Debate entre presidenciáveis na RedeTV! 22 horas

Efeitos da Lava Jato: número de miseráveis cresceu mais de 1,5 milhão em 2017

Por Miguel do Rosário

12 de abril de 2018 : 14h36

A matéria do Valor aborda o “aumento de 11%” da pobreza extrema como quem descreve a queda na produção de soja.

Levantamento da LCA Consultores, a partir dos microdados da Pnad Contínua, divulgada ontem pelo IBGE, mostra que o número de pessoas em situação de extrema pobreza no país passou de 13,34 milhões em 2016 para 14,83 milhões no ano passado, o que significa aumento de 11,2%.

Para notícias como essa, não há chamadas especiais. Não há drones. Não há helicópteros. Não se parece em nada com o tratamento sensacional que se dá à prisão de Lula.

É o tipo de notícia abafada pelas sirenes de polícia que ecooam dia e noite no regime de exceção.

Os bens de Lula foram arrestados, mais uma vez, numa tentativa de asfixiar completamente o ex-presidente. Petistas são presos preventivamente em Uberlândia e Rio de Janeiro, no mesmo momento em que tucanos ganham (mais) blindagem na justiça.

No interior da Bahia, no município de Capim Grosso, um pré-candidato do PSOL é assassinado em casa, em mais uma prova do “avanço civilizatório” preconizado pelo ministro Luis Roberto Barroso.

Dias depois da prisão espetacular de Lula, principal líder da oposição, a Globo (o Valor é da Globo) noticia discretamente que o resultado da “recuperação econômica”, e da operação governamental para “salvar” o país (para usar a terminologia bíblica de Michel Temer) é um aumento dramático da população vivendo abaixo da linha da pobreza.

Sem imagens vivas, sem que isso seja exposto nas novelas das 6, das 7, das 8, sem trilha sonora, sem série na Netflix, sem filmes de ação, talvez seja difícil produzir algum tipo de comoção junto à classe média sobre o que significa um aumento de 11% da pobreza extrema num país como o Brasil, que já é um dos mais desiguais do mundo.

Em termos absolutos, houve um aumento de 1,5 milhão de pessoas na população vivendo em condições de pobreza extrema no Brasil. A Globo não quer saber de coisas um pouco mais prosaicas, como, por exemplo, o grau de insegurança alimentar a que essas famílias estão expostas.

Lembro-me de ler matérias no Washington Post, jornal da direita americana, com longas análises e entrevistas sobre como melhorar o grau de nutrição das famílias americanas que recebiam algum tipo de auxílio social do governo. Aqui no Brasil, a grande imprensa trata os pobres como se eles não pertencessem ao país. Como se vivessem na Somália, muito longe, sob outro governo, outro regime. Não nos interessa saber dos problemas vividos pelos habitantes da Somália.

Os únicos pobres com os quais alguns brasileiros parecem se preocupar, pelo jeito, são aqueles que vivem na Venezuela…

É curioso que a Globo dê uma notícia dessas sem falar com nenhum membro do governo federal, que deveria, naturalmente, ser consultado para que apresentasse algum tipo de solução para o que constitui, efetivamente, uma tragédia social de proporções bíblicas.

Fazer uma matéria desse tipo sem consultar ninguém do governo é como publicar uma reportagem sobre uma tragédia natural sem informar aos leitores que providências estão sendo tomadas pelas autoridades para resolver o problema.

Há algum plano de emergência para conter o aumento da miséria e da fome? Essa pergunta não parece preocupar os editores dos grandes jornais e revistas do país, que por sua vez também não se interessam em informar à população se o governo tem alguma coisa a dizer sobre esse terrível perigo que ronda milhões de famílias brasileiras.

Há algum perigo maior, além da morte, do que cair na pobreza extrema?

Se temos quase 15 milhões de pessoas vivendo em situação de pobreza extrema, isso significa que temos milhões de crianças desnutridas, expostas a violências de toda ordem.

Como se espera resolver o problema da segurança pública no país se estamos expondo milhões de crianças a uma vida horrível, de privações, violências, e desagregação familiar?

Outros números do IBGE, sobre mercado de trabalho, apontam para uma precarização acelerada do emprego. Milhões de pessoas perderam empregos formais e foram empurradas para a informalidade, para serviços domésticos, para o trabalho “por conta própria”, ganhando muito menos do que antes, e com muito menos direitos e segurança.

O fato é que o Brasil que está emergindo da Lava Jato e do golpe é um país infinitamente mais inseguro, mais pobre, mais instável, mais subdesenvolvido, além de governado por um punhado de políticos infinitamente mais corruptos do que aqueles que foram derrubados pelas conspirações jurídico-midiáticas da dupla Lava Jato e Globo.

***

No Valor

12/04/2018 às 05h00 27
Pobreza extrema aumenta 11% e atinge 14,8 milhões de pessoas

Por Bruno Villas Bôas | Do Rio

Apesar da queda da inflação e do início de recuperação da atividade econômica, a pobreza extrema continuou se alastrando pelo país em 2017. Levantamento da LCA Consultores, a partir dos microdados da Pnad Contínua, divulgada ontem pelo IBGE, mostra que o número de pessoas em situação de extrema pobreza no país passou de 13,34 milhões em 2016 para 14,83 milhões no ano passado, o que significa aumento de 11,2%.

O avanço da pobreza é considerado um dos grandes retrocessos da recessão econômica, após anos de avanços na área. Segundo Cosmo Donato, economista da LCA, a expectativa era que a retomada econômica fosse capaz de produzir números melhores no ano passado. Um dos fatores por trás da piora, acredita, foi o fechamento de postos com carteira assinada, que têm garantias trabalhistas e pisos salariais.

“No lugar desse emprego, o mercado de trabalho gerou ocupações informais, de baixa remuneração e ganho instável ao longo do tempo. A própria crise fiscal dos Estados afeta indiretamente, ao gerar menos empregos para essa parcela mais pobre da população, que geralmente é menos instruída. Estou falando de postos relacionadas a obras públicas, por exemplo”, disse o economista;

Com o resultado, o contingente de pessoas extremamente pobres representava 7,2% da população brasileira em 2017, acima dos 6,5% no ano anterior.

Para chegar aos números, a consultoria adotou a linha de corte do Banco Mundial para países de nível médio-alto de desenvolvimento, como os da América Latina, de US$ 1,90 de renda domiciliar per capita por dia (corrigido pela paridade de poder de compra). Isso equivale a R$ 133,72 mensais em 2016, segundo cálculos do IBGE. A consultoria atualizou essa linha pelo IPCA, para R$ 136 em 2017.

Todas as regiões exibiram indicadores piores de pobreza. O Nordeste concentrava 55% da população extremamente pobre. No ano passado, eram 8,1 milhões de pessoas na região com renda per capita abaixo de R$ 136, boa parte concentrada na Bahia e em Pernambuco. É um contingente 10,8% maior do que o registrado no ano anterior, ou 800 mil pessoas a mais.

A miséria também cresceu na região mais rica do país, o Sudeste. De acordo com o levantamento da LCA, a região tinha 3,27 milhões de pessoas extremamente pobres no ano passado, 13,8% a mais do que no ano anterior. Houve piora nas quatro unidades da federação que compõem o Sudeste, mas com maior intensidade no Rio e São Paulo, e menor intensidade em Minas Gerais e Espírito Santo.

Donato lembrou que a população mais pobre teve, ao menos, um aliado importante ao longo do ano passado, que foi o ciclo de deflação dos alimentos. Pelo IPCA, o índice que mede a inflação oficial brasileira, os alimentos ficaram 4,85% mais baratos no ano passado, frente ao ano anterior. Itens relevantes caíram de preço, como arroz (-10,9%), feijão-preto (-36,1%), macarrão (-2,91%) e mandioca (-17,30%).

“Os alimentos pesam 25% no orçamento das famílias com renda de 1 a 40 salários mínimos. Mas estamos aqui falando de famílias que vivem com bem menos do que isso. Os alimentos devem, em muitos casos, ser responsáveis pela maior parte dos gastos dessa população extremamente pobre, às vezes quase a totalidade da renda. Essa queda de preços foi, portanto, um evento importante”, disse Donato.

O cálculo da pobreza extrema considera todas as fontes de renda – trabalho, previdência ou pensão, programas sociais, aluguéis e outras fontes. No ano passado, essa renda recuou tanto para ricos quanto para pobres. Na base da pirâmide, contudo, as perdas foram mais intensas. A parcela dos 5% mais pobres da população brasileira teve um rendimento médio real de R$ 40 por mês em 2017, queda de 18% frente ao ano anterior (R$ 49). No caso da parcela 1% mais rica da população, esse rendimento encolheu menos, em 2,3%, de R$ 15.975 para um ganho médio mensal de R$ 15.504.

