Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Limpando as gavetas

Por Miguel do Rosário

12 de novembro de 2014 : 13h42

DSC06110-530x250


 

Antes de dar curso à história que vinha contando no post anterior, sobre o italiano Enzo Tortora, vamos limpar as gavetas dos outros assuntos.

Em outros termos, vamos fazer um saladão.

Petrolão: já vem ocupando a maior parte das seções políticas dos jornalões, o que mostra a pequenez da agenda da nossa imprensa. Ela tem uma agenda minúscula. Todos os jornais, impressos e TV, falam a mesma coisa, tem os mesmos colunistas, usam os mesmos argumentos.

O TCU, que se tornou um órgão partidário (contra o governo), proporcionou títulos à grande imprensa, quando o seu presidente falastrão, Augusto Nardes, declarou que o “escândalo da Petrobrás é o maior do país”.

Na conta, Nardes espeta os R$ 1,6 bilhão gastos correspondentes à compra e aos investimentos feitos na refinaria de Pasadena, o que é obviamente um cálculo idiota.

É como se, ao avaliarmos o escândalo do trensalão, ao invés de usar a estimativa de possíveis desvios ou sobrepreços, somássemos o custo total da construção dos metrôs de São Paulo.

A refinaria de Pasadena foi o primeiro grande desastre do governo e, especialmente, de Graça Foster. Não em termos de corrupção, nem de investimentos, mas de comunicação corporativa.

É uma refinaria situada na área mais estratégica da indústria petrolífera norte-americana, bem no coração do canal de Houston, de onde partem os grandes oleodutos que ligam todo os Estados Unidos. Além disso, é uma das refinarias mais próximas das recém descobertas jazidas de petróleo de xisto.

Pasadena, sobretudo, funciona. E bem.

Quando estourou o escândalo, a imprensa vendia a informação de que era uma “sucata” desativada. Hoje já não fala mais isso. Aos poucos fomos descobrindo que não era nenhuma sucata. Era uma ótima refinaria, que produzia mais de 100 mil barris por dia, tinha alto nível de produtividade (bem acima da média brasileira).

No passado, Pasadena era conhecida por seus problemas ambientais e trabalhistas, igualmente sanados após a Petrobrás assumir o controle.

A Petrobrás não teve a inteligência sequer de divulgar fotos e imagens de Pasadena, que pudessem abastecer o imaginário da opinião pública brasileira.

Quanto à refinaria Abreu e Lima, trata-se da maior já construída no Brasil, e a primeira a ser feita inteiramente aqui em mais de 40 anos.

A mídia também conta uma porção de mentiras sobre a Abreu Lima. Diz que o custo inicial de sua construção seria de 1 ou 2 bilhões e que agora ficou 10 ou 20 vezes mais. Ela usa o projeto inicial, cujas proporções se multiplicaram mais tarde, quando se descobriu o pré-sal.

Não há reportagens de qualidade sobre a obra. Não sabemos o que foi feito. Se foram abertas estradas, ferrovias, portos, aeroportos, helipontos, oleodutos. Não sabemos sobre as tecnologias usadas na refinaria.  A imprensa só quer saber dos escândalos.

A Abreu Lima inicialmente foi projetada para receber o petróleo da Venezuela, de um lado, e o nosso pós-sal.

A mesma coisa aconteceu com a Comperj, a refinaria de Itaboraí. Foi inicialmente projetada para uma coisa, mas depois virou outra, quando descobrimos o pré-sal.

A imprensa brasileira voltou a transformar a seção política exclusivamente em caso policial.

O governo e a Petrobrás não conseguiram, ou jamais tentaram, criar uma estratégia de comunicação voltada a explicar à sociedade o que significará, em termos econômicos e sociais, a conclusão das refinarias.

Como fazê-lo?

Graça Foster ficou muito obcecada com a imagem de “fura-poço”, esquecendo que a razão de ser do petróleo é ser industrializado e ser transformado em matéria-prima para a indústria e combustível.

Por que nunca houve um mísero comercial para explicar a importância do petróleo como matéria-prima para a indústria e, portanto, como grande estimulador de um novo ciclo de desenvolvimento industrial no país?

Aliás, a imprensa e a oposição só falam em crise, sem mencionar o impacto profundo em nossa economia advindo da finalização das grandes obras de infra-estrutura iniciadas nos últimos anos.

Quanto ao escândalo do petrolão, em si, ele traz alguns perigos que precisam ser combatidos politicamente:

a) O juiz Sergio Moro é um golpista escrachado e assumido. Está vazando, deliberadamente, desde o primeiro e segundo turno das eleições, informações exclusivas para os órgãos de imprensa de oposição. Foi criticado duramente pela OAB, mas está sendo blindado pela mídia.

b) Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef, além de mancomunados entre si, fizeram um acerto com a oposição e com a mídia. A conexão política entre eles é feita por Álvaro Dias, reeleito senador pelo Paraná.

Vocês se lembram que, horas antes do penúltimo debate presidencial na TV, Gerson Camarotti, repórter político da Globo, publicou em seu blog a informação de que Álvaro Dias e Aécio Neves tinham recebido um “relatório detalhado” com denúncias de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef, “em que integrantes da cúpula petista são citados no esquema de desvio de recursos da estatal”.

Bem que eu falei que era blefe e jogo sujo da Globo. Se Aécio tivesse recebido mesmo, teria usado antes do segundo turno.

O jogo sujo desnudou que a oposição transformou a delação premiada numa panaceia ilegal, inconstitucional e perigosa.

Meu receio é que a estratégia seja estendida aos empresários. Ou seja, que haja chantagem e ameaças à empresários, para que também façam uma delação premiada seletiva.

Esta é a razão pela qual o instituto da delação premiada é tão imoral.

O sujeito rouba, fica milionário, depois mente para ficar livre, acusa quem ele quiser, e sai da história ainda mais rico.

Quem garante que Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa não ganharão dinheiro para delatar x ou y?

Há uma concorrência sangrenta entre os fornecedores da Petrobrás. Um quer devorar o outro.

Se o Judiciário brasileiro já é ruim, se tem se tornado, nos últimos tempos, cada vez mais partidarizado e midiatizado, a instituição da delação premiada apenas coroará essa tendência.

c) Outra coisa perigosa é a conexão internacional do golpe.

Quem garante que as investigações de autoridades norte-americanas serão isentas? Bem no momento em que os republicanos, ou seja, a direita americana, avança no Congresso e no Senado, quem garante que não há lobby de petrolíferas ou especuladores americanos, interessadas em lucrar com a debilitação da Petrobrás, para que sejam produzidas notícias negativas sobre a estatal?

A matéria do Financial Times, que eu traduzi e publiquei no blog, tem cheiro de press release de algum lobista, ou do Brasil ou dos EUA.

A Globo tem dinheiro e poder suficientes, por exemplo, para plantar notícias na imprensa internacional, que ajudem a esquentar um escândalo aqui dentro, sobretudo porque entende que a mídia está um tanto queimada junto à opinião pública, após terem jogado no tudo ou nada nas eleições.

O método de Sérgio Moro, de fazer um jogo combinado com a mídia, lembra o modus operandi da oposição no início do escândalo do mensalão. Ali houve uma conspirata, entre o procurador-geral da república, Antônio Fernando de Souza, e Joaquim Barbosa.

d) Voltando às críticas à comunicação da Petrobrás, Graça Foster voltou a enfiar a cabeça num buraco. O blog sumiu novamente. Propaganda, somente na Globo e na Veja. Aliás, a primeira coisa que Graça fez, ao assumir a Petrobrás, foi cortar patrocínios para o cinema e cultura. Manteve, no entanto, o patrocínio à Globo e Veja.

Meses atrás, quando os blogueiros foram entrevistá-la, qual a primeira coisa que ela nos falou, para nossa perplexidade? Que não era muito de internet, que ainda lê as coisas no papel.

Muito moderna! E algo muito inteligente para se dizer a blogueiros!

