Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Imprensa é investigação sim, Dilma!

Por Miguel do Rosário

20 de setembro de 2014 : 10h29

ScreenHunter_4907 Sep. 20 16.29


 

É minha candidata, mas tropeçou feio.

Trata-se de um escorregão perigoso, que a mídia já está usando rapidamente para pintar a presidenta e seu governo como inimigos de uma imprensa independente e investigativa.

E, com isso, criminalizar o debate sobre a democratização da mídia.

A frase de Dilma foi retirada do contexto, mas ela poderia facilmente ter retificado.

Agora está sendo pintada como inimiga da imprensa, o que não é verdade, visto que a imprensa faz o que quer no Brasil, com total liberdade. Nem Lula nem Dilma nunca processaram ninguém, a diferença de Aécio, que dias atrás tentou processar 66 tuiteiros. Nem nunca tentaram fechar os espaços de comunicação de seu adversário, como conseguiu Marina, por alguns dias.

Como a comunicação da Dilma – uma tragédia ferroviária mesmo durante o processo eleitoral – provavelmente demorará semanas para inventar uma justificativa para a presidenta ter falado uma asneira tão grande, eu vou tentar lhes ajudar.

Primeiro, vamos pegar o contexto, a fala completa de Dilma, conforme a reprodução do Globo:

— Pedirei ao ministro Teori a mesma coisa: quero ser informada se no governo tem alguém envolvido. Não tenho porque dizer que tem alguém envolvido, porque não reconheço na revista “Veja” e nem em nenhum órgão de imprensa o status que tem a PF, o MP e o Supremo. Não é função da imprensa fazer investigação e sim divulgar informações. Agora, ninguém diz que a informação é correta. Não prejulgo, mas também não faço outra coisa: não comprometo prova. Porque o câncer que tem nos processos de corrupção é que a gente investiga, investiga, investiga e ainda continua impune — disse Dilma, acrescentando:

— Não é possível que a revista “Veja” saiba de uma coisa e o governo não saiba quem é que está envolvido. Pedi primeiro para a PF, que me disse: não posso entregar, a investigação está em curso e peça ao MP. E o MP me disse a mesma coisa: se ele me disser, ele contamina a prova. Se ele me disser, ele contamina a prova.

E reiterou, irritada:

— Quando sai uma denúncia na “Veja” ou em qualquer outro jornal, eu não tomo medida, porque sou presidente da República, baseada no disse me disse.

*

Agora, eis minha humilde sugestão do que Dilma pode dizer, num próximo encontro com jornalistas:

“Eu queria pedir desculpas por ter me expressado mal outro dia, quando falei que o papel da imprensa não é investigar e sim divulgar informações.

O meu governo sempre respeitou e estimulou a liberdade de imprensa, tanto é que, nos últimos 10 ou 12 anos, a Globo ganhou 6 bilhões de reais do governo federal, em anúncios institucionais. E vocês sabem que a Globo é um veículo que faz oposição a meu governo.

Vocês precisam julgar o compromisso do meu governo com a liberdade de imprensa por sua prática, não por uma frase infeliz, dita num determinado contexto, que explicarei em seguida.

O meu governo beneficiou os grandes grupos de comunicação, então vocês deveriam ser mais agradecidos. Se eu faltei com a liberdade de imprensa foi por não ter implantado políticas públicas, nem sequer feito um debate sobre isso, que estimulassem a consolidação desta jovem e dinâmica imprensa que vem surgindo na internet.

Sobre isso eu também queria pedir desculpas ao Brasil.

Milhões de jovens saíram às ruas em junho do ano passando, cantando refrões antimídia, e o  meu governo não deu nenhuma sinalização de que iria discutir a questão.

Dito isso, explico porque falei aquela besteira.

O que eu queria dizer, naturalmente, não era que a imprensa não deve investigar.

A imprensa tem a função de investigar, informar e dar opinião.

O que eu quis dizer é que, no âmbito do processo penal, a investigação cabe ao órgão competente. Nenhum juiz pode condenar um réu com base na investigação de um jornal.  Isso aconteceu no mensalão, mas é errado.

O juiz não deve sequer se deixar influenciar pelas matérias de jornal. O que ele deve fazer é encaminhar a investigação ao ministério público e à polícia, para que estes investiguem segundo critérios constitucionais determinados, produzam as provas ou contraprovas, e entreguem o material aos procuradores, que farão a acusação.

Os investigadores podem usar o material divulgado na imprensa para subsidiarem seus inquéritos, mas estes tem de ser conduzidos de maneira autônoma. Não é válido substituir uma investigação oficial por uma xerox de reportagem da revista Veja, como costumam fazer senadores de oposição sempre que há uma CPI.

Entenderam o que eu quis dizer?

Em suma, imprensa deve investigar sim, mas o sistema penal exige uma investigação oficial das autoridades competentes. Só assim teremos condenação.”

Fim da fala.

*

Sobre o assunto que teria irritado a presidenta, as denúncias da Veja, o que está havendo é muito estranho. Delação premiada já é um troço indecente, porque sugere um acordo do Estado com uma pessoa confessadamente corrupta.

Quando há vazamento seletivo das denúncias de um delator “premiado” que faz delações igualmente “seletivas”, chegamos ao requinte do golpe midiático.

A classe jurídica é radicalmente dividida em relação ao tema. Boa parte acha que delação premiada é um absurdo. O funcionário passa a vida roubando e achacando empresários. Quando o sujeito é preso, ele delata aqueles que achacou, e constrói a sua versão dos fatos. Se tiver a sorte de estar num momento midiático favorável a ele, como é o caso de Paulo Roberto Costa, pode pintar e bordar.

Qualquer mentira que atinja a Dilma é alçada a verdade absoluta na mídia. Outras denúncias, que atingem a oposição, não interessam.

Delação premiada seletiva, e vazada ilegalmente à imprensa de oposição, é o fim da picada!

O que é narrado por um delator “premiado” só terá validade, naturalmente, se vier acompanhado de provas. Sem isso, pode ser apenas uma estratégia espúria do delator de criar um diversionismo. Ou pior:  ele pode estar fazendo o jogo de um desses promotores ou policiais marrentos, mais interessados em “derrubar” o governo do que em descobrir a verdade, como já vimos tantos por aí.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

75 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

marta

22 de setembro de 2014 às 14h59

Dilma disse que como Presidenta ela só deve opinar em investigações OFICIAIS feitas por órgãos competentes -MP e PF que têm competência constitucional.Ela disse isto na entrevista na Record.

Responder

Valtair Almeida

22 de setembro de 2014 às 17h52

A imprensa só não pode fazer investigação seletiva.

Responder

henrique de oliveira

22 de setembro de 2014 às 11h25

Não vi nada de errado na fala da presidenta , alias deixou de descer o cassete nessa mídia porca que temos no BRASIL , tem mais é que ir para cima do PIG e fazer a lei dos meios de comunicação , do jeito que se comporta certos setores da mídia Dilma se chamar de canalhas é elogio.

Responder

Carlos Dias

21 de setembro de 2014 às 21h17

Miguel, a Dilma não se equivocou!
São investigações de natureza e métodos diferentes!

Responder

Deborah Teixeira

21 de setembro de 2014 às 23h53

Miguel, essa tua resposta tá a cara da Dilma: prolixa. ehehe. Mas eu quero dar meu palpite pra resposta da Dilma. Ela devia dizer assim: ‘me desculpe, mas a Veja deveria checar suas fontes, porque o inquérito está coberto pelo mais absoluto sigilo. Se nem a presidência da república conseguiu levantar o conteúdo desse inquérito, que dirá uma revista porcaria como essa!’ Que tal??

Responder

mineiro

21 de setembro de 2014 às 08h28

talves ela quis dizer na atual conjuntura , de que essa pig podre golpista nao investiga e sim faz campanha. ela nao pensou na imprensa seria , se é que existe alguma imprensa seria. que eu sei so nos blogs , o reso é so pig golpista, so imprensa salafraria golpista e partidaria tucana. mas eu concordo , nao pode ficar dando declaraçoes assim a torto e a direita nao , ainda pra essa corja golpista.

Responder

Osvaldo Ferreira

21 de setembro de 2014 às 05h42

A imprensa deve ser investigativa naquilo que lhe compete, ou seja, investigar para bem informar o cidadão. E nada mais que isso.

Responder

Osvaldo Ferreira

21 de setembro de 2014 às 05h42

A imprensa deve ser investigativa naquilo que lhe compete, ou seja, investigar para bem informar o cidadão. E nada mais que isso.

Responder

Osvaldo Ferreira

21 de setembro de 2014 às 05h40

Quem investiga é o MP e a polícia. Se a imprensa tivesse pela lei caráter investigativo poderia encaminhar diretamente ao judiciário, sem passar pela polícia e pelo MP suas querelas e aí o Brasil desabaria. Por óbvio o caráter investigativo da imprensa serve ao cidadão. Dilma está certa! Fala como Presidenta de um dos poderes e a imprensa na CF/88 não é um dos poderes.

Responder

Osvaldo Ferreira

21 de setembro de 2014 às 05h40

Quem investiga é o MP e a polícia. Se a imprensa tivesse pela lei caráter investigativo poderia encaminhar diretamente ao judiciário, sem passar pela polícia e pelo MP suas querelas e aí o Brasil desabaria. Por óbvio o caráter investigativo da imprensa serve ao cidadão. Dilma está certa! Fala como Presidenta de um dos poderes e a imprensa na CF/88 não é um dos poderes.

Responder

Lucia Romcy

21 de setembro de 2014 às 04h35

quem tem que investigar casos é a polícia federal ou seja lá que polícia for, já a imprensa tem que apurar e noticiar a verdade e não o que lhe convém como empresa…

Responder

Marcus Dutra

21 de setembro de 2014 às 03h40

Mimimimi

Responder

Quincas

21 de setembro de 2014 às 00h25

Dizem que um fiscal do departamento de saúde de uma prefeitura chegou na casa de um criador de porcos para fazer uma vistoria. Ele perguntou ao dono dos porcos: “Com que o senhor alimenta estes porcos?” O criador de porcos respondeu: “Com milho, lavagem, resto de comidas.” O fiscal tirou o seu talão de notas e o multou e foi embora. 30 dias depois ele voltou e fez a mesma pergunta. Desta vez o criador de porcos respondeu: “Estou dando milho e ração.” Novamente o fiscal tirou o seu talão e aplicou-lhe mais uma multa. 30 dias lá estava ele de novo e fez a mesma pergunta e o criador de porcos respondeu: “Estou dando a cada um deles vinte reais e agora eles mesmo estão escolhendo o que comer.” Este pessoal que fica pegando no pé de Dilma por ela ter dito que imprensa não investiga é igualzinho a este fiscal de prefeitura. Qualquer coisa que ela fala, para eles é o maior escândalo. Agora o Aécio e a Marina podem dizer o que bem quer, desde que não seja na frente de Luciana Genro.

Responder

Quincas

21 de setembro de 2014 às 00h12

Eu acho que o papel investigativo policial é completamente diferente da investigação jornalistica. E não vejo como investigação jornalística o que a TV Globo, a Veja e outros meios de comunicação fazem, subornando policiais, PF, Juízes, para ter acesso em processos que já tramitam na justiça, isto para mim não é investigação, mas simplesmente furo de reportagem. O que a Presidenta Dilma disse, está corretíssimo. Um marido que suspeita da esposa contrata um detetive e não um jornalista. O dono de uma loja que foi assaltada não procura o jornal, mas o posto policial para dar queixa. O patrão que suspeita de algum funcionário, não procura um jornalista para investigar, mas uma empresa de consultoria. Quem investiga a Petrobrás não são os jornalistas mas os auditores, a PF, o CGU, etc. O que a imprensa faz é noticiar os fatos, mas a nossa imprensa além de não investigar nada, também não tem a menor credibilidade como órgão informativo.

