Cafezinho das 3: por que as manifestações de domingo floparam?

Partido nazista alemão teme que proximidade com Bolsonaro lhe cause dano eleitoral

Por Redação

29 de julho de 2021 : 10h15

O AfD (Alternativa pela Alemanha), partido de ultra direita alemão e que teve uma de suas representante, Beatrix von Storch, no encontro com Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, decidiu que não vai explorar esse evento para promover a legenda.

O motivo é que Bolsonaro é conhecido mundialmente pela defesa no desmatamento na Amazônia e isso é uma das pautas que deve banir a divulgação da reunião de von Storch com o ex-capitão pelo partido.

Recentemente, cerca de 180 cidadãos alemães morreram nas enchentes após as fortes chuvas que atingiram o país. Esse fenômeno fez com que as mudanças climáticas ficasse no centro do debate político alemão. As eleições nacionais deve acontecer em setembro deste ano. 

Além disso, o encontro de uma representante da AfD com Bolsonaro pode carregar ainda mais um sentimento de isolamento eleitoral pelo partido e como consequência um dano eleitoral irreversível.

“Apesar de ser possivelmente reconhecido como positivo pelo núcleo duro de apoiadores do partido, eu diria que não ajuda a AfD com os indecisos, que não irão apreciar uma reunião com alguém responsável pelo enorme desmatamento de uma floresta”, disse ao Estadão.

Já Melanie Amann, jornalista que escreveu o livro Angst für Deutschland: Die Wahrheit über die AfD: wo sie herkommt, wer sie führt, wohin sie steuert (Medo pela Alemanha; a verdade sobre a AfD: de onde vem, quem a lidera e para onde está sendo liderada), disse que von Storch é considerada uma parlamentar independente na AfD.

“Ela (von Storch) vem como uma política da AfD, mas ela não faz para o partido, como estratégia de se conectar ao Bolsonaro. É em seu próprio proveito”, afirma a jornalista.

“A política internacional da AfD é caótica. Eles não têm uma estratégia de como querem se colocar internacionalmente. Sempre há representantes do partido viajando ao redor do mundo”, acrescenta.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuiz.

29 de julho de 2021 às 16h20

O importante, que seria ele dizer, afinal, qual o posicionamento da AfD quanto à questão ambiental, isso ele não diz.

E depois, se o AfD crescer e ocupar espaço de poder, o que vai defender na Alemanha e no mundo?

É a mesma coisa para certas forças daqui do Brasil em vários temas.
Regime de governo por exemplo. Para aqui falam em democracia. Para lá fora, defendem autocratas e ditaduras.

Se essas forças continuarem se fortalecendo, o que defenderão aqui no Brasil e no mundo?

Responder

canastra

29 de julho de 2021 às 12h48

E’ cada idiotice que sai da cabeça das esquerdetes…temem quem cause dano eleitoral mas vieram ao Brasil para encontrar o mesmo, tiraram fotos, etc…

E’ normal esse malabarismo mental…? O esquerdismo tupiniquim é um transtorno mental e nada mais.

Responder

Deixe um comentário