As ações na Petrobrás são negociadas na Bolsa de Nova York e seus preços oscilam em virtude de notícias e cotações publicadas na… internet.

*

Por falar em Joaquim Barbosa, o Itaú resolveu lhe dar uma sobrevida, pagando-lhe para falar bobagem a seus executivos. Valha-me Deus!

*

Sobre Gilberto Carvalho e Marta Suplicy, temos que fazer um alerta importante. A mídia está botando os dois no mesmo balaio. Não é justo.

As críticas de Gilberto Carvalho foram construtivas, corretas e importantes. Carvalho é, hoje, um quadro estratégico para o segundo mandato da Dilma, que precisará estabelecer ligações mais orgânicas com os movimentos sociais.

Sem essas ligações, o governo Dilma não vai resistir aos ventos fortes que soprarão do Congresso.

As críticas de Marta, por sua vez, constituem um chilique ridículo, deselegante e fora de propósito.

Marta era ministra da Cultura. Qual o sentido em acrescentar uma bizarra crítica à política econômica em sua carta de demissão?

A razão teria de ser falta de dinheiro para sua pasta, coisa que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, já negou: não faltou dinheiro para o ministério.

Marta foi uma ministra burocrática e apagada. Não provocou nenhum debate interessante sobre os rumos da cultura brasileira. Nem tinha estofo para isso.

Só que ela é senadora pelo PT, foi eleita pelo povo de São Paulo, e Dilma precisará dela para aprovar projetos no Senado.

É um quadro político experiente. Dilma tem que engolir este sapo e se entender com ela.

Dilma, aliás, já entendeu isso, tanto que reagiu com tranquilidade.

A mídia quer dividir o governo e a base. Quer jogar ministro contra ministro. Quer aumentar as divisões dentro do PT.

É a velha máxima romana: dividir para conquistar.

A base do governo, sobretudo o seu núcleo duro, tem de estar unida.

*

Eis que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, está cotado para a vaga no STF. Acho uma péssima escolha. Cardozo periga ser um novo Toffoli ou, pior, um novo Joaquim Barbosa. A primeira pressão da mídia e ele se voltará contra o governo. E a oposição ainda vai sapatear, como sempre fez, dizendo que “ele foi indicado pelo PT, e era petista, etc”.

Dilma tem que preencher o STF com alguém com nervos de aço, durão, alinhado ao governo, às ideias de justiça social e, sobretudo, alguém bastante consciente do papel nocivo do monopólio da mídia para a democracia brasileira.

A presidente não pode errar na escolha dos novos ministros. Este é o grande trunfo que o destino, a Constituição e a força das urnas, lhe deram para evitar que um golpe a impeça de chegar até o fim de seu mandato.

Além disso, os novos ministros podem nos ajudar a trazer à luz os erros da Ação Penal 470, sobretudo quando houver o pedido de revisão criminal.

*

Ontem eu assisti a entrevista de Fabiano Santos, cientista político, na TV Brasil, no programa de Paulo Moreira Leite. Participavam também Tereza Cruvinel e um colunista do Valor.

Santos já me convenceu de que a reforma política, tratada como um pacotão, é um erro político do governo. O nosso sistema é bom, um dos mais modernos do mundo, e não precisa passar por mudanças profundas. Precisa, sim, acabar com a doação de empresas e estabelecer tetos para pessoas físicas. Pronto, só isso já ajudaria muito.

Na verdade, eu acho que o governo e a esquerda em geral podem estar cometendo um erro primitivo. Estão apostando todas as suas fichas em dois jogos que não podem ganhar, não da maneira que estão fazendo: a reforma política e a regulação da mídia.

Calma, explico.

A reforma política não é uma panaceia. Seria muito mais útil usar a energia para pressionar Gilmar Mendes a soltar a votação no STF quanto à doação de empresas. Ele está blindado na mídia. A votação já está decidida. A maioria do plenário do STF já votou contra a doação de empresa. Basta isso, concluir a votação, e o problema mais importante do nosso sistema político será resolvido, em parte ao menos. Não gosto nada de ver um problema de ordem política ser resolvido no STF, mas enfim, é a vida.

