Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Temperatura cai em Brasília

Por Miguel do Rosário

03 de setembro de 2015 : 11h50

Análise Diária da Conjuntura Política – 03/09/2015

A fervura diminuiu visivelmente em Brasília esta semana. Difícil fazer previsões se voltará a subir nos próximos dias ou semanas, ou se a tendência é a estabilidade, mas eu apostaria na última opção. O encontro entre Dilma e Eduardo Cunha significou, aparentemente, uma trégua importante para o governo.

Infere-se de reportagem publicada no jornal Globo, sobre recusa de Michel Temer a pedido de Dilma para que este continuasse à frente da articulação política do governo que a imprensa faz um trabalho cuidadoso para intrigar o vice presidente contra Dilma.

É uma intriga que, a se acreditar na própria imprensa, tem o auxílio luxuoso de Aloisio Mercadante, ministro chefe da Casa Civil.

Os jornais mencionam irritação de Temer contra o fato de Dilma ter se encontrado diretamente com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e o líder do PMDB entre os deputados, Leonardo Picciani, sem consultá-lo.

Se os fatos procedem, a irritação de Temer também procede, mas não há razão para acreditar que seja uma irritação muito grande, porque a iniciativa de Dilma deu bons resultados para um distensionamento político que é desesperadamente desejado por todos os agentes econômicos.

A decisão do Senado de aprovar uma reforma política que proíbe doação de empresas representa, por sua vez, uma interessante guinada à esquerda, que marca um afastamento enorme do que acontece na Câmara.

O Valor chega a usar o termo “reviravolta” em reportagem sobre o assunto.

O site do Senado informa que a Operação Zelotes, que investiga esquemas multibilionários de sonegação, está realizando esta manhã uma série de buscas e apreensões.

Qualquer notícia sobre a Zelotes é favorável ao governo, porque o ajuda a oferecer uma outra narrativa à opinião pública, de que é um governo no qual a Polícia Federal opera com autonomia e independência.

No campo da Lava Jato, operação cuja narrativa é dominada completamente pela mídia de oposição, o depoimento de Marcelo Odebrecht na CPI da Petrobrás também foi favorável ao governo, porque o executivo não fez nenhuma acusação a nenhum membro do alto escalão, como queria oposição.

A agenda política está consumida pelo noticiário econômico negativo, o qual, paradoxalmente, parece acalmar a mídia. Quanto mais notícia ruim no campo da economia, mais felizes parecem ser o editoriais da grande imprensa, e, ironicamente, mais suave o tom das críticas ao governo.

A presidenta fez uma jogada intrigante ao enviar ao Congresso um orçamento com déficit de 30 bilhões. Houve críticas, mas a transparência agradou a todos. Cunha ameaçou devolver o Orçamento, mas Renan rapidamente rebateu que isso não vai acontecer, e que o congresso vai ajudar sim ao governo a resolver o impasse.

Na Folha, o boato sobre desconforto de Levy à frente do ministério da Fazenda foi a manchete da manhã, mas a matéria toda recende a jogo político visando fortalecer o ministro diante dos ataques do próprio PT à política econômica.

No Economist, há matéria dura contra a política econômica do governo Dilma, mas o tom é condescendente, quase compreensivo. Sobra ainda uma repreensão sutil à postura golpista da oposição: “Muitos, tanto na oposição quanto entre supostos aliados, estão disperdiçando energia tentando derrubar Dilma, ao invés de encontrar um jeito de corrigir o Orçamento”.

No fundo, o mercado está satisfeito com a guinada conservadora do governo Dilma. Ao fim, a revista britânica admite que, apesar da melhor solução ser o corte de despesas, a Constituição brasileira determina investimentos obrigatórios nas áreas essenciais. De maneira que a solução viável para resolver o déficit é mesmo o aumento de impostos, possivelmente até mesmo a famigerada CPMF.

O governo conseguiu, portanto, mudar a pauta, antes restrita a capacidade ou não da presidente para gerir as questões políticas. A própria presidenta passou a se envolver mais na política e o país agora discute seus problemas econômicos, não mais a legalidade incontestável da soberania do voto.

Outra notícia publicada no Globo de hoje, sobre a proposta do Ministro do Planejamento, de extinguir 15 ministérios, reflete uma maior desenvoltura do governo. É uma pauta conservadora, para agradar o setor conservador da sociedade, mas já é alguma coisa ver o governo ter uma postura assertiva. O número excessivo de ministérios, apesar de não significar necessariamente gastos maiores, dificulta a gestão política do governo e dilui a autoridades dos ministros, jogando pressão política demasiada sobre uma presidenta sem grande apreço pela política.

O golpe hondurenho de Gilmar parece ter sumido da imprensa desta quinta-feira, e a decisão do Senado de proibir verba de empresa nas campanhas eleitorais ajuda a isolá-lo ainda mais, visto que foi ele quem segurou, por mais de um ano, um pedido de vistas num julgamento no STF sobre exatamente essa questão.

No Globo, Merval Pereira parece ressentido com a decisão dos agentes econômicos e de seu próprio patrão de não defenderem o impeachment. Sua coluna de hoje envereda por uma crítica repetitiva, mal ajambrada sintaticamente, com excesso de adjetivos, à presidenta Dilma. O jornalista perdeu o timing do momento, e finge não ver que a presidenta voltou a mostrar alguma capacidade de articulação política.

No Tijolaço, Fernando Brito escreveu ontem sobre a relação entre o doleiro Alberto Youssef e o jatinho sem dono de Eduardo Campos. É uma história estranha, que merece ser mais apurada, e pode dar pano para manga nas próximas semanas.

O PSDB também não conseguiu ainda reagir satisfatoriamente à notícia, publicada na grande mídia (embora sem aquele viés editorialmente agressivo que caracteriza qualquer notícia contra o PT), de que o TSE denuncia o misterioso desaparecimento de alguns milhões de reais da campanha presidencial de Aécio Neves. O fato desses mesmos milhões terem sido doações de empresas envolvidas na Lava Jato evidenciou, por sua vez, a parcialidade partidária de Gilmar Mendes, que se porta como leão diante de suas suspeitas contra a campanha de Dilma, e como gatinho ronronante diante das mesmas suspeitas contra a campanha de Aécio.

Temos, por fim, duas notícias importantes que mostram uma interessante mudança na conjuntura. Uma é o pedido da Polícia Federal ao ministro Teori para continuar investigando o senador Anastasia, pupilo de Aécio Neves. Outra é a fala do governador de Permabuco – principal estado controlado por um PSB até então pendente para o lado da oposição – posicionando-se contra o “golpe paraguaio”.

O uso do termo “golpe paraguaio” ilustra bem que a semântica do golpe se consolidou. E nenhum político responsável quererá ter seu nome inscrito na história como aliado desse tipo de rasteira contra a democracia.

Os governadores se mostram hostis ao debate sobre o impeachment da presidenta Dilma, também por intuírem que a jurisprudência provocaria insuportável instabilidade política em todas as federações. Qualquer governador, qualquer prefeito, poderia ser derrubado por firulas jurídicas similares às que Gilmar tenta usar para prejudicar a presidenta.

As alas rebeldes do PMDB, por exemplo, estão começando a ser enquadradas pelos governadores e prefeitos do próprio PMDB, liderados por Pezão e Eduardo Paes, titulares dos principais orçamentos controlados pelo partido. Como Pezão e Paes, além de muitos outros governadores e prefeitos, apoiaram com muita ênfase as duas eleições de Dilma, não poderão vender a seus eleitorados que a culpa de todos os problemas econômicos vividos pelo país é exclusivamente da presidenta. Se fizerem isso, serão varridos do mapa nas próximas eleições de 2016 e 2018.

