Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Manifesto de jovens lideranças do PDT pede “trégua” na esquerda

Por Miguel do Rosário

12 de novembro de 2021 : 18h12

Treze jovens lideranças do PDT divulgararam hoje um manifesto com severas críticas a Lava Jato, a Sergio Moro e ao lawfare.

Entretanto, o trecho que mais causou polêmica nas redes sociais, após sua divulgação pela coluna de Guilherme Amado, no portal Metrópoles, é a sua conclusão, onde se afirma que seria “hora de uma trégua nas disputas entre as forças políticas populares no país”.

O trecho foi interpretado, pela coluna de Guilherme Amado, como uma crítica velada à estratégia de Ciro Gomes de bater de frente com Lula.

O texto nos foi repassado em formato PDF, que você pode baixar aqui.  Abaixo, a íntegra do Manifesto, que foi publicado no site oficial do PDT-RJ.

***

MANIFESTO EM DEFESA DA LEGALIDADE, DEMOCRACIA E SOBERANIA NACIONAL

“A finalidade do Estado é promover a justiça social. Mas não há justiça social sem desenvolvimento e não há desenvolvimento sem soberania”. GETÚLIO VARGAS

Em meio a tantas e constantes ameaças à democracia brasileira e processos prolongados de degradações institucionais, é fundamental que o PDT esteja à frente na defesa da democracia e do povo. Em defesa da legalidade, e, fundamentalmente, da soberania nacional, em nome de toda a história deste partido.

No ano em que se completam 60 anos da campanha da legalidade, liderada por Leonel Brizola para garantir a posse de João Goulart como Presidente da República, nosso país vive momentos de instabilidades.

Não chegamos até este ponto onde está em risco a lisura das eleições, a funcionalidade de nosso sistema de justiça e a atuação legalista das Forças Armadas e Policiais em um “piscar de olhos”, e os últimos acontecimentos não são “raios em céus azuis de anil”.

As aves de rapina deixaram de lado a legalidade democrática para realizar uma perseguição maquiada pela obtenção de poder geopolítico e econômico. Esvaziando a credibilidade e crença do povo nas instituições, o que alimentou em muito a antipolítica que hoje ameaça a tão jovem república.

Devemos urgentemente retomar a soberania e liberdades para reavivar um projeto de desenvolvimento e soberania nacional.

Sua reivindicação não prescinde da denúncia do autoritarismo imposto por meio do uso político do poder judiciário que marcou o período recente em nosso país, ao contrário. Este interrompeu a democracia, e o processo de desenvolvimento socioeconômico brasileiro, criminalizando a política e levando a extrema-direita intolerante e autoritária ao poder.

Por tudo isto, é mais que evidente, dada a disposição conjuntural, que as forças progressistas, nacionalistas, democratas, legalistas e defensoras de nossa Constituição, de todos os espectros políticos, devam caminhar JUNTAS, em convergência para a retomada soberana do Brasil, que não será estabelecida sem um amplo pacto pela democracia.

A operação Lava Jato promoveu a espoliação de importantes setores da economia nacional, tais como a indústria petrolífera, construção civil e pesada, a metalmecânica, a indústria naval, além do programa nuclear brasileiro, todas indústrias de base. O resultado é uma baixa de 172,2 bilhões em investimentos e a perda de mais de 4 milhões de empregos diretos com impacto ao produto interno bruto, renda das famílias, arrecadação fiscal e confiança nas instituições.

Não obstante, a força tarefa prendeu de forma ilegal, o grande responsável por nosso programa nuclear, o Sr. Almirante Othon. O que é um acinte e um ataque voraz contra um país que almeja soberania nacional e energética. Estima-se que, entre 2015 e 2017, a operação Lava Jato tenha sido responsável por um impacto negativo de 3,6% do PIB em cada ano; mais ainda: em 2015 a força tarefa provocou a redução do equivalente a 2,0% do PIB em investimentos das construtoras e empreiteiras; em 2016, calcula-se que a operação tenha sido responsável pelo encolhimento de 5,0% dos investimentos em formação bruta de capital fixo no país.

Nos últimos anos sobretudo, mas desde sua criação, a PETROBRÁS esteve no centro do projeto industrial e social desenvolvimentista. A petrolífera estatal brasileira tem papel decisivo no crescimento econômico do país desde o governo Vargas, e na recuperação da crise iniciada em 2014 no governo Dilma.