Responder

enganado

20 de setembro de 2014 às 22h58

Caro Miguel

Será que a Presidenta se referiu ao caso do empresário que ofereceu emprego (R$ 20.000,00) ao Zé Dirceu e que a Globo “INVESTIGOU” as custas do FBI e/ou CIA que havia um laranja desta pessoa, no interior do Panamá? Qual a empresa de investigação que trabalhou neste caso? Passou por cima do Partido da Polícia Federa(X). Então?! Porque essa mesma empresa de investigação nãso consegue pegar os políticos do PSDB que roubaram desde o TRENSALÃO, ROUBO ANEL VIÁRIO de SP, SONEGAÇÃO de ICM, … . Acho que a Presidenta não falaria nada sem base em alguma coisa já ocorrida. Será que a Imprensa (GAFE+Rede Bunderantes) teve acesso aos dados espionados pela NSA? Notaram que depois da espionagem dos EUA ao Palácio começaram aparecer os inqueritos na PETRBRAS? Estranho que Imprensa (GAFE+Rede Bunderantes) parace saber mais que o Partido da Polícia Federa(X). Gente tem alguma coisa por trás da fala da Sra. Presidenta. Sou desconfiado!

Responder

Robson Moreira

21 de setembro de 2014 às 01h30

E vai fazer o quê, na ana Maria Praga?

Responder

Thaysa Morgana Duplo Josimar

21 de setembro de 2014 às 00h56

Minha também Ana Maria. Voto Dilma Rousseff.

Responder

Thaysa Morgana Duplo Josimar

21 de setembro de 2014 às 00h56

Minha também Ana Maria. Voto Dilma Rousseff.

Responder

Severina Das Graças

21 de setembro de 2014 às 00h44

É ela e aquele papagaio… pura repetição! Imprensa é investigação? Qual? Voto 13. Voto Dilma!

Responder

Severina Das Graças

21 de setembro de 2014 às 00h44

É ela e aquele papagaio… pura repetição! Imprensa é investigação? Qual? Voto 13. Voto Dilma!

Responder

luiz mattos

20 de setembro de 2014 às 20h43

Dilma está correta pois falou do pig,elitista,partidário e golpista,essa mídia canalha é inimiga do Brasil,como bem o disse Hugo Chaves sobre a grobo.

Responder

Wilde Gomes

20 de setembro de 2014 às 23h40

Isto sim é imparcialidade. Parabéns!

Responder

Sheila Gevaerdvieira

20 de setembro de 2014 às 23h39

Ela se referia à Veja….

Responder

Sandra Pacheco Costa

20 de setembro de 2014 às 23h31

foi mal a dilma,porém como a mídia não dá alivio.acredito que a candidata teve um ato falho

Responder

renato

20 de setembro de 2014 às 20h22

Minha querida DILMA, não falou merda…
Ela só não falou do Cafezinho, do Tijolaço, do Azenha, do PHA, e equipes que ralam para quebrar as INVESTIGAÇÕES da PIGAÇA..
E afinal, quando vai ter a reunião com os Blogs Sujos antes das eleições..

Responder

Ritalo Santiago

20 de setembro de 2014 às 23h18

Olha o contexto como Dilma falou ““Quero ser informada se no Governo tem alguém envolvido. Eu não reconheço na imprensa o status que tem a Polícia Federal, o Ministério Público e o Supremo. Não é função da imprensa fazer a investigação; a função é divulgar.”

Responder

Erico José Almeida

20 de setembro de 2014 às 23h00

A investigação que a dita imprensa faz é uma fraude, tendenciosa e manipuladora. Veja o caso do Trensalão e do Helicóptero mineiro.

Responder

Rodrigo Correia

20 de setembro de 2014 às 22h30

Podes crer dilma13 fslou merda. Mas falar merda é humano….

Responder

Marcos Velloso Tiba

20 de setembro de 2014 às 22h24

“Mimimea culpa”…. Só comédia..

Responder

Regina Cele Castro Alves

20 de setembro de 2014 às 22h17

Acho que ela quis dizer a forma c o PIG da a noticia investigativa, sem pudor , só c defamação n c forma de investigar!

Responder

Denise Vírgula

20 de setembro de 2014 às 22h14

Isto porque a PC 34 não foi aprovada, pois nela estava prevista o jornalismo investigativo.

Responder

Alder Oliveira E Silva

20 de setembro de 2014 às 22h00

Sinceramente, como fala M. a nossa presidente.

Responder

    Sergio

    20 de setembro de 2014 às 19h15

    A presidentA é incompetentA !!!

    Responder

Ana Gláucia

20 de setembro de 2014 às 21h51

Não sei porque tanto barulho em torno disso. Acredito que um chefe do poder executivo não deve tomar qualquer atitude diante de uma denúncia midiática, senão aquela de pedir investigação e julgamento por órgãos competentes do governo; fora isso, não passam de suspeitas.

Responder

Leinig Perazolli

20 de setembro de 2014 às 21h28

Maicon Lhoste (rsss) troca o “s” por “X” e vai entender que tem muita gente de olho em nossas riquezas e vai fazer qualquer coisa para tirar o controle do Brasil, como sempre foi e o povo burro marcado e feliz cai no engodo.

Responder

João Lobo

20 de setembro de 2014 às 20h58

Apuração e produção de provas não é papel da imprensa. Pode apontar SUPOSTAS irregularidades. Apenas suposição, mas para acusação é muito diferente!

Responder

Art Fact

20 de setembro de 2014 às 20h53

Isso. E a estratégia de inserir o tema internet na conversa é muito boa. O exemplo, durante as manifestações, foi a mídia ninja furar o bloqueio informativo da grande mídia

Responder

Andre Soares

20 de setembro de 2014 às 20h45

Se eles investigam e tem provas porque não vão direto ao ministerio publico e federal e fazem a denuncia com todas as provas na mão? a questão é sempre a mesma porque nunca tem provas e querem fazer espetaculo só isso e com fins politicos.

Responder

Maicon Lhoste

20 de setembro de 2014 às 20h39

e a petrobras..alguem explica???os petistas explicam???

Responder

Nilda Lima

20 de setembro de 2014 às 20h36

A imprensa se acha a dona da verdade,ela não pode sair por ai julgando e condenando sem provas ela não é juiz !!

Responder

Icaro Morais

20 de setembro de 2014 às 20h36

Deixando essa porra de pagina , pois só fala em politica , e principalmente na Dilma , vá se fuder !

Responder

Francisco Duarte

20 de setembro de 2014 às 20h34

A Dilma se expressa mal, mas ela não quis dizer que a imprensa não tem o papel de investigar. Ouvi a fala e ela se referia especificamente sobre as investigações da PF na Petrobras e a delação premiada do corrupto que FHC nomeou em 1997. Dilma disse que quem investiga não é a imprensa, mas a PF e o MP, por isso ela quer ter acesso ao que esses dois orgãos apuraram na Petrobras, não ao que a Veja publicou.

Responder

Luiz Guilherme De Lemos Martins

20 de setembro de 2014 às 20h33

Investigar sim, julgar não.

Responder

Guilherme Custodio

20 de setembro de 2014 às 20h33

Não emp. Caso da grande mídia não tem
Provas só ouviu dizer que fulano falou e cruel!!!!!

Responder

Andréa Pessoa Dos Santos

20 de setembro de 2014 às 20h32

A afirmação foi retirada de um contexto de argumentações especificas! Mas a grande mídia, espertamente, está se valendo desta afirmação descontextualizada para jogar contra. E isso aí! O jornalismo partidário em ação!!!

Responder

Dora Lima

20 de setembro de 2014 às 20h31

Poder de Polícia para investigar, apurar, abrir inquéritos, denunciar e enviar para julgamento dos tribunais, a imprensa n?o tem. Foi isso que Dilma disse. Esta competência é das Polícias Federal e Civil! A Constituiç?o Federal e as leis ordinárias regulamentam o poder de aç?o de cada uma delas.

Responder

Selma Serodio

20 de setembro de 2014 às 20h30

Não concordo que o papel da imprensa é investigar porque ela não tem meios técnicos e nem pessoal adequado para fazê-lo. No caído específico acho um absurdo o vazamento seletivo das informações, que são tidas como verdadeiros e fomentam ataques ao PT por todos os adversários, sem ao menos existirem provas; e o pior quando o delator está sob custódia da Policia Federal e o processo corre sob sigilo de justiça; o sigilo tornou-se uma piada , é sigiloso para toda a sociedade mas a mídia , que se acha senhora absoluta de tudo e todos e usa uma ilegalidade para vender jornais, revistas e obter IBOPE,; ou a PF está vazando as informações e tal fato tem que ser apurado e os responsáveis punidos; ou a mídia REALMENTE É A SENHORA ABSOLUTA DAS NOSSAS VIDAS já que mesmo praticando um crime por usar informações vazadas em processo sob segredo e a justiça fecha os olhos, ou não houve vazamento das informações e a mídia está mentindo.

Responder

Luiz Barone

20 de setembro de 2014 às 20h26

A dilma tá certa

Responder

Tiago Borges Dos Santos

20 de setembro de 2014 às 20h21

A imprensa no Brasil “investiga”, julga e pede a punição isso quando ela mesma não pune destruindo reputações. É urgente uma lei de medios para responsabilizar a imprensa pelos excessos e desmandos, afinal, a imprensa não pode ser colocada acima da lei sob argumento de liberdade de expressão.

Responder

Maria De Jesus Albuquerque

20 de setembro de 2014 às 20h20

Joga o MANCHETÔMETRO na cara deles….

Responder

Rômulo Gustavo Martinez

20 de setembro de 2014 às 20h11

O papel principal da imprensa não é investigar como se fosse a polícia ou julgar como o tribunal. É antes de tudo informar. E investigar, apurar e fornecer corretamente a informação ao público.

Responder

Israel Fernandes

20 de setembro de 2014 às 20h08

Tem pai que é cego!

Responder

Leonardo Rosa

20 de setembro de 2014 às 20h06

É minha candidata também…..só uma pergunta que eu gostaria de fazer pra ela !!!
– DILMA, quando vc tem uma dor de barriga porque vc vai no hospital de ponta que é o Sírio Libanês e não no SUS que vcs dizem que é bom ??

Responder

Daniel Martorelli

20 de setembro de 2014 às 20h05

O jeito de consertar é enfatizar que o Portal da Transparência permite ainda mais liberdade para os órgãos de imprensa, uma vez que deixa dados disponíveis sem qualquer tipo de controle ou censura, sendo importante ferramenta para os jornalistas.

Responder

Isabela Castro

20 de setembro de 2014 às 20h05

Entendo ela! O que ocorre e que grande parte da midia nao trabalha com a verdade dos fatos ou com a verdade de todos os fatos. Escolhem um, seguem uma linha mais conveniente a eles- via de regra,o caminho sensacionalista e da super exposicao, distorcendo o real conteudo e atrapalhando em muitas das vezes a efetividade das investigacoes! O jornalismo investigativo tb tem que primar pela etica, o que para o PIG sempre fica a desejar!

Responder

Frederico Lucas Freitas

20 de setembro de 2014 às 20h05

A imprensa que investiga o PT tem mais e de ser fuzilada !!!!

Responder

André Ramos

20 de setembro de 2014 às 20h03

Eu entendi o que ela quis dizer.O papel constitucional de investigar não é da imprensa.

Responder

Joao Felipe Martins

20 de setembro de 2014 às 20h03

Você está certo Miguel. A imprensa não pode é perseguir, julgar e condenar.

Responder

Edel Gonçalves

20 de setembro de 2014 às 20h03

Esta imprensa maldita tendenciosa que inventam escândalos um atrás do outro sem prova não tem mesmo que investigar !!

Responder

Maria Socorro Ribeiro Nunes

20 de setembro de 2014 às 20h00

E desde quando a “grande” imprensa brasileira investiga com imparcialidade??? O que há é especulação, armação, boicote e ÓDIO por Dilma, Lula e o povo que os 2 defendem…Dilma não está só…Deus a protege dos malignos…

Responder

Flávio Furtado de Farias

20 de setembro de 2014 às 19h59

Porra, O Cafezinho, aí também você quer avacalhar. Prefiro a resposta de Dilma à sua sugestão. Por que você não se limitou a dar uma sugestão SÉRIA, se queria sugerir realmente uma resposta mais adequada. Aí fica difícil, viu?

Responder

    Robert

    20 de setembro de 2014 às 17h25

    Positivo!

    Responder

Mazinho Lara

20 de setembro de 2014 às 19h56

è muito perigoso uma imprensa ter o poder de investigar a imprenssa sim precisa ter o poder de informar baseada em fatos e provas visto as mais diversas acusaçoes da imprensa sem provas e totalmente desmentidas depois de ter feito a desconstruçao de reputaçao, a imprensa sim deveria ser responsabilizada por acusaçoes falsas e sem provas

Responder

Michel Santiago Wolfgan Santiago

20 de setembro de 2014 às 19h55

Investiga o DARF

Responder

Suely Marques Rocha

20 de setembro de 2014 às 19h51

Tropeçou nada…falou claramente dentro do contexto …e esse bla bla bla quem ta repercutindo somos nós. .. gato escaldado tem medo de água fria…deixem q digam, que pensem , que falem…ela não fez nada contra essa mm mídia hipócrita, tendenciosa, corrupta e agourenta…

Responder

Maria José Rêgo

20 de setembro de 2014 às 16h50

E se quem vazou para a Veja foi o advogado de defesa com o propósito de anular a investigação?

Responder

Cely Bertolucci

20 de setembro de 2014 às 19h48

Ela quis dizer, me parece, que a imprensa deveria divulgar fatos comprovados. A investigação está em curso pela pf , nada foi revelado ainda oficialmente. A imprensa golpista divulgou nomes sem provas.

Responder

Alice Lana

20 de setembro de 2014 às 19h48

Ela se confundiu. Com certeza vai se explicar.

Responder

Sandra Sumie Nishimiya

20 de setembro de 2014 às 19h47

concordo,mas ai há outro grande erro, a dilma ta tendo que cabecear, defender, atacar, ser reserva, sozInha. CADE OS OUTROS PETISTAS? E OS ACUSADOS? a dilma tira os corruptos e tem que ser condenada por isso, ai quando a gente ve, ta ali os corruptos com os candidatos adversarios e nenhuma condenação da midia. ai a corrupçao continua e ninguem sabe o pq

Responder

Sonia Bastos

20 de setembro de 2014 às 19h47

Dilma certamente explicará. Jornalismo investigativo é uma coisa e jornalismo acusativo sem provas é outra coisa Porque o PIG investigativo não investiga como deve, a censura de Aécio Neves ao jornalista preso em MG? Porque o PIG investigativo não investiga como deve o aecioporto, o acidente criminoso que matou Eduardo Cunha e mais seis pessoas no dia 13 de agosto, as falcatruas da Globo e sua dívida com a União (IR entre outras), a farsa do mensalão e a riqueza súbita do Joaquim Barbosa [compra de ap em Miami, salários recebidos sem trabalhar com a UERJ e conchavos com Globo), heimmmm???

Responder

Maria Celia F. Bouzada Nable

20 de setembro de 2014 às 19h47

Ela se expressou mal. Nada além. Tanto que ela não acredita nesse tom que deram, que não tomou até hoje (não que eu saiba) qualquer medida que “degolasse’ a liberdade de imprensa. E olha que este malditos donos e editores dessa imprensa porca nunca deram tanta rasteira em um (a) presidente.

Responder

Mauro Damaceno

20 de setembro de 2014 às 19h46

Foi a imprensa que investigou e encontrou o Roger Abdelmassih!

Responder

Mauro Barreto

20 de setembro de 2014 às 19h45

A imprensa independente e não a corporativa feito a que o PIG faz, isso não é investigação e sim perseguição, o que tem que ser feito pela a imprensa é informação e investigação é papel da policia.

Responder

Alexandre Maia Batista

20 de setembro de 2014 às 19h40

Qualquer cidadão tem o direito de investigar mas empresas fazem isso e já pensam que tem o poder de condenar e o fazem erroneamente!!!

Responder

Deixe um comentário