Entrevista de Haddad ao SBT

Aécio se explica na Folha

Por Miguel do Rosário

16 de abril de 2018 : 09h06

A Lava Jato realmente tornou o Brasil mais “limpo”.

Pedro Barusco, Alberto Yousseff, Paulo Roberto Costa, todos os grandes corruptos da Petrobrás, que atuavam (sempre é bom lembrar) desde muito antes dos governos petistas, e contra os quais nunca faltou prova, estão soltos.

Michel Temer é o presidente da república, e governa descaradamente contra o povo: em 2017, ano em que o desemprego explodiu, 1,6 milhão de pessoas foram expulsas do programa bolsa família; universidades e institutos de educação deixaram de receber financiamentos; programas de pesquisa científica estão sem receber recursos; a Caixa reduziu drasticamente o financiamento de casa própria para famílias de baixa renda; o bndes praticamente interrompeu financiamentos para indústria e construção civil.

Lula, presidente respeitado no mundo inteiro, amado por milhões de brasileiros, cujo governo terminou com altos índices de aprovação, Lula, contra o qual não se achou uma mísera prova, e cuja acusação é de ter sido beneficiado com a reforma de um apartamento meia-bomba no Guarujá, está preso numa solitária em Curitiba.

Digo isso para comentar artigo de Aécio Neves, publicado na Folha de hoje.

Aécio continua senador. Livre, leve e solto. Seu partido, o PSDB, tem vários ministérios e governa o país mesmo tendo perdido as eleições em 2014.

Reproduzo o artigo, para registro histórico, e porque não quero repetir, jamais, o comportamento fascista da justiça e da mídia em relação a Lula.

Acho que o caso de Aécio deveria ser investigado com moderação e imparcialidade. Prender Aécio apenas para “equilibrar” a prisão de Lula não é justiça.

Para mim, que sou abolicionista, não quero ver ninguém preso. O que me satisfaria era apenas saber a verdade e, no caso de políticos, que fossem derrotados nas urnas – e que aceitassem a derrota.

É preciso que o Ministério Público e a Polícia Federal façam uma investigação séria sobre o senador, e apresentem uma denúncia consistente, apontando a relação entre a mala de R$ 500 mil, achada em posse de seu primo, e algum ato de ofício do senador.

Reitero: falo de investigação séria, não de presepada em rede social de procurador, dizendo que vai “orar e fazer jejum”.

Aécio não nega que os R$ 500 mil eram seus. Diz que era um “empréstimo” de Joesley Baptista.

A gente fica matutando, e se a PF achasse algo semelhante com o primo de algum petista… Como será que a justiça e a mídia vão explicar um tratamento tão desigual?

O Brasil precisa saber mais sobre as contas no exterior de Aécio Neves e família, sobre a mala de 500 mil reais, dentre outras acusações que pesam contra o tucano.

O que me surpreende, no entanto, é a postura profundamente antidemocrática, antirrepublicana, do PSDB, de FHC e do próprio Aécio Neves, que pedem um tratamento justo apenas para si. Ao não se posicionarem sobre os desmandos judiciais contra Lula, os tucanos provam que se moveram tanto para a direita que não são mais sequer liberais.

O PSDB um dia posou de social-democrata, e o nome do partido não deixa mentir. No fundo, os tucanos queriam apenas ser liberais, o que já seria uma grande contribuição ao espectro partidário nacional. Mas não chegaram lá: ficaram presos nesse frankestein ideológico chamado neoliberalismo. E agora nem sei mais o que são. Conservadores bananeiros talvez seja uma boa definição.

***

Aécio Neves: Sua excelência, o fato

Fui ingênuo, cometi erros e me penitencio por eles, mas não cometi nenhuma ilegalidade

16.abr.2018 às 2h00

A narrativa que se impõe como um tsunami no país tende a considerar, de antemão, todos os políticos culpados.

Fragmentos de imagens e manchetes repetidos à exaustão definem percepções. Vivemos o tempo da opinião muitas vezes desvinculada da informação.

Sou alvo de denúncia em função da delação da JBS. Aos que não conhecem o seu conteúdo, ofereço este esclarecimento. Ofereço mais, ofereço os fatos.

