Vila Militar do Chaves (Adnet satiriza Bolsonaro)

Camilo Santana disse que "tomou decisão difícil". (Foto: Adriano Paiva/Arquivo/Tribuna do Ceará)

A entrevista de Camilo Santana à Tribuna Bandnews

Por Redação

10 de janeiro de 2019 : 13h03

No site da Tribuna Bandnews

Camilo critica “omissão” do PT na segurança durante gestões no Governo Federal

Para o governador, a crise vivida no Ceará é um problema nacional, que não foi trabalhado da forma ideal por todas as últimas gestões do Governo Federal

Por Jéssica Welma, em Segurança Pública

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), em entrevista à Tribuna BandNews FM, nesta quarta-feira (9), reafirmou a decisão de enfrentar o crime organizado no Ceará e criticou a “omissão” do Governo Federal na segurança pública nas gestões passadas, incluindo as de seu próprio partido, que governou de 2003 a 2010, com Lula, e de 2011 a 2016, com Dilma Rousseff.

“O Brasil foi dominado por facções criminosas por omissão dos governos. Até o governo que foi presidido pelo meu partido foi omisso”, reconheceu o governador, apontando que o Ceará atravessa os reflexos de um problema nacional.

Questionado se o Governo está surpreso pela extensão da onda de terror que atinge o Ceará desde o dia 2 de janeiro, Camilo entende que os ataques são uma reação aos atos de sua gestão nos primeiros dias de 2019.

“É uma ação dura, é uma problemática em todos os estados brasileiros. Tomamos a decisão de enfrentar. É um momento difícil para garantir, a médio e longo prazo, um futuro melhor para o Estado”, afirmou o governador, que contou nos últimos dias com ajuda do governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Camilo reafirmou o diálogo com o Governo Federal e o apoio no envio de tropas, na garantia de vagas nos presídios federais e no contato com o ministro da Justiça, Sergio Moro. “É momento de união, independentemente de partido”.

O governador é enfático ao dizer que a crise na segurança é um problema nacional. “O que posso garantir à população é que não vamos abrir mão de endurecer e ser duro contra o crime. O Estado precisa mostrar que quem manda é o Estado, não tem recuo nesse sentido. Isso precisa ser feito no Brasil inteiro”.

Prisões

Camilo destacou que 215 pessoas já foram presas por participação nos ataques criminosos que assolam o Ceará há 8 dias. Também foram feitas 21 transferências de presos para presídios federais, ação que deve se estender a outros líderes de facções. O governador frisou que os ataques estão “em declínio”.

“O Ceará se preparou”, afirmou o petista, elencando aumento de agentes da segurança pública, investimentos em equipamentos e em tecnologia, em inteligência e reestruturação do comando do sistema penitenciário.

O governador se esquivou de avaliar a manutenção da divisão de presos por facções nos presídios. Teria sido declaração do novo secretário da Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque, de que acabaria com a separação, o estopim da onda de terror. Ainda assim, ele reafirmou que vai endurecer as ações e fez elogios ao secretário.

“Essa é uma decisão que tomei. Fiz uma reestruturação no governo, criei uma secretaria exclusivamente (para o sistema penitenciário), chamei o que há de melhor para comandar essa secretaria, que é o secretário Luís Mauro, que tem experiência, conhece o sistema, sabe o que fazer para colocar a ordem e a disciplina dentro dos presídios. Essa foi minha decisão e teve a consequência disso. Meu maior sofrimento aqui é saber as angústias que a população está sofrendo”, disse Camilo.

Confira a entrevista com Camilo Santana, nos últimos 13 minutos de transmissão:

AO VIVO – TRIBUNA BANDNEWS FM – 09/01/2019

TRIBUNA BANDNEWS PRIMEIRA EDIÇÃO – Acompanhe as principais notícias do dia com Nonato Albuquerque e Ariane Cajazeiras.

Posted by Tribuna Bandnews FM on Wednesday, January 9, 2019

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Juarez Pissinatti

10 de janeiro de 2019 às 19h16

Parece con o que aconteceu com a prefeita Luiza Fontenelle

Responder

    Juarez Pissinatti

    17 de janeiro de 2019 às 20h54

    Não lembro o que aconteceu

    Responder

Justiceiro

10 de janeiro de 2019 às 18h30

Ai,ai…

Camilo Santana só viu agora a omissão do PT contra o crime organizado.

Desculpe, Miguel mas Ciro pode não ter nada com isso pois não é o governador e muito menos foi presidente, mas ele vivia falando, na campanha, que o Ceará era uma Noruega encravada no nordeste brasileiro.

O coronel, vejam só!, acusou o MBL de facção criminosa mas não deu um pitaco sequer nas verdadeiras facções, como a tal família do norte.

Quando Ciro corre do debate sobre segurança pública, mostra que tem medo de enfrentar esse problema.

Responder

Josafa

10 de janeiro de 2019 às 14h46

A band explora a violência para ter audiência e ganhos financeiros..

Responder

Olinto

10 de janeiro de 2019 às 14h46

Cafezinho não perde uma para jogar água pro moinho de Ciro.

Responder

    Miguel do Rosário

    10 de janeiro de 2019 às 15h33

    Que paranoia, hein? O nome Ciro aparece na entrevista? E o governador é do PT. Caso você não saiba, o Ceará está vivendo uma terrível crise de segurança. Essa é a razão pela qual eu trouxe sua entrevista para aqui.

    Responder

    Alan Cepile

    11 de janeiro de 2019 às 08h56

    Cara, tô aqui pensando e me desdobrando pra achar onde Ciro ou o PDT entram nessa história.

    Responder

      Marcus Padilha

      11 de janeiro de 2019 às 11h05

      Pelo que Ciro falava nos debates presidências o Ceará parecia uma Suíça brasileira, só faltava a neve!

      Responder

Deixe uma resposta