Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Jornalistas da Globo e Record se unem em protesto contra reajuste salarial de apenas 5%

Por Redação

11 de janeiro de 2016 : 13h03

Jornalistas da Globo e Record se unem em protesto com sapatos usados

por Daniel Castro, no Notícias da TV

Jornalistas da Globo e da Record em São Paulo se uniram e farão nesta terça-feira (12) um protesto silencioso contra a proposta das emissoras de reajuste salarial para a categoria. Os profissionais já juntaram 70 pares de calçados usados e vão distribuí-los em frente ao Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Estado de São Paulo, onde uma reunião será realizada. Os jornalistas estão inconformados com a proposta das emissoras de reajustar salários em apenas 5%, quando a inflação anual bateu nos 11%.

A ideia foi copiada de um protesto realizado no final de novembro em Paris. Impedidos de realizar a Marcha pelo Clima, por questões de segurança, ambientalistas dispuseram centenas de pares de calçados na Praça da República, na capital francesa.

Aos pares de sapatos, tênis e chinelos, os jornalistas de TV de São Paulo vão anexar etiquetas com o tempo de casa do dono do calçado. A ideia é mostrar aos representantes dos patrões que eles ralam a sola do sapato pelas empresas e merecem mais consideração.

As emissoras alegam que não podem conceder reajuste maior do que 5% porque todas tiveram queda nas receitas no ano passado. Na média, as emissoras faturaram 8,5% a menos do que em 2014, o que resulta em uma perda de receita equivalente a toda a arrecadação anual do SBT (R$ 1,063 bilhão).

O argumento não sensibiliza os jornalistas engajados. Eles afirmam que, mesmo com a queda no faturamento, as emissoras continuam muito lucrativas. Lembram que somente a Globo teve um lucro líquido de R$ 2,4 bilhões em 2014. E não acham justo um reajuste de metade da inflação em um mercado em que as estrelas da categoria ganham centenas de milhares de reais.

“Foi uma proposta ofensiva”, resume André Freire, secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo. A data-base dos jornalistas é 1º de dezembro.

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

36 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcelo Romeiro

13 de janeiro de 2016 às 18h20

Jornalista conformado é jornalista mercado. Seu choro agora é o mais odiado deste a época da ditadura, aliás sua corrente profissional sempre foi a do povo,mas preferiu ficar no gourmet de urubu.

Responder

Paulo Quadros

13 de janeiro de 2016 às 11h33

KKKKKKKKKKKKKK!!!!
Com as matérias que eles fazem!!!
Foi muito!!!

Responder

Paulo Quadros

13 de janeiro de 2016 às 11h33

KKKKKKKKKKKKKK!!!!
Com as matérias que eles fazem!!!
Foi muito!!!

Responder

Paulo Quadros

13 de janeiro de 2016 às 11h33

KKKKKKKKKKKKKK!!!!
Com as matérias que eles fazem!!!
Foi muito!!!

Responder

Maria Do Rosário Brandão Nogueira

12 de janeiro de 2016 às 14h22

Bem feito.

Responder

Luzeneide Fernandes

12 de janeiro de 2016 às 13h37

A Record vive imitando a Globo em tudo !

Responder

Rodrigo Moreira de Almeida

12 de janeiro de 2016 às 11h09

E agora, chama o sindicato? Malditos comunistas!!! kkkkkkkkkk

Responder

Milton Quadros

12 de janeiro de 2016 às 06h48

Talvez agora seja tarde, principalmente para os globais. Já “baixaram as calças” escrevendo o que o patrão pede, fazendo um jornalismo capacho, tipo pena alugada, e o respeito próprio, dos patrões e da sociedade que pensa já não existe.

Responder

Maria Lucia Barbao

12 de janeiro de 2016 às 04h02

Na época do FHC bancários tiveram menos do que isso.

Responder

Luiz Fernando Souza Lima

12 de janeiro de 2016 às 03h43

Para o que else fazem, é até muito.

Responder

Gustavo Dias

12 de janeiro de 2016 às 02h19

Poxa mas tiraram selfie com a mamãe e tudo. Pede um aumento justo pra ela

Responder

Mariana G Albuquerque

12 de janeiro de 2016 às 02h06

Então. …Eles tiver 5% e os servidores públicos q eles tanto abominam, falam mal nenhum centavo de aumento!

