canastra

28 de julho de 2021 às 13h04

E quando a Odebrecht e a OAS viviam um boom hein…?!?! kkkkkkkkkkkkkk

Responder

Valeriana

28 de julho de 2021 às 11h58

Lógico, eles tem uma presidência da república particular que trabalha só pra eles pra pagar o apoio de campanha. Enquanto o agronegócio bomba, o país afunda.

Responder

Ronei

28 de julho de 2021 às 10h21

“O desemprego nas cidades pode ser recorde. A fome pode grassar no país. Não importa, pois nas fazendas, protegidas por milícias armadas, nunca entrou tanto dinheiro”.

….?

Responder

Kleiton

28 de julho de 2021 às 10h18

“Para os produtores rurais, o Estado lhes pertence como por uma lei natural. Eles podem usufruir de financiamentos de longo prazo, a juros baixos, que somam centenas de bilhões de reais todos os anos. Mas só eles. Oferecer condições similares a qualquer outro setor seria violar o dogma sagrado do liberalismo tupiniquim.”

De onde saiu essa asneira….?

Responder

Tony

28 de julho de 2021 às 10h13

Zero idiotices ideológicas, tecnologia, paixão e trabalho duro….esse é o segredo do agronegócio.

A esquerda morrem de raiva pois sabem que o setor não vota para a mesma.

Em todos os Paises o agronegócio é incentivado com subsídios e financiamentos, o agronegócio Europeu por exemplo morreu há muito tempo e sobrevive exclusivamente de subsídios.

Responder

Deixe um comentário