Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Luís Roberto Barroso, o padrinho da PEC 55

Por Redação

14 de dezembro de 2016 : 09h35

A PEC do Teto foi criada, discutida e votada em menos de um ano. Muito pouco tempo para uma medida que altera o texto da constituição e que sequer contou com o aval de sindicatos e movimentos sociais. “Justifica-se”: O ministro do STF Luís Roberto Barroso foi relator da PEC 55 na Corte. Ele barrou as discussões jurídicas que questionavam a constitucionalidade da medida.

No Justificando

Ao negar todos os mandados de segurança, Barroso foi o “padrinho” da PEC do Teto

A Proposta de Emenda Constitucional que congela os gastos do governo por vinte anos, incluindo os que se referem aos direitos sociais, foi aprovada em segundo turno pelo Senado Federal na tarde desta terça (13). A medida, que é contestada por todas as entidades de direitos humanos, instituições de justiça e por diversos economistas, tem seu grande padrinho no Supremo Tribunal Federal: o ministro Luís Roberto Barroso.

Por ser relator da matéria na Corte, Barroso teve o privilégio de barrar todas as discussões jurídicas que apontavam inconstitucionalidade da medida. Uma série de mandados de segurança impetrados por parlamentares foi liminarmente rejeitada pelo ministro que desde a primeira decisão se mostrou politicamente favorável à PEC.

Em outubro, a então PEC 241 – número atribuído na Câmara dos Deputados – foi contestada por parlamentares que apontaram que ela atingia a força normativa da Constituição, uma vez que esvaziava os direitos sociais e, além disso, interferia nos outros poderes, pois estrangulava o orçamento público e impedia a organização dos mesmos.

Ao decidir o mandado de segurança, o ministro rejeitou os argumentos (leia a decisão), uma vez que “cláusulas pétreas devem ser interpretadas de maneira estrita e parcimoniosa“, de forma que não ficava comprovado como que a PEC do Teto afetava os direitos sociais previstos na Constituição, apesar de inúmeros laudos, estudos e debates políticos sobre o assunto. O caso sequer foi levado ao plenário.

Como explicou em texto especial para o Justificando, o Advogado e Cientista Político Victor Pimenta afirmou que a decisão de Barroso em PEC 241 nos faz sentir saudades dos tempos em que ele era constitucionalista, ante a diferença abissal entre o “Barroso Professor de Direito Constitucional” e o “Barroso Ministro”.

Em novembro, senadores se basearam na própria consultoria jurídica do Senado que apontou uma série de inconstitucionalidades formais e materiais na discussão da agora PEC 55. Segundo os parlamentares, a PEC que tramita no Senado continha proposições que violam o voto direto, secreto, universal e periódico, ao passo que impõem medidas por cinco legislaturas que as impedem de fazer seu próprio orçamento, como dita a Constituição.

A forma federativa de Estado e a separação e autonomia dos poderes também foram levantadas pelos parlamentares, uma vez que a PEC “estrangula” a independência financeira do Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Defensoria Pública da União.

O ministro, no entanto, rebateu os argumentos, deixando claro desde já que é favorável à proposta. Para ele, os Poderes e órgãos não possuem um direito oponível à Constituição de ampliar sua atuação ilimitadamente. “Ao contrário, devem atuar a partir das previsões orçamentárias feitas de acordo com as normas constitucionais em vigor”, afirmou na decisão.

A última participação do ministro na legitimação da medida ocorreu nesta terça, Senadores ingressaram novamente com mandado de segurança alegando ainda o fato da aprovação da Emenda ter desrespeitado o processo de discussão interna por três sessões ordinárias. Na manhã de hoje, Barroso negou o pedido, fechando sua atuação com chave de ouro.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Jorge mendes

15 de dezembro de 2016 às 14h17

O Coronel Renan deve ter falado grosso e ele recuou

Responder

José Carlos

14 de dezembro de 2016 às 12h09

… realmente o PT, Dilma, Lula erraram feio, indicar um coisa dessa para ministro é uma vergonha, esse imbecil confunde iluminista com ILUMINURA … fico aqui pensando acho que foram buscar este traste na lata de lixo da história, esse cara é um lixo, lixo, lixo, cheio de “salamaleques” como os bons picaretas e estelionatário (171) …

Responder

Francisco de Assis

14 de dezembro de 2016 às 12h07

Luis Roberto Barroso é mais um “prostituto do 1%” a desfilar…

… na passarela da plutocracia – a mídia canalha -, como se não houvesse amanhã, mostrando serviço – pec fo fim do mundo, fim da clt, fim da previdência pública, prisão para lula em segunda instância e o diabo a quatro – para se habilitar a presidente indireto, eleito pela assembleia geral de bandidos no congresso, na hora próxima em que o chefe do Temerrato – o Governo dos Corruptos cair.

E ele não é o único na magistratura e no MP que topa qualquer negócio. São muit@s e a disputa é feroz. Mas esse aí (que já é um dos preferidos da Orcrim Globo para a tarefa), quando disse que o velhaco FHC “inaugurou o iluminismo” e que ele próprio é o iluminista continuador, perdeu todos os pudores e mostrou toda a sua desfaçatez.

Responder

maria

14 de dezembro de 2016 às 11h16

No dia da aprovação da PEC que limita gastos, o Senado avalizou, na noite , reajuste para defensores públicos federais. O texto passou sem discussões no plenário, que já estava vazio, por volta das 23h, em votação simbólica. um reajuste a partir de 1º de janeiro de 2017. Conforme o texto, o defensor-geral federal passará a ter um salário de R$ 33.763 e demais membros da Defensoria Pública da União terão seus subsídios fixados a partir desse valor, ” e escalonamento de 5% entre as categorias que compõem a carreira”. O substitutivo aprovado é do líder do governo no congresso Romero Jucá…revoltante

Responder

enganado

14 de dezembro de 2016 às 10h14

V A G A B U N D O !

Responder

Antonio Passos

14 de dezembro de 2016 às 09h45

Que o Brasil sempre foi um país com uma quantidade acima do normal de homens “pequenos”, isto lamentavelmente é fato. Não fosse assim e não seríamos há 5 séculos uma República de Bananas, recentemente inclusive deixamos de ser e voltamos por opção própria. Mas sempre me surpreende a tranquilidade como que esses “homens pequenos” jogam no esgoto idéias que defenderam, princípios civilizatórios, qualquer noção de humanidade e por fim seus próprios nomes. Tudo isto movidos por “forças” diversas, sobre as quais não se precisa nem falar pois todos já sabem.

Responder

    Calebe

    14 de dezembro de 2016 às 10h08

    Concordo plenamente e gostaria apenas acrescentar que a falta de humildade e a prepotência desses homens “pequenos”, característica muito presente em nossos magistrados e juristas, os impede que evoluímos mais rapidamente como povo, achavam que possuem todo o conhecimento sobre todos os assuntos, mas agem na sua pequenez apenas para manter os seus privilégios e o dos seus. Eu tinha uma boa expectativa a respeito do ministro Barroso mas me confesso totalmente frustado.

    Responder

Deixe um comentário