Segundo Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, o movimento pode ser explicado por um número menor da renda do trabalho. “A qualidade do emprego foi baixa em 2017, com a redução da taxa de desocupação por meio do trabalho informal”, disse Azeredo, durante divulgação de suplemento especial da Pnad Continua ontem, no IBGE.

A pesquisa mostrou um mercado de trabalho pior do que a pesquisa domiciliar mensal do IBGE vinha apontando. Pela Pnad Contínua mensal, 264 mil pessoas conseguiram ocupação em 2017 e o renda real habitual cresceu 2,4% na média do ano. Ontem, a pesquisa divulgada mostrou que a renda efetivamente recebido de todos os trabalhos recuou 1,36% e 310 mil pessoas a menos tiveram renda do trabalho.

“A diferença está na metodologia das pesquisas, no tamanho da amostra, no período de coleta das informações, no tipo de rendimento [habitual e efetivo], entre outros fatores, além da margem de confiança”, disse Azeredo, para quem a pesquisa mensal seria mais adequada para acompanhar o mercado de trabalho.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcos Pinto Basto

13 de abril de 2018 às 01h25

A bandalheira continua! Novas acusações à quadrilha instalada no Planalto, um congresso sem voz ativa, um judiciário comandado por juristas de meia tigela e Lula preso na república de Curitiba! Estouram escândalos e acusações por todo o lado!
Que fazer? Será que os líderes políticos honestos patriotas ainda não entenderam que se torna necessária a paralisação de todas as atividades do País para conter tantos desmandos? Sem confinar todos os participantes do golpe que afastou Dilma e agora conseguem a prisão de Lula, não encontraremos a solução de todos os problemas que afrontam o Brasil.

Responder

Ankara

12 de abril de 2018 às 20h41

Eu nunca pensei que um dia eu amaria tanto o Gilmar

Vídeo: como Gilmar detonou Moro, Pobretas,
o PiG e o MP

Postado no Conversa Afiada

Murrow fala com Deus e STF tem medo da Globo

https://youtu.be/uF4dMqdlMo8

Responder

marcio barreto santos

12 de abril de 2018 às 17h40

Colocação do grafico e comentario fora de contesto, cada situação tem que ser avaliada dentro do seu tempo gronologico, comparar banana com melancia. O PT recebeu o pais em um periodo de crescimento mundial em que paises importadores do Brasil cresciam com indices de dois digitos e a balança comercial batia records de superavit. O que dizer durante a crise? Qual foi a forma de administra do governo Dilma? Pedaladas fiscais, contabilidade criativa e outros.

Responder

    Miguel do Rosário

    12 de abril de 2018 às 18h29

    O PT recebeu um país sem reservas internacionais, com dívidas externas e internas estourando. Pagou a dívida externa, reduziu drasticamente dívida pública interna. Enfrentou, ao contrário do que você disse, uma das piores crises do capitalismo mundial, que foi a do subprimes em 2008, e fez um governo voltado para melhorar a distribuição de renda dos mais pobres. As nossas reservas internacionais cresceram e terminaram o governo dilma no maior nível da história do país. O desemprego caiu a níveis muito baixos. Houve grande geração de emprego formal. O Brasil galgou posições no ranking mundial, chegando a ficar entre 5 e 6 economias do mundo. Era respeitado lá fora. Hoje é essa vergonha golpista, em que o presidente não é recebido nem pelo diretor dos aeroportos.

    Responder

Valério

12 de abril de 2018 às 14h59

Fora de Pauta

SERÁ QUE O MINISTRO BARROSO É CABO ELEITORAL DO BOLSONARO?

Barroso entrega o jogo: o povo não pode preferir Lula

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, que recentemente retirou do ex-presidente Lula o direito constitucional de se defender em liberdade, negando-lhe o habeas corpus, declarou publicamente que a sua finalidade no judiciário é “corrigir” as escolhas populares; o ministro disse ipsis litteris: “já estamos conseguindo separar o joio do trigo; o problema é a quantidade de gente que ainda prefere o joio”; essa declaração veio na sequência das mobilizações populares contrárias à prisão ilegal de Lula, feita sob mandado de encomenda do juiz Moro

https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/350953/Barroso-entrega-o-jogo-o-povo-n%C3%A3o-pode-preferir-Lula.htm

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com