O PAC, a política de conteúdo tecnológico local foi fundamental para a reativação da indústria naval e de engenharia pesada, conjugada e sustentada pelo fortalecimento do BNDES. A pesquisa e desenvolvimento engendradas por esta dinâmica econômica foi essencial para a descoberta do pré-sal, e este, por seu turno, permitiu a criação de um fundo social para educação – tão defendido por nosso saudoso Ex-Ministro, Darcy Ribeiro – e saúde do povo brasileiro.

Por trás dos argumentos de combate à corrupção escondem-se práticas ilegais de autoritarismo judicial e interesses que atentam contra a soberania nacional e popular. Isto resume o processo de desmonte que se convencionou chamar de Lava Jato.

A justificativa oficial para o desinvestimento, a descapitalização e alienação patrimonial está ancorada na ideia de que a PETROBRAS é intrinsecamente corrupta, o que consiste em afronta ao esforço de gerações de brasileiros por desenvolvimento. Atualmente, seguindo a mesma lógica, a política de preços adotada pela empresa premia acionistas minoritários ao passo que corrói a renda da população nos altos preços cobrados pelos combustíveis, após afastamento da população, em virtude da criminalização, desta importante e estratégica Estatal.

Em 2014 a empresa estimou os prejuízos com corrupção em cerca de R$ 6,2 bilhões; nesse mesmo ano, o lucro bruto da empresa foi de R$ 80,4 bilhões, ou seja, os problemas com corrupção, ainda que envolvendo montantes significativos, atingiram apenas 7,7% do lucro da empresa.

Não obstante, 12 empresas prestadoras de serviços para Petrobrás perderam aproximadamente cerca de R$563 bilhões de reais até o ano de 2020 e deixaram

de recolher em impostos o montante de R$41,3 bilhões, quando se considera a receita não realizada em relação ao auge de cada empresa, segundo pesquisa (1).

O problema da corrupção não deve ser minimizado, mas certamente ele não justifica o encolhimento dos investimentos apontados pela atual direção da Empresa.

Mas o que se assistiu foi a suspensão de garantias constitucionais postas, com prejuízo do desenvolvimento e vigência de liberdades no país. Todo cidadão brasileiro tem direito a um processo justo, segundo a lei vigente e por um juízo competente e imparcial e a função social das empresas nacionais deve ser respeitada pelo Estado.

A fragilização da soberania nacional, da higidez institucional e da democracia brasileira teve como motriz a Operação Lava Jato e o modo que foi conduzida pelo ex-juiz Sérgio Moro. Usando o Poder Judiciário para promoção pessoal e entrega do patrimônio nacional. Sem este processo de instrumentalização do Sistema de Justiça e desestabilização institucional dificilmente Jair Bolsonaro teria chegado ao poder para ameaçar a vida dos brasileiros e nossa democracia.

A corrupção não deve ser utilizada como mote ou pretexto para ofuscar e camuflar interesses e os impactos econômicos, sociais e políticos. Estes são evidentes, sob o menor escrutínio e violam a soberania do Brasil, sua ordem jurídica pátria, lesando seus interesses e patrimônios nacionais. Enfim, depondo contra o povo brasileiro de que nosso partido é redentor.

A deflagração clara de interesses finais se representa nas intenções políticas das recentes filiação de Sérgio Moro e do pedido de exoneração do ex- Procurador Deltan Dallagnol. A deturpação histórica da tarefa militante se confunde com a história de diversos quadros que prometiam muitos resultados, mas pouco entregaram. Se não deixarmos o individualismo e personalidade da política de lado, não alcançaremos o que é mais importante: a Soberania Brasileira e a felicidade da nação.

Ciro Gomes deve ser um quadro político capaz de unificar esta frente progressista em defesa da legalidade, democracia e soberania nacional. Sem as quais não há desenvolvimento ou justiça social. Ciro desde sempre se mostrou comprometido em denunciar os graves abusos da operação Lava-Jato e seus impactos negativos para o país.

E deve continuar nesse caminho, deixando de lado, em relação a isto, eventuais disputas políticas. Nosso partido deve combater toda e qualquer forma de autoritarismo, usurpação da soberania popular e nacional e estar ao lado dos trabalhadores na defesa da democracia e do desenvolvimento.

O PDT, como um partido vanguardista e defensor inviolável dos pilares da legalidade e da democracia, também deve se levantar contra o “Lawfare” que usurpou e minou as prerrogativas mínimas de um estado não persecutório, destruindo fatias relevantes do legado varguista e usurpando a soberania popular.

Vale ressaltar que a Santa Sé, o estado do Vaticano, publicou um documento em relação aos acontecimentos da prática do “Lawfare” em países em desenvolvimento. A carta apostólica reconhece os abusos autoritários da justiça em meio a toda uma série de violações de direitos fundamentais e também exorta aos malefícios desse tipo dantesco de política, para as estruturas econômicas dos respectivos países, bem como, e mais importante, o agravamento das desigualdades sociais, por meio de demissões ocasionadas por falências de empresas produtivas.

