Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Um dia bom para o governo

Por Miguel do Rosário

02 de outubro de 2015 : 16h05

Análise Diária de Conjuntura – 02/10/2015

O governo parece, finalmente, ter dado uma dentro.

A reforma ministerial entregou o que prometia: estabilidade. 

O dólar caiu fortemente, e agora está cotado em R$ 3,95.

As ações das empresas brasileiras voltaram a subir. O Ibovespa está crescendo mais de 2% nesta sexta-feira.

As ações da Petrobrás estão registrando alta de quase 7% na Bovespa e quase 10% na bolsa de Nova York.

O mercado parece ter se cansado das conspirações midiático-judiciais da república do Paraná.

O dólar não caiu apenas por conta da estabilidade política, mas porque os fundamentos da economia brasileira permanecem sólidos.

Ontem, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgou o resultado da balança comercial de setembro.

O dólar favorável fez com que o Brasil registrasse o maior saldo na balança, para meses de setembro, desde 2011: quase US$ 3 bilhões.

As últimas “bombas” contra Lula apenas mostram um presidente defendendo os interesses das empresas nacionais.

O regime do terror francês tinha lideranças que sabiam falar ao povo.

Nossos jacobinos de direita do judiciário e do Ministério Público preferem dar palestras gratuitas para dondocas de São Paulo e frequentar os eventos de João Dória.

As manchetes sobre a decisão da presidenta de reduzir o próprio salário e o de ministros tem enorme potencial para melhorar a sua popularidade.

O novo ministério encaixou-se perfeitamente às necessidades do momento.

Na Câmara, o deputado Wadih Damous assumiu a vice-liderança do PT, mas há tempos que Damous exerce – naturalmente – uma quase que liderança virtual do partido.

Isso também é um bom sinal, porque Damous é um quadro de enfrentamento: está na linha de frente na batalha contra as conspirações judiciais.

Com Damous temos certeza de que, se a oposição levar adiante uma tentativa de golpe parlamentar, haverá reação à altura da bancada governista.

Eduardo Cunha já foi denunciado por quatro ou cinco delatores e as autoridades suíças informaram que o deputado controla no mínimo quatro contas naquele país. Contra todas as evidências, Cunha continua negando, mas já perdeu a blindagem na mídia.

A fragilidade de Cunha está diretamente relacionada ao fortalecimento de Dilma, e quem criou essa relação foi o próprio Cunha, quando tentou desviar o foco das denúncias contra si partindo para o ataque contra o governo.

Eduardo Cunha, antes de cair em desgraça, participou de uma estranha reunião a portas fechadas com editores do jornal O Globo.

A reunião vazou para o Cafezinho, enfurecendo Merval Pereira, que tentou – infantilmente, e quiçá criminosamente – se vingar fazendo um post contra o blog.

Nada como um dia após o outro.

Enfraquecido, Cunha não tem condição moral para liderar um golpe contra o voto de 54 milhões de eleitores.

O cargo de Dilma não pertence ao congresso, nem à mídia, nem a própria presidenta.

O cargo é do povo, e somente o povo pode tirá-la.

A única maneira legal de passar um impeachment contra a presidenta é se for provado que ela cometeu um crime, e que a responsabilidade seja atribuível a ela individualmente.

E não há nada contra a Dilma.

O golpômetro desabou seis pontos nesta sexta-feira.

ScreenHunter_79 Oct. 02 15.12

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

22 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Monica Figueiredo

03 de outubro de 2015 às 22h30

Olha! Fica esperto heim!! Dilma Bolada perdeu a boquinha.Vc poderá ser o próximo!

Responder

Vilma Maria Fernandes

03 de outubro de 2015 às 20h26

Parabéns Dilma, vencendo o ódio.

Responder

Irene Lengler

03 de outubro de 2015 às 20h21

Que alívio ! Voltamos a respirar !!

Responder

Marcio Morais Morais

03 de outubro de 2015 às 18h26

Dia bom para o Governo. Que preço vamos pagar? gasolina de novo?

Responder

Célia Nadir Anselmi

03 de outubro de 2015 às 13h33

Onde isso? Em Marte?