Responder

Lya Gomes Monteiro

11 de janeiro de 2016 às 22h36

Marcelo Monteiro

Responder

Antenor Nicolau

11 de janeiro de 2016 às 22h07

Eles tem mais q se fuderem, tudo baba-ovo, pode ser q agora aprendam….

Responder

Ana Oliveira de Lima

11 de janeiro de 2016 às 21h23

Escreveu e não leu o pau comeu!

Responder

Dilton Marinho Dos Santos Filho

11 de janeiro de 2016 às 21h07

“Quem muito se abaixa, o cu aparece”! Ditado antigo.Isso era totalmente previsível. Os caras abrem todas as falas com “Apesar da crise”, e achavam que o patrão não iria se prevalecer dessa prerrogativa na hora do reajuste? Quanta ingenuidade! Hahahahahahahahaha!

Responder

Mário Slomp

11 de janeiro de 2016 às 20h21

o problema é que boa parte deles se acha amigo dos patrões. Quem sabe para o William Wack o reajuste seja maior. Ele quase tem orgasmos quando fala em crise. Bem feito, baixou o caixa das emissoras. Aprenderam agora o que é o PIG ??

Responder

L@!r M@r+35

11 de janeiro de 2016 às 16h56

Se demitirem TODOS, só vou lamentar pelo impacto nas contas públicas gerado pelos saques no seguro desemprego. No mais, esses lambe-botas de patrão que ajudaram a afundar o país podem ir pra rua que eu não vou derramar uma lágrima!

Responder

Murillo Paiva

11 de janeiro de 2016 às 17h50

Quem sabe eles agora reajam mais às ordens dos patrões. Talvez passando um pouco de necessidade, eles aprendam a ser menos parciais em suas reportagens.

Responder

Teresa Cristina Matos

11 de janeiro de 2016 às 17h29

Olha aí o feitiço indo contra os feiticeiros!?

Responder

Tiago Morais

11 de janeiro de 2016 às 17h18

pelo ‘jornalismo’ q fazem, deviam ser todos demitidos, extintos.

Responder

Edna Mariney

11 de janeiro de 2016 às 17h12

Achépouco!!!

Responder

Antonio Almeida

11 de janeiro de 2016 às 17h06

Quando o povo tomar consciência do quanto esses jornalistas do PIG são prejudiciais ao país, eles não irão reclamar do índice de aumento porque estarão desempregados.

Responder

Jorge Espindula

11 de janeiro de 2016 às 17h06

Kkkkkkkkkkkkkk

Responder

Meire Souza

11 de janeiro de 2016 às 17h02

Em Natal, jornalistas da afiliada da globo fizeram protestos contra baixo salário no ano passado vestindo preto. Resultado: demissão de um apresentador local.

Responder

Guilherme Marques

11 de janeiro de 2016 às 16h59

Este protesto deveria ser com capachos. Combina mais

Responder

Marcos Brito

11 de janeiro de 2016 às 16h39

Responder

Nelzi Costa

11 de janeiro de 2016 às 16h36

Eles vão é para rua……

Responder

Rogerio Martins Ererré

11 de janeiro de 2016 às 16h26

A jagunçada quer mais e está se organizando….

Responder

Paulo Alves Monteiro

11 de janeiro de 2016 às 16h25

Semearam vento , estão colhendo tempestade !

Responder

André Márcio Soares

11 de janeiro de 2016 às 16h08

Tão reclamando agora é?

Responder

Moema Barreira Costa

11 de janeiro de 2016 às 16h03

É a crise, tão difundida por eles!!

Responder

Josinaldo Sobreira

11 de janeiro de 2016 às 16h02

Já estava na hora!

Responder

Carlinhos Damásio

11 de janeiro de 2016 às 15h44

O dos professores do Estado do RJ foi 0%…

Responder

Rodrigo

11 de janeiro de 2016 às 13h29

Para aqueles que malham as reivindicações salariais todos os dias!!
Irônico, não?

Responder

Deixe um comentário