A postura mais calma de Eduardo Cunha e a disposição de Leonardo Picciani de se reunir com a presidenta, já devem ser resultado dessa articulação liderada pelo governador do Rio para que o PMDB ajude o governo a ter sustentabilidade política no Congresso Nacional, levando para ainda mais longe os fantasmas do impeachment (golpe paraguaio) ou da cassação eleitoral (golpe hondurenho).

O golpômetro do Cafezinho, portanto, cai mais uns dois pontos nesta quinta-feira, estacionando em 6 pontos, numa escala de 1 a 20.

Na Reuters, temos duas notícias suavemente positivas. Uma delas diz que a situação melhorou um pouco no setor de serviços: a atividade parou de cair no ritmo com que vinha caindo.

A outra é sobre a inflação em São Paulo, que caiu. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo encerrou agosto com alta de 0,56 por cento, bem inferior aos 0,85 registrados no mês anterior. A queda foi puxada pelo grupo Alimentação, que registrou deflação de 0,52% em agosto, ante uma alta de 1,33% em julho.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

José Eduardo Inácio Medeiros

10 de setembro de 2015 às 14h05

#CunhaNaCadeia

Responder

José Eduardo Inácio Medeiros

10 de setembro de 2015 às 14h04

#CunhaNaCadeia

Responder

Layla

04 de setembro de 2015 às 11h31

Essa trégua beneficia a todos os governos e governantes. Nesse momento de crise, o ideal são as forças se unirem, pois só assim o Brasil voltará a crescer.

Responder

Carvalho Bruno

04 de setembro de 2015 às 10h37

Mermao. So se for na politica. Aqui ta quente pra car***

Responder

Thessa Guimarães

03 de setembro de 2015 às 22h52

Osvaldo Herrera

Responder

João Ricardo Maron

03 de setembro de 2015 às 17h31

UMA PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR
Porque a MÍDIA não deu nenhum destaque para a decisão do senado acabando definitivamente com o financiamento empresarial de campanha. O que vimos como destaque na imprensa foi o polêmico projeto que proíbe as minissaias nos corredores do congresso.
74% do povo brasileiro já manifestou ser contrário ao promíscuo financiamento de empresas para políticos, mas a GRANDE MÍDIA, o GILMAR que não de devolve, o CUNHA e os demais DEMOTUCANALHAS não interessam acabar com a raiz da corrupção pública. A imprensa não interessa mostrar quem são os políticos que são a favor da continuidade sistêmica da principal fonte da corrupção no país.
VEJAM os principais partidos e nomes que não querem ficar sem o dinheirinho sujo para irrigarem as suas sujas campanhas: PSDB do AÉBRIO NEVER, ALOÍSIO TREZENTOS MIL, ALCKMIN, SERRA, PERILLO, BETO RICHA, TASSO JEREISSATI, ANASTASIA, CASSIO CUNHA, FLECHA RIBEIRO, ALVARO DIAS amigo e padrinho do YOUSSEF, FHC e CIA LTDA. DEM do CAIADO afogado em uma CACHOEIRA exalando enxofre e a alma coberta pelas cinzas do inferno, AGRIPINO UM MILHÃO e a cumpanheirada dos REVOLTADOS ON LINE, KATAGURI e demais paneleiros.
Traduzindo: O que é bom para o povo não interessa para a MÍDIA e os conservadores da fome e da miséria do povo brasileiro. Esse golpe não faz parte do SCRIPT. Isso não interessa e não vem ao caso.

Responder

Eduardo Santtos

03 de setembro de 2015 às 17h26

Cairia muito mais se o governo cortasse seus gastos.

Responder

José Mauro Silva

03 de setembro de 2015 às 16h13

Três pilantras

Responder

José Mauro Silva

03 de setembro de 2015 às 16h12

Responder

Nancy Soares

03 de setembro de 2015 às 15h59

Safadeza em andamento?

