Mais um boi de piranha na caçada a Lula - O Cafezinho

O Cafezinho

sábado

14

janeiro 2017

53

COMENTÁRIOS

Mais um boi de piranha na caçada a Lula

Escrito por , Postado em Análise de Mídia, Assinante, Luis Edmundo Araujo

Loading...

Espiando o poder: análise diária da grande imprensa

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Por Luis Edmundo Araujo, colunista do Cafezinho

O sujeito aí de cima, Geddel Vieira Lima, é a bola da vez nas edições deste sábado da mídia corporativa familiar. As manchetes do Estado e da Folha de São Paulo mostram mais uma das denúncias contra ele conhecidas desde muito antes, durante e, agora, depois de sua participação no governo Temer. A notícia também ganha a capa do Globo, que na manchete, porém, prefere gritar o avante às hostes da privatização. Colunistas dão graças por Geddel não fazer mais parte do governo, outros sugerem que é hora de acelerar a “tucanização” do Planalto onde o PMDB permanece acuado pelo arsenal que Eduardo Cunha, preso desde outubro, começa a mostrar. E se os ex-aliados trapalhões da grande mídia começam a ser descartados (como o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, exposto hoje na capa da Época), no editorial o Globo ataca o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com as generalidades de sempre.

“Lula se defende na Justiça com ataque político”, diz o título do editorial que o Globo publica menos de 24 horas depois de o Portal Metrópoles dar a notícia de que “setores do PT articulam o lançamento da candidatura” do líder petista à “Presidência da República na próxima sexta-feira”. A plataforma de campanha para o terceiro mandato de Lula no comando do País prevê que ele, caso eleito, revogue imediatamente “todos os feitos do governo Michel Temer”.

Inclui-se nesse pacote a PEC do Teto nos gastos públicos, as reformas trabalhista e da Previdência e todo o ajuste fiscal defendido pelo jornal e pela grande mídia em geral. Para evitar tamanha “tragédia” aos seus interesses, o Globo parece confiar ainda na tropa de choque do Judiciário, mais precisamente em um “herói” específico, mesmo que aliados seus nessa guerra, como a Veja, deem sinais de que o objetivo final não está mais tão perto assim.

No site da revista da editoria Abril, o coordenador da Operação Lava Jato na Polícia Federal, o delegado Maurício Moscardi Grillo, afirma que hoje “os elementos que justificariam um pedido de prisão preventiva não são tão evidentes”. O delegado diz ainda que “foi um erro ter levado o petista para depor no Aeroporto de Congonhas porque acabou permitindo a ele passar uma imagem de vítima”. O Globo não quer saber de nada disso e sem criticar nem condução coercitiva nem divulgação ilegal de conversas gravadas também ilegalmente, apenas confia em Moro e cia.

“Se considerarmos a relativa rapidez com que o juiz Sérgio Moro, de Curitiba, emite sentenças, quase sempre confirmadas, também com presteza, pelo Tribunal de Porto Alegre, os prognósticos são negativos para o ex-presidente”, diz o Globo, em seu editorial que não cita, por óbvio, o apoio internacional que Lula recebeu na seção de cartas do jornal britânico The Guardian, de parlamentares, sindicalistas e acadêmicos do Reino Unido.

“Depois do processo não democrático e ilegal no qual a presidente Dilma Rousseff foi removida por 62 senadores, revertendo o voto de 54 milhões de cidadãos, há uma campanha sem precedentes para difamar a figura do ex-presidente Lula”. Assim começa a carta em que o grupo No Coup in Brazil, formado por vários membros da esquerda britânica e de forte participação do sindicalismo, denuncia a “tentativa de ‘julgamento pela mídia’ para que o ex-presidente não participe do processo político”.

A carta publicada ontem pelo Guardian afirma ainda que “durante as investigações os promotores não conseguiram encontrar nada contra Lula” e que “apesar disso, ele continua sendo sujeitado a arbitrariedades, o que levou a investigações por parte da ONU devido a preocupações sobre a restrição de seus direitos”. Entre as diversas, repetidas derivações da palavra lulopetismo, talvez a mais presente em seus editoriais, o Globo ignora isso, assim como passa ao largo, assoviando para o alto, de qualquer referência às últimas pesquisas que mostram a liderança e o crescimento constante de Lula numa eventual corrida presidencial.

“Desde o início, os advogados partiram para uma defesa política do ex-presidente” começa dizendo o editorial do jornal carioca para em seguida contar que ele, o “lulopetismo”, “começou a esculpir a farsa da perseguição política que Judiciário e Ministério Público moveriam contra Lula. Claro, com apoio das ‘elites’, refletido na cobertura da imprensa profissional”. O Globo cita também os “textos supostamente técnicos para tentar provar a tese da ‘perseguição’” e responde a tudo de maneira bem sucinta, dizendo que toda essa argumentação, de tanta gente no Brasil e pelo mundo, tudo isso não passa de “enorme balela”. E pronto.