No início de 2017, precisei contratar advogados. Era uma despesa inesperada e eu não possuía recursos pessoais para enfrentá-la. Minha mãe colocou então à venda o apartamento em que reside há mais de 35 anos no Rio de Janeiro.

Minha irmã, Andrea, ofereceu o imóvel a alguns empresários, inclusive ao senhor Joesley Batista. Ela teve com ele, em toda a sua vida, um único encontro, a meu pedido, motivado por esse assunto familiar que nada teve a ver com política.

Mais tarde, de passagem pelo Rio, ela lhe telefonou, convidando-o para conhecer o imóvel. Ele preferiu não ir e pediu um encontro comigo.

Felizmente, esse telefonema, omitido pelo delator, foi recuperado pela Polícia Federal. Ele mostra, de forma inequívoca, o objetivo do contato feito: a venda do imóvel. Apesar da relevância, essa informação não foi mencionada na denúncia.

Recebi, de boa-fé, o delator no hotel em que estava e, numa conversa criminosamente gravada e induzida por ele, permiti-me usar um vocabulário inadequado e fazer brincadeiras injustificáveis e de enorme mau gosto, das quais me arrependo profundamente. Lamento, especialmente, o que esse episódio acarretou para outras pessoas.

Meu primo, Frederico, é uma pessoa absolutamente correta, íntegra e não tem nenhuma responsabilidade pelos fatos ocorridos. Limitou-se a me fazer um favor ao receber um empréstimo pessoal, a mim dirigido, que não tinha nenhuma vinculação com o cargo que ocupo. Reitero a ele e ao seu amigo Menderson, que o acompanhou, o meu pedido público de desculpas pelas consequências que eles e suas famílias vêm sofrendo.

Minha irmã, reconhecida até mesmo pelos meus adversários por sua seriedade e correção, foi injusta e covardemente exposta apenas por ter contatado o delator com a intenção de vender um imóvel.

Na gravação de que fui alvo, o delator atesta a origem lícita e particular dos recursos e deixa claro — também em depoimento— que partiu dele a decisão de que o empréstimo teria que ser feito em espécie, o que não é ilegal, uma vez constatada a licitude dos recursos.

Errei em aceitá-lo. Mas não cometi nenhum crime. Não houve nenhum prejuízo aos cofres públicos. Ninguém foi lesado.

Hoje, é fácil reconhecer que o objetivo dessa exigência era gerar as imagens para o seu extraordinário acordo de delação. Os recursos ficaram guardados, esperando serem formalizados, para que eu pudesse pagar honorários de advogados. Como isso não ocorreu, não foram usados e foram entregues à Justiça.

Mas vamos às acusações.

Sou acusado de corrupção passiva, crime que pressupõe que um agente público receba vantagem indevida em troca de contrapartida.

Não houve vantagem indevida, e a própria Procuradoria-Geral da República indicou que não houve nenhuma contrapartida no caso.

Na gravação, poucos se recordam de que rechacei prontamente a sugestão, feita por ele , para que apoiasse um nome para a presidência da Vale. A menção a diretorias da empresa se deu como forma de encerrar o assunto introduzido, premeditadamente, por ele. Prova de que essa questão nem sequer foi considerada é que absolutamente nenhuma iniciativa foi tomada nesse sentido.

Na minha vida pública, não existe um ato sequer em favor da JBS, o que foi confirmado pelos delatores.
Como falar em corrupção onde não existe dinheiro público ou contrapartida?

A segunda acusação, de tentativa de obstrução, é também desprovida de fundamento.

Basta dizer que o precedente citado em longas 15 páginas para justificar a denúncia contra mim foi arquivado pelo Supremo Tribunal Federal, a pedido da própria PGR. Ou seja, pelos critérios da própria instituição eu não deveria nem sequer estar sendo denunciado.

Acusam-me por votos que dei no Senado e por opiniões que externei em conversa particular, sem que tivessem nenhum desdobramento fático. Tenta-se, com isso, criminalizar opiniões e votos de congressistas cujas imunidades são garantidas pela Constituição. De forma seletiva, a denúncia ignora, por exemplo, que cheguei a apresentar emenda alterando o projeto original da Lei de Abuso de Autoridade, defendendo, justamente, o ponto de vista do Ministério Público Federal!