Responder

Marcos Antonio S. da Silva

03 de setembro de 2015 às 14h56

Trio de pilantras

Responder

Ricardo Edmundo Cecconello

03 de setembro de 2015 às 14h55

MILAGRE DE DEUS DOS TUCANOS PROVADO EM JOÃO PESSOA?

Você sabia que já choveu dinheiro vivo na Paraíba João Pessoa?

É vero.

Para evitar ser pego pela Polícia Federal, um lacaio capanga comparsa da corrupção tucana do político suspeito de ser ladrão. Cassio Cunha Lima, senador pelo povo paraibano, jogou 480 mil reais do alto de um edifício, para escapar do flagrante da policia federal..

Quem era o JUIZ instrutor do caso “CASSIO CUNHA LIMA”, o vigarista da vez? Claro que era o Sergio Fernando Moro, que por sua vez engavetou o processo até hoje.

POR QUE SERÁ QUE O CASO DORME EM BERÇO ESPLÊNDIDO DAS GAVETAS DA JUSTIÇA MORISTA?
Será que a mala preta da propina correu célere, para evitar o andamento das investigações?

Imaginem se o João Vaccari jogasse dinheiro fora do alto do edifício petista?

Este Brasil está uma merda, desde o Gilmar até o Moro?

https://www.brasil247.com/pt/247/poder/188829/STF-pode-investigar-Cunha-Lima-por-dinheiro-voador.htm

Responder

Marcos Portela

03 de setembro de 2015 às 14h54

NÃO é BRINCADEIRA NÃO, são BILHÕES de REAIS movimentados pela QUADRILHA MAÇONICA dos SONEGADORES da MÍDIA, MARAJÁS do JUDICIÁRIO, CORRUPTOS do PSDB/DEM e NARCOTRAFICANTES do HELICOCA, não é de se estranhar o grande empenho do CARTEL da MÍDIA (Globo, Veja, IstoÉ, Época, Folha, Estadão…) em querer desestabilizar o GOVERNO.

Bravo POVO e DIRIGENTES brasileiros, que RESISTEM ao COVARDE ATAQUE das MAZELAS CRIMINOSAS DA MÍDIA, dos MARAJÁS da JUSTIÇA e dos CORRUPTOS do PSDB e DEM, que por TEMEREM enfrentar o LULA em 2018 tentam TOMAR o PAÍS de ASSALTO.

Responder

    Asdrubal Caldas

    03 de setembro de 2015 às 16h15

    Marcos Portela> eu nem vou comentar nada sobre o que você postou. Nem a favor e nem contra, mesmo porque desconheço o assunto, e tenho por hábito responder pelo penso, falo, ou escrevo. Agora fica esperto que o cântaro tantas vezes vai à fonte que um dia ele se quebra. E você esta acusando muitas instituições, e pessoas. De repente você recebe um processo nas costa, e vai ter que provar tudo o que postou. E é nesta hora que a barba costuma crescer. Só uma informação que você talvez desconheça sobre o seu guru, o Rei Lula: Dizem que tem uma pesquisa, cujo resultado diz que, se o Lula se candidatasse hoje, dificilmente ela ganharia até mesmo para síndico. Até mesmo do prédio em que ele mora. O dó!!!!

    Responder

      Marcos

      04 de setembro de 2015 às 02h29

      Asdrúbal Caldas, essa pesquisa a que você faz alusão, segundo a qual o Lula não ganharia hoje nem para síndico de prédio, deve ter sido feita pelo seríssimo e imparcialíssimo Instituto Dataprado (do ilustre e nobre Professor Hariovaldo de Almeida Prado). KKKKKKK

      Responder

        Asdrubal Caldas

        04 de setembro de 2015 às 22h09

        Marcos Portela> Obrigado por você se preocupar em trazer-me a informação de que realmente a pesquisa existe, e inclusive trazer o nome do autor da pesquisa.

        Responder

Deixe um comentário