Responder

Diego

03 de outubro de 2015 às 09h56

SÓ PRA RELEMBRAR: ZELOTES R$ 565 BILHÕES

COMO RASTREAR ESSES LADRÕES? CPMF!

http://democraciapolitica.blogspot.com.br/2015/09/os-misterios-da-operacao-zelotes.html

Responder

helio

03 de outubro de 2015 às 08h17

“03/10/2015 | 00:01 | Dinheiro Vivo-No ano passado, 46,3% das empresas do sector não financeiro a operar em Portugal – cerca de 1,1 milhão de entidades – apresentaram prejuízos ou resultados líquidos nulos. Em todo o caso, a situação está um pouco melhor face a 2013, ano em que 47,7% do universo empresarial teve resultados negativos ou nulos. Problema: o endividamento excessivo e o incumprimento bancário continuam a ser uma dor de cabeça.”

Responder

Vitor

02 de outubro de 2015 às 22h55

O que a reforma entregou foi simplesmente a SAÚDE do Brasil pra um cara que ninguém conhece…
Vergonha! Vergonha! Vergonha!

Responder

    Anônimo

    03 de outubro de 2015 às 06h07

    Calma, calma, calma. Os corruptos do PMDB estão se detonando sozinhos.

    Responder

      Vitor

      03 de outubro de 2015 às 13h20

      Acorda! No PMDP, quando se destrói uma cabeça, surgem outras no lugar…. A Dilma acabou de matar o sonho de um governo progressista. Hj em dia soh petista fanático defende. E olhe lá! Defender esse governo e ser de esquerda são coisas incompatíveis…. Mas muitos se recusam a enchergar a realidade….

      Responder

Frederico Freder

03 de outubro de 2015 às 01h26

Mas é bom que o dólar continue alto, pois a balança comercial ganha com isso. Em contrapartida produtos importados e viagens ao exterior ficam com um preço menos atraente.

Responder

Claudio Manoel Silva

03 de outubro de 2015 às 01h16

O que mais de bom? Para a presidente? Economia e governo?

Responder

Washington Denuzzo

02 de outubro de 2015 às 23h41

Isso dura pouco, tem o TCU semana que vem. Uma merda esse Nardes.

Responder

Mario Neto

02 de outubro de 2015 às 23h22

Tomara que nos que apoiamos ela tenhamos paz a partir de agora

Responder

Antonio Felipe Gonçalves

02 de outubro de 2015 às 23h21

Mas o outro lado já acionou o “isento” TCU que já emitiu parecer pela reprovação, dando “assunto” para os jornais abafarem a reforma.

Responder

Fabio Lima

02 de outubro de 2015 às 23h20

Natália Cindra, Renato Almada,

Responder

Francisco Alonso Ferrer

02 de outubro de 2015 às 23h13

Vejo que o governo tem tentado tudo para acertar e como a oposição estava acirrada parecia que estava tudo errado, o quadro mudou com novos surgimento das denúncias e consistentes enfraquecendo os opositores. Parabéns Dilma, vai comendo pela berada, tu é valente.

Responder

Sidney Lopes

02 de outubro de 2015 às 23h11

Thank God it´s friday !!!! hehehe

Responder

Gustavo Lima

02 de outubro de 2015 às 23h05

P BRASILEIRO E Q ESTA OTIMO

Responder

Aldo

02 de outubro de 2015 às 19h42

É preciso desarmar os golpistas corruptos do TCU e TSE ainda. Depois que Dilma tira o Tucanalhas Cardozo do Ministério da Justiça e coloque Wadhi Damous como ministro da Justiça para que ele desmonte a armação golpista dos delegados tucanos da PF na Lava Jato.

Responder

Roque

02 de outubro de 2015 às 17h15

Fico pensando no que se pretendia fazer do começo do ano até agora. Que cacaca!

Responder

João de Azevedo

02 de outubro de 2015 às 16h29

Esta é a reforma Ministerial que a presidenta Dilma já deveria ter feito no final do ano passado.

Precisou chegar ao fundo poço, para ver que o Sr. Mercadante sempre foi um ponto de discórdia.
Não tem jogo de cintura, parte sempre de imediato para o enfrentamento.

Só não gostei da troca no Ministério da Educação.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina