Hangout com Miguel do Rosário: Bolsonaro nos EUA

Brasil deve produzir 237,3 milhões de toneladas de grãos este ano

Por Redação

10 de janeiro de 2019 : 13h14

No site do Ministério da Agricultura

Safra 2018/2019
Conab estima produção de grãos em 237,3 milhões de toneladas

O algodão é destaque com crescimento superior a 25,3% na área e 20,3% na produção

Publicado: 10/01/2019 11h54
Última modificação: 10/01/2019 11h54

O 4º levantamento da safra de grãos realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mostra que a estimativa da produção de grãos para a safra 2018/19 é de 237,3 milhões de toneladas. Se comparado com a safra passada, o crescimento deverá ser de 9,5 milhões de t, o que representa aumento de 4,2% no volume. Já a área plantada está prevista em 62,5 milhões de hectares, com aumento de 1,2%.

O plantio de soja tem projeção de crescimento de 1,7% na área e redução de 0,4% na produção, equivalente a 118,8 milhões de toneladas. O milho de primeira safra, que teve aumento de 0,4% na área cultivada deve resultar em produção de 27,5 milhões de t. Com este desempenho, a expectativa é de alta de 12,9% sobre 2017/18, registrando produção de 91,2 milhões de toneladas, somadas as duas safras do grão.

Em relação à soja, o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Eduardo Sampaio, observou que a cultura foi parcialmente prejudicada por condições climáticas, “um veranico”, mas destacou que, mesmo assim, a safra deverá ser a segunda maior da história. O recorde foi alcançado na safra 2016/2017 com produção de 238,8 milhões de t.

O algodão também é destaque na produção brasileira, com uma concentração do plantio em janeiro e crescimento superior a 25,3% na área e 20,3% na produção. Outro bom resultado é o da primeira safra de amendoim, que pode chegar a 551,7 mil t, com alta de 10% em relação à safra passada.

O arroz deve ter colheita 7,1% menor do que na safra passada, ficando em 11,2 milhões de t. E o feijão de primeira safra também apresenta queda, de 7,7% na área em relação à safra passada e na produção, estimada em 1,1 milhão de t.

Safra de inverno – Com o fim da safra das culturas de inverno (aveia, canola, centeio, cevada, trigo e triticale), a Conab identificou resultados melhores do que na safra passada, mesmo com as adversidades climáticas nas principais regiões produtoras. A produção de trigo ficou 27,3% superior à safra anterior, chegando a 5,4 milhões de toneladas.

Confira o estudo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Pedro Cândido Aguarrara

11 de janeiro de 2019 às 15h15

Produzir é uma coisa, vender é outra muito diferente. China anunciou redução da meta de crescimento para 6,5% para 2019. Ou seja, vai importar muito menos do agronegócio brasileiro. E com um ambiente externo nada amigável com governos que propala bravatas ideológicas inúteis a recessão na economia brasileira para 2019 já está garantida. E isso significa queda na arrecadação, ampliação do déficit público, aumento do desemprego e e PIB negativo para 2019. Fantástico!!

asdfg

Responder

Pedro Cândido Aguarrara

11 de janeiro de 2019 às 15h14

Produzir é uma coisa, vender é outra muito diferente. China anunciou redução da meta de crescimento para 6,5% para 2019. Ou seja, vai importar muito menos do agronegócio brasileiro. E com um ambiente externo nada amigável com governos que propala bravatas ideológicas inúteis a recessão na economia brasileira para 2019 já está garantida. E isso significa queda na arrecadação, ampliação do déficit público, aumento do desemprego e e PIB negativo para 2019. Fantástico!!

Com a saída da Dilma e do PT, há dois anos e meio tudo iria melhorar….

Responder

Pedro Cândido Aguarrara

11 de janeiro de 2019 às 15h11

Produzir é uma coisa, vender é outra muito diferente. China anunciou redução da meta de crescimento para 6,5% para 2019. Ou seja, vai importar muito menos do agronegócio brasileiro. E com um ambiente externo nada amigável com governos que propala bravatas ideológicas inúteis a recessão na economia brasileira para 2019 já está garantida. E isso significa queda na arrecadação, ampliação do déficit público, aumento do desemprego e e PIB negativo para 2019. Fantástico!!

Responder

Paulo

10 de janeiro de 2019 às 18h27

O Brasil é uma potência agrícola, sem dúvida. Só espero que isso não sirva de pretexto para relaxar na fiscalização do IBAMA, trabalho escravo e garantias à população indígena…

Responder

Albert

10 de janeiro de 2019 às 17h58

Brasil produz um monte de grãos e um montão de IDIOTAS.

Responder

Alan Cepile

10 de janeiro de 2019 às 14h41

BraZil bem alinhado com os interesses americanos, devidamente auxiliados pelo “governo” que saiu e pelo que começou.

Responder

Deixe uma resposta