Urge na sociedade a esperança de uma reversão radical que devolva aos brasileiros e brasileiras a ousadia de repensar para reinventar o Brasil que queremos.

É hora de uma trégua nas disputas entre as forças políticas populares no país.

Para defender nossa democracia e reconstruir o Brasil.

ASSINAM A NOTA:
1. Cassio Teixeira- Ex-diretor Juridico JSPDT-RJ, EX-tesoureiro da FENED (Federação Nacional dos Estudantes de Direito);
2. Gabrielly Santos- Diretora de movimento estudantil JSPDT-DF, ex-Diretora da UNE;
3. Marcos Antonio da Silva e Silva- Presidente da FENECO (Federação Nacional dos Estudantes de Economia), JSPDT- GO;
4. Rodrigo Cabral Castilho – Diretor de Meio Ambiente UNE; 5- Lara Alves de Lima – Vice-presidente JSPDT-GO;
6- Victória Salgado- Vice-Presidente UCE, Vice-Presidente JSPDT-Florianópolis; 7- Pedro Angelo- 1º Vice-Presidente da UNE, JS-CE;
8. Merlane Tiriyó – JSPDT- AM;
9. João Boechat- Sec. de mobilização da JSPDT-RJ, Diretor de esportes da UNE, Presidente do conselho municipal de juventude de Niterói;
10. Gustavo Schuindt- Presidente da JSPDT-Maringá, Sec. Estadual de Núcleo de base;
11. Estephany Neves- Coordenadora Nacional do movimento REINVENTAR, Membro da executiva Estadual JSPDT-Maranhão;
12. Felipe Araújo Costa -JSPDT-PA;
13. Victor Leal – Secretário Geral Ecotrabalhismo-DF; 14 – João Grams – Secretário Geral JSDF;

(1) https://www.poder360.com.br/lava-jato/empresas-investigadas-na-lava-jato-deixaram-de-faturar-r- 563-bilhoes/

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

marco

13 de novembro de 2021 às 13h16

Parece que esse pessoal não aprende mesmo, ´porque ,desta vez também nós, os trabalhistas ,iremos para Paris.
Nunca mais votaremos no projeto neoliberal Ptucano.
Nunca mais!

Responder

Netho

13 de novembro de 2021 às 10h53

Diria Nelson Rodrigues: “Jovens, envelheçam depressa!”.
A juventude supostamente trabalhista demonstra que o partido deve ser mais um “puxadinho” do lulopetismo.
Demonstram uma olímpica ignorância em versão delirante de que a grande recessão foi obra do lavajatismo curitiboca.
Sem levar em conta que a nomeação de Dilma do ministro da fazenda Joaquim Levi – com o objetivo determinado de dar um cavalo de pau nas promessas de campanha do segundo mandato -, foi o marco inicial do ataque para destruir o seguro desemprego e atirar o país à depressão econômica em 2015 e 2016.
A “juventude trabalhista” silencia quanto à “repatriação de capitais” para lavar o dinheiro da Odebrecht que pagou João Santana no exterior para financiar a propaganda eleitoral de Dilma II. O mesmo expediente do presidente colombiano Belisario Betancourt para garantir a lavagem de dinheiro de Pablo Escobar, o chefão do Cartel de Medellin.
Se essa juventude trabalhista é o futuro do PDT, então Brizola, Jango e Getúlio podem ter a certeza absoluta de que tudo não passou de uma grande ilusão e não tem mais porque se revirarem nos sepulcros de São Borja.

Responder

Douglas Bento

12 de novembro de 2021 às 22h56

Se isto de Ciro atacar o pt desse certo ele teria sido o segundo na eleição passada.
Isso só faz ele perder votos.
Deixa ele seguir nessa toada até perder.

Responder

Paulo

12 de novembro de 2021 às 18h48

Moro já começa a incomodar. Sugestivos os ataques que passou a sofrer mesmo sem se declarar candidato a nada…Curioso é que vem de todos os lados, esses ataques…Gozado mesmo foi ver ontem, na Jovem Pan, um jornalista bolsonarista dizendo que Moro é um juiz suspeito, rsrsrsrsrsrsrs…Agora é o Pacto Ribbentrop/Molotov já sendo urdido nos bastidores, por Bolsonaro e Lula, contra Moro. Seria Moro a “Polônia de 2022”? Rsrsrsrsrs…

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?