Bolsonaro e Haddad na Redenews

‘Aqui é Bolsonaro!’ – os carrascos do fascismo

Por Bajonas Teixeira

11 de outubro de 2018 : 20h28

Por Bajonas Teixeira,

 

Ao espancar furiosamente um estudante da UFPR que portava um boné do MST, a horda fascista gritava: ‘Aqui é Bolsonaro!’  A linguagem de Bolsonaro e de seus seguidores é um ato de violência. É uma linguagem da violência destinada a estimular a pratica de atrocidades. Vagabundo, canalha, bandido, são termos chave para qualificar os adversários porque injetam ódio nas veias. O resultado dessa incitação permanente são as barbaridades que proliferam em intensidade crescente. Mas isso é só o começo. A guerra contra os adversários internos – todos qualificados com bandidos e canalhas – se propagará como guerra aos inimigos externos, se o fascismo chegar ao poder e conseguir se manter nele.

 

Bolsonaro diz que não pode controlar seus seguidores, seus milhões de eleitores. É verdade? Mesmo se fosse verdade, isso não faria dele, que é o maior promotor da violência,  menos responsável pelo que plantou. Ele é o responsável e ele deve ser responsabilizado por incitação ao crime. Uma variada gama de crimes –  estupro, assassinato, perseguição, lesões corporais, discriminação racial, etc. – tem encontrado acolhimento em sua linguagem.

 

Esses crimes já estão aí para todo mundo ver: o assassinato do mestre Moa, a suástica tatuada com canivete em uma jovem de 19 anos, o estudante espancado na UFPR por portar um boné do MST, e dezenas de outros. Isso nada mais é que um pequeno aperitivo. A onda avassaladora de atos de terror em massa é abertamente prometida para o dia seguinte à sua posse. O que ele diz que fará com os ‘bandidos’ é por demais óbvio.

 

E quem são esses bandidos? São aqueles pobres coitados, jovens da periferia que, acidentalmente, estiverem no caminho dos bondes de extermínio que terão carta branca para agir.

 

Serão as mulheres que apresentem qualquer sinal externo de ativismo, como a jovem brutalmente violada com a suástica tatuada com canivete em sua pele (o que envolve, entre outras coisas, a tortura). Serão os negros “cabeludos”. Os professores, os sindicalistas, os militantes e políticos de esquerda.

 

Uma campanha eleitoral democrática tem o dever de tornar público todo o teor destrutivo dessa violência.  Não pode ocultar ou diminuir essas atrocidades. Tem ao contrário que mostrar que formam um sistema. Ou seja, que são inseparáveis do fascismo onde quer que ele viceje.

 

É preciso denunciar com o máximo de energia para o eleitorado, inclusive para o eleitorado de Bolsonaro, que ignora as consequências reais da opção que fez, aonde essa linguagem nos levará.

 

Os atuais e futuros carrascos de Bolsonaro precisam ocultar suas intenções sob um certo véu de inconsciência. Precisam esconder de si mesmos o sentido e  o alcance malefício dos seus atos. É preciso negar isso a eles. Se querem ser carrascos, que sejam com inteira consciência dos seus atos. Não se deve permitir que sejam carrascos involuntários. Eles devem ter a máxima clareza. Devem ser carrascos voluntários.

 

É sobretudo importante o prognóstico e o vaticínio sobre o tamanho da tragédia que estão preparando. E lembra-los que, embora nem todos os líderes fascistas tenha terminado como Hitler e Mussolini, todos os regimes fascistas deixaram atrás de si montanhas de cadáveres e de escombros.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Lucas

12 de outubro de 2018 às 14h13

Cadeia para quem faz essas coisas. Simples assim. A esquerda tbm não é santa quanto a isso. Alias, extremas direita e esquerda são irmãs gêmeas.

Responder

PETER PENDRAGON

12 de outubro de 2018 às 03h15

O assassinato do capoeirista não foi por política, mas uma briga de bar as 2:30 da manhã motivada pelo consumo de alcool. A história da suastica ta muito mal contada, 3 homens pegam uma mulher na rua e desenham uma suastica na barriga com um canivete? Nenhuma testemunha? Ela não gritou, não se debateu? Isso parece ter sido feito por ela mesma em casa e com todo o cuidado.

Responder

    ERIVAN PEREIRA DOS SANTOS

    12 de outubro de 2018 às 13h33

    O pior cego é aquele que não quer enxergar! São todos espelhos do coiso ruim! Fascistas!! #elenão……..

    Responder

Altamiro

11 de outubro de 2018 às 21h21

Acho que o artigo tem toda a razão, Tem mesmo que colocar um holofote sobre as ações desses carrascos. Muitos eleitores querem a violência. Mas muitos não tem noção. Tem muita molecada, por exemplo, que vê a delinquência que o Bolsonaro impõe como zoação. Tem que mostrar que não é bem assim. É violência que termina em mortes. Até em milhões de mortes como ocorreu na Alemanha e na Itália, O fascismo não é algazarra de estudantes delinquentes não!

Responder

Rosa

11 de outubro de 2018 às 20h58

Eu estou com medo.
Vão deixar esse incitador de violência ser presidente mesmo?
Incitar a violência não é crime?
Esse bolso é assustador.
E os que seguem estão mal intencionados.

Responder

Alan Cepile

11 de outubro de 2018 às 20h34

Pra mim esse tipo de publicação só reforça o eleitorado do bozo, pois eles são assim mesmo, querem isso pra “restaurar a ordem perdida”, parece um pesadelo, mas é assim.

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com