Pode até ser essa, quem sabe, a tese a ser considerada pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4a Região (TRF-4), que corrobora 99,9% das decisões de Moro, ao analisarem a ação movida pelo ex-presidente Lula contra o juiz, por abuso de autoridade. “Moro contrata sua mulher para defendê-lo em ação de Lula”, diz o título da página interna do jornal carioca, sobre a matéria mostrando que Rosângela Maria Wolff de Quadros Moro “é quem consta como advogada” do caso. Em cima, na mesma página o Globo diz, na matéria ilustrada pela foto ao lado, que o procurador-geral da República Rodrigo “Janot quer terceiro mandato e causa reação entre procuradores”.

Sobre o caso entre Moro e Lula, a matéria fala que “os advogados de Lula pediram a condenação do juiz a uma pena de dez dias a seis meses de detenção”, e que entre os motivos para isso foram citados “a condução coercitiva do ex-presidente, a busca e apreensão de bens de Lula e a interceptação de ligações realizadas, além da divulgação do conteúdo dos diálogos.” Mas a ação só irá a julgamento se for aceita pelo desembargador Sebastião Ogê Muniz, do TRF-4.

Por falar em escutas, clandestinas ou não, elas ressurgem no caso em que “Cunha e Geddel lideravam desvios na Caixa”, como afirma a PF e o Estadão na manchete, que é a mesma na Folha de São Paulo e só não é no Globo por conta do avanço das privatizações. “Oito estados começam a privatizar o saneamento”, afirma o jornal carioca em tom de mãos sendo esfregadas, para embaixo, numa quase manchete, dar a notícia sobre Geddel.

O texto começa dizendo que “o ex-ministro Geddel Vieira Lima, que teve o sigilo bancário, fiscal e telefônico quebrado pela Justiça, é suspeito de integrar ‘uma verdadeira organização criminosa’ para facilitar a liberação de empréstimos da Caixa a empresas em troca de propina”. Mais adiante vêm os diálogos, as trocas de mensagens que continuam a fazer a festa da grande mídia, quando, “em uma conversa, Geddel brinca com Cunha, quando questionado por ele sobre um negócio relativo à empresa J&F Investimentos, holding que controla a JBS/Friboi”

“‘Ta resolvido Ta na pauta do CD (Conselho Deliberativo) de terça. Vc tá pensando que eu sou esses Ministros q vc indicou? Abs (sic)’ escreveu Geddel, em 29 de agosto de 2012.” E “Cunha respondeu a mensagem com “Ok. rsrsrs”. O Estadão destaca em vermelho o valor de R$ 4,3 bilhões. “liberado no período em que Geddel foi vice-presidente da Caixa às 4 maiores empresas investigadas pela PF – JBS e a holding J&F, Bertim e Marfrig.”

Também com chamada na capa, a “Coluna do Estadão” anuncia que “preso desde outubro, Eduardo Cunha começou a mandar recados a antigos aliados”, e que “se constatar que foi ‘abandonado’, pode aceitar discutir a delação premiada”. E a coluna Painel, assinada por Paulo Gama na Folha, conta na nota “Novo queridinho”, que “há no Planalto quem queira pedir ao chanceler José Serra uma premiação ao diplomata e ex-titular da Cultora, Marcelo Calero, por ter feito as denúncias que apearam o então ministro Geddel Vieira Lima da Secretaria de Governo”.

Na nota seguinte, “Cara a cara”, a coluna afirma que “se o peemedebista ainda estivesse no Planalto, a operação da PF desta sexta (13) teria mandado a crise de volta para o palácio.” Para Jorge Bastos Moreno, do Globo, porém, não muitos motivos para comemorações no Planalto, porque “as ações do ex-ministro Geddel Vieira Lima são apenas uma das pontas de um novelo que pode, pela extensão, enrolar algumas importantes personalidades da República”.

“Um governo devagar, quase…” é o título da nota que abre a coluna de Moreno, na qual ele acredita que as denúncias podem “transformar a demorada substituição do personagem em questão pelo tucano Antonio Imbassahy no início de uma reforma ministerial mais ampla”. O colunista continua revelando que “conversas aqui e acolá, nenhuma delas republicanas, mantidas entre um ex-assessor do presidente e um dos inquilinos do Planalto, ameaçam vir à tona e derrubar mais gente”.

E o próximo alvo pode ser Alexandre de Moraes, a julgar pela capa da revista Época, do grupo Globo, que mostra a foto do ministro da Justiça, no cargo ainda mesmo depois de tantas trapalhadas, em cima da inscrição: “o homem errado no lugar errado”.

Luis Edmundo

editor associado em O Cafezinho
Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

sábado

14

janeiro 2017

53

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

53 COMENTÁRIOS

  1. Luiz Carlos P. Oliveira
  2. Luiz Carlos P. Oliveira
  3. Luiz Carlos P. Oliveira
  4. Luiz Carlos P. Oliveira
  5. Hilário Sousa
  6. Cynthia
  7. Edem
  8. paulo tasso motta
  9. Camilo França
      • Gil