Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Os exércitos se preparam

Por Miguel do Rosário

06 de janeiro de 2016 : 19h50

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

Análise Diária de Conjuntura – Tarde – 06/01/2016

Em Souvenirs, suas memórias sobre a revolução de 1848, que derrubou, dessa vez para sempre, a monarquia francesa e reinstituiu a república, Tocqueville fala sobre um grupo de deputados da oposição que resolveram rodar o país organizando comícios populares para defender reformas eleitorais e políticas.

Tocqueville diz que não quis se juntar às iniciativas porque viu logo o perigo que elas representavam. Os deputados estavam criando uma agitação que não poderiam controlar. Os temores do pensador seriam rapidamente confirmados, pelos próprios deputados de oposição, que ficaram assustados com a mobilização popular suscitada pelos encontros que eles mesmos haviam organizado.

A mesma coisa vale para a oposição de hoje. A Globo já está ficando com medo, porque sabe que o clima de enfrentamento acaba se voltando, à esquerda e à direita, contra ela: é o preço de estar no centro de um oligopólio, de ser um elemento de poder ainda mais visível do que o PT. O PT governa porque foi eleito, e nem sempre governou, e nem sempre governará. A Globo tira seu poder de um passado sombrio, de apoio a uma ditadura, e há 40 ou 50 anos que “governa” o país, dominando a sua agenda política.

[/s2If]

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Atenção, você não está logado como assinante. Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (na coluna da direita; ou abaixo da seção de comentários, se você estiver lendo pelo celular). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho. Se já foi um assinante, temos promoções especiais. Qualquer dúvida, entre em contato com a Thamyres, no assinatura@ocafezinho.com. [/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

Não dá para comparar o Brasil com Venezuela ou Argentina, porque os governos petistas não criaram narrativas politizadoras.

Ilimar Franco (foto), principal colunista político do jornal O Globo – sobretudo após a degeneração de Merval Pereira, convertido num vulgar e radicalizado polemista de oposição -, abre seu texto de hoje com nota onde não se esconde o medo dos conflitos:

A guerra nas ruas?

A oposição e aliados do governo preparam manifestações para o mês de março. Uns querem colocar fogo no circo. Outros, colocar água na fervura. Por isso, entre os políticos já há quem tema um confronto, acima do tom normal, entre as torcidas. Argumentam que os conflitos corriqueiros entre pessoas físicas, que se repetem ao longo desses meses, podem descambar para confrontos coletivos.

Em entrevista para a Rede Brasil Atual, o presidente da CUT, Vagner Freitas, já avisou que a central vai investir pesado em mobilizações de rua, tanto para pressionar o governo a não ceder às chantagens do mercado, quanto para demonstrar força contra tentativas de golpe por parte de setores da direita política.

Os movimentos sociais, incluindo as centrais, parecem ter encontrado um ponto-de-equilíbrio na relação entre si e na relação com o governo. Elas defendem a permanência do governo, criticam o conservadorismo, rechaçam o golpe, e reinvindicam avanços na política econômica.

Ironicamente, esse ponto-de-equilíbrio, coisa tremendamente difícil no campo da esquerda, foi atingido por causa dos excessos da direita: manifestações em defesa de intervenção militar, de impeachment, cartazes desejando morte de adversários, histerias irracionais contra a esquerda e mesmo contra a cor vermelha, e, por fim, pela existência da figura de Eduardo Cunha, que é uma invenção da ala golpista do PMDB, do PSDB e da Globo.

Nesta sexta-feira, haverá manifestações contra o aumento dos transportes. Aí teremos um elemento surpresa, porque são protestos chamados por grupos não alinhados nem ao governo nem à oposição. Só que dificilmente haverá repetição de 2013, quando aconteceu a junção de todos os grupos: esquerda, direita e desorganizados, contando até mesmo com o apoio da grande mídia, durante um período.

Desta vez, a mídia terá dificuldade de manipular os manifestantes, porque estes agora estão mais conscientes dessa armadilha, vide a campanha da Globo em prol da criminalização dos protestos de 2013, quando estes começaram a fugir ao controle da narrativa platinada e começaram a tomar feições um pouco mais organizadas, sociais e trabalhistas.
[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Maria Regina Novaes

07 de janeiro de 2016 às 12h57

Grobo ferrada…já sabia!

Responder

Rodolfo Souza

07 de janeiro de 2016 às 03h30

que noticia mais infame!!! se preparam pra que???

Responder

Beto Valente

07 de janeiro de 2016 às 01h12

Cansei desse requentado !

Responder

Clebis Filho

07 de janeiro de 2016 às 00h04

Essas “meias notícias” de o cafezinho é foda …o tal de “Atenção vc não esta logado como assinante” na metade da reportagem tá por fora!! Corre atrás de patrocínio e da a porra da notícia por inteiro…C*!!!

Responder

    Marcos Milan

    07 de janeiro de 2016 às 00h26

    Concordo! O Tijolaço consegue “colaboradores” de forma mais simpática. Vou retirar o cafezinho do meu feed de notícias…

    Responder

    O Cafezinho

    07 de janeiro de 2016 às 03h36

    Não é notícia. É análise de conjuntura. E como assim correr atrás de patrocínio?

    Responder

    Clebis Filho

    07 de janeiro de 2016 às 12h07

    Meu filho falo de todos os textos, chame-os como quiser, notícia, informação, análise, opinião. Põe um milhão de visitas no seu site pra vc vê se não aparece dinheiro.. mas ao invés disso vc cria desinteresse dos leitores. Não há por que pagar por informação na internet amigo! A grana tem que vir de quem quer ser visto e não de quem quer ver..abç

    Responder

    Fabio Monteiro

    07 de janeiro de 2016 às 23h00

    O Cafezinho que bela “análise” ein?
    tenha vergonha na cara meu filho.

    Responder

Arivonaldo Jose Da Silva Ari

07 de janeiro de 2016 às 00h03

Faz mais de 6 meses que o exército se prepara.Cade em

Responder

Deixe um comentário