Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Explode aprovação à Dilma Rousseff

Por Miguel do Rosário

04 de abril de 2012 : 12h57

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

O CNI-IBOPE divulgou hoje a pesquisa sobre a aprovação do governo federal e da presidente Dilma. Houve um forte aumento da aprovação pessoal da presidente da república.

Eu faço uma análise detalhada da pesquisa a seguir.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

A pesquisa do CNI-Ibope vem dividida em três relatórios.

1) Relatório Síntese, 2) Relatório Detalhado, 3) Comparativo Dilma X anteriores

 

Se quiser comparar com o último ano do governo Lula, confira este relatório de dezembro de 2010.

Abaixo, destaco tabelas ou gráficos que trazem os dados mais curiosos.

O salto na aprovação foi puxado por um salto de 6 pontos no Sudeste e também 6 no Nordeste. Houve um momento, em setembro de 2011, que o Sul apresentou maior aprovação que o Nordeste, mas essa situação agora voltou ao padrão já observado na era Lula.

O que os pesquisadores notaram é o descolamento da presidente do resto de seu governo.

 

Aí está uma explicação para a presidente ser tão popular, mas seus ministros, não. Todos os ministros têm sido alvo de críticas pesadas, provavelmente porque eles lidam com problemas reais de gestão, enfretando uma burocracia pesada e ainda despreparada para os grandes desafios que se impõem ao desenvolvimento nacional.

Entretanto, o fator mais curioso na pesquisa, e que explica muita coisa, é a popularidade de Dilma entre os mais ricos (que na realidade é o que chamamos de classe média média pra cima). Entre os que possuem renda familiar superior a 10 salários, Dilma registrou popularidade de 79%, contra 77% na média. Mas ela também é muito popular entre os mais pobres (tem 76% a 78% em todas as faixas de renda inferiores).

Na verdade, não é tão surpreendente assim se lembrarmos que Lula chegou a gozar de 79% de popularidade entre essa mesma faixa (mais de dez salários) em seu auge (dez/10); nesse período, Lula chegou a 91% de popularidade entre os mais pobres.

A atual aprovação de Dilma é superior à quase toda trajetória de Lula no governo. O ex-presidente só tem números mais fortes ao final do seu segundo mandato. Em dezembro de 2010, a popularidade de Lula atingiu 87% de aprovação, e seu governo, 80%. Mas Lula surfava na aura da vitória eleitoral de sua candidata e o país registrava, aquele ano, um crescimento econômico jamais visto em décadas.

Abaixo, o comparativo entre os presidentes:

Os analistas do Ibope sugeriram que o aumento da popularidade da presidente pode ter se beneficiado da percepção positiva de que ela estaria enfrentando o fisiologismo partidário, o famoso toma-lá-dá-cá. A firmeza de Dilma foi bem recebida. O próprio noticiário passou a lhe dar um tratamento melhor.

Essa pesquisa surge em boa hora para dar força a presidente em sua relação com o Legislativo. Colunistas políticos e editoriais que fizeram uma espécie de terrorismo político, advertindo para um desmoronamento da base aliado, terão que rever suas posições. Antes mesmo dessa pesquisa, o Congresso já deu mostras de notável disciplina, ao aprovar a Lei da Copa e a nova previdência do funcionalismo público. Hoje a imprensa informou que o PR decidiu voltar à base do governo.  A crise entrou em crise.

Falta apenas a Dilma resolver o problema do PDT e escolher quem será o ministro do Trabalho, mas ela provavelmente espera algum sinal do próprio partido, que vive uma crise existencial doméstica para saber qual é o melhor nome, se Vieira Cunha, se Brizola Neto.

Por fim, vale destacar três gráficos:

 

 

Os programas sociais voltados para as mulheres foram o assunto mais lembrado.  Ainda esperamos dados consolidados sobre redução da mortalidade materna. Os preliminares indicam uma queda de 19% em 2011. Caso confirmado, teremos uma notícia positiva concreta, e não apenas informações sobre o marketing bem feito do governo.

O noticiário desfavorável caiu para 14% segundo os entrevistados. Note que isso a mídia popular representa a maioria dessa percepção. A maioria das pessoas não lê os sempre ranzinzas editoriais do Estadão.

 

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Elson

05 de abril de 2012 às 05h13

Isso só prova que Lula não errou ao escolher Dilma para ser candidata a sua sucessão . Se ela continuar assim , com esta popularidade pelos próximos 3anos será barbada a reeleição em 2014 .
Como diz o PHA , vai ter gente cortando os pulsos .

Responder

Yuri

04 de abril de 2012 às 16h10

Cara, tu viu que Lula chegou a mais de 91% de aprovação no Nordeste, no final do governo? Cacildes!

Responder

Valdir Goes

04 de abril de 2012 às 16h09

Agora, vai ter gente bebendo valium no gargado. hehe

Responder

Deixe um comentário