A regulação da mídia, a mesma coisa. Do jeito que está, estamos, mais uma vez, perdendo a batalha de opinião.

Vamos continuar defendendo a regulação da mídia no Congresso, mas antes é preciso fazer outras coisas. Por exemplo, porque não jogar pesado para aprovar a lei do Direito de Resposta, de autoria do Requião?

É uma lei de fácil entendimento tanto pela opinião pública quanto pelos parlamentares. Todo mundo quer um direito de resposta mais democrático e que nos proteja da máfia midiática.

A regulação da mídia não teria muito mais resultado se fosse detalhada, e suas diversas iniciativas votadas individualmente?

Além disso, governo, movimentos sociais e a esquerda em geral, poderiam debater que medidas democratizantes não podem ser tomadas sem necessidade de uma votação no parlamento.

Que medidas podem ser conduzidas diretamente pelo Executivo? Criação de ouvidorias? Instituição de porta-vozes? Mais investimento nas tvs públicas?

No tempo em que a Cruvinel dirigia a TV Brasil, havia um plano de que, em todos os municípios, haveria a instalação de uma tv voltada a exibir as sessões dos vereadores, a veicular programas municipais, a dar voz às forças locais. Isso seria uma grande democratização da mídia.

Há anos os movimentos discutem o Canal da Cidadania, que vai também nessa linha.

O governo não poderia fazer uma parceria maior com a Telesur?

Uma das medidas tomadas pela Ley dos Medios na Argentina, por exemplo, foi exigir que todos os canais de jornalismo, nas tvs fechadas, estivessem próximos na grade de canais. Tipo assim: Globonews 40, Bandnews 41, SBTnews 42, Telersur 43, TV Brasil news (que não existe, mas podia existir) 44. Record News 45.

Como é hoje, com a Globonews na faixa “nobre”, no 40, e os outros canais dispersos em números distantes, há dificuldade para que o telespectador faça um zap democrático pelos principais noticiários, para checar como a mesma notícia é tratada.

A questão do esporte, sobretudo do futebol, também deveria ser discutida. Por que um povo que gosta tanto de futebol é obrigado a assistir partidas tarde da noite, apenas para dar lucro à TV Globo, que precisa vender sua novela das 9?

Por que os debates presidenciais, o momento mais importante na democracia de um país, foram feitos depois das 22 horas, quando a maior parte dos trabalhadores já está dormindo?

Os canais não são concessão pública? Os canais não podem derrubar a sua programação num mísero dia?

Em 2016, teremos eleições municipais. Seria interessante que todo município tivesse um canal público, para que candidatos, prefeito, vereadores, oposição e movimentos sociais pudessem debater os problemas locais.

Enfim, tudo isso seria debatido na regulação da mídia, mas temos de ser criativos, e pararmos de falar apenas em regulação da mídia, que a imprensa agora chama de “controle social da imprensa”, e discutir os tópicos específicos.

Isso desmistificaria a proposta, mostrando ao Brasil que se trata de ampliar a liberdade de expressão, e não o contrário.

*

Ainda sobre a entrevista de Fabiano Santos, que espero seja publicada no Youtube, para que todos possam assisti-la, ele lembrou que o novo congresso ainda não assumiu, e fez uma observação importante: o suposto conservadorismo da nova composição da Câmara ainda está por ser provado. Santos lembrou que tudo dependerá da habilidade política do governo. “Política transforma”, lembrou.

O governo tem ferramentas, naturalmente, para negociar democraticamente com o congresso algumas reformas importantes. Se há dificuldade para tocar uma reforma que melhore o nosso sistema político, poderíamos discutir uma reforma tributária, que simplifique e agilize o nosso sistema. Também importante: uma reforma do Estado, que reduza a burocracia, amplie a transparência e acerte todos os problemas derivados dos processos de licitação.

*

Não concordei, porém, com a resignação de Tereza Cruvinel acerca da eleição de Eduardo Cunha para a presidência da Câmara. Hoje, Cunha voltou a ameaçar o governo. Ora, se antes de assumir o cargo, ele já parte para ameaças, sempre sinistras, que dirá quando chegar lá.

O governo tem condições tranquilas para negociar um outro presidente da câmara, a começar porque o PT é o partido com maior bancada.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

31 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

ana lucia m lins

13 de novembro de 2014 às 17h25

Parabéns,Miguel +uma vez arrebentando.. que tal Vc p/Ministro das Comunicações? não é piada!
Abs,

Responder

    Miguel do Rosário

    13 de novembro de 2014 às 20h10

    Obrigado, mas não. Abs

    Responder

Marcus Vinicius

13 de novembro de 2014 às 13h27

Miguel do Rosário diz as mais puras verdades. Simples e cruas. Na lata.
Viva ocafezinho.

Responder

Juba

13 de novembro de 2014 às 07h56

Estes caras perdem a eleição e ficam enchendo o saco.

Responder

Maria Dilma

13 de novembro de 2014 às 07h29

‘As vezes acho que esquerdista e estressado e negativo.

Temos de nos encontrarmos para fortalecer o moral. Sem stress. Tudo vai dar certo.

Responder

Jussara Domingues

12 de novembro de 2014 às 23h55

Recomendo que a Dilma e o Pt leiam e reflitam sobre o que escreves, concordo contigo precisamos “comer pelas beiradas” para irmos conquistando aos poucos do que arriscarmos a ficar sem nada.

Responder

luis castro

12 de novembro de 2014 às 22h44

Miguel você tem razão é preciso acreditar que podemos mudar as coisas para vencermos esse embate, que por ora a oposição vem levando larga vantagem. É só ver o exemplo da nossa vizinha Argentina, que enfrenta dificuldades econômicas muito maiores que as nossas mais tem uma presidenta que não se intimida e parte para o ataque e ganha todas. Cristina tem o controle do parlamento e do judiciário argentino, porque nunca deixou sem resposta qualquer ataque da mídia golpista de lá, conseguiu com essa postura firme se fazer respeitar e enquadrar o Clarim, a Globo dos hermanos, o que infelizmente não acontece aqui. Aqui o PIG sempre fez o que quis, sem que Lula ou Dilma tivessem qualquer reação afirmativa contra essa mídia golpista, ela sim controla o Congresso e o Judiciário brasileiro. A falta de reação das nossas duas maiores lideranças, Lula e Dilma, é a principal responsável pelo impasse que vivemos hoje, pelas dificuldades de toda ordem que surgem que impedem o avanço de nossas propostas, como da regulamentação da lei dos meios de comunicação.

Responder

luis castro

12 de novembro de 2014 às 22h10

O que eu tenho visto até agora, que muitos classificam como o terceiro turno, é o inicio da campanha para as eleições de 2018. O Jornal Nacional e demais derivados continuam com o mesmo noticiário ofensivo contra o Governo como se as eleições para 2018 fossem amanhã. O Aébrio aparece quase todo o dia no JN falando como candidato e paladino da justiça e da ética, o pior é que o Governo continua com a mesma postura de antes apático e na defensiva sem esboçar qualquer reação que aqueça o debate político. A própria Dilma esfriou depois daquele ataque alentador contra a revista Veja, a quem chamou de criminosa e golpista, parece que os frouxos do PT conseguiram demovê-la de continuar na ofensiva contra o PIG. Eu pergunto: Como vamos mobilizar a militância, apanhando calado, sendo taxado de corruptos, sem que haja uma postura firme de enfrentamento por parte das nossas maiores lideranças do PT, no caso Lula e Dilma?

Responder

alex

12 de novembro de 2014 às 20h59

Miguel.. e a impressão que tenho é que o PT continua de férias pós-eleição! Os tucanos com cara de porre, não tiraram féria. Cadê o PT. Só aparece merda. Como foi caso da cartinha da Senadora Chateara Marta. Tá difícil. Cadê os parlamentares do PT para defender Dilma das falácias tucanas? Continuam de férias!!! Vejam o exército tucano diário batendo em todas as frentes. E a gente aqui rezando para Dilma fazer alguma coisa contra essa mídia malvada. Tb concordo que não precisa ir fundo. Mas 12 anos no poder, vc acha que a NBR, a TV Brasil mudou? Programação maravilhosa. Para alguns. Tem lugar deste país que o povo nem sabe que existem. Infelizmente, o PT é muito devagar. pensa muito. Planeja muito. E o tempo passa. E os “caras” não estão para brincadeira.

Responder

    ignez

    13 de novembro de 2014 às 02h24

    Concordo, Alex! Os parlamentares do PT não ocupam a tribuna para defender a Democracia, o governo ou a Presidenta. Ficam fazendo “cara de paisagem” e quem paga o pato é o cidadão refém das mentiras da mídia golpista! Onde estão os parlamentares do PT?! Chega de imobilismo! Querem a desestabilização do governo?!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder

      Pedro

      13 de novembro de 2014 às 23h03

      A passeata hoje em São Paulo é o início.

      Responder

Jacilon

12 de novembro de 2014 às 20h20

Miguel você falou que a Petrobras não anunciou na grande imprensa, mas é difícil por que eles falam só no que lhes interessa, veja o caso de Belo Monte eu só fui ver a grandeza daquela obra no programa eleitoral da Dilma

Responder

    Robson Lopes

    12 de novembro de 2014 às 20h54

    Podiam pagar propaganda em horário nobre, tudo bem, seria ruim por estar dando dinheiro aos lobos, mas ao menos informaria melhor a sociedade.

    Responder

    ignez

    13 de novembro de 2014 às 02h27

    Imagine o povão! Não sei se esse imobilismo, essa “cara de paisagem” dos parlamentares do PT não vai acabar nos tirando até a chance de ver, ao menos daqui há 4 anos, as realizações do governo. Pode ser tarde demais… ou pode nem ocorrer… Sei lá! Chega de patetice! Só a Presidenta tem de falar?! Assim ela fica sem apoio!

    Responder

mineiro

12 de novembro de 2014 às 19h53

em resumo nao esta nada bom, tem conspiraçao para tudo quanto é canto , ta todo mundo querendo ferrar o governo e ninguem pode negar. ta em curso um golpe contra o governo e contra nos. é so ler nas entrelinhas , ta todo mundo mostrando a cara. pode se preparar vai ser guerra mesmo e nao tem volta e o pt bundao se nao entrar na luta agora junto com a sociedade , vai tudo para o buraco. so idiota para nao perceber que tem um golpe paraguaio em curso e o judiciaro do capeta ta envolvido ate o pescoço.

Responder

Almir

12 de novembro de 2014 às 19h20

“Este país não pode dar certo. Aqui prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante se vicia e pobre é de direita”
?Tim Maia

Responder

Armand de Brignac

12 de novembro de 2014 às 19h03

Esse Miguel é um nefelibata ! E corrige aí, é JOSÉ EDUARDO CARDOZO o nome do Ministro da Justiça !

Responder

    Miguel do Rosário

    12 de novembro de 2014 às 19h46

    Corrigido.

    Responder

José Carlos Vieira Filho

12 de novembro de 2014 às 18h25

Quanto à Petrobrás, porque não sair da Bolsa de NY, e das européias? passar para HK e Shangai p.ex.
Alguns dos maiores bancos russos já estão fazendo.
Quanto à TV;
– reformular a TV Brasil para ser um canal de notícias, do tipo Sputnik, RT, PressTV Iran.
– Adicionar à TeleSur as citadas. Não é possível que as notícias internacionais no Brasil se limitem a copia/cola a opinião das emissoras americanas, ou BBC que funcionam como o PIG

Responder

tom

12 de novembro de 2014 às 16h49

e o enzo tortora ? esqueceu ? vejo diurtamente seu blog miguel o seu ,o do dcm ,o do miro ,o do nassif e o tijolaço , gostaria de dar uma idéia ,pq vcs não se juntam e fazem um portal de jornalismo investigativo pra bater esse asqueroso pig ? apresenta a idéia pra dilma que ela coloca publicidade federal pra manter ,assim como os outros portais do pig

Responder

jose marcos

12 de novembro de 2014 às 16h32

que susto!!!
achei que tivesse sido demitido.

Responder

ricardo silveira

12 de novembro de 2014 às 16h24

As perspectivas não são boas e acho que ficarão pior. Vai se desenhando um quadro de 4 anos de paralisia do governo. É muita sacanagem com o país, é muita chantagem, muita gente contra conspirando e afinados nas diversas instâncias do Estado. Se o governo ficar acuado sem convocar rede nacional para falar semanalmente ao povo, nada vai mudar.

Responder

Renato

12 de novembro de 2014 às 15h59

É um pândego esse Miguel do Rosário, é um ingênuo, tolinho.”O governo tem ferramentas, naturalmente, para negociar democraticamente com o congresso algumas reformas importantes.” As ferramentas para negociar “democraticamente, são liberação de emendas parlamentares, diretorias em estatais, comando de ministérios. É com essas ferramentas que governos atrasados, de países de quinto mundo, negociam democraticamente com congressos!

Responder

    Miguel do Rosário

    12 de novembro de 2014 às 17h17

    E no primeiro mundo?

    Responder

      Renato

      12 de novembro de 2014 às 20h25

      Nos EUA e Inglaterra, que os blogueiros bobalhões gostam tanto de citar quando falam em “regulação” da mída, a coisa não funciona assim. Por lá os governos não estimulam o fortalecimento de gente como Collor, Jader Barbalho, Renam Calheiros, Romero Jucá, José Sarney, etc, etc, como o PT faz no Brasil!

      Responder

        Miguel do Rosário

        13 de novembro de 2014 às 12h05

        Deixa de ser ignorante. Quem estimula o “fortalecimento” dessa gente é o eleitor. O governo não pode fazer nada quanto a isso. Ou esqueceu que Renan Calheiros foi ministro da Justiça de FHC, Collor foi eleito pela mídia, Jucá apoiou e fez campanha para Aécio Neves nesta eleição, Sarney era da base de FCH, assim como Jader Barbalho foi líder do governo FHC no Senado. Esqueceu desses detalhes?

        Responder

          Renato

          13 de novembro de 2014 às 15h15

          Não, não esqueci desses detalhes. Acho que você é que esqueceu do detalhe de que seu querido partideco recebeu, adotou, e até ampliou alegremente toda essa escória do governo FHC, mas na sua opinião, quando o sujeito vira aliado do PT, torna-se santo. tá igual ao caso do Eduardo Cunha; enquanto foi aliado fiel, a blogosfera nunca se preocupou com o prontuário criminal do deputado, mas bastou o sujeito esboçar um posição de legitimamente postular a presidência do câmara, para o blogueiro ir rapidinho procurar os antecedentes criminais do adversário. Coisa ética e honesta, né!

          Miguel do Rosário

          13 de novembro de 2014 às 16h42

          cunha nunca foi considerado santo. é evidente que a atenção cresce quando o sujeito quer assumir cargo de maior responsabilidade. é obrigação da blogosfera e deveria ser da imprensa em geral em apurar quem é a pessoa.

          quanto à turma, você esqueceu sim. todos esses auferem poder dos meios de comunicação em seus estados. são donos ou aliados dos donos das empresas que retransmitem a globo, o sbt e a band.

          seu poder vem da mídia e do voto. não do pt, que eles apenas suportam porque ganhou as eleições.

Adriana Moraes

12 de novembro de 2014 às 17h15

Agora já está abrindo

Responder

Celia Maria Rodrigues Silva

12 de novembro de 2014 às 17h12

Compartilhado.

Responder

Madá Oliveira

12 de novembro de 2014 às 16h13

Não abre a página…

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina