Haddad no Jornal da Globo

MPF quer proibir uso da palavra golpe em universidade federal do Ceará

Por Miguel do Rosário

12 de abril de 2018 : 21h21

Foto: Ascom MPF/CE

O golpe é tão golpe que censura o uso da palavra golpe.

“O MPF firmou entendimento de que com esse título a disciplina não pode ser ofertada”.

No site do MPF

FISCALIZAÇÃO DE ATOS ADMINISTRATIVOS 12 DE ABRIL DE 2018 ÀS 14H51

“Golpe de 16”: MPF ouve representantes da Universidade Federal do Ceará sobre título dado à disciplina

Instituições públicas não podem ser reduzidas a associações, sindicatos e entidades político-partidárias

O Ministério Público Federal (MPF) ouviu, nesta quinta-feira (12), representantes da Universidade Federal do Ceará (UFC) em procedimento que apura a legalidade no título “Tópicos Especiais IV – O golpe de 16 e o futuro da Democracia no Brasil” de disciplina ofertada pelo Departamento de História da instituição de ensino.

Para o MPF, o ato administrativo da UFC que aprovou a oferta da disciplina com tal título representa a imposição oficial de uma narrativa específica, comprometendo o pluralismo de ideias. “As instituições públicas não podem ser reduzidas a associações, a sindicatos e a entidades político-partidárias”, defende o procurador da República Oscar Costa Filho, titular do procedimento do caso. “A institucionalidade não exclui e, quando você faz uma escolha por uma narrativa específica, você está fazendo também uma exclusão da possibilidade de outras narrativas”, completa.

A oferta de disciplinas pelos cursos da universidade precisa ser aprovada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe), o que ocorreu com a disciplina sobre o “Golpe de 16”. Entretanto, na avaliação de Costa Filho, “esse ato administrativo não tem validade perante o Direito e torna passível ser decretada sua nulidade perante o Poder Judiciário”.

Os representantes da UFC apresentaram a ementa da disciplina, que faz parte da grade opcional, e defenderam que o conteúdo programático e o fato de vários professores de diferentes cursos ministrarem aulas da matéria garante a diversidade de leituras e abordagens. Vice-reitor da instituição, Custódio Almeida garantiu que a aprovação da oferta da disciplina seguiu os mesmos procedimentos e critérios já adotados pela universidade. Almeida defendeu que a pluralidade de conteúdo é assegurada também pela diversidade da grade curricular como um todo.

O chefe do Departamento de História, Francisco José Pinheiro, destacou a demanda de estudantes pela disciplina. De acordo com o professor, todas as 60 vagas ofertadas foram preenchidas e cerca de 80 estudantes ficaram na lista de espera para a matrícula.

Ao final da reunião, os representantes da universidade concordaram em analisar a proposta do MPF de modificar o nome da disciplina de forma a atender os interesses da coletividade e o pluralismo de ideias.

O MPF firmou entendimento de que com esse título a disciplina não pode ser ofertada, o que abre a possibilidade da questão ser levada ao Poder Judiciário.

Número do procedimento para consulta: 1.15.000.000843/2018-65

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

24 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Das Geraes

14 de abril de 2018 às 13h48

Como tem gente que gosta de aparecer! Esses brilhantes procuradores deveriam ajudar a cavar cisternas para o povo pobre do Ceará. Causa revolta só de pensar que um miserável cearense não recebe em um ano o valor do auxílio-moradia que esses folgados procuradores recebem em um mês.

Responder

Julio

13 de abril de 2018 às 23h14

Deixa eu dizer uma coisa,seus golpistas já está registrado na história, vocês vão ser conhecidos pelas gerações. Futuras,por ter contribuído com o golpe de 2016.
Isto e’ fato.

Responder

Acronimando

13 de abril de 2018 às 19h25

G.O.L.P.E.
Grande Organização Liberal Pela Elite
Ou coisa do tipo. ;)

Responder

    Estrela Guerreira

    13 de abril de 2018 às 21h38

    É Golpe! Vão querer eles colocarem palavras na boca dos professores? Isso é ditadura! #AbaixoÀLeiDaMordaça! #ForaTemer

    Responder

Hudson

13 de abril de 2018 às 17h33

Até o aspirante a economista do Bolso (o Adolphinho, lembram?) concorda com a autonomia das universidades em ofertar essa disciplina:

http://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino/artigos/o-que-eu-penso-sobre-unb-ofertar-disciplina-o-golpe-de-2016-e-o-futuro-da-democracia-no-brasil/

Responder

ANTONIO LUIS M BRAGA

13 de abril de 2018 às 15h30

E GOLPE SIM SEUS MERDAS E ESQUECERAM QUE A CARMINHA BRUXA DISSE : ” CALA BOCA JÁ MORREU ” !

Responder

Marcos JP

13 de abril de 2018 às 12h45

Tem razão o MPF. De acordo com este entendimento, também devem ser proibidos, por representar “a imposição oficial de uma narrativa específica, comprometendo o pluralismo de ideias”, títulos iguais ou semelhantes aos seguintes: “O holocausto nazista”; “A ditadura Vargas”; “A Constituição Cidadã e o combate a ela por setores reacionários da sociedade” (“Constituição Cidadã” é termo inadmissível em uma disciplina); “O MPF como guardião da Constituição”; “O MPF como órgão destruidor da Constituição”; “A destruição da liberdade de expressão e da liberdade acadêmica pelo MPF”; “O combate à corrupção pela Lava Jato” (muita gente discorda de que a operação tenha esse objetivo; mesmo muito ao longe – caso de boa parte da mídia internacional, mesmo a mainstream, que há muito tempo deixou de levar a mídia corporativa brasileira a sério); “A degradação do trabalhador pela escravidão”; “A ditadura de 1964”; “A revolução de 1964”; “O contragolpe de 1964”; “O período democrático pós-64″…

Para tornar o trabalho mais eficiente, é melhor proibir logo qualquer disciplina em qualquer universidade que possa ter qualquer mínima suspeita de estimular o pensamento crítico, pois não é para isso que serve a educação, a não ser na cabeça de pessoas totalmente sem noção, como Paulo Freire, que o mundo todo condena, como se sabe, pois não chega aos pés do teórico da educação Alexandre Frota…

Nesse sentido, o bravo MPF deve entrar com uma ação para que o MEC feche todos os cursos de História, Sociologia, Antropologia e, acima de tudo, Ciência Política. Há outros que precisam ser analisados com pente fino, como Economia… Assim, evita-se qualquer doutrinação aos alunos, deixando que eles sejam formados e informados pela Rede Globo, essa sim um órgão isento de verdade…

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

13 de abril de 2018 às 11h27

Tá bom, MPF. Doravante vamos mudar o nome para “ardil”, “trama” ou “manobra desleal”. E, se proibírem essas também, vamos usar outras. Mas que é golpe, é! Usem a nomenclatura que quiserem.

Responder

    Hudson

    13 de abril de 2018 às 17h05

    Em francês: coup!!!

    Responder

Mirko Kraguljac

13 de abril de 2018 às 08h55

Se universidade recua, eles vão usar precedente para atacar outros cursos sobre golpe no Brasil inteiro! A universidade precisa ajuda em defesa da autonomia…

Responder

claudio

13 de abril de 2018 às 08h12

Qual é?
Golpe dentro do GOLPE?
Isso vale Arnaldo????

Responder

Sergio Furtado Cabreira

13 de abril de 2018 às 06h26

SUGIRO ALGUNS TÍTULOS NOVOS, PARA SATISFAZER O REFERIDO CENSOR ACADÊMICO DO PARTIDO NAZI-JUSTICIALISTA DO BRASIL, DR. OSCAR COSTA FILHO:
1- A RUPTURA CONSTITUCIONAL DE 2016 ATRAVÉS DE MECANISMOS PARLAMENTARES!
2- A QUEBRA DA DEMOCRACIA ATRAVÉS DO CONCHAVO LEGISLATIVO-JUDICIAL!
ENFIM, DR OSCAR…. FOI GOLPE!
SRS. PROFESSORES…. NÃO MUDEM O TÍTULO DA DISCIPLINA… ISTO É INVASÃO DO PARTIDO NAZI–JUDICIAL NO ÂMBITO DA LIBERDADE DAS UNIVERSIDADES…. FICA PIOR A EMENDA DO QUE O SONETO…..KKKKK!

Responder

Reginaldo Gomes

12 de abril de 2018 às 23h18

Soberba
Mpf organiza e executa um golpe de estado em presidenta honesta e não quer sofrer nenhum tipo de consequência????????Tem o melindre de não querer ser chamado de golpista sendo pego em flagrante delito de golpismo qualificado????? A soberba é muito curiosa , é por ela que o golpe fisga a maioria dos aliados e é pela soberba arrogante que o golpe tem suas baixas.

Responder

Manoel

12 de abril de 2018 às 23h04

O mundo observa o que acontece no Brasil e não vai querer ser surpreendido
por um golpe de estado fascista como o que acontece por aqui.
Muito provavelmente as universidadas pelo mundo vão ofertar disciplinas sobre golpes de estados e os casos brasileiros e tantos outros vão estar no curriculum.

Responder

Valdinei

12 de abril de 2018 às 22h32

Isso é claro abuso de poder e de autoridade. Desvio de função.
Em qualquer pais sério esses procuradores já teriam sido exonerados. Com ressarcimento de todos os prejuízos causados , que não são poucos.

Responder

Jurandir

12 de abril de 2018 às 22h10

OK. Não concordo com o MP. Obviamente, o MP esta interferindo na autonomia técnico-cientifica de cátedra. Isto é errado. Entretanto, dentro das universidades federais impera uma politicagem asquerosa que faz com que leis e regulamentos sejam interpretados de acordo com os interesses mesquinhos de certos feudos de professores. As arbritariedades que são cometidas na “cara dura” deixariam até o juiz Mouro roborizado. A autonomia universitária e o interesse público são utilizados como desculpa para a aplicação de medidas absolutistas.
Antes que alguem fique me acusando de ser coxinha ou dizer que fiquei feliz com o impedimento da presidente Dilma, estou postando isso para que nos façamos uma auto-critica: Já passou do tempo que as IFES do MEC deveriam ter sido efetivamente democratizadas e os excessos fossem contidos. As barbaridades que reporto acontecem nas unidades de ensino do MEC há décadas.

Que moral os professores desta unidades tem de falar das arbitrariedades cometidas pelos golpistas, se cometem barbaridades equivalentes com seus próprios colegas de cátedra. Falo isso por experiência própria, pois sofro com isso por não ser um “corderinho” e ter uma postura independente.

Responder

    Luiz Carlos P. Oliveira

    13 de abril de 2018 às 11h31

    Resumindo a ópera: és um coxinha. Tipo “escola sem partido”, desde que a direita tenha voz e a esquerda não. Conhecemos essa enrolação.

    Responder

      Jurandir

      13 de abril de 2018 às 15h19

      Muito pelo contrário! Sempre votei e votarei no PT. Procure no google: assedio+moral+universidade+federal e vai entender o que estou falando. Os mesmos professores que bradam contra as arbitrariedades do MP, cometem as mesmíssimas barbaridades com desafetos em suas unidades.

      Sou professor de uma IFES e sou vítima de assedio moral por parte de colegas e chefia.

      Antes de ficar vomitando baboseiras, faça uma pequena auto-avaliação: Não é porque você é de “esquerda”, que você não tenha a mesma conduta dos trolls do MBL ou desta tal de “escola sem partido”. Não julgue e rotule os outros sem ter infomações suficientes.

      Responder

Murilo costa

12 de abril de 2018 às 21h40

Esse procurador com nome humorista não foi o mesmo que perseguia o Enem?

Responder

    Thiago Lima Barros

    13 de abril de 2018 às 16h21

    Exatamente, Murilo. É o próprio.

    Responder

Hudson

12 de abril de 2018 às 21h33

Que tal “O estancamento da ***** de 2016”? (Com supremo, mpf e tudo…)

Responder

    Rose

    13 de abril de 2018 às 09h17

    Essa parte de estancar a sangria pode dar um nó na cabeça de quem assiste o Netflix.
    Talvez um nome mais pomposo como “Grande Acordo Nacional com STF, com Tudo de 2016”.

    Que acha?

    Responder

      Hudson

      13 de abril de 2018 às 13h23

      Rose, *****, no caso, não é “sangria”, é aquela outra palavra, da frase “tem que resolver essa *****”.

      Responder

      Hudson

      13 de abril de 2018 às 20h29

      GRande Acordo NAcional, ou GRANA…

      Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com