É, portanto, com o sentimento de grande impotência que vejo as versões devorarem os fatos.
O que me define são os meus 32 anos de vida pública honrada e não os poucos minutos de uma armadilha montada por criminosos.

Fui ingênuo, cometi erros e me penitencio diariamente por eles. Mas não cometi nenhuma ilegalidade.
Por isso, não esmoreço. Em nome da minha história, da minha família e de todos aqueles que confiaram a mim a esperança de uma Minas Gerais e de um Brasil melhor, sigo em frente, porque sei que a verdade vai prevalecer.

Apesar do tsunami.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ivaldo Muniz Carvalho

18 de abril de 2018 às 15h52

Será que o mora vai retirar agora de circulação as fotos dele com o aécio e cúpula do seu partido psdb depois da condenação do seu grande amigo aécio?

Responder

Ivaldo Muniz Carvalho

18 de abril de 2018 às 15h04

O Aécio, não tem que se explicar, afinal ele além de pertencer a casa grande é amigo pessoal do moro, haja vista fotos juntos em conversas em segredo!

Responder

Denilson

16 de abril de 2018 às 19h20

Bom, de injeino Aécio não tem nada, pois ainda pagamos muito caro para ele nos roubar, um verdadeiro fanfarrão.

Responder

Rinaldo Bistafa

16 de abril de 2018 às 16h14

Quem muito se justifica é porque tem muito que se justificar. Nossa política está afundada num mar de lama. Mas se engana quem pensa que tudo isso não é de interesse de ninguém. Eu tenho que destruir um sistema para ele se tornar banal, podre e pobre, sem nem uma credibilidade. Para eu poder comprar os votos, imagina se a política fosse seria? Quanto custaria um voto? Sta o velório

Responder

Ademilson leite nobre

16 de abril de 2018 às 13h18

Lula o mito

Responder

Ademilson leite nobre

16 de abril de 2018 às 13h16

Lula peso tem mais votos que todos os outros juntos,isso e bom para que o mundo faca análise,sobre o que está acontecendo com o melhor Presidente de todos os tempos.

Responder

Valmir

16 de abril de 2018 às 12h26

Ingênuo??? Tá bom. Senta lá Cláudia!!

Responder

Oscar

16 de abril de 2018 às 10h53

Todo tucano marginal se acha um homem honrado.
Se diz ingênuo mas continua a apoiar o golpe de estado que ajudou a dar.
FDP.

Responder

Jairzinho da comunidade

16 de abril de 2018 às 10h30

Podem censurar a verdade, mas comparar Lula com Aécio é burrice, pois o segundo ainda exerce o cargo e tem foro.
Lula deve ser comparado com Cunha, que estava em situacao identica, foi preso rapidamente na segunda instancia, sem showzinho do STF, sem ninguem questionando a constitucionalidade…. Lula comparado com Cunha teve muitas regalias e bondades da justica.

Responder

    Miguel do Rosário

    16 de abril de 2018 às 10h57

    Tem algumas diferenças bem sutis, tão sutis que você não deve ter percebido. Tipo o fato de Cunha ter milhões de dólares em contas na Suíça, comprovadas, com sua assinatura, enquanto Lula, bem, Lula foi acusado de ter ganho uma reforma num apartamento… E sem provas disso.

    Responder

      Rita Monteiro

      16 de abril de 2018 às 11h56

      E tu ainda perdes tempo com um jumento desses?

      Responder

      Batista

      16 de abril de 2018 às 13h27

      Pelo teor do seu artigo, vc defende um e ataca o outro. Não seria tudo farinha do mesmo saco?. Ou vc vai insistir no discurso de que ele não sabia de nada, não tem provas…….etc.

      Responder

        Miguel do Rosário

        16 de abril de 2018 às 14h02

        Batista, não seja injusto. Eu defendo justiça moderada e isenta para todos. E vou insistir sim, porque, de fato, não se encontrou provas contra Lula. Com Aécio, tem uma mala de 500 mil reais.

        Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com