Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Saiu a primeira pesquisa de intenção de voto para 2014

Por Miguel do Rosário

03 de agosto de 2012 : 15h49

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

(Ilustração capa: Caravaggio.)

A Confederação Nacional de Transportes (CNT) divulgou hoje a primeira pesquisa de intenção de voto para 2014. Os números acompanham a periódica avaliação sobre a popularidade do governo. Fizemos uma análise da pesquisa, que traz também comparações históricas com Lula e FHC, e uso de redes sociais.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

A CNT apresentou dois cenários: um com Lula, outro com Dilma. Os adversários principais da situação seriam Aécio Neves e Eduardo Campos.

Na seção que avalia a popularidade, observa-se um aumento substancial da avaliação positiva do governo Dilma, que sobe de 49% em agosto de 2011 para 56,6% em julho de 2012. Em julho do segundo ano de sua gestão, o governo FHC tinha avaliação positiva de apenas 12%.  O governo Lula, na metade do ano de sua segunda gestão,  tinha aprovação positiva de 46%.

 

 

Quanto ao desempenho pessoal da presidente, a CNT detectou um aumento considerável de sua aprovação positiva, de 70% em agosto de 2011 para 75,7% em julho deste ano. FHC, em julho do terceiro ano de sua segunda gestão, tinha aprovação pessoal de 31,8%. Lula, em junho de 2004, registrava aprovação pessoal de 54,1%.

 

Nesse quesito, Dilma leva a melhor sobre Lula se comparadas épocas similares de gestão.

A comparação entre os dois governos mostra que caiu o número de brasileiros que achavam o governo anterior melhor que o atual, sentimento bem forte em 2011.

 

A pesquisa CNT também incluiu perguntas sobre redes sociais que trazem dados interessantes:

 

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Rodrigo

05 de agosto de 2012 às 02h28

Boa análise, Miguel! Assinar o Cafezinho vale a pena por isso!

Responder

Carlos Vermont

05 de agosto de 2012 às 01h56

Teremos que aguentar essa novela do mensalão por mais 30 dias. Mas vai ser uma grande aula nacional de Direito e Constituição. As defesas serão emocionantes!

Responder

Helena Vargas

05 de agosto de 2012 às 01h47

Acho que a fala do Roberto Gurgel é incrivelmente contaminada de preconceito político. Quando ele fala em “atrevimento”, parece se reportar ao sentimento da Casa Grande ao olhar a Senzala chegar ao poder.

Quanto às suas valorações sobre o tamanho do crime (ser o maior da história) são absolutamente risíveis, pois sabemos que os grandes crimes de corrupção envolvendo a privataria, por exemplo, o Banestado, ou mesmo o mensalão do DEM, envolveram valores muito mairoes e tiveram intenções muito mais espúrias.

Pra culminar, ele tentou provar que os recursos seriam usados para influenciar as votações no Congresso mostrando que foram realizadas em datas de votações. Ora, o Congresso sempre tem votações importantes, o ano inteiro! E a sua explicação é incoerente com o fato de que, após receberem o dinheiro que seria servido, supostamente, para comprar seu apoio político, caía o apoio ao governo no Legislativo…

Responder

    elsonfidofilo@hotmail.com

    05 de agosto de 2012 às 12h16

    Helena, você matou à pau quando disse: Acho que a fala do Roberto Gurgel é incrivelmente contaminada de preconceito político. Quando ele fala em “atrevimento”, parece se reportar ao sentimento da Casa Grande ao olhar a Senzala chegar ao poder.

    Responder

Francisco Alcantara

04 de agosto de 2012 às 21h19

COMENTÁRIO IDIOTA TROLL.

Responder

elsonfidofilo@hotmail.com

04 de agosto de 2012 às 08h25

Já que as oposições e a mídia não consegue chegar ao poder através das urnas, o jeito é usar o mensalão para pregar em Lula e no PT a pecha de corruptos e usar isso como munição eleitoral. Quem quiser enfrentar Lula ou Dilma em uma eleição terá que contar com um desastre econômico eu um mega escândalo, coisa que até o momento está difícil de acontecer.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina