Ato público pela valorização do serviço público

O truque do Valor para bater na Venezuela

Por Miguel do Rosário

05 de março de 2014 : 21h34

O Valor tem se caracterizado, como define um colega, como “PIG cheiroso”, porque, de fato, oferece uma linguagem muito mais sóbria que seus primos. Provavelmente porque seu público alvo são empresários; não os homers simpsons vulgares e analfabetos políticos que, desgraçadamente, formam a maioria da classe média consumidora de textos de opinião.

De vez em quando, porém, o Valor precisa mostrar serviço, não ao leitor, mas a seus donos e os interesses aos quais estes servem, que vão muito além de míseras assinaturas de jornal.

Nesta quarta-feira de cinzas, por exemplo, a manchete do Valor era sobre um suposto calote da Venezuela em empreiteiras brasileiras.

ScreenHunter_3427 Mar. 05 21.25

Só que não.

Se você ler a matéria, ficará mais confuso do que informado. Primeiro porque todas as informações sobre dívidas foram dadas por fontes anônimas. Todas as fontes nominadas, ao contrário, contestam a informação.

A própria matéria é contraditória. Ela diz que a Venezuela tem US$ 20 bilhões em obras contratadas com empreiteiras brasileiras, sendo que apenas US$ 2 bilhões não foram pagos. Ora, 2 bilhões é 10% de 20 bilhões. Não há nenhum sinal de calote aqui.

A matéria diz que a maior parte da dívida é com a Odebrecht, principal empreiteira engajada em obras no país. Pois então, quando o repórter pergunta ao diretor administrativo da empresa, Claudio Daltro, ele respondeu o seguinte:

“O atraso no pagamento é normal no negócio de infra-estrutura. Não tenho problema aqui que eu não tenha em outros lugares.”

Ou seja, a matéria é toda uma não-matéria. Fala de um calote que não se configura. De atrasos (não confirmados) perfeitamente naturais diante dos valores envolvidos e em função do tipo de serviço oferecido, obras de infra-estrutura que perduram por muitos anos.

O Valor fez uma matéria apenas tendenciosa, com objetivo de pintar o governo venezuelano como feio, bobo, mau e caloteiro. O artigo traz várias referências negativas sobre a economia venezuelana, omitindo-se de mencionar os profundos avanços sociais vividos pelo país.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Walber Leandro

06 de março de 2014 às 12h57

COM DIZ O PHA, ESSE É O PIG CHEIROSO….

Responder

Alberto Lisboa

06 de março de 2014 às 09h41

Negócios na, e com, a Venezuela? Melhor informar-se em http://camarabv.org/Boletins/CAMARABV98-BR.pdf

Responder

Luciano

05 de março de 2014 às 22h19

Mente em letras garrafais e desmente em letras miúdas.

Responder

Deixe uma resposta