Cafezinho das 3: por que as manifestações de domingo floparam?

Crédito: Roque de Sá/Agência Senado

Na CPI, lobista vincula Precisa Medicamentos com fraude em licitação

Por Redação

15 de setembro de 2021 : 14h03

Durante seu depoimento a CPI da Pandemia no Senado Federal, o lobista Marconny Albernaz de Faria, acabou vinculado a área técnica da Precisa Medicamentos com a arquitetura de uma fraude licitatória para compra de testes de Covid-19 junto ao Ministério da Saúde.

Mas antes disso, o relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), tinha revelado que a CPI estava com informações de que o próprio Marcony atuou para fraudar a licitação para a compra dos testes.

“As informações que nós temos demonstram que Marconny atuou para fraudar licitação da compra de testes de detecção da Covid, em associação com [sócio-diretor da Precisa] Francisco Maximiano, [diretor da Precisa] Danilo Trento e [ex-diretor de logística do Ministério da Saúde] Roberto Dias”.

Após a afirmativa, Renan perguntou ao lobista quem elaborou a “arquitetura” da fraude. De imediato, Marcony responde que foi da “parte técnica da Precisa”.

“Essa arquitetura é da sua cabeça, da cabeça do Maximiano ou da cabeça do Roberto Dias?”, insistiu o emedebista.

“Isso foi enviado pela parte técnica da Precisa, senhor senador”, respondeu o depoente.

Assista o depoimento na íntegra!

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Galinzé

15 de setembro de 2021 às 17h48

Brasileiros vinculam essa CPI ao circo mambembe.

Responder